Pratinho de Couratos

A espantosa vida quotidiana no Portugal moderno!

segunda-feira, junho 16, 2008

Ficar gagá

O mercado dos combustíveis português, um “mercado aberto, mercado competitivo, mercado eficiente”, causa inveja nas economias liberais. E, segundo os peritos regionais, também na geometria euclidiana. Um relatório da Autoridade da Concorrência, sobre os sucessivos aumentos da gasosa, nos postos de abastecimento, afastou a cartelização, mas confirmou “paralelismos” de preços. Todos os inquéritos realizados na Lusitânia são aparentados com os ovos Kinder. São uma autêntica surpresa. Este não destoou. (Por cá isto é uma “Fiesta”).

[dos The Pogues. Foram os iniciadores do celtic punk, outro subgénero da folk music. Eles em “Streams of Whiskey” * “A Pair of Brown Eyes” * “Dirty Old Town” (1985) * ao vivo em 1985 * “Body of an American” (1986). Devido a problemas de excesso de álcool, Shane MacGowan, fundador e vocalista da banda, saiu em 1991 e os The Pogues tocaram com Joe Strummer, dos The Clash – “London Calling”. (The Clash, representam a ala política do movimento punk inicial, em 1976 – “London Calling” * “English Civil War” * “Spanish Bombs” (1979) * “Guns of Brixton” (1980) * “I Fought the Law”. Strummer, declarava-se anarquista, antes dos Clash pertenceu aos 101er's – “Keys to your Heart”. Depois participou nos Joe Strummer and the Mescaleros – “Redemption Song” * “Coma Girl” * “Straight to Hell” * “Rock the Casbah”. Morreu em 2002). Os The Pogues ainda continuaram até 1996 com Spider Stacy na vocalização – “Tuesday Morning”. Shane MacGowan prosseguiu a carreira entre copos. Ele no festival de Jazz de Montreux em 1995 – “Boys from the County Hell” * “Irish Rover”. Tocou com os The Popes e Johnny Depp – “That Woman got me Drinking”. Com Sinead O'Connor – “Haunted” (1995). E Nick Cave – “What a Wonderful World”. Num pub com a mãe, Therese MacGowan, pelo meio. Em 2008, com os Babyshambles – “Dirty Old Town”. (Os Babyshambles, de Pete Doherty, famoso pelo consumo de drogas duras e um fugaz namoro com Kate Moss – “Fuck Forever” * “You Talk” * “I Love You but You're Green”). Em 1977, MacGowan fundara o grupo punk The Nipple Erectors – ao vivo no 100 Club].

Experts, cursados no estrangeiro, tricotaram uma imprevisível conclusão: as empresas não combinam preços e se o fizessem seria impossível provar. Elas praticam margens de comercialização tão minguadas, que os seus lucros sky high, somente são explicados pela intervenção manifesta de Fátima, a Virgem. Arremata o relatório que, as insignificantes diferenças de cêntimos nos preços, no plano bidimensional da lusa Economia, só se encontrarão no infinito, e como o infinito nunca foi encontrado pelos geómetras, quod erat demonstrandum há saudável concorrência. Ganham as empresas em competência e poupam os consumidores para gastar noutros produtos. (Mercadoria da boa, não “Suspect Device” – 1978).

[dos Stiff Little Fingers, banda punk de Belfast. “Alternative Ulster” (1979) * “Nobody’s Hero” * “Gotta Getaway” * “Back to Front” (1980) * “Barbed Wire Love” * “Johnny Was” * “Harp” (termo depreciativo aplicado aos irlandeses nos Estados Unidos) * “Listen” * “Nobody’s Hero” ao vivo em 2004 * “Wasted Life” * “Fly the Flag” (2008)].

Lisa, a mulher perfeita, é entregue ao domicílio em 48 horas. Eis uma das comodidades acessíveis ao consumidor português enriquecido pela poupança da “concorrência saudável”. Uma mulher para casar nas “Noivas de S. António” e nunca divorciar. Com a paz dentro de portas as pessoas sonham com ruas seguras. E desatam a pedir polícia para trupar os desordeiros. Sejam grevistas ou simples intrujões da vermelhinha. Exigem o Albuquerque, o polícia perfeito. Por enquanto, o país é dirigido por um Primeiro-Ministro, com um estilo de governação enérgico. Justifica ele os seus actos, pelos “muitos combates” que teve de travar, em pouco tempo, pois Portugal estava “adiado, parado, atrasado”. Do lado da oposição, escolheram uma idosa senhora, Manuela Ferreira Leite, com desusados desejos: “eu gostaria muito que o engenheiro Sócrates passasse a dormir um bocadinho menos bem a partir do dia 31 de Maio”. Valha-nos S. Albino, protector dos aflitos com problemas renais, por ser uma declaração política e não conjugal! Ambos, Governo e oposição, concordarão na premência do polícia do futuro. (Que esborrace futuros “Teenage Kicks”).

[dos The Undertones. Grupo punk de Derry na Irlanda do Norte. “Here Comes the Summer” * “Jimmy Jimmy” (1979) * “My Perfect Cousin” (1980) * “It's Gonna Happen”. Separam-se em 1983. Reuniram-se de novo em 2003 com Paul McLoone como vocalista – “You've Got My Number” * “She’s a Runaround” (2006) * “Dig Yourself Deep” / “Him Not Me” / “Teenage Kicks” (2007). Feargal Sharkey, o antigo vocalista, teve uma carreira a solo – “You Little Thief” (1986) * “A Good Heart” * “Never Never” * “Ghost Train”. Os guitarristas John e Damian O'Neill formaram os That Petrol Emotion – “Keen” * "Swamp" (1980) * “It's a Good Thing” * “Under the Sky” (1987) * “Candy Loves Satellite” * “Abandon”].

Não que a nossa Polícia actual seja má. Antes pelo contrário. Em Quarteira dedicam horas à acção policial. No Iraque, a GNR, protegida pela imagem da santinha de Fátima, disseminou o terror entre os insurgents and criminals. Rui Pereira, ministro da Administração Interna, põe a mão no fogo por eles. Garante que os abusos de poder por parte das forças de segurança são a excepção e não a regra. O ministro faz um esforço “tecnológico” para integrá-las no mundo dos telemóveis com câmara de TV integrada. Mais vale boas directivas agora, que vídeos de espancamentos no YouTube, depois. Mas a GNR alcançou outra inusitada competência: ser aia de grupos de “rock português” envelhecidos. O Grupo Novo Rock, no começo dos anos 80, causou mal-estar entre os elementos da força de segurança militarizada, por ter escolhido a sigla GNR. Em 2008, os GNR realizam um concerto de desarrufo, no Pavilhão Atlântico, acompanhados pela Banda Sinfónica da GNR. Uma banda a sério, com maestro, harpista e tudo. Viva o som da arte e do dinheiro a cair na caixa registadora. Viva. Tlim! (Os “Faithful Departed”).

[dos The Radiators from Space, banda punk de Dublin. “Television Screen” (2004) * ao vivo em 2006].

[Virgin Prunes, abrasivo grupo de punk gótico, chamado um acto de sodomia em palco, foi formado por Gavin Friday e Guggi, membros do gang Lypton Village, criado por Bono no início da década de 70. Friday e Guggi foram os primeiros a chamar Paul Hewson: “Bono Vox da Rua O’Connell”. Eles em “Theme for Thought” * “Decline and Fall” * “Sweet Home under White Clouds” * “Come to Daddy” * “Pagan Lovesong” * “Walls of Jericho”].

Quando os anos passam, as pessoas ficam mais ajuizadas. No início da década de 70, os Deep Purple eram puro barulho para os ouvidos da geração mais antiga. Muitos críticos musicais vilipendiaram-nos pelas citações de música clássica. A frase que mais liam na sua correspondência era: “quem é que os Deep Purple pensam que são?”. Em homenagem intitularam o álbum de 1973: “Who Do We Thing We Are?”. Mas para os mais novos “Child in Time” era som celestial. No ano de 72, os Purple realizaram uma tournée pelo Japão, da qual resultou um marco nos discos ao vivo, chamado “Made in Japan”. E influenciaram a juventude local, como Keisuke Kuwata, que ainda toca “Highway Star”. O grupo inglês encaneceu e, em 2002, tocavam na Rússia “Child in Time”, sem a pujança de então. A genica ter ido para o galheiro, exige redobrado esforço, para ganhar our daily lobster. No mês de Fevereiro de 2008, a banda foi contratada para tocar numa festa privada no Kremlin, comemorativa dos 15 anos da Gazprom. Dmitri Medvédev, presidente da companhia na altura, e actual Presidente da Rússia, gostava deles desde os tempos de escola. Nos anos 70, tocar para as elites do poder, era impensável, seria considerado uma traição e os Deep Purple não venderiam mais discos. Hoje é um acto normal de abraçar a caixa registadora. Tlim! Tlim! (“If I Should Fall from Grace with God”).

[dos The Young Dubliners. Fazem parte da nova geração de folk irlandês, tocado nos Estados Unidos. Grupo formado em 1988 na Califórnia. Eles em “Foggy Dew” * “With All Due Respect” * “What Do You Want from Me”].

[Jackdaw, grupo integrado no celtic punk, formado em 2000, na cidade de Buffalo, estado de Nova Iorque. Em “Proofrock” * “Shiny Black with Rain”].

[Flogging Molly, banda fundada em Los Angeles no ano de 1997. Eles em “Drunken Lullabies” * “What's Left of the Flag” * “Laura” * “Seven Deadly Sins”].

[The Tossers, grupo de celtic punk fundado em Chicago, no início dos anos 90. Eles em “No Loot, No Booze, No Fun” * “Good Morning Da” (2006) * “The Pub” (2007) * “Siobhan” * “Tell Me Ma”].

[Flatfoot 56, formado em 2000, é um grupo de punk cristão de Chicago. Eles em “Warriors” * "Amazing Grace” * “Loaded Gun” * “Hold Fast” (2006)].

Portugal não tem problemas de envelhecimento. A “catraia eterna” acostou nas praias lusas, alongando a idade das Menuco e Agathita, até aos 65 anos, mas na plena posse das suas faculdades mentais. Situação diferente nos outros países. A American Psychological Association publicou um estudo provando, que a ansiedade originada pela aparência física, prejudica o funcionamento do cérebro. A experiência consistiu na selecção de dois grupos de raparigas novas, supostamente, para darem a sua opinião sobre roupa. Um deles experimentou fatos de banho, o outro, camisolas. Enquanto esperavam, para darem o seu parecer sobre as roupas, foi-lhes apresentado um teste de matemática. Aquelas que experimentaram os fatos de banho obtiveram piores resultados. Daí os cientistas concluíram que, pensar na imagem mental do seu corpo, que nas jovens é geralmente negativa, interfere na autoconfiança intelectual. (“Don't Burn the Witch Burn the Rich”).

[dos Oi Polloi, banda anarco-punk de Edimburgo, formada em 1981. Eles em “Bash The Fash” * “Americans Out” * “George Bush Fuck You!” * “Let the Boots do the Talking”].

[Mill a h-Uile Rud, é um grupo baseado em Seattle, formado em 2003, que canta em escocês gaélico. Eles em “Steòrnabhagh” * “De Mu a Dheidhinn”].

[Blood or Whiskey, da República da Irlanda, formados em 1993. Eles em “They Say No” * “Rudi” * “Doors of Hope” * “Poxy Pub” (2007)].

[Street Dogs, da cidade de Bóston, fundados em 2002, por Mike McColgan, que abandonara os Dropkick Murphys, em 1998, para realizar o seu sonho de ser bombeiro no Boston Fire Department. Eles em “Savin Hill” * “You Alone” * “Common People” * “Fading American Dream” * “Not Without a Purpose” (2007)].

[New Model Army, nome retirado do exército de Oliver Cromwell, é uma banda inglesa politizada dos anos 80. Eles em “51st State” * “White Coats” (1988) * “Green & Grey” (1989) * “Vagabonds” com Ed Alleyne-Johnson (1990) * “Here Comes the War” (1996) * “The Hunt” (2006)].

E Portugal não tem problemas de envelhecimento graças ao futebol. A portentosa selecção da Turquia entrou em campo com o Cristiano Ronaldo turco, o Deco turco, o Pepe turco… Portugal apresentou-se com os seus valores e humilhou o turco às portas de Genebra. A portentosa selecção da República Checa apareceu no relvado com o Cristiano Ronaldo checo, o Deco checo, o Pepe checo… Portugal apresentou-se com os seus valores e defenestrou Praga. A portentosa selecção da Suiça compareceu no rectângulo de jogo com o Cristiano Ronaldo suíço, o Deco suíço, o Pepe suiço… Portugal apresentou-se com os seus valores e quase parou-lhes o relógio. Esta máquina de bola, oleada pelo Mister Scolari, entusiasmou as velhotas modernas, aquelas que enrugam no corpo mas mantêm juvenil cabelo, retirando-lhes idade cronológica. Maria João Avilez, idosa em lustros e décadas, com o cabelo da rapariga Herbal Essences, em forma de cabeção, empolgou-se perante as retumbantes vitórias da Selecção, assinalando como o futebol está a “galvanizar” o país, que esta energia seja bandeira para enfrentar os “outros desafios”. (“I'm Shipping up to Boston”).

[dos Dropkick Murphys, banda de Quincy, Massachusetts, formada em 1996. Eles em “The Wild Rover” * “The Spicy McHaggis Jig” * “Walk Away” * “The Gauntlet” * Shane MacGowan esteve no estúdio com os Dropkick Murphys. Eles também tocaram com Ronnie Drew – “Flannigan's Ball”. (Ronnie Drew é uma figura mítica do folk irlandês – ele no ano de 1960 em “The Old Alarm Clock”; pertenceu aos The Dubliners – em “In The Rare Old Times”; Bono chamou-lhe “o rei da Irlanda” – em “Ballad of Ronnie Drew”].

[This Bike Is A Pipe Bomb, banda de folk punk, de Pensacola, Florida. Autocolantes com o seu nome, colados em bicicletas, têm confundido a polícia americana ciente da guerra contra o terrorismo. Em 2006, na Universidade de Ohio, explodiram uma bicicleta tomando à letra o autocolante. Eles em “Murder Bike” * “Body Count” * vivo em 2007].

O maior sinal de “juvenil” abnegação foi dado pela mãe de Cristiano Ronaldo. Dona Dolores promete jaezar o seu corpo com uma tatuagem: o nº 7 da camisola do filho. Pelo seu porte avantajado, deduz-se que tatuará numa ilharga e, graças a São Dimas, padroeiro dos condenados ao futebol, que o pimpolho não tem na camisola o número Pi. Mas não se pense que aquelas de menos idade cronológica não participam na euforia do catechu. As jovens modernas, virgens só no cesto, contribuem com as habilitações obtidas nas aulas de educação sexual. Por exemplo, Nereida Gallardo, espanhola de Maiorca impregnada de iberismo solidário, sacrifica, dia após dia, a sua virgindade ao repouso do guerreiro, para que Cristiano alcance campanuda vitória, gradinando o prestígio nacional. E permita Durão Barroso realizar o seu sonho, de se apresentar aos outros líderes, como “José Manuel, Presidente da Comissão europeia e campeão da Europa”. (“Gold Rush”).

[dos The Men They Couldn't Hang, grupo de folk punk de Londres, formado na década de 80. Eles em “Rain, Steam and Speed” * “The Colours” * “Scarlet Ribbons” * “The Crest” * “The Shooting” * “I Fought the Law” (1987)].

[Oysterband, banda formada em Canterbury, por volta de 1976. Eles em “I'll Meet You There” * “When I'm up I Can't Get Down” / “Granite Years” * “Fiddle or a Gun” * “New York Girls” * “Everywhere I Go” (2003) * “Molly Bond” * “Over the Water” (2007)].

Do lado dos compadres o espírito é o mesmo. Bola pra frente! Jorge Sampaio, o baralhado ex-Presidente da República, esteve na Suiça para apoiar a Selecção. Deu autógrafos aos emigrantes e enalteceu o “reforço de identidade” que os jogadores, dirigidos pelo Mister, abicam para os portugueses espalhado pelo mundo. Por mero acaso, nestas semanas, o 1º lugar no Top nacional foi “Winx Club”, banda sonora de uma série de animação italiana, grande sucesso do canal Panda, aconselhada para a pequenada entre os 6 e 14 anos. O facto deste ter sido o disco mais vendido, segundo a Associação Fonográfica Portuguesa, no país dos 120 anos do Fernando Pessoa, não quer dizer que a idade mental no território desceu. Ela está bem alta, como se assistiu na partida dos jogadores, acompanhados pelo Mister. Helicópteros e motas, com câmaras de TV, dos três canais generalistas, seguiram o autocarro dos heróis, desde a saída do Palácio de Belém, depois do encontro com o Presidente da República, até ao aeroporto, onde esperava o avião “Esperança”, que os levaria a Genebra. O objectivo desta transmissão em directo era que o telespectador não perdesse um traque dos seus craques. (“Milkman of Human Kindness”).

[de Billy Bragg, bardo de cantigas de protesto onde mistura o folk e o punk. Ele em “Levi Stubbs’ Tears” * “Lovers Town Revisited” * “A New England” (1991) * “All About the Price of Oil” (2002) * “The Lonesome Death of Rachel Corrie” (sobre a activista americana esmagada pelos buldózeres israelitas em 2003) * “All You Fascists Are Bound to Loose” (2005) * “Waiting For The Great Leap Forward” em 2007 no programa de Henry Rollins (vocalista da Rollins Band). “I Keep Faith” (2008) * "O Freedom". Com Kate Nash – “Foundation” / “New England” (2008). (Kate Nash – “Mouthwash” * “Pumpkin Soup” * “Fluorescent Adolescent” dos Arctic Monkeys)].

O admirável profissionalismo dos jornalistas tem fornecido longas horas de imprescindível informação. Comentários de elevadíssimo nível intelectual. Entrevistas de rua a um povo culto: “o Figo vai marcar dois!”; “vamos comê-los a todos!”. Reportagens de “mata-mata”, como diz o Mister. Se não as víssemos, morreríamos!! Portugal tem uma oportunidade histórica de evoluir, dentro da mesma lógica que presidiu a cunhagem da marca Allgarve, que “visa o turismo de qualidade”, segundo Manuel Pinho, ministro da Economia. O nome do país pode ser mudado para Portugoal. Um nome mais fácil de pronunciar, que seria estendido consoante as nossas vitórias na política, na ciência, na tecnologia, nas rolhas de cortiça, gritariam os comentaristas estrangeiros: Portugooooooal! Por isso, não se compreende como permitiram a contratação do Mister pelo Chelsea, transmitindo a ideia errada de que Roman Abramovich é mais rico que Portugal. O próprio Scolari confirmou que sai por “por razões financeiras”, por 6,3 milhões de euros/ano. Portugal tinha a obrigação moral de criar um imposto para lhe pagar o triplo. Foi-se o Mister. Foi-se-nos a raça. (“Cheshire Waltz”).

[do duo Spiers & Boden, juntaram-se em 1999 e integraram a banda de Eliza Carthy. Eles em “Innocent When You Dream” (de Tom Waits) * “Sloe Gin Set” (2003) * “Old Maui” (2008). Também são fundadores da banda Bellowhead – “Rig of the Times” * “Jordan” (2006)].

[Rachel Unthank and the Winterset, quarteto folk inglês, no Festival da Primavera de Shepley em 2007 – Parte1 * Parte2 * Parte3 * ao vivo em Londres].

segunda-feira, junho 02, 2008

Ecoponto e vírgula

A causa principal do desequilíbrio ecológico é o excesso de população. Para que o mundo não finasse num grande hotel japonês, onde os clientes dormem em gavetas, muitas ideias surgiram para solucionar o problema. Sir Macfarlane Burnet, microbiologista australiano, prémio Nobel da Medicina em 1960, no ano de 1947, elaborou um relatório secreto para o Governo do seu país, com a seguinte proposta: “relativamente ao caso específico australiano, a contra-ofensiva mais eficaz, para a ameaça de invasão por países asiáticos sobrepovoados, seria optar-se pela destruição, por meios biológicos ou químicos, das colheitas e a disseminação de doenças infecciosas, capazes de se desenvolveram em condições tropicais, mas não australianas”. O cauto cientista aconselhava um aproveitamento das particulares condições climatéricas australianas, para limpar o sebo aos vizinhos subdesenvolvidos, sem incomodar os netos dos ex-condenados do Império Britânico. ("I'll Be Waiting").

[dos Horslips. Incluem-se numa subdivisão do folk rock – o celtic rock, expressão aplicada pela primeira vez na classificação da sua música, que recorre a instrumentos e temas celtas. Antes da entrada de John Fean, eles publicitavam o refrigerante Mirinda. Tocaram “King of the Fairies” no telhado da sede do Banco da Irlanda. Em “Faster Than The Hound” (1974); “Mad Pat” (1975); “Dearg Doom”; “Furniture”; “Ghosts”; “Shakin' All Over”. Em 1979 passaram pela moda new wave. Na década de 80 adaptaram o som ao mercado americano, em “The Man Who Built America” e numa versão mais calma. E “Trouble with a Capital T”].

Adolf Hitler habita no imaginário popular como o maior criminoso do século XX. O chanceler alemão afamou com uma visão sui generis do equilíbrio ecológico. Quando um intelectual precisa de uma metáfora, para caracterizar a “essência do Mal”, a figura do bigodinho emerge, tal como Blacula surge para simbolizar o vampiro disco sound. (Os Hues Corporation, conhecidos por “Rock the Boat”, cantam “There He Is Again” no filme de 1972). Mas se contabilizarmos as atrocidades e número de mortos, alguém, nascido na Alemanha, roubou a coroa de louros ao pintor de Braunau am Inn, na Áustria. O responsável pelo maior número de cadáveres no século XX foi Henry Kissinger. O solo de todos os continentes está manchado pelo sangue de comunistas, e danos colaterais, da sua heróica luta pela Liberdade. Desde o reinado de Eisenhower ao de Gerald Ford, Kissinger foi o exaustor do cheiro de marxismo no Chile (Pinochet), Argentina (Videla), Timor (invasão indonésia) ou Itália (Aldo Moro, defunto, na bagageira de um Renault 4) e por todo o lado. Claro que, por ertencer ao lado vencedor, nunca será julgado nem responsabilizado, terá honras fúnebres, estátuas e cátedras em nome próprio. (“The Frost Is All Over” – 1974).

[dos Planxty, outros representantes do celtic rock. Liam O'Flynn na gaita de foles irlandesa (1973). “The Little Drummer” (1974). Em 1980 com “Jolly Beggar” e “The Good Ship Kangaroo” e “Sally Brown”. Na reunião de 2004 com “Raggle Taggle Gypsy” / “Give Me Your Hand” e “The Ballad of Little Musgrave”. “The Blacksmith”; tocado por Andy Irvine e Mick Hanly em 1979 e na versão de 2004].

Em Abril de 1974, Kissinger apadrinha um estudo sobre as implicações do crescimento da população mundial na segurança dos Estados Unidos e os seus interesses ultramarinos. O capítulo V expõe o problema, recorrendo ao conceito de “complosão populacional”, do Professor Philip Hauser, da Universidade de Chicago. O douto académico usa esta ideia de “compressão explosiva” para descrever a situação volátil nos países em desenvolvimento. Neles, "cada vez mais pessoas nascem e comprimem-se no mesmo espaço, sob condições e quezilas entre diferentes raças, cores, religiões, línguas ou passado cultural, grupos estes muitas vezes com diferentes níveis de crescimento populacional, e, as frustrações de falhar as suas aspirações de melhores standards de vida". A solução era disseminar a legalização do aborto nos países subdesenvolvidos contra a opinião da Santa Sé. O Papa entendia o desmancho, como um potencial enchedor da caixa de esmolas, a menos. Kissinger, o psélio estrangulador da garganta do século XX, via no nascimento, um comunista a mais, para esgarrar a América do domínio total. (E lançar o mundo num “Lake of Shadows” – 2007).

[dos Moving Hearts. “The Category” (2007); “May Morning Dew”; com Máirtin O’Connor. Os elementos da banda tiveram carreiras a solo. Davy Spillane toca gaita irlandesa em “Caoineadh Cu Chulainn”. E o fabuloso Christy Moore, que também pertenceu aos Planxty em “ Ballad of James Larkin” (1969); com Shane MacGowan dos Pogues em “Spancil Hill”; na canção de Woody Guthrie “Plane Wreck at Los Gatos” também chamada “Deportees” (1979); em “Viva La Quinta Brigada”, dedicada aos irlandeses caídos na Guerra Civil espanhola, contra as tropas do general Franco; “Johnny Don't Go To Ballincollig”; “Smoke And Strong Whiskey” (2006); e por último em “Hey! Ronnie Reagan”].

Filho dilecto do Império britânico, casado com a velha rainha da Inglaterra, o príncipe Philip defende uma solução… mística. Invoca a metempsicose. Diz ele: “na contingência de eu reencarnar, gostaria de regressar como um vírus mortal, para resolver o problema do sobrepovoamento”. Os nobres ingleses são, regra geral, velhos basbaques com uma nota a menos na pauta mas não Philip. Ele toca o tambor afinado. Artilhado de uma racionalidade de causar dor-de-cotovelo a Leibniz ou ao carregador do porto de Alexandria, Ammonius Saccas, o duque de Edimburgo exemplifica com o caso do Sri Lanka nos anos 40. No pós-guerra, a Organização Mundial de Saúde estabeleceu, com sucesso, um programa para erradicar a malária da ilha, agora, há três vezes mais bocas para alimentar, três vezes mais empregos para criar, necessidade de mais casas, mais energia, mais escolas, mais hospitais e mais terra para fixar esta gente na partilha da riqueza comum. (Estão “In Fortune’s Hand” – 1990).

[dos Clannad. “Teir Abhaile” (1977). “Newgrange”. Em 1985 com Bono “In a Lifetime”. “Closer to your Heart” (1985). Com Bruce Hornsby (1987) em “Something to Believe In”. “Seanchas”. “Theme from Harry's Game” e numa versão de 2007. “Robin (The Hooded Man)”. Moya Brennan, a vocalista, em “Caidé Sin Do’n Té Sin”. Com Chicane em “Saltwater” (2000) – (Chicane em “No Ordinary Morning”; “Love On The Run”; “Stoned In Love”). Com Shane McGowan dos Pogues em "You're The One". “No Scenes of Stately Majesty” (2000). E “Big Yellow Taxi”, homenagem a Joni Mitchell].

As gerações passadas apregoavam soluções drásticas para resolver as questões ambientais. Soluções de cowboys para índios. As novas escolheram o passo “jamesbondiano” do vive e deixa morrer. Para isso tiveram de crescer uma "consciência ecológica". E, uma renovada estirpe nasceu, que mede os seus actos por pegadas de carbono. O príncipe Carlos, herdeiro do material genético de Philip e do trono de Inglaterra, estava agendado como conferencista numa cimeira sobre o futuro da energia mundial, realizada em Abu Dhabi, capital dos Emiratos Árabes Unidos, no mês de Janeiro. Transportar o real rabo de Carlos, sentado num jacto privado, arremessaria 20 toneladas de dióxido de carbono para a atmosfera. Então, ecologicamente consciente, mandou um holograma fazer o discurso. Mais um empurrão, quando os líderes forem conscientemente ecológicos, e mantiverem as bocas fechadas, nessa altura teremos zero emissões de carbono. (E uma natureza feliz onde “Every River” conta).

[dos Runrig, grupo escocês fundado em 1973. “Tear Down These Walls”; “City Of Lights” / “Dance Called America” (1989); “Maymorning”; “The Cutter”; “An Ubhal As Airde”; “Cnoc Na Feille” / “Siol Ghoraidh”; “Pride of the Summer” (1997); “Loch Lomond” (2007); “Book of Golden Stories”; “Skye”; “Hearts of Golden Glory”].

Nunca o planeta teve tantos amiguinhos. Mas também nunca foram tão apatetados. Ver o programa “Minuto Verde”, do grupo ecologista Quercus, com propostas “verdes”, mostra que os activistas, depois da bancarrota das ideologias, são ecopatetas. As grandes lutas do futuro dos ecopatetas serão publicitar empresas com “marketing verde” e impulsionar os proventos daquelas que se dedicam à reciclagem do lixo. O lixo é um muito lucrativo negócio, enquanto a sua separação for feita de borla, a contratação de operários para o fazer, mataria a viabilidade económica das empresas e a consequente atracção dos empresários. Os ecopatetas, comandados pelo Super Ecopateta Al Gore, atiçam a mais antiga motivação humana: a cobiça. Se der lucro vamos a isto rapazes. Se não, ponto e virgula, que se lixe a natureza. Esqueceram por completo a sabedoria dos seus avós que atacavam o problema pelo lado do excesso de população. (E assim povoar o sistema solar será “Back Home” – 2008)

[dos Wolfstone, grupo escocês fundado em 1989. “The Piper and the Shrew”; filmados ao vivo em 1992 – Parte1 * Parte2 * Parte3; “Gillies” (2006); ao vivo, na Suiça, em 2006].

A moda da ecologia alterou o convívio entre os sexos. Anna Shepard, jornalista do Times, escreve: “o que nós mulheres preferimos, nestes tempos esclarecidos, é um borracho verde, que carregue o lixo reciclado todas as semanas, suje as mãos no jardim, e desligue a TV e o DVD correctamente, para que não o tenhamos de fazer”. Num inquérito realizado pela revista masculina Nuts, a “consciência ambiental” aparece como a qualidade que o maior número de mulheres procura num homem, antes de lhe abrir os lençóis da sua cama. Nestes tempos verdes, quem quiser facturar, tem que plantar árvores ou separar o lixo, ou arrisca-se a usar a mão noutra actividade. O Porsche vermelho, como símbolo do engate, é coisa do passado. Hoje um painel solar no telhado ou umas pilhas recarregáveis no iPod fazem furor entre as mulheres. Numa discoteca, um desodorizante sem fluorocarbonetos é passaporte para uma noite bem passada e, talvez, um casamento feliz na manhã seguinte. (“She’s in the Attic” – 2007).

[dos Shooglenifty, grupo de fusão entre música tradicional escocesa, rock e electrónica. Ao vivo em 2007; “Tammienorrie” (2007); “The Big Fiddle”. Outro grupo, os Moondragon adaptam o celtic rock ao mercado inglês, ao vivo no Festival de Helston (1990). Nos Estados Unidos algumas bandas tocam música de influência britânica. Como os The Killdares, formados no Texas, em “Gone West”. Ou os Seven Nations, formados em Nova Iorque, em “Up to Me”].

Designa-se como ecossexual este novo homem. Ecológico no amor e na guerra. A Greenpeace publicou um guia do sexo amigo do ambiente com úteis dicas para acasalar sem copular o planeta: “se quer ver o parceiro, ou o que está ele a fazer, tenha sexo durante o dia”. E se preferir à noite, apague a luz que o tacto basta, para não cair da cama, ou encontrar o ostíolo preferido. Um casal norueguês criou o site “Fuck for Forests”, com moças que não se depilam, para não poluir, mas são destras na actividade erótica como as outras, e cujos lucros se destinam a salvar as florestas virgens. A empresa Smitten Kitten vende produtos auxiliadores da performance sexual livres de ftalatos, (químicos usados na suavização do plástico), vibradores movidos a energia solar e privilegia a borracha, em vez do plástico, nos seus acessórios. O lado da guerra também esverdeia. A Universidade de Munique testa as bombas verdes. Explosivos ricos em nitrogénio substituem os fabricados à base do poluente carbono. Garantem os cientistas que matam os inimigos com mais eficiência e são amigas do ambiente. (O melhor é dançar “The Dublin Reels”).

[dos The Chieftains. “Did You Ever Go a Courtin Lorient”; ao vivo no Japão em 1994; ao vivo no Festival de Glastonbury em 1982 – Parte1 * Parte2. The Chieftains tocaram com todos e mais alguns. Com Alison Krauss em “Molly Ban”. Luciano Pavarotti em “Funiculi Funicula” (1995). O cantor country Earl Scruggs em “Sally Goodin’”. Sinead O'Connor em “The Foggy Dew”. A cantora country Martina McBride em “I'll Be All Smile”. O cantor country Ricky Skaggs. Ziggy Marley em “Redemption Song”. Derek Bell, no Festival de Glastonbury, em 1982, na canção “Fanny Flower” de Turlough O'Carolan. Com as The Corrs. Com a banda de bluegrass The Del McCoury Band em “Rain and Snow”. Jeff White em “Tennessee Stud”. Com Jean Butler no sapateado na Opera House de Belfast em 1991. Emmylou Harris em “Lambs on the Green Hills”. Matt Molloy em “The Mason's Apron” (1991). Patty Griffin em “Whole Heap Of Little Horses”. Com The Irish Harp em “Planxty George Brabazon”. Com Tim O’Brien em “Shady Grove”. Com a violinista Altan em “Woodhill House”. Com os Leahy em “B Minor Medley”. Com a nossa Dulce Pontes em “Guadalupe”. Carlos Núñez em “Muiñeira de Chantada”. A Kelly Family em “Rocky Road to Dublin”. E Gary Moore em “Over the Hills & Far Away”].