Pratinho de Couratos

A espantosa vida quotidiana no Portugal moderno!

domingo, agosto 30, 2015

O país de fé (tl;dr)

Nasceu há anos olvidados um povo com o cu virado para a economia que todos os indicadores e polegares se lhe espetam positivos, otimistas, sustentáveis, até ao tutano, bem fundo. O abafado segredo deste assombro é a qualidade das suas elites. No patamar mais alto, alto pardal. De seu ministro da Economia Pires de Lima: “Rapidamente passamos da condição de patinhos feios para uma espécie de cisnes elegantes aos olhos dos investidores” (abril 2014). De sua ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque: “O meu marido não ajuda nas lides domésticas – ele faz tudo! Eu só passo a ferro” (2015). No estrangeiro, comparar, é moer caranguejo numa Moulinex em noites de fome trituradas ao frio das argoladas. O catedrático de Oxford Erasmus Wilson: “Quando a exposição de Paris [1890] fechar, a luz elétrica fechará com ela e nunca mais se ouvirá falar dela.” Comentário sobre o telefone, do 19.º presidente americano Rutherford Hayes: “É uma invenção curiosa, mas quem estará disposto a utilizar uma coisa destas?” (1876). Após escutar a sua encomenda de “O rapto do serralho[1], José II, Sacro Imperador Romano-Germânico: “Demasiado bonito para os nossos ouvidos e um extraordinário número de notas, meu caro Mozart.” Seletando Baudelaire, Émile Zola: “Daqui a cem anos os manuais da literatura francesa apontarão as ‘Flores do mal’ apenas como uma curiosidade.”
Nos bons velhos tempos da extração da mais-valia (valor criado pelo trabalhador acima do custo da força de trabalho), desapossava a burguesia, do destino da sua vida, a classe trabalhadora, separando-a do produto produzido forçando-a ao trabalho forçado. “A alienação do operário significa não somente que o seu trabalho se torna um objeto, uma existência exterior, mas que o seu trabalho existe fora dele, independentemente dele, estranho a ele e se torna um poder autónomo em relação a ele; que a vida que ele, operário, deu ao seu objeto se lhe impõe, hostil e estrangeira” em “Manuscritos económico-filosóficos” (1844), Karl Marx. Uma ajuizada distribuição da riqueza suspendeu a luta de classes, acedendo a maior número de objetos, por parte da classe dominada, anestesiou-se as diferenças e uniformizou-se a ideologia. [2] “Atualmente, é mais útil falar-se de alienação do que de exploração; aquela define uma relação social, a última, simplesmente uma relação económica. Um homem não é alienado, porque as suas necessidades ‘naturais’ são esmagadas por uma sociedade ‘desumanizada’, por trabalhar numa linha de montagem, pela congestão urbana ou os meios de comunicação de massa. Tais expressões apenas dão origem a vaga filosofia moral. É fácil de compreender por que elas irritam os filósofos que aprenderam o uso mais exato que Hegel fez do conceito. Alienação deve ser definida em termos de relações sociais. (…). A nossa é uma sociedade de alienação, não porque reduz as pessoas à miséria ou porque impõe restrições policiais, mas porque seduz, manipula e força o conformismo” em (pdf) “The Post-Industrial Society” (1971), Alain Touraine. [3]
A suspensão da luta de classes, que a destruição do estado social retornará, não aboliu a hierarquia, desviou-a para o nível discursivo. “Por vezes dividem-se os seres humanos em duas classes, os cultos e os incultos. Os primeiros, para serem dignos do seu nome, ocupavam-se das ideias, do espirito, e no período pós-cristão, cujo princípio é o do pensamento e no qual eles dominaram, exigiam um respeito submisso para as ideias que reconheciam. Essas ideias ou esses espíritos, que existem apenas para o espírito, são o Estado, o imperador, a Igreja, Deus, a moralidade, a ordem, etc. Um ser que apenas vive, um animal, preocupa-se tanto com elas como uma criança. Mas os incultos, na verdade, não são mais que crianças, e quem quer que seja que siga apenas as suas necessidades vitais é indiferente em relação àqueles espíritos; mas, como é igualmente fraco no confronto com eles, submete-se ao seu poder e é dominado pelos… pensamentos. É este o sentido da hierarquia. A hierarquia é o domínio dos pensamentos, o domínio do espirito!” em “O único e a sua propriedade” (1844), Max Stirner. [4]
O discurso dominante atual conserva as mesmas “ideias”, com o ajuste histórico, numa fragância científica destilada em 1992 por James Carville: “a economia, estúpido”. Lucro ou morte - grita-se no centro do capitalismo, se não rende extingue-se: sejam seres reais ou imaginários. “Rancheiros, mineiros, promotores de energia e autoridades públicas estão a expressar preocupações pelo passo do governo federal para proteger um pássaro, mais ou menos do tamanho de uma galinha, temendo possíveis restrições em terrenos públicos que podem ter consequências económicas profundas no oeste rural. O U.S. Fish and Wildlife Service está sob ordem judicial [2013] para estabelecer uma decisão final sobre a inclusão do galo silvestre das Montanhas Rochosas (Centrocercus urophasianus) na lista das espécies ameaçadas de extinção. A espécie encontra-se em 11 estados ocidentais, incluindo o Nevada, Utah, Idaho e Oregon. (…). ‘No resto do estado é uma situação terrível. Em Elko County é um golpe de morte’, disse o comissário Jeff Williams de Elko County. ‘Em Elko County é todo o condado. É tudo o que temos. É a recreação, é a exploração mineira, é o petróleo, é a agricultura’.” “Defensores dos duendes na Islândia uniram forças com os ambientalistas para obrigar as autoridades a abandonarem um projeto de uma autoestrada que, alegam eles, irá perturbar o habitat dos duendes, incluindo uma igreja duende. O projeto foi interrompido até que o supremo tribunal islandês decida [2013] num caso apresentado por um grupo conhecido como os Amigos de Lava, que citam o impacto ambiental e os efeitos nocivos na cultura duende do projeto rodoviário. (…). Questões sobre os Huldufolk (islandês para ‘povo escondido’) têm afetado decisões de planeamento anteriormente, e a administração rodoviária e costeira criou um stock de respostas para os inquéritos sobre duendes, que afirma, em parte, que ‘as questões têm sido resolvidas atrasando os projetos de construção num determinado momento até que os duendes que vivem lá, supostamente, mudaram-se.”
Ou, no geral, o habitat humano ou rende ou morre. “Todos os anos, mil venezianos abandonam, em média, a lagoa para irem viver para os arredores, em particular Mestre, cidade dormitório com 170 mil habitantes e a que mais população absorve. O segundo dado ainda é mais representativo: nos últimos anos, mais de 700 apartamentos no centro histórico foram transformados em espaços para albergar turistas. ‘Muitos estão à espera que morra a avó para arrendarem a casa e a converterem numa bed & breakfast’, garante Michele Gottardi, professor de História na universidade de Ca’ Foscara. ‘As pessoas desapareceram porque os únicos trabalhos da cidade são para rececionistas, empregados de mesa ou para limpezas’, acrescenta Bruno Fillppini, assessor municipal do Urbanismo, ‘enquanto há apenas umas décadas eram os artesãos do mármore, do ouro ou o bronze os que alimentavam a economia de Veneza’. O som do trabalho foi substituído pelo ruido das rodas das malas de bagagem entre as pontes. Esse é o novo hino de Veneza. A fonte da sua riqueza e ao mesmo tempo a melodia da sua derrota”, na revista Visão n.º 1119.      
Quando distribuição e produção de riqueza se desajustam, num dos ciclos de necessidade da sua concentração na classe dominante, os decisores económicos sacodem a água da Burberry trench coat em gabardine de algodão com acabamento em couro, Alexandre Soares dos Santos: “Os partidos políticos são daqueles que mais têm contribuído para o atraso em que Portugal entrou” (2014). Os decisores políticos, voando sobre o ninho dos partidos, como porteiros da classe dominante, sobressaem os melhores, achegam-nos como conselheiros e aplaudem-nos como motores da economia. Na inauguração da queijaria industrial Sabores do Dão, o primeiro-primeiro-ministro Passos Coelho: “O Manuel Dias Loureiro que há pouco vi aqui, que ainda não tinha visto, e cumprimento também de uma forma muito amiga e muito especial, é um homem que, é aqui de Aguiar da Beira, mas conheceu mundo, é um empresário bem-sucedido, viu muitas coisas por este mundo fora, e sabe como, algumas pessoas em Portugal sabem também, que se nós queremos vencer, na vida, se nós queremos chegar longe, se queremos ter uma economia desenvolvida, pujante, temos de ser exigentes, metódicos. Cada dinheiro que é aplicado, tem de render o suficiente, para pagar a quem investiu, a quem forneceu esse financiamento, a todos aqueles que participam no processo produtivo.” O gabado empresário, veniam petimus damusque vicissim (“pedimos vénia e damo-la por nossa vez”), Manuel Dias Loureiro: “Vim a Aguiar da Beira, associar-me à alegria natural dos meus amigos, vim assistir a mais uma fábrica, mais postos de trabalho, mais criação de riqueza, e deixa-me muito contente, como devem imaginar” (2015).
1984. Janeiro. Quarta-feira, 4 “o tribunal de Albufeira, presidido pelo Dr. Norberto Brito Câmara, juiz do Círculo judicial de Portimão, começou esta manhã a julgar o palestiniano Youssif Al-Awad acusado de ter assassinado, em 10 de abril de 1983, no hall do Hotel de Montechoro, o dirigente da OLP Issam Sartawi, que ali participava no Congresso da Internacional Socialista. No momento do crime, cerca das nove horas da manhã, Sartawi, que foi abatido com três tiros de pistola e que viajara até Portugal com um passaporte diplomático falso emitido na Tunísia sob nome de Khelifa Ben Othan, conversava com os delegados da Tanzânia e de Chipre. Ao entrar no tribunal (rodeado por um forte dispositivo da GNR e da PJ) Al-Awad, que vestia jeans azuis e blusão de couro, disse aos jornalistas que o procuravam entrevistar que ‘agora não, logo sim’. A sala de audiências, com lotação para cerca de setenta pessoas, não estava completamente cheia, tendo sido autorizada a entrada a todos os interessados, embora a identificação fosse rigorosa. A sessão foi praticamente preenchida com o sorteio dos dez jurados, sendo defensora oficiosa de Al-Awad a jovem advogada Fátima Pontes, que é monitora da cadeira de Obrigações na faculdade de Direito de Lisboa. Do rol de testemunhas (19 de acusação e 9 de defesa, algumas delas em dupla função) figuram empregados da indústria hoteleira, agentes da PJ e um jornalista.”  
“O réu participou no dia 17 de maio [1983] na reconstituição do crime e, segundo a Direção Central de Combate ao Banditismo da Polícia Judiciária, que investigou o caso, ‘executou com rigor toda a cronologia dos acontecimentos, incluindo gestos e percurso de fuga, e não hesitou em indicar o lugar onde tinha escondido a arma do delito, uma pistola Beretta de 9 mm que tinha sido descoberta pelo correspondente da ANOP, Humberto Ricardo, a cerca de 300 metros do local do crime’. Na altura em que foi detido pela PJ em Lisboa, no quarto 507 do Hotel Fénix, Al-Awad tinha em seu poder cinco camisas, um relógio-despertador, 10 990 escudos, 2239 dólares em notas e algum dinheiro iraquiano, identificando-se como Youssif Al-Awad, de 26 anos, solteiro, natural de Fass e residente na rua Cassone, n.º 5, em Casablanca. O seu passaporte (n.º 306984, emitido em fevereiro de 1981) apresentava-o como sendo negociante. Embora Al-Awad tenha confessado a autoria do crime, subsistem dúvidas quanto ao facto de ter, ou não, atuado sozinho, havendo testemunhas oculares que o afirmam ter visto falar com outro homem junto do Hotel de Montechoro, minutos antes do atentado que vitimou Sartawi. E este homem seria um jovem de 22 anos, Nizar Tawfig Mousa Mohid, que esteve até à véspera do crime hospedado na residencial Roma, na travessa da Glória, em Lisboa.”
Al-Awad “afirmou-se como inocente, ao depor perante os juízes do tribunal de Albufeira. Reconhecendo-se, embora como um dos elementos que integravam o comando que matou Sartawi, o réu disse que apenas funcionara como isco para atrair sobre si a atenção das autoridades portuguesas. (…). ‘Na verdade não fui eu quem disparou. Eu conhecia o plano, e se os meus companheiros me tivessem pedido eu teria executado o atentado. Mas tudo o que fiz foi por sacrifício, porque sou um combatente que lutará até à morte pela revolução’. Apoiado por uma intérprete, Al-Awad recusou-se depois a revelar ao tribunal o número de companheiros intervenientes no atentado. (…). O jovem palestiniano referiu que ‘pela causa da pátria’ teria sido ‘um comando suicida e, se necessário fosse na altura, teria mesmo rodeado o seu corpo com explosivos’. Magro, moreno, Al-Awad, recusou-se a revelar ao tribunal a sua verdadeira identidade, definindo-se como ‘um palestiniano sem idade, nem pátria, e nunca um criminoso, mas sim um combatente que luta por uma causa’. A certa altura, mostrando-se incomodado com o constante disparar das objetivas fotográficas e com as luzes dos operadores de televisão, Al-Awad voltou-se para eles e perguntou-lhes (em jeito de convite) porque não iam para o Líbano ‘ver e fotografar israelitas e americanos que estão a matar todos os dias os palestinianos’. O Dr. Brito Câmara esclareceu então o réu de que se encontrava numa sessão pública e que segundo a lei portuguesa essa prática era permitida sempre que a audiência estivesse interrompida. Al-Awad aceitou a explicação, mas pediu que não o voltassem a fotografar ou filmar, pois considerava que se estava a passar como ‘especulação comercial’. (…). Quanto aos ferimentos que apresentava, ao ser detido, em várias partes do corpo, o réu referiu que foram feitos por si com uma pedra, para dar a entender aos que o prendessem que fora ele ‘o autor do crime’. E frisou ‘se no princípio disse à polícia que tinha sido eu, foi porque achei necessário’. (…). Revelou a finalizar que Issam Sartawi ‘foi condenado à morte antes de 1974 por suspeita de contactos contrários ais princípios da revolução palestiniana’.”
“Mas a sessão foi sobretudo marcada pelos depoimentos, deveras contraditórios, de três testemunhas presenciais do atentado. Assim, para um guarda da PSP, Al-Awad vestia camurcina castanha e jeans azuis. Para um agente do GOE trajava fato cinzento claro. E para o rececionista do hotel vestia de maneira clássica, com um casaco de xadrez e calças lisas castanhas, e era mais alto e bem constituído do que Al-Awad. Acrescentando depois que o homem que vira disparar sobre Sartawi usava bigode e óculos, de lentes verdes. Face às versões, a defensora oficiosa, Fátima Pontes, disse, em tom irónico, ao guarda da PSP, Francisco Velhinho: ‘O senhor é tão bom fisionomista como péssimo atirador’.” Quinta-feira, 5 “uma das testemunhas foi um inspetor da Judiciária. Não apresentou qualquer prova conclusiva de que o réu em presença fosse o criminoso, embora tivesse pronunciado estar convicto que foi A-Awad quem matou Issam Sartawi. Para aquele inspetor da PJ, dois factos apurados no decorrer da reconstituição do crime levam-no a acreditar nessa possibilidade, tal como o reconhecimento exato do local onde foi escondida a arma e o local onde o réu cai quando da fuga. (…). Para o inspetor da PJ, o facto de A-Awad negar agora o que confessou durante a instrução do processo ‘constitui completa surpresa’, que só explica admitindo que o réu não esteja, neste momento, a assumir a sua verdadeira personalidade. Aquele técnico da polícia reconheceu não existirem provas materiais de que Al-Awad foi o autor dos disparos, porque a pistola não tinha impressões digitais e nas suas mãos não foram encontrados vestígios de pólvora quando foi preso, horas mais tarde, já em Lisboa.” 
Segunda-feira, 9 “autêntico golpe de teatro no tribunal de Albufeira quando esta manhã o suposto Al-Awad, após uma ligeira interrupção da audiência pedida pela defensora oficiosa, Fátima Pontes, revelou a sua verdadeira identidade, dizendo chamar-se Mohamed Hussein Rachid, ser estudante de engenharia, de nacionalidade palestiniana, e ter nascido há 23 anos em Jerusalém. (…). Manuel João da Palma Carlos, o advogado que aceitara procuração para defender Mohamed Rachid, e que a cerca de um mês do pleito acabaria por desistir, sendo então substituído pela advogada oficiosa Fátima Pontes, veio a terreiro na edição de sábado do programa Fim-de-Semana, na RTP 1, às 18h00. Entrevistado por Carlos Pinto Coelho, Palma Carlos disse que a sua escusa se ficara a dever à impossibilidade arranjar, a tempo, um intérprete enviado pela Abu Nidal (o intérprete profissional ficaria em pelo menos 100 contos), única forma, frisou, ‘de conhecer profundamente o seu cliente’.
Terça-feira, 11 país de fé na Justiça, “pródigo em golpes de teatro, o julgamento de Mohamed Rachid terminou cerca das 19h45 no tribunal de Albufeira, com um acórdão inesperado. Ou seja, com a condenação do réu em três anos de cadeia pela utilização de passaporte falso, mas ilibando-o de qualquer tipo de responsabilidade, tanto na execução como no planeamento, e cobertura, da ação que vitimou Issam Sartawi em Montechoro. Com esta pena, acrescida do pagamento de 500 contos relativos aos custos do processo, Rachid deverá vir a ser libertado em agosto próximo. (…). Visivelmente satisfeito, embora comedido nas suas reações, Mohamed Rachid diria, já no final do julgamento, ir transmitir à sua organização para que Portugal seja afastado do caminho de qualquer eventual atentado, pois os portugueses ‘são um povo bom e compreensivo’. Aliás, já ao fim da manhã, e antes de conhecer o acórdão, Rachid lançara um apelo aos seus companheiros da Frente Popular de Libertação da Palestina (FPLP-CG), os quais em carta para a NP tinham ameaçado atuar contra um avião da TAP ou raptar um diplomata português [5], para que não executassem qualquer tipo de retaliação em território português, pois disse, o seu julgamento estava a decorrer ‘com honestidade’. Quanto a Fátima Pontes, revelou a sua intenção de ir requerer a liberdade condicional do seu constituinte, pelo que em agosto, ou no máximo em outubro, Rachid poderá ser posto em liberdade, uma vez que terá cumprido então metade da pena.” [6]
Terça-feira, 10 janeiro “a equipa de futebol de Portugal foi colocada no Grupo 2 defrontando a RFA em Estrasburgo, no dia 14 de junho, no primeiro jogo da fase final do campeonato da Europa, determinou o sorteio realizado hoje em Paris. No nosso grupo ficaram ainda incluídas as turmas da Roménia e de Espanha. O segundo jogo de Portugal será com a Espanha, no dia 17 de junho, em Marselha. Na 3.ª jornada a seleção portuguesa defronta a da Roménia, dia 20 em Nantes. (…). A equipa portuguesa ficará concentrada no Hotel Henrique IV (em Paris), onde apenas haverá lugar para os 20 jogadores e comitiva oficial, não sendo permitida a presença de órgãos de comunicação social ou qualquer outro hóspede. (…). Amanhã, em Nuremberga, [a formação] vai escolher os equipamentos, que foram ofertados pela Adidas. Sabe-se já que, a 10 de junho, Eusébio será homenageado pelos nossos emigrantes, com um jogo que terá lugar entre compatriotas nossos e uma turma de Juivisy (dos arredores de Paris) em que a artista Linda de Suza entregará uma prenda ao mais famoso jogador português de sempre.”
Quinta-feira, 14 de junho, 16h15, hora portuguesa, mais uma em França, no estádio de La Meinau, em Estrasburgo, capacidade 54 mil lugares, relvado 105 metros de comprimento e 68 de largura, iluminação potência de 1200 lux, RFA 0 - Portugal 0. “Fernando Cabrita declarou que Portugal atingiu um dos seus objetivos ao empatar (0-0) com a RFA no jogo inaugural do grupo 2 do europeu de futebol, em Estrasburgo e acrescentou que o dispositivo tático empregue, com cinco centrocampistas, no estádio de La Meinau, poderá não se repetir. ‘Nós dançamos conforme a música toca’.” Nesta partida Fernando Gomes, bota de ouro em 1983, jogou… a suplente. “Puseram-me a questão devidamente e aceitei, como acontece quando as coisas são colocadas com certo respeito. A minha reação não foi naturalmente a mesma do Luxemburgo, onde não me senti magoado por me substituírem, e sim por não me terem saudado ou falado comigo depois, a explicar a situação.” Gomes concluiu: “Eu sou um goleador e se não queríamos marcar golos é natural que tivesse sido eu o suplente.” Domingo, 17 de junho, 19h30, no estádio Velódrome, em Marselha, lotação 55 177, assistência ao jogo 40 000, Portugal 1 - Espanha 1. “Jogo feio, lento, próprio de peladinha rústica: somente Chalana era o raio cintilante, a promessa de que alguma coisa teria de surgir pelo calendário fora. Mas, com os técnicos a ficarem todos satisfeitos em não perderem, como se o futebol fosse um jogo negativo e o golo não existisse como corolário máximo de um espetáculo vibrante, assim se passava o tempo até que, felizmente, chegou aquele rasgo opulento do pequeno genial e eis que Chalana, espicaçado no seu orgulho, virou-se para Anabela e dedicou-lhe a faena. Saiu por aí fora, bolinha colada aos pés, endosse para Álvaro, rasgão magnífico do louraço e toque sublime que Sousa [aos 52 min] converteu num chapelinho de se tirar o barrete.” [7] Quarta-feira, 20 de junho, 19h30, no estádio de la Beaujoire, em Nantes, Portugal 1 - Roménia 0. Este foi o primeiro jogo, desta sétima edição do Campeonato da Europa, que contou com a prestação de Fernando Gomes dentro das quatro linhas e Nené rubricou o tento vitorioso aos 81 min. Fernando Cabrita, o treinador: “Tem de prevalecer a nossa velocidade, a nossa espontaneidade. A partir dos 20 metros da baliza deles, toca a mudar ritmo sincronizando as ações da defesa para o ataque. Temos absoluta necessidade de não entregar qualquer trunfo aos romenos: e obrigação de vigiar estreitamente aquele canhoto nato que é o Laszlo Bölöni, Ştefănescu (que joga primorosamente de cabeça) e também o Cămătaru, igualmente perigoso no disparo final. O lateral direito tem de ser travado nas descidas. Mas, esses e outros pormenores ainda serão objeto das últimas instruções que darei logo depois do almoço e antes de abalarmos para o estádio.” [8] Sábado, 23 de junho, 19h00, no estádio Velódrome, em Marselha França 3 - Portugal 2. Jordão – que jogava contra o árbitro, Paolo Bergano, residente em Liverno onde é empregado numa companhia de seguros, é empurrado por Le Roux dentro da grande área, na 1.ª parte, sem aquele apontar a marca de grande penalidade – empata o jogo aos 74 min, adiando a decisão do finalista da prova para o prolongamento; aos 98 min, o mesmo Jordão coloca os Patrícios na dianteira do placard, os gauleses atiraram-se a Portugal como a um prato de escargots, fedia a escândalo uma derrota dos organizadores do torneio; na 2.ª parte do prolongamento tombam as esperanças dos atónitos telespetadores portugueses que não acreditavam nos seus olhos, o país de pé, Portugal vencendo a França; Domergue marca aos 114 min e Platini aos 119 levou os adeptos da equipa da casa ao delírio. Fernando Cabrita já no aeroporto: “Eu tinha dito aos meus rapazes: é necessário evoluir, contemporizar, demorar com a bola, só pela certa voltar ao ataque. Mas eles deslumbraram-se, perderam por momentos a cabeça, foi o diabo.” “Quarta-feira, 27 de junho, 19h00, no Parque dos Príncipes em Paris, França 2 - Espanha 0. “Até atingirem o Parque dos Príncipes as duas turmas de futebol latino, que hoje discutem a posse do título europeu, tiveram em terra gaulesa o seguinte comportamento. França: venceu sucessivamente a Dinamarca (1-0), Bélgica (5-0), Jugoslávia (3-2) e Portugal (3-2), respetivamente em Paris, Nantes, St. Étienne e Marselha. Espanha: empatou a um golo com as seleções da Roménia e Portugal em St. Étienne e Marselha, derrotou (1-0) a RFA em Paris e depois encontrou-se com a Dinamarca e de novo apenas um golo marcado e também um somente sofrido. Em grandes penalidades triunfou por 5-4. Este derradeiro encontro foi disputado em Lyon.” “O presidente do governo espanhol, Felipe Gonzalez, assiste hoje em Paris à final do Campeonato da Europa de Futebol entre a Espanha e a França. Felipe Gonzalez ficará junto do presidente francês, François Mitterrand, no estádio Parque dos Príncipes já totalmente esgotado. O presidente francês e seus acompanhantes, logo após o desafio, prosseguirão a reunião do Conselho de Ministros que hoje se realiza na capital francesa.” [9]
____________________
[1] Virtual vídeo ao banimento do YouTube, nele, quatro jovens, saudáveis, desportistas de bom balneário, praticam ténis prescindindo do certificado Lacoste ®. Na testada filosofia: corpo são em mente sã, foi inserida na banda sonora “Martern Aller Arten”, do “Rapto do serralho”, acelerando as sinapses nas zonas mais superiores do córtex, onde residem os neurónios intelectuais. Originariamente, o vídeo continha “Imaginary Battle”, dos Scooter, que atuava apenas no cérebro reptiliano. Aliás, uma conceituada universidade estrangeira provou num estudo científico que Mozart estimula as zonas boas do cérebro: Serenade in G-Dur, KV 525 “Eine Kleine Nachtmusik”. No vídeo desportivo, as tenistas são: Anna Sbitnaya, 1,67 m, 48 kg, 89-58-89, sapatos 36, olhos e cabelos castanhos, nascida a 1 de maio de 1987 em Kiev, Ucrânia, t.c.c. Anna, Anna AJ, Anna S. “Gosto de chocolate, estar deitada ao sol, McDonald’s, animais e, claro, a minha família. Desagrada-me pessoas excessivamente agradáveis e ostras… são ambas viscosas.” Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos}. Obra fílmica: {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo}. Paulina, 1,70 m, 53 kg, Ucrânia. Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos}. Obra fílmica: {vídeo}. Angelica, 1,76 m, 55 kg, nascida em 1985 na Ucrânia. Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {foto}. Obra fílmica: {vídeo}. Yvette Blanche, 1,74 m, 55 kg, 80-61-89, sapatos 40, olhos azuis, cabelo castanho, nascida a 15 de julho de 1985 em Budapeste, Hungria, t.c.c. Linda L, Amanda Lauren, Evette Elan, Ivett, Ivette, Ivette Blanch, Lara, Linda, Toula, Yvette. Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos}. Obra fílmica: {vídeo} {vídeo + Tiffany Diamond + Angelina} {vídeo} {vídeo}.
[2] “Ela [a burguesia] aproveitou em seu exclusivo proveito, e sem qualquer sacrifício, as ideias revolucionárias pelas quais se sacrificaram homens altruístas e apaixonados, e transformou o espírito em dinheiro. Obviamente, depois de ter retirado àquelas ideias a radicalidade, a coerência, o empenho demolidor e fanático contra todo egoísmo” em “Denkwürdigkeiten” (1844), Bruno Bauer.
[3] O conformismo automatiza os gestos físicos ou mentais. As marcas hipnotizam os consumidores; por exemplo, os consumidores de marcas futebolísticas refletem apenas esse imprinting, como os patinhos que seguem o primeiro objeto tomando-o pela mãe. No programa de debate “Prolongamento”, da tvi24, com Manuel Serrão, consumidor da marca FC Porto, Fernando Seara, consumidor da marca Benfica e Eduardo Barroso, consumidor da marca Sporting: “durante uns bons 20 minutos os participantes discutiram uma mão de Maxi Pereira, com Manuel Serrão a dizer que seria ‘segundo amarelo e expulsão e isso mudaria a história do jogo’. A imagem foi repetida à saciedade, e Serrão repetia sempre: ‘Segundo amarelo e expulsão’. Fernando Seara, representante do Benfica foi se desculpando, dizendo que segundo as ‘novas regras’ não seria expulsão. E Eduardo Barroso disse que sim mas que também. Sucede que, ao fim de todo este tempo, o moderador, Joaquim Sousa Martins, lembrou-se de consultar a ficha do jogo – e verificou-se que… Maxi não tinha nenhum amarelo! Serrão é que ficou amarelo – e os restantes ficaram a olhar uns para os outros. Tinham estado 20 minutos a discutir com base numa invenção” no jornal Sol n.º 434.
[4] Os donos da palavra, os cultos, marcam o que o real é. O secretário de Estado dos Transportes Sérgio Monteiro: “Quando uma medida de impacto tão grande na vida das famílias que trabalham na TAP, mas depois no impacto económico no país, é tão grande, eu só posso acreditar que o bom senso vai imperar e que os sindicatos decidirão cancelar a greve ainda antes da sua realização” (28 de abril de 2015). O primeiro-primeiro-ministro Passos Coelho: “Há muitos anos que temos este problema, na TAP, não é um problema recente, e apesar do sindicato dos pilotos estar a utilizar o processo de privatização para justificar esta greve, na verdade, os pilotos, o sindicato dos pilotos tem ao longo de muitos anos aprisionado a estratégia da própria empresa” (29 de abril de 2015). O povo, na ideologia amalgamada, uniclasse, enreda-se na semântica; o trabalhador da TAP Fernando Santos: “Esta iniciativa não é contra os pilotos, não é contra os sindicatos, mas também não é a favor da administração. Esta iniciativa é a favor da TAP” (29 de abril de 2015).
[5] Segunda-feira, 9 “um indivíduo, que recusou identificar-se, entregou à noite na sede da agência NP, à Lapa, uma carta a ameaçar que a libertação do presumível assassino de Issam Sartawi poderá vir a ser negociada por troca com um avião da TAP ou por um diplomata português. A carta cujo portador era jovem e falava com dificuldade o nosso idioma, era encimada por um emblema e pela frase em árabe, tal como o texto, ‘El Fatah, única liberdade’, e dizia: ‘Al-Awad nem que a tua liberdade tenha o custo da troca de um avião Air Portugal ou a troca por um diplomata de Portugal’.”
[6] Quarta-feira, 27 de junho “o Supremo Tribunal de Justiça decidiu anular o julgamento que em 11 de janeiro condenara no tribunal de Albufeira, em três anos de prisão, o suposto assassino do dirigente palestiniano Issam Sartawi, em Montechoro, durante uma conferência da Internacional Socialista, a 10 de abril de 1983. Mohamed Rachid, que inicialmente se identificara como Youssif Al-Awad, e a quem os serviços secretos israelitas descobriram recentemente uma outra identidade, ou seja a de Arbi Tawfi Gamal, fora condenado apenas por uso de passaporte falso, sendo a sentença na altura considerada um desaire para a Polícia Judiciária portuguesa. Al-Awad, Rachid ou Gamal, que afirmou perante os juízes não ter sido o autor do atentado que vitimou o dirigente da OLP, confessou, no entanto, ser um dos elementos do comando que levou a cabo a ação. O delegado do Procurador da República recorrera da sentença, alegando irregularidades nos quesitos, contestando a formação do júri, e, por último, invocando o facto de o réu ser, pelo menos, cúmplice no atentado de Montechoro contra o enviado de Yasser Arafat. Em princípio, o julgamento deverá ser repetido no tribunal de Albufeira, mas, segundo fontes citadas pela ANOP, o júri não será o mesmo.”
[7] “O portista Fernando Gomes, chateado que nem um peru em véspera de Natal, não se recusa a manifestar espanto, desilusão e muita mágoa pelo facto de, em Marselha, quando se sabia que o pai e os espiões do Milão estavam na bancada exclusivamente para o observar, não ter sido colocado no team mesmo no tal momento em que (aos olhos de leigos) se notava que o apelo a mais um atirador à baliza não só evitaria toda a sobrecarga de trabalho para um exausto Jordão como (igualmente) poderia rapidamente construir um resultado que, e golos, significasse quase que a porta aberta para a etapa seguinte.”
[8] “Mas o [telegrama] que provocou uma onda de hilaridade quase geral, se não quisermos acrescentar que nada sensibilizou os jogadores (antes pelo contrário), foi o remetido pelo Dr. Sousa Tavares, novo ministro da Qualidade de Vida que, em fala da retórica mais inédita, lembrou Nelson antes da batalha de Trafalgar, adaptando a citação velha de séculos ‘cada português espera que vocês cumpram o seu dever’. O nosso ilustre causídico double de jornalista e agora tripartido em elemento governamental certamente que teria qualquer coisa de mais elegante e apropriado, no arquivo das suas intervenções na barra do tribunal ou perante grandes audiências populares. Logo, a sua entrada perante os futebolistas foi de estatelar no solo.”
[9] Terça-feira, 19 de junho “perto do meio-dia, Eusébio pediu o carro que a federação francesa colocou à do presidente português, Dr. Silva Resende, para ir fazer umas compras à cidade, com a promessa de voltar depressa. Talvez se tenha demorado mais uns minutos, quem sabe? Mas, mal passou entre a barreira de uma dezena de polícias (fardados e à paisana) que defendem permanentemente a turma portuguesa de qualquer assédio estranho, eis que Bruno Santos se atira ao antigo astro como se fora gato a bofe ou dono do carro a um qualquer ladrão de estrada. Às quinhentas chamava-lhe tudo, culminando por gritar, perante o espanto de larga dezena de circunstantes, coisas como, ‘agora já não vales nada, ninguém quer saber o que é que fostes e por isso é que eu não gosto de pretos, nunca pude com vocês’.”

na sala de cinema

Prisoners of the Lost Universe” (1984), real. Terry Marcel, c/ Richard Hatch, Kay Lenz, John Saxon … “Embora eles tivessem alguns filmes de espada e feitiçaria [1] de sucesso para imitar, não é o que Terry Marcel e Harry Robertson fizeram. Em vez disso, ‘Prisoners of the Lost Universe tira as suas deixas principalmente de Edgar Rice Burroughs, atirando três terráqueos, relativamente comuns e contemporâneos, num mundo selvagem de fantasia, via um acidente de ficção científica apressadamente projetado. Carrie Madison é a apresentadora de um programa de jornalismo ligeiro, localizado em Los Angeles, chamado ‘The Weird and the Wacky’. (A propósito, se está a pensar que esta versão de LA parece de alguma forma remota, é porque a maior parte do tempo é de facto algum lugar na África do Sul). No percurso para entrevistar um físico chamado Dr. Hartmann, sobre uma sua invenção que a comunidade científica não leva a sério, Carrie por pouco evita um grave acidente de viação, quando um ligeiro tremor de terra acontece, precisamente, quando ela passa pelo que parece ser o único outro veículo na estreita e sinuosa estrada através de Hollywood Hills. O condutor da carrinha, do tipo faz-tudo, chamado Dan Roebuck, é menos afortunado que Carrie. As circunstâncias do cruzamento dos carros, basicamente, ofereceu-lhe a escolha de bater no Datsun 280ZX dela ou bater na própria colina, e Dan escolheu a última. A sua furgoneta não vai a lado nenhum sem um reboque, provavelmente precisará de alguns milhares de dólares de mecânico uma vez libertada, e como se isso não bastasse, a espada kendo de bambu do Dan (custou-lhe 40 dólares) estava na traseira com as suas ferramentas, e foi reduzida a papa. Esta última queixa parece, à primeira vista, um bizarro non sequitur, mas é na verdade um ponto de viragem em embrião.” “Ela tenta dar-lhe dinheiro for everything, Dan recusa caridade e quando a discussão aquece, ameaça pô-la nos joelhos e dar-lhe um good spanking, Carrie foge.” “She” (1982), real. Avi Nesher, c/ Sandahl Bergman, David Gross, Quin Kessler, Harrison Muller Jr. … “‘She’ – aparentemente rodado em 1982 mas não lançado até 1985 – abre com uma citação da novela-fonte, ‘She: A History of Adventure’ (1887) de H. Rider Haggard, ‘Na Terra e céu e mar / Estranhas coisas existem’, que, aparentemente, é todo o impulso que o argumentista / realizador Avi Nesher precisa para atirar a novela pela janela fora e deixar a sua pancada voar por uma hora e quarenta e cinco minutos. Bem, ‘She’ já tinha sido filmado algumas vezes antes, variando em graus de fidelidade (‘She’ (1935), real. Irving Pichel e Lansing C. Holden, c/ Helen Gahagan, Randolph Scott, Helen Mack … ‘uma novela aventurosa de grande luxo’ estreada quarta-feira, 11 de março de 1936 nos cinemas Odéon e Palácio. ‘She’ (1965), real. Robert Day, c/ Ursula Andress, ‘autêntica deusa feita mulher’, Peter Cushing, Bernard Cribbins, Christopher Lee … estreado em Cinemascope - Technicolor sexta-feira, 12 de novembro de 1965 no cinema Condes). Talvez fosse altura para a abordagem ‘Road Warrior encontra Conan the Barbarian’, com uma banda sonora de heavy metal (música composta e arranjada por Rick Wakeman, música adicional original Justin Hayward, Motörhead, Bastard). Após uma sequência de abertura semianimada, aparentemente com a intenção de representar a destruição da Terra por uma guerra nuclear (há um ameaçador ceifador com uma foice, um crânio, etc.), é-nos dito que é o ‘ano 23: depois do Cancelamento’. (…). Pouca explicação é dada de como o mundo veio a ser o que é agora – há uma divertida referência mais tarde, quando um personagem diz, ‘O que é uma bomba?’ – mas, de alguma forma, foram necessários somente 23 anos para toda a gente começar a vestir trajes dos Masters of the Universe, usar cavalos como principal meio de transporte, lutar apenas com espadas e motosserras (as armas de fogo, por alguma razão, já não existem), dividirem-se em fações e começarem a adorar os seus governantes como deuses, e, para alguns sortudos, desenvolverem poderes mágicos através das maravilhas da radiação nuclear. Também, os cereais Kellogg e Mountain Drew atingem preços exorbitantes no mercado. Nesse mercado, chamado Heaven’s Gate, os nossos heróis, Tom e Dick, são assaltados por um bando de rufiões a cavalo vestindo roupas da caixa de pechinchas de uma loja de disfarces (capacete de futebol, capacete de centurião romano, capa de mágico, etc.), o único tema identificador sendo uma quantidade de suásticas. A irmã de Tom, Hari, (Elena Wiedermann) é raptada durante a luta, que parece relativamente pouco afetado na próxima cena, pois ele e Dick casualmente sacam uma prostituta (Laurie Sherman). A prostituta droga-lhes a comida, e entrega Tom à sua deusa, She, interpretada pela bailarina tornada atriz, Sandahl Bergman.” [2]The Retaliator / Programmed To Kill” (1987), real. Allan Holzman, c/ Robert Ginty, Sandahl Bergman, Paul Walker … “Uma terrorista, Samira, é baleada e capturada por Eric Mathews e o seu grupo de mercenários, ao serviço da CIA, durante uma missão de resgate, nos arredores de Beirute, de duas crianças americanas, american little pigs, fedelhos insolentes – ‘Oiça, senhor, os marines vão cuidar de você’. Elas tinham sido raptadas num ataque ao mercado de Miokos, Creta, ‘matando 24 e ferindo mais de 50’, executado pelos United Freedom Fighters, liderados por Hassim Nabier, amante de Samira. Transportada de volta a Los Angeles, na Cybertron Industries & Research., a terrorista sofre uma operação, substituindo o lóbulo frontal por microcircuitos, após morte cerebral, e é transformada numa máquina cibernética de matar. Agora a CIA tem uma arma secreta para mandar para Beirute para matar os seus próprios camaradas, - ‘Vai ser muito divertido vê-la rasgar terroristas ao meio’ -, mas por quanto tempo conseguirão controlá-la?” “Battletruck / Warlords of the 21st Century” (1982), real. Harley Cokliss, c/ Michael Beck, Annie McEnroe … “filme de aventura e ação futurista” estreado sexta-feira, 9 de maio de 1986 no cinema Éden. “Um filme de ação repleto de aventura, no muito provável futuro – um futuro pós-petróleo – um futuro onde os países faliram e os governos colapsaram, anunciando a chegada de uma nova era sem lei … e o Carro de Combate. Filmado na inóspita paisagem de Central Otago na Ilha Sul da Nova Zelândia, ‘Battletruck é uma história de conflito – conflito entre o coronel Straker, comandante canalha do Battletruck, que leva o que quer e Hunter, o herói, que, como um samurai, acha o seu código e o amor por uma mulher demasiados fortes para se submeter à tirania de Straker.” “O nosso filme começa em 1994, ‘o futuro próximo’, após as consequências daquilo que é chamado a Guerra do Petróleo ou Terceira Guerra Mundial. O Battletruck, um veículo blindado futurista acelera nalguma esquecida estrada rural no meio da América, apesar de ter sido filmado na Nova Zelândia, quando encontra uma carrinha puxada por cavalos com dois homens transportando bidões de cento e noventa litros de diesel. O Battletruck interceta a carrinha antes de Straker e os seus soldados aparecerem e começarem a interrogar os homens, perguntando onde conseguiram o diesel. Tal como nos filmes ‘Mad Max’, [“2015 pertence aos loucos”], a gasolina é rara e é muitas vezes disputada.” “America 3000” (1986), real. David Engelbach, c/ Chuck Wagner, Laurene Landon … “900 anos depois do Grande Ataque Nuclear. O mundo que o homem criou, o homem destruiu. Das trevas e da ignorância dos seixos radioativos emergiu uma nova ordem… e o mundo era woggos (doido).” “Novecentos anos depois do Grande Ataque Nuclear, as Frauls mandam. Depois de uma batida na qual são capturados Plugarts, Rhea (Camila Sparv), a Tiara das Frauls de Combo Frisco, inspeciona os prisioneiros, dividindo-os em ‘machos’ e ‘semeadores’. Um jovem Plugart, Korvis (Steve Stropiana), reage violentamente e tenta a fuga para a liberdade, escapando, apesar dos esforços das Frauls para recaptura-lo. Um segundo jovem Plugart, Gruss (Eli Pilo), vai com Korvis. As Frauls perseguem os dois, mas param na fronteira de uma área proibida, conhecida como o Contam. Korvis e Gruss pilham juntos. Um dia, descobrem uma mala cheia de roupa e um pequeno livro, uma cartilha, que o Korvis guarda… Anos mais tarde, os adultos Korvis (Chuck Wagner) e Gruss (William Wallace) fazem parte de uma comunidade de Plugarts, que sobrevive no Contam. Korvis ainda tem o livro que encontrou, e lentamente apender a ler sozinho. Desta forma, ele aprende que não é um ‘Plugart’, mas um ‘homem’.” [3]
____________________
[1] P. ex. “Die Nibelungen: Siegfried” (1924), real. Fritz Lang. Ou “La corona di ferro” (1940), real. Alessandro Blasetti, estreado segunda-feira, 27 de março de 1944 no cinema Trindade. “O ministro da Propaganda do Reich, Joseph Goebbels, não gostou deste filme quando o viu no Festival de Cinema de Veneza. O seu comentário, devido ao pacifismo do enredo, foi que, se um realizador alemão fizesse este filme, esse realizador teria sido fuzilado”. Ou “Fire and Ice” (1983), real. Ralph Bakshi, estreado terça-feira, 31 de dezembro de 1985 nos cinemas Berna e Mundial. – Filmes de espada & feitiçaria nos anos 80.
[2] Na Playboy de março 1980, uma foto de Sandahl ilustrava o filme “All That Jazz” (1979), onde ela tem o papel de “Sandahl”, bailarina principal. Filme estreado sexta-feira, 19 de setembro de 1980 no cinema Trindade, no Porto, e nas quatro salas do cinema Quarteto, agora com novo som, novo equipamento, nova decoração.
[3] “Os homens têm o obstáculo de ter uns egos enormes e demasiada testosterona”, Christine Lagarde, diretora do FMI, pugnando por mais mulheres em lugares de chefia. Megan Salinas, 1,57 m, 45 kg, 86-58-86, sapatos 37, olhos castanhos, cabelos pretos, nascida a 2 de março de 1994 em Rio Grande Valley, Texas, t.c.c Mercedez Pequeno. Entrevista: “Partes do corpo favoritas e menos favoritas?” R: “A minha parte favorita são os meios seios e os olhos, odeio o meu nariz, ha.” “Um dia na vida de Megan Salinas.” R: “Bem limpo, fazer tarefas, dormir, fazer um pouco de exercício, sair com a minha melhor amiga @gisellemari, amo-a e fazemos coisas loucas como filmar vídeos e rir basicamente sobre tudo, ha.” Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos}. Obra fílmica: {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo + Sara Luvv} {vídeo} {vídeo + Cassandra Nix} {vídeo + Maddy O’Reilly + Malena Morgan} {vídeo + Catie Parker + Marissa Mei} {vídeo + Catie Parker). Catie Parker, 1,66 m, 46 kg, 86-69-97, sapatos 37 ½, olhos verdes, cabelo loiro, nascida a 3 de agosto de 1993 Palm Beach, Florida. Entrevista: “Partes do corpo favoritas e menos favoritas?” R: “Gosto do meu corpo todo.” “Brinquedo sexual favorito?” R: “Tudo o que estimule o grelo.” “Um dia na vida de Catie Parker.” R: “Acordar, dar umas passas, arrumar o meu armário, descobrir o que tenho para fazer… normalmente muita condução. lol.” Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos}. Obra fílmica: {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo + Krissy Lynn} {vídeo + Odette} {vídeo + Whitney Westgate} {vídeo + Whitney Westgate} {vídeo + Raven Rockette} {vídeo + Cassie Laine} {vídeo + Cassie Laine}
Lily Carter, 1,60 m, 47 kg, 81-63-89, sapatos 37, olhos azuis, cabelos castanhos, nascida a 15 de abril de 1990 em Yoncalla, Oregon. Entrevista: “Como arranjaste o teu nome porno?” R: “Primeiro chamava-me Nevaeh – Heaven, ao contrário – mas, realmente, não gostava do nome. Um dia alguém disse-me que eu me parecia com a Lynda Carter, que interpretou a ‘Wonder Woman’. O meu primeiro nome vem da flor. Assim, Lily Carter nasceu.” “Tem a expetativa da representação correspondido aos desejos?” R: “Ó, sim! Não tive uma cena bera. Disfrutei cada talento masculino com quem atuei. Mas, surpreendentemente, tenho tido dificuldades em fazer cenas rapariga / rapariga. As raparigas excitam-me tanto que fico nervosa e trapalhona quando passamos à ação.” “Descreve a tua melhor experiência sexual.” R: “Aconteceu recentemente, eu estava a fazer sexo e descobri uma nova posição, onde ele está deitado de barriga para cima no chão, eu estou em pé, ele entre as minhas pernas, e ele ergue as ancas do chão quando me agacho. Tive o melhor orgasmo de sempre. Ele martelava-me quando eu me agachava e esguichei mais do que nunca. Ele estava encharcado na minha esporra. Até o umbigo dele estava cheio da minha esporra. Soa esquisito mas senti-me fantástica.” “O que gostas de fazer nos tempos livres? Alguns hobbies?” R: “Gosto de caminhar e jogar ténis. Sou também uma rata de livros (book nerd). Recentemente tornei-me obcecada pela Janet Evanovich. Adoro os livros dela. Ó, e gosto de me masturbar no meu tempo livre… bastante.” Entrevista: “Partes do corpo favoritas e menos favoritas?” R: “Favorita: a minha cara e o rabo. Menos favoritas: os meus pneus e as ancas hahaha.” “Brinquedo sexual favorita?” R: “A varinha mágica.” “Tens algum talento especial?” R: “Hm, eu esguicho… Será que isso conta?” “Como é um teu dia normal?” R: “Um dia na vida de Lily Carter… Quando estou na Califórnia, acordo e duche. Encontrar café. Ir para o set. Ter sexo. Arranjar comida no caminho para a casa dos modelos. Talvez fazer exercício. Relaxar. Masturbar-me. Ir para a cama. Repetir. Lol.” Obra pictórica:{fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos}. Obra fílmica: {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo + Dani Daniels} {vídeo + Victoria Rae Black} {vídeo + Alyssa Reece + Malena Morgan}.

no aparelho de televisão

Doubletake” (1988), real. Jud Taylor, c/ Richard Crenna, Beverly D’Angelo … telefilme transmitido na RTP 1, às terças-feiras, pelas 21h05, de 16 de maio / 6 de junho de 1989. “Frank Janek, detetive da polícia nova-iorquina, é chamado a pôr à prova as suas capacidades de investigação para deslindar o mistério de um duplo crime: duas mulheres encontram a morte em estranhas circunstâncias. Uma professora de uma escola privada e uma prostituta, que viviam em lados opostos da cidade e com diferentes estilos de vida, a quem o assassino trocou as cabeças. Determinado em descobrir o autor daquele crime quase perfeito, Janek socorre-se da ajuda da namorada, Caroline Wallace, a única pessoa em quem confia.” “Acompanhado pelos seus fiéis colaboradores, dois jovens polícias destacados para o ajudarem a encontrar o maior número de provas possíveis, Janek prepara-se finalmente para o confronto com o cérebro que planeou o tenebroso assassínio. A investigação que leva a cabo acaba por colocar em risco a sua vida e a de Caroline, pois o assassino revela-se extremamente inteligente e perigoso.” “Retalhos da vida de um médico” (1979), real. Artur Ramos, estribado no romance de Fernando Namora, com adaptação e diálogos de Artur Ramos, Bernardo Santareno, Carlos Coutinho, Olga Gonçalves, Urbano Tavares Rodrigues e Dinis Machado, “esta série chegou a ser um dos maiores êxitos da RTP no início dos anos 80”, c/ José Peixoto, Cármen Santos, Rui Mendes, Francisco Nicholson, Morais e Castro, António Machado, António Marques, Fernanda Barreto, Adelaide João, Eugénia Bettencourt, Leónia Mendes, Lídia Franco, Maria Alexandre e os pequenos Carlos Macedo, Luís Almerindo, Félix de Matos, Carlos Silva, Joana Vilaverde, Pedro Gaspar, Ana Gonzalez, Manuel Galvão e Marta Alexandra. Transmitida na RTP 1, aos domingos, pelas 21h15, estreia 20 de abril de 1980 / o 11.º episódio, “Dois casos bicudos”, será exibido na sexta-feira, 27 de junho e o 12.º e último, “O rapaz do tambor”, no sábado, 5 de julho. A série voltou ao convívio dos amáveis telespetadores às quintas-feiras na RTP 1, pelas 16h00, de 10 de julho / 25 de setembro de 1986. “No primeiro episódio intitulado, ‘A Prima Cláudia’, assistimos à infância do futuro médico e às suas dificuldades para entrar na Universidade, já que é um pobre provinciano, filho de pais pobres. E fala-se do seu primeiro caso humano como médico: a doença e a morte do marido da sua prima Cláudia.” Ou… “Pedro Martins, finalista de Medicina da Universidade de Coimbra, vai a Condeixa visitar a família, pequenos burgueses que fizeram grandes sacrifícios para lhe pagarem o curso.” [1]The Bourne Identity” (1988), minissérie americana c/ Richard Chamberlain, Jaclyn Smith … “Um homem inconsciente dá à costa na praia de uma pequena aldeia francesa durante uma forte tempestade. Um médico reformado cuida do desconhecido inconsciente. Quando o homem misterioso recupera, ele não consegue lembrar-se de nada. Não sabe o seu nome, não sabe de onde vêm os seus flashbacks e não sabe por que o código de acesso GEMEINSCHAFT BANK ZURICH 0. 7. 17. 0. 12. 14. 26. 0, de uma conta anónima de um banco suíço, está implantado na sua coxa.” Esta adaptação do romance de Robert Ludlum, “The Bourne Identity” (1980), retém um reto lugar na História pelo metatexto da sequência onde o herói beija o repugnante corpo de mulher [2]Joana” (1985) série brasileira c/ Regina Duarte, Rodrigo Santhiago, Umberto Magnani … transmitida na RTP 2, às quartas-feiras, pelas 22h25, de 4 de maio / 26 de outubro de 1988. A partir de 7 de julho desse mesmo ano inicia-se a repetição, às quintas-feiras, no horário das14h55. “Joana é jornalista e mãe de família. A força de carácter de Joana deriva da união da família com o trabalho. Da mesma forma os enredos dos episódios nascem da união da realidade com a ficção. Ou seja: se por vezes é a reportagem que provoca o desenlace de um acontecimento doméstico, o inverso também sucede e é um acontecimento familiar que leva Joana a realizar um trabalho jornalístico de investigação.” “A jornalista Joana Martins está no seu segundo casamento, com o professor Guilherme, mas tem três filhos (Rafael, Isabel e Carolina) com o seu ex-marido, o advogado Sérgio. Joana precisa conciliar a sua vida em família com o seu trabalho na revista semanal Ideia Nova, na qual trabalha ao lado do fotógrafo Cacau e dos repórteres Joca e Caetano. Seguindo a linha do jornalismo investigativo, Joana envolve-se em questões sociais, políticas e criminais.” “Helena” (1987), telenovela brasileira escrita por Mário Prata, Dagomir Marquezi e Reinaldo Moraes, adaptação do romance homónimo de Machado de Assis, dirigida por Denise Sarraceni e Luiz Fernando Carvalho, com supervisão de José Wilker, produzida pela Rede Manchete c/ Luciana Braga, Thales Pan Chacon, Aracy Balabanian … transmitida na RTP 2, de segunda a sexta, pelas 16h55, de quarta-feira, 6 de julho de 1988 / quarta-feira, 15 de fevereiro de 1989. “Em 1859, a jovem bastarda Helena recebe uma grande herança com a morte do seu pai, o rico Conselheiro Vale, que deixou um filho legítimo, Estácio, e a irmã Úrsula. Só que Helena sabe que não é filha do conselheiro, foi apenas perfilhada depois que ele e sua mãe tiveram um romance passageiro. Assim, Estácio, apaixonado por Helena, vive o dilema de gostar da irmã, e a tia Úrsula vê-a como uma intrusa.” “Automan” (1983-84), série americana produzida por Glen A. Larson, c/ Desi Arnaz Jr., Chuck Wagner, Heather McNair … transmitida na RTP 1, aos sábados, pelas 17h40, de 24 de novembro de 1984 / 16 de fevereiro de 1985. “Walter Nebicher, um especialista em computadores, dá vida a um personagem de um dos seus jogos, para ajudar o Departamento da Polícia de Nova Iorque a combater a criminalidade.” “Walter Nebicher é um especialista em computadores do departamento de polícia, apesar de o seu superior hierárquico não dar nenhum crédito quanto ao seu contributo para a instituição. Para corrigir isso, ele desenha um programa especial que cria o Automan, uma inteligência artificial gerada por computador, que parece real, soa real e, dando-lhe energia suficiente, consegue ter uma presença física efetiva fora do computador que parece real. Juntos, Walter e Automan, ao lado do Cursor, um pequeno androide flutuante que produz qualquer objeto que o Automan necessite, combatem os criminosos da cidade.”
____________________
[1] Luís Filipe Menezes, médico, também retalha: “Face à letargia comatosa, não há que ter receio de mostrar a nossa diferença, nossa do PSD, em matéria de legislação laboral, reforma do Estado social, de descentralização e regionalização, de diminuição do peso do Estado no controlo da economia, de descorporativização da justiça. Seria esse o caminho que seguiriam ‘médicos’ corajosos como Sá Carneiro e Cavaco Silva.”
[2] No manual compreensivo das mulheres “Malleus Maleficarum”: “Mais amargo que a morte, outra vez, porque esta é natural e destrói apenas o corpo; mas o pecado que soleva da mulher destrói a alma privando-a da sua graça, e entrega o corpo ao castigo do pecado. Mais amargo que a morte, outra vez, porque a morte do corpo é um medonho e visível inimigo, mas a mulher é um bajulador e secreto inimigo. E por isso ela é mais perigosa que uma armadilha, não falo da armadilha de caçadores, mas de demónios. Pois os homens são apanhados, não apenas através dos seus desejos carnais, quando eles veem e ouvem as mulheres; pois S. Bernardo* diz: A sua face é um vento ardente, e a sua voz o silvo das serpentes; mas elas também lançam perversos feitiços sobre inúmeros homens e animais. E quando se diz que o seu coração é uma rede, fala-se da malícia inescrutável que reina nos seus corações. E as suas mãos são como faixas para amarrar; pois quando elas põem as mãos numa criatura para enfeitiçá-la, então com a ajuda do diabo, elas executam o seu desígnio. Para concluir. Toda a bruxaria vem da luxúria carnal, que na mulher é insaciável, ver Provérbios XXX: Há três coisas que nunca são satisfeitas, de facto, uma quarta coisa que diz: não, não é suficiente. Essa é a boca do ventre. Portanto, por causa de satisfazerem a sua concupiscência elas unem-se até com demónios.” – “Malleus Maleficarum” (1988) é também o auspicioso álbum de estreia do grupo de death jazz holandês Pestilence.
PS: A prova de *S. Bernardo. Nikky Case, 1,65 m, 50 kg, 90-60-90, sapatos 37, olhos azuis, cabelo loiro, nascida a 12 de dezembro de 1983 em Praga, República Checa, t.c.c. Irena, Irena G, Irena Gesvindrová, (Ирена Гесвиндрова), Irena Stevens, Irene, Irene Richie, Irenne, Irina, Irina Nile, Iris, Iveta, Jackie, Nicci, Nikki, Nikki Case, Nikky, Rita. Nikky: “Adoro viajar nos EUA e estou lá a maior parte do tempo em Miami. Adoro-a porque é uma cidade muito excitante e muito boa para a minha carreira de modelo. Gosto de frequentar boîtes com amigos e dançar. Gosto de música comercial de discoteca mas também antiga como Pink Floyd e Genesis. O meu sonho é ter uma família grande, viver numa casa grande com piscina e um jardim grande para dois cães.” {Website}. Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {foto da polícia}. Obra fílmica: {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo + Anetta Keys} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo + Sonia Red} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {“Cholita de la cumbia”, p/ Los Yes-Yes}.

na aparelhagem stereo

“‘Amen, Brother’ foi um pouco conhecido lado B lançado em 1969. Desapercebido na época, o seu solo de bateria foi extremamente influente, aparecendo, sob diferentes formas, em mais de 1500 canções, mas a banda por detrás dele nunca ganhou dinheiro com isso. (…). Ao longo das últimas três décadas, bandas dos dois lados do Atlântico, têm usado os seis segundos do solo de bateria de ‘Amen, Brother’ enquanto inspiração. [Dos primeiros samples: “King of the Beats” (1988), p/ Mantronix \/ “Bring the Noise” (1988), p/ Public Enemy \/ “Wordz Of Wisdom” (1989) p/ 3rd Bass \/ “Straight Outta Compton” (1989), p/ N.W.A.]. O vocalista Richard Lewis Spencer lembra-se do dia em que o gravaram em Atlanta, Georgia, na primavera de 1969. Os Winstons estavam encravados no estúdio necessitando de um lado B para a sua nova canção ‘Color Him Father’. Por fim, decidiram gravar um instrumental, livremente baseado numa velha canção gospel chamada ‘Amen’. [Jester Hairston tinha feito os arranjos para Sidney Poitier cantá-la no filme “Lilies of the Field” (1963), real. Ralph Nelson, estreado em Portugal como “uma obra de cinema do mais alto significado”, quinta-feira, 10 de dezembro de 1964 no cinema São Jorge. Curtis Mayfield viu o filme [1] e fez novos arranjos para os The Impressions (Curtis, Sam Gooden e Fred Cash) em 1964]. Elementos do instrumental dos Winstons vieram de um riff de guitarra que, o legendário músico de R&B, Curtis Mayfield, tinha tocado uma vez para Spencer. Mas eles não tinham música suficiente para a faixa completa, então decidiram esticá-la adicionando-lhe um solo de bateria. ‘A banda não queria de facto ensaiar a canção. Nós não estávamos lá para fazer ‘originais’, éramos uma banda de bar. Os rapazes estavam um pouco irritados, eles queriam tempo livre, então, foi tipo a despachar’, diz Spencer. A meio da faixa, os outros instrumentos calaram-se, enquanto o baterista Gregory Cylvester ‘GC’ Coleman bate por conta própria durante quatro compassos. ‘Em cerca de 20 minutos tínhamos uma canção tocável’, diz Spencer. Quem criou o solo de bateria exatamente, não é claro. Spencer diz que o orientou, enquanto Phil Tolotta, o único membro sobrevivente da banda, discorda, diz que o solo era ‘puro GC’. (…). Coleman agarrou-se às drogas e morreu sem abrigo e indigente nas ruas de Atlanta em 2006. Spencer pensa que é improvável que ele estivesse ciente do impacto do seu solo de bateria, gravado há décadas.” [2]
P. ex. o solo de bateria Amen em “I Desire” (1986), p/ Salt ‘N Pepper The Crablouse” (1994) p/ Lords of Acid Deutschland Has Gotta Die!” (1996), p/ Atari Teenage Riot No Remorse (I Wanna Die)” (1997) p/ Atari Teenage Riot & Slayer Powerpuff Girls” (1998-2005) Futurama” (1999-2013).
Das ruas chiques de Paris, um cadáver normal. Dominus Vobiscum, “O Senhor esteja convosco”, “este é o cartão da cerimónia fúnebre de Stiv Bators. Realizou-se em Cleveland no velho clube Babylon A Go Go, 2523 Market Street. Marian e Steven J. Bator Sr., os pais de Stiv, estiveram lá, um simpático casal polaco, rodeados por paletes de envelhecidas descargas-punk de Cleveland e jovens parasitas do rock alternativo. Para um velório foi um momento incrível. Era suposto a VJ da MTV, Martha Quinn, estar lá, visto que ela e Stiv namoraram recentemente ou algo parecido … De qualquer forma, apenas as câmaras da MTV apareceram. Mostraram-se videoclips de pessoas famosas que não puderam levar o seu balofo rabo a Cleveland. (…). E um formidável de Lydia Lunch. Ela contou uma história de como, ‘A primeira vez que encontrei o Stiv foi no banco de trás de um táxi. Fiz-lhe um broche. Gajo simpático, pichota grande’.” [3] Em 1978, Stiv participou numa sessão fotográfica / entrevista de Brooke Shields, então uma jovem muito sábia de 12 anos, para um episódio do programa de TV por cabo, “The Efrom Allen Show”. Em 1988, sofreu uma experiência de quase-morte em palco. “Ele morreu, durante um minuto, após uma rotineira performance de auto-estrangulamento dar para o torto. Se ele não se tivesse mijado, alertando os colegas da banda e os membros da equipa, que algo estava errado, ele poderia não ter sobrevivido.” Em 1990, Stiv Bators é atropelado por um táxi ao atravessar uma rua em Paris. “Ele foi transportado para um hospital parisiense depois do acidente, mas foi-se embora antes de receber qualquer tratamento. O roqueiro reclamou que estava fino, mas depois morreu durante o sono mais tarde nessa noite. A namorada de Bators, Caroline Warren, afirmou que espalhou algumas das suas cinzas no túmulo de Jim Morrison, mas também guardou algumas para snifar, numa tentativa de ficar mais perto do seu falecido amante.” Provavelmente, outra inverdade, contada por John Waters: “A sua namorada disse-me que depois do funeral snifou as cinzas dele.” [4]
Sardinha viva a saltar da cesta dos anos 80:
Kokomo” (1988), p/ The Beach Boys. “A canção surgiu quando o produtor musical Terry Melcher foi contratado para trabalhar numa música dos Beach Boys para o filme ‘Cocktail’ com Tom Cruise. Os dias de glória dos Beach Boys tinham ficado para trás, e eles estavam a tocar em feiras e espetáculos nostálgicos. Eles foram uma das bandas mais populares dos anos 60, e tinham uma data de canções sobre diversão e pândega, razão pela qual foram convidados para gravar para o filme. Na entrevista com Mike Love, ele contou como aconteceu: ‘Terry estava no estúdio produzindo uma faixa com uma maquete, porque nos pediram para fazer uma canção para a banda sonora do filme ‘Cocktail’, protagonizado por Tom Cruise. Então, foi-nos pedido pelo realizador para arranjar uma canção para esta parte do filme onde o Tom Cruise passa de barman em Nova Iorque para a Jamaica. Então, foi aí que eu bolei a ideia do ‘Aruba, Jamaica’, essa parte’. (…). Melcher era filho da atriz Doris Day. Em 1964, ele trabalhou como produtor na Columbia Records, onde se juntou ao futuro Beach Boy, Bruce Johnston, no êxito ‘Hey Little Cobra’, que foi atribuído aos Rip Chords. (…). Terry Melcher escreveu a canção [Kokomo] com a ajuda de John Phillips, antigo membro dos Mamas And The Papas, juntamente com Mike Love e Scott McKenzie, que teve um êxito em 1967 com ‘San Francisco (Be Sure To Wear Some Flowers In Your Hair)’. A filha de Phillips, Chyna, estava no grupo Wilson Phillips com as filhas de Brian Wilson, Carnie e Wendy.” – Em 2004, Bob & Tom aperfeiçoaram a canção com a paródia “Camel Toe”: “Your biscuit, your beavage I see your tooter cleavage / Your monkey, your muffin you aint hiding nothing / Your koochie, your flapper your showing off your snapper / Your camel toe, it looks alright so baby let it show / Looks like a big taco / I see your camel toe.” Just A Gigolo” (1985), p/ David Lee Roth. “É uma canção popular, adaptada por Irving Caesar em 1929 da canção austríaca ‘Schöner Gigolo, armer Gigolo’, composta em 1928, em Viena, por Leonello Casucci para a letra de Julius Brammer, escrita em 1924. (…). A versão original é uma visão poética do colapso social vivido na Áustria após a Primeira Guerra Mundial, representado pela imagem de um ex-hussardo que se lembra de desfilar no seu uniforme, ao passo que agora ele tem que se sustentar como um solitário bailarino contratado.” [5] Shake You Down” (1986), p/ Gregory Abbott. “Shake you down é uma frase que Abbott criou, a qual, julgava ele, expressava a forma como um homem se sente quando vê uma mulher atraente – ‘Girl, I want to shake you down’. Ele tentou o parlapié numa amiga e quando ela respondeu positivamente, tornou-se no título para uma canção que ele estava a trabalhar. (…). Este foi o único êxito de Abbott. Antes de ser lançado, ele era professor de inglês na Universidade de Berkeley, e aos 8 anos era membro do Coro da Catedral de St. Patrick. Ele foi casado entre 1976 e 1979 com a cantora Freda Payne, que teve um sucesso em 1970 com ‘Band of Gold’.” Cherish” (1985) p/ Kool & The Gang. “Durante a produção o álbum ‘Emergency’ (1984), a banda decidiu gravar nas Bahamas, nos estúdios Compass Point em Nassau. Enquanto trabalhavam na praia, o vocalista ‘JT’ Taylor observava os filhos dos membros da banda alegremente a brincar e pensou para os seus botões ‘como somos abençoados. Deus tem sido bom para nós e devemos estimar (cherish) isso’. Taylor apresentou a ideia ao baixista, Robert ‘Kool’ Bell, que gostou.”
Paid In Full” (1987), p/ Eric B. & Rakim. “Neste clássico do início do hip-hop, Rakim canta sobre a satisfação de ganhar dinheiro fazendo aquilo que gosta, que é fazer música. Em contraste com muitas canções rap posteriores, onde os MC pavoneiam a sua excessiva riqueza, Rakim é bastante humilde na sua canção, com o dinheiro permitindo-lhe a liberdade de comprar um prato de peixe e ser pago por trabalho honesto.” Copper” (1982), p/ Tones on Tail. “Os Tones on Tail foram um projeto musical paralelo de Daniel Ash, do grupo de rock gótico Bauhaus, juntamente com o seu amigo da escola de arte, colega de quarto e roadie dos Bauhaus, Glenn Campling, em 1982. O nome da banda é uma referência à forma como os tons de calibração eram gravados na ‘cauda’ de bobinas. Após a dissolução dos Bauhaus em 1983, juntou-se-lhes o baterista Kevin Haskins. A sua música foi descrita por um crítico como doom-e-dance-pop. A banda separou-se em 1984, pouco antes de Ash e Haskins formarem os Love and Rockets.” [6] Music is a Better Noise” (1980), p/ Essential Logic. “Lora Logic, nascida Susan Whitby, saxofonista, cantora e compositora inglesa, foi, fugazmente, membro do assombroso grupo de punk rock X-Ray Spex. É o saxofone de Lora no primeiro single dos Spex, ‘Oh Bondage, Up Yours’ (1977). Mas o que Lora fez a seguir foi ainda mais grandioso. Formada em 1978, a banda Essential Logic atrai um grupo de músicos (masculinos) em torno das suas explorações de uma sumptuosa mistura de jazz, punk, poesia beatnick e berros. Dizer que ela ‘abriu novos caminhos’ nem chega perto, que tal: ‘ela colonizou um novo planeta’. O primeiro single dos EL, na sua etiqueta própria Cells Records, foi ‘Aerosol Burns’ (1978), uma furiosa canelada combinada com o que pode ser um discurso contra a domesticidade, mas quem sabe? Como muitos discos dos EL, os vocais eram outro instrumento, ao lado do furioso sax de Lora, mas não tão coerentes. ‘Aerosol Burns’ foi seguido por um EP sem título, na Virgin (1979), que foi retirado após objeções da Disney – a capa exibia alguém num fato de coelho da Disney. Agora, Lora estava a combinar o seu trabalho nos EL com uma existência paralela cantando e tocando na encarnação de finais de 70 / início de 80 dos Red Krayola de Mayo Thompson – na época, conhecidos como The Red Crayola (ela está nos álbuns ‘Soldier Talk’ (1979) e ‘Kangaroo?’ (1981) e em numerosos brilhantes singles, um dos quais, ‘Born in Flames’ (1980).” 88 Lines About 44 Women” (1982) p/ The Nails. “O vocalista dos Nails, Marc Campbell, escreveu a letra desta canção e compôs a música com o teclista David Kaufman. [Campbell disse: “‘88 Lines’ foi tão simples que foi estranho. Os Nails tinham um estúdio no nosso sótão em Manhattan. Era no tempo em que se podia alugar todo o andar de alguma antiga fábrica por 1000 dólares, e tínhamos posto lá um pequeno estúdio de gravação e lugar de ensaio. O meu teclista, David, e eu estávamos a trocar de posições na banda, comigo a tocar bateria e ele a tocar viola baixo, e estávamos apenas a executar alguns riffs no seu novo teclado Casio, que tinha algumas faixas rítmicas pré-programadas. A breve faixa rítmica que se ouve em ‘88 Lines’ foi tirada diretamente do Casio. Ele ligou essa pequena faixa rítmica e eu estava na bateria e gostei do que ouvi. Então peguei na cassete que fizemos desse riff e fui para casa. Apercebi-me que havia lá quatro ou cinco minutos aproveitáveis de riff, e que isso acomodaria 88 versos ou 44 dísticos. Isso determinaria a duração da canção. Curiosamente, 88 é um número bastante cósmico. Existem 88 teclas no teclado. ‘Rocket 88’ foi uma canção chave do rock and roll. Então pensei, sobre o que é que se pode escrever em 88 versos? Sobre o que é que se pode escrever em 44 dísticos? Bem, quero dizer, o que é que existe por aí, verdadeiramente, senão mulheres?”]. A canção é exatamente o que o título diz: uma breve descrição de 44 mulheres, cada uma recebendo dois versos. Campbell entrou naquilo que ele chama um ‘estado de transe’ quando começou a escrever sobre as mulheres, algumas eram reais, outras foram inventadas e algumas ele não tem a certeza; como Marc acredita, a sua mente pode ter construído algumas das memórias. Uma das mulheres na canção – aquela cujo verso é ‘Tanya, turkish, liked to fuck while wearing leather biker boots’ – tornou-se namorada de Campbell, cerca de 30 anos depois de ele a ter posto na canção. Ele disse em 2012: ‘Divorciei-me há três anos após 18 de casamento e foi devastador. Alguém disse, Marc, tens de espreitar esta coisa chamada Facebook? Então eu espreitei esta coisa chamada Facebook e liguei-me a velhos amigos em Manhattan, e decidimos que eu iria de carro até Manhattan a partir do Texas, e visitaria os meus velhos amigos e jantaria com eles. E uma das mulheres presentes era Tanya. Bom, juntámo-nos e o resto é história.”
____________________
[1] Curtis Mayfield: “Eu tinha ido ver o filme ‘Lilies of the Field’, e a canção ‘Amen’ foi muito inspiradora para mim, assim como foi o filme … Naturalmente, decidi fazer uma versão dela. Montámo-la no estúdio, começando com uma melodia ‘swing low sweet chariot’, e depois chegámos a essa canção em particular com algo de ritmo de marcha.”
[2] Impactante é antonomásia da elite portuguesa. Numa impactação, em 2015, dois dos mais impactantes líderes, José Maria Ricciardi, vedeta da boa gestão bancária, e Marcelo Rebelo de Sousa, vedeta da gramática generativa de olaria, impactaram. “Em fevereiro, a TVI recusara-se a transmitir um direito de resposta de Ricciardi, no qual eram tecidas fortes críticas ao comentador. A polémica começou quando Marcelo afirmou no seu espaço semanal na TVI que o BESI, liderado por Ricciardi, avalizara a emissão de papel comercial pela holding Espírito Santo International. Ricciardi respondeu com um violento comunicado em que desmentia as declarações de Marcelo e frisava que, durante anos, o comentador passou férias no Brasil a convite de Ricardo Salgado. O presidente do BESI enviou também um texto de direito de resposta para a TVI, mas a estação recusou transmitir a declaração, alegando que a mesma continha ‘expressões desproporcionalmente desprimorosas’ a respeito de Marcelo. (…). Ricciardi refez esse texto e entregou nova declaração, mas a TVI manteve a recusa, invocando que conteria outras expressões igualmente desprimorosas. Numa das frases contestadas pela TVI, Ricciardi refere que Marcelo ‘não reúne as condições de imparcialidade, isenção e objetividade que lhe permitam uma avaliação séria e ponderada’”, no Diário Económico.
Proporcionalmente primorosas expressam-se. Bristol Everett, 1,65 m, olhos azuis, cabelos loiros, nascida a 1 de janeiro de 1994, no Colorado. Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos}. Emma Nicholls, 1,65 m, 55 kg, 81-71-86, sapatos 38, olhos e cabelos castanhos, nascida a 22 de março de 1991 em Cambridge. Contagiada pela cidade é uma autêntica rata de biblioteca. Ela é tipo a rapariga sabichona perfeita. Tem óculos sexy, mamas grandes e adora ler, livros e jornais. Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos}. Obra fílmica: {vídeo}. Yolanda F, 1,73 m, 50 kg, 88-63-91, olhos azuis, cabelos castanhos, nascida a 1 de janeiro de 1990, na Rússia, t.c.c. Ilona, Yuta A, Yuta B. “Muito bonita e sexy, Yuta A é uma estudante de pós-graduação em design e adora História e Arte. Ela gosta de dançar e, na maioria dos seus escaldantes vídeos vemo-la posar travessa enquanto dança sensualmente.” Yuta A: “Estudo na universidade para ser designer de moda masculina. Também gosto de História e Arte bem como de cantar. Gosto de dançar estilos modernos.” Obra pictórica: {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos} {fotos}. Obra fílmica: {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo} {vídeo}.
Susannah Benjamin “nasceu em Nova Iorque no verão de 1993. Ela está a fotografar desde os11 anos e seu trabalho tem sido publicado desde os 13.” “O meu trabalho explora temas de metamorfose, adolescência, autoimagem, etc.” “Susannah é uma preternatural contadora de histórias. Escreve desde que se lembra, ela começou a traduzir as suas histórias em imagens os 11 anos, quando a mãe lhe deu uma câmara compacta da Kodak pelo Natal. Ela descreve a sua cidade natal de Greenwich, Connecticut, como realidade banal, e encontrou um meio de viajar para outro lugar com a câmara. A fotografia era uma forma de escape, uma maneira de criar novos mundos. O seu estilo é baseado numa narrativa, com alto contraste e humor pesado. Para ela, a fotografia não é sobre uma pessoa bonita num lugar bonito, é sobre a interação entre o fotógrafo e o modelo.” “Em 2011, com 17 anos, Susannah foi chamada para trabalhar numa sessão fotográfica para a Beyoncé. Jenke Tailly, o agente criativo de Beyoncé na altura, era representado pelo mesmo agente da Susannah. ‘Ele queria trabalhar comigo porque gostou do meu trabalho, e deve ter partilhado com a Beyoncé’, disse Susannah. ‘Beyoncé gostou realmente do aspeto narrativo do meu trabalho. Ela tinha acabado de fazer 30 anos, e tinha feito tudo o que há para fazer no planeta, de modo que, aparentemente, procurava descobrir algum novo talento’. Susannah criou algumas ideias para as sessões de fotos da Beyoncé, e Beyoncé adorou os conceitos, mas Beyoncé partia em tournée e Susannah prestes a iniciar a sua primeira semana na faculdade, o timing não estava certo. Em vez disso, foi oferecida outra oportunidade a Susannah. ‘Eles disseram, ela vai fazer concertos quatro noites na tua cidade, porque não és a sua fotógrafa de imprensa numa dessas noites?’” Susannah: “Eu senti literalmente que nasci sabendo o que queria fazer. Não considero a escrita e a fotografia coisas diferentes. Ambas contam histórias. Às vezes conto histórias com fotos, às vezes com palavras. Como temas, adoro o surrealismo e raparigas adolescentes. Mas tento abordar as grandes questões. Sempre que tenho as minhas incertezas, tento resolvê-las através da minha arte.” “Neste verão passado, tive raparigas a posar para mim no ginásio de Payne Whitney. Amigos da escola emprestaram-me os seus uniformes, e todas vestiram-nos, exceto uma, que estava nua, no centro do círculo de alunas. Eu queria realmente retratar algo que me estava a perturbar: a ideia de bullying. Até pudemos usar a arena de luta greco-romana. Catorze raparigas em formatura, a intimidar aquela rapariga no centro.” {flickr} {Susannah’s Scrap Pile} {Susannah Benjamin} {15 fotos}.
[3] Uma boa história, provavelmente, inverdadeira. Não sendo inédito a carne de Stiv Bators na boca de uma mulher, “Caught With The Meat In Your Mouth” (1981), p/ Dead Boys, Lydia conheceu-o aos 14 anos, trazia ela um gravador com uma cassete de Iggy Pop and The Stooges. Todavia, ela garante que os Dead Boys são uma grande foda, porque os fodeu e eles escreveram-lhe “I Need Lunch” (1977): “Well I, baby, I don't need romance / You know, girl, I just wanna get in your pants”. Lydia Lunch “depois de chegar a Nova Iorque, com 16 anos, vinda de Rochester, com nada mais que ‘uma pequena mala vermelha, um casaco de inverno e uma atitude do caralho’, ela trabalhou como empregada de bar e go-go dancer no Baby Doll Lounge, nas Church e White Sts., em Tribeca, na baixa de Manhattan. [“Baby Doll” (1982), real. Tessa Hughes-Freeland, c/ Ferne e Irene, duas dançarinas do Baby Doll Lounge]. Lydia conheceu os Suicide no Max’s Kansas City, (que se tornaram nos primeiros amigos em NYC) e Willy DeVille (que lhe deu o nome de Lunch, porque ela muitas vezes roubava o almoço para os Dead Boys). Em seguida, ela foi viver, durante cerca de um ano, com o então namorado, James Chance (nascido James Siegfried), que tinha vindo para Nova Iorque (de Milwaukee) na última semana de 1975.”
[4]Stiv Bators e os seus amigos, o guitarrista Jimmy Zero e o baixista Jeff Magnum, procuravam músicos em Cleveland, Ohio, em 1975. Eles eram grandes fãs de Iggy Pop e queriam tocar covers do Iggy e estroinar. Simultaneamente, o guitarrista Cheetah Chrome e o baterista Johnny Blitz tinham uma banda chamada Rocket From The Tombs, juntamente com David Thomas e Peter Laughner (Thomas e Laughner mais tarde formaram os Pere Ubu), mas era um pouco artística demais para Chrome e Blitz. Os Rocket From The Tombs separaram-se e Bators, Zero e Magnum conheceram Chrome e Blitz no verão de 1975, e juntos formaram uma banda nova. Chamaram-se Frankenstein, fizeram o primeiro concerto no Dia das Bruxas desse ano. Os Frankenstein deram apenas quatro concertos em Cleveland e gravaram um EP-maquete intitulado ‘Eve Of The Dead Boys’ com três canções – ‘Sonic Reducer’, ‘High Tension Wire’ e ‘Down In Flames’. Era difícil marcar concertos nos conservadores clubes de Cleveland e eles separaram-se, frustrados, três meses depois. Na Páscoa de 1976, Stiv foi convidado a ir a Nova Iorque, pelo guitarrista dos Heartbreakers, Johnny Thunders (ex-membro dos New York Dolls). Stiv gostou tanto da atmosfera de Nova Iorque que após regressar a Cleveland queria voltar com o resto dos Frankenstein. A banda era agora chamada Dead Boys, tomando o seu nome da canção dos Frankenstein ‘Down In Flames’ (‘Dead boy, running scared’). Eles mudaram-se para Nova Iorque em julho de 1976 e a sua primeira aparição no CBGB, em agosto, foi assegurada em seu favor por Joey Ramone (The Ramones), que os havia conhecido anteriormente em Youngstown, Ohio. (…). Depois da separação dos The Wanderers em 1981, Stiv formou The Lords Of The New Church com Dave Treganna no baixo, Brian James na guitarra (ex-Damned) e Nick Turner na bateria (ex-Barracudas). Mesmo no princípio, a banda chamava-se The Damned Dead Sham Band, com Stiv nos vocais, James na guitarra, Treganna no baixo e Rat Scabies (dos Damned) na bateria. Eles fizeram um concerto pontual em Clarendon, Londres, em 1980. Mais tarde, Scabies foi substituído por Turner. Os Lords combinavam o punk dos anos 70 com os apocalípticos dos anos 80 para criar um som original. Com os Lords Stiv obteve finalmente o merecido sucesso na Europa e também nos EUA. Os Lords gravaram três álbuns. O primeiro autointitulado ‘Lords Of The New Church’ (lançado em 1982) tem uma intensa energia escura com canções como ‘New Church’, ‘Russian Roulette’ e ‘Open Your Eyes’. Em 1983 os Lords editaram o seu segundo LP intitulado ‘Is Nothing Sacred?’. As canções mais conhecidas desse álbum são ‘Dance With Me’, ‘Black Girl / White Girl’ e uma versão da veneranda ‘Live For Today’ dos Grass Roots. O último álbum de estúdio, ‘The Method To Our Madness’ (lançado em 1984), é talvez o mais popular disco dos Lords com canções como ‘Murder Style’, a canção título ‘Method To My Madness’ (com uma engraçada interjeição dita pelo dono da Illegal Records, Miles Copeland: “Well boy, you better shut your mouth / You can't afford to bail / Now don't go telling secrets / This record's gotta sell”) e a formidável balada ‘When Blood Runs Cold’.”
[5] O último filme com Marlene Dietrich chamava-se… “Schöner Gigolo, armer Gigolo” (1978), real. David Hemmings, c/ David Bowie (Paul Ambrosius von Przygodski), Sydne Rome (Cilly), Kim Novak (Helga von Kaiserling) … transmitido na RTP1, no programa “Lotação esgotada” dia 29 de maio de 1991. “Terceira longa-metragem realizada por David Hemmings, ator britânico que Antonioni revelou em ‘Blow Up’. Neste filme, Hemmings traça o retrato de um jovem aristocrata de origem prussiana, cuja família ficou arruinada após a I Grande Guerra. Ao descobrir o fascínio que exerce sobre o sexo oposto, o ovem encontra no ato de seduzir um meio de sobrevivência. David Bowie surge como o protagonista ideal desta história amarga, onde se destaca igualmente a atriz Marlene Dietrich, que com este título se despediu definitivamente da sétima arte.”
[6] “No outono de 1982, a Fantagraphics publicou o primeiro número de Love and Rockets, uma revista a preto e branco apresentando histórias e arte dos irmãos Jaime, Gilbert e Mario Hernandez, t.c.c. Los Bros. Hernandez. Esta banda desenhada inicial, influenciada pelo amor dos irmãos pela BD Archie, ficção científica, punk rock e a sua herança latina do sul da Califórnia, lançou as fundações para uma das mais ambiciosas, influentes e aclamadas bandas desenhadas independentes de todos os tempos.” {Esboço para uma série de TV}. “Na década de 1980, uma série em quadrinhos inovadora, inteligente e divertida surgiu na revista Love and Rockets e foi aclamada pela crítica, pelo público e pelos leitores do mundo inteiro. Era Locas, de Jaime Hernandez, que contava as aventuras de duas jovens amigas, Maggie e Hoppey, num mundo maluco que quase poderia ser o nosso. Ao mesmo tempo em que têm problemas para conseguir dinheiro e pagar o aluguer, a dupla ainda convive com super-heróis desmiolados, romances confusos, dinossauros, irmãos chatos, bilionários mulherengos e gajos passados.”
“A personagem central da história ‘Locas’, de 1981 até 2011, Margarita Luisa ‘Maggie’ Chascarrillo é uma chicana (mexicana-americana) nascida e criada na ficcional, maioritariamente chicana, cidade do sul da Califórnia, Hoppers. Na adolescência ela descobre um talento para o trabalho de mecânico e uma paixão pela cultura punk rock. Esta última quebra o gelo entre ela e a irada e alienada Hopey, de quem se torna melhor amiga e, eventualmente, ora sim ora não, amante. Após um período de dois anos de aventuras no país e no estrangeiro como assistente do mecânico Rand Race, por quem tem uma não retribuída paixoneta, abandona a vida de mecânico. Maggie aceita uma série de trabalhos bizarros, um romance de dois anos com o amigo de infância, Ray, seguido por outra relação aberta com Hopey, seguida por um longo período de errância. Finalmente, reunindo-se com Hopey de volta a casa, estabelece ligação com o seu antigo namorado do liceu, Tony Chase, e casa-se com ele, apenas para se divorciar amigavelmente dois anos depois, porque ainda está inquieta e insatisfeita. Logo depois, aceita o seu primeiro emprego fixo em anos, como administradora de um complexo de apartamentos. Vários anos mais tarde, ela completa o ciclo da sua carreira abrindo a sua própria garagem. Ela até consegue encontrar o amor duradouro.”
“Esperanza Leticia ‘Hopey’ Glass é a melhor amiga e, por vezes, amante de Maggie. De mistura genética escocesa e colombiana, quando criança resiste às tentativas da mãe para fazer dela uma estrela de TV. No liceu, Hopey, no princípio, é amiga da cadela-mor da turma, mas depois cai sob o encanto do seu colega, o altaneiro guitarrista de punk rock, Terry Downe, fugindo de casa para viver com ele num pardieiro punk. Ela distancia-se da mãe, que a criou a ela e ao seu irmão, Joey, depois de se divorciar. Enquanto Hopey abraça o estilo de vida ‘punk zangado’, rapidamente inverte a sua relação com Terry e, no final, troca-o pela Maggie. No entanto, continua a tocar (mal) viola baixo na banda do Terry, deixando Hoppers e Maggie para ir em tournée. Na sequência do suporte acrimonioso da banda, Hopey regressa a casa com o seu roadie Tex, acidentalmente ficando grávida dele e sofrendo um aborto espontâneo. Uma reconciliação com Maggie prova-se de curta duração, quando elas se separam outra vez, depois de uma amarga discussão sobre as suas atitudes contraditórias face à sua identidade hispânica. Quando a banda da Hopey sai em tournée, algum tempo depois, ela e Aggie têm um reencontro agridoce e voltam a juntar-se noutra relação aberta que sobrevive, tanto o casamento da Maggie como a Hopey ter-se enrolado com a colega Rosie. Hopey, passados os dias de rebeldia punk, torna-se professora assistente de jardim-de-infância e, finalmente, professora, assentando com uma mulher não identificada com quem cria um filho.”
Antes de assentar, Pedro Passos Coelho tragava livros. “‘Queria coisas mais diretas. Os autores existencialistas que problematizavam matérias sobre as quais eu também me interrogava’. E deu como exemplos Kafka, Sartre e até Voltaire: ‘Li Kafka muito depois da Fenomenologia do Ser, de Sartre. Li Voltaire muito mais cedo do que consegui ler Camilo ou Eça’.” Precedendo a existência a essência, Love & Rockets é um clube de strip, com duas localizações, Fortitude Valley e Petrie Tce, em Brisbane, Austrália.