Pratinho de Couratos

A espantosa vida quotidiana no Portugal moderno!

quinta-feira, novembro 15, 2012


O desconfiado pezinho da Maria

Em 1981, sumaria-se o país “Como és belo, meu Portugal”, no álbum “Marginal” de Luís Cília: “Pelo Banco mundial / que dá o seu capital / como prenda de Natal / e é reforço fundamental, / p’rá independência nacional. / Como és belo, meu Portugal.” [1]. Que belo Portugal era. País a preto e branco, às vezes, às cores. No domingo, 1 de março, trepa 20% a taxa da televisão, “aumento previsto no acordo de saneamento económico-financeiro da RTP, (…) os trabalhadores foram aumentados, em novembro de 1980, em 23,5%”. “As taxas anuais de televisão são de 960 escudos e 1 920 escudos, respetivamente para os recetores a preto e branco e a cores”. E a cores ou a preto e branco os espectadores verão dois factos, históricos, cômpares: dia 9 de janeiro toma posse o VII Governo Constitucional liderado por Pinto Balsemão e sustentado por uma maioria formada pelo PSD, CDS e PPM, e dia 4 de setembro toma posse o VIII Governo Constitucional liderado por Pinto Balsemão e sustentado por uma maioria formada pelo PSD, CDS e PPM. Pinto Balsemão foi amigalhaço de Sá Carneiro, fundaram um partido político, juntinhos, o PSD, para bem governar Portugal, conheceram-se nas bancadas do Parlamento em 1969: “e foi aí que nos conhecemos, entre outras razões, porque ambos, sendo Francisco, ficávamos sentados ao lado um do outro, mas também porque comungávamos de várias preocupações sobre a necessidade de uma reforma rápida das instituições em Portugal e sobre a instauração da democracia, e portanto uma reclamação pela liberdade. E acho, penso, que ala liberal, foi chamada liberal, não tanto por expressar uma ideologia liberal, mas sobretudo pela luta que teve ou que tentou travar pela liberdade”.
Cavaco Silva, silvando que “tenho um estilo próprio de exercer o meu cargo de ministro (…). Manifesto muita firmeza – defendo mesmo com alguma dureza e teimosia, reconheço-o – as ações que estou convencido serem as mais corretas”, recusou-se pintar no Governo de Pinto Balsemão, que lhe balsamou outra razão: “custa-me a compreender que o atual ministro das Finanças diga que não ficou por não dispor de condições … Estou convencido de que nunca vingarão em Portugal projetos de poder pessoal, porque o povo português ao escolher quem quer para o governar escolhe um conjunto de medidas, um modelo de sociedade, e não o cidadão A ou B. Santa Comba Dão, em 1980, não é concebível”. Cavaco Silva era um pacato professor de Finanças e as Finanças nunca esquecem, uma bela inimizade escavacou-se desde estas declarações ao Diário de Notícias do dia 1 de janeiro, e a vingança terá requintes de “cavaquez”. A caravela portuguesa em 1981 navegava em doca seca, uma bancarrota avistava-se no horizonte, e a meteorologia amarinhava, não chovia: “em algumas localidades a estiagem já originou situações críticas no abastecimento de água, tendo algumas populações chegado ao ponto de organizar procissões e mandar rezar missas para ‘pedir a Deus que faça chover’”, noticiava o Diário de Lisboa, quarta-feira, 18 de fevereiro: “árabes prometem dinheiro a Balsemão. Em resposta ao apelo do executivo de Pinto Balsemão, relativamente à prolongada seca que se vive em Portugal, três países do Médio Oriente, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e o Kuwait prometeram dar o seu apoio ao nosso país”. Na quinta-feira, 26 de março: “arroz 40% mais caro. Carolino a 50$00 e mercantil a 27$50”, na quinta-feira 30 de abril, os destroços do punk nas ruas portuguesas tiram a barriga de misérias com os Clash no Pavilhão Dramático de Cascais, na primeira parte, os Táxi (dizem, pagos a quinze mil escudos) e a Pearl Harbour [2].
O Poço da Lúcia, em Aljustrel, local da segunda aparição do anjo, também foi afetado pela seca, “uma boa gestão da parte de uma sobrinha de Lúcia evitou o pior, a sua exaustão”, do outro lado da rua, vivia Maria dos Anjos, irmã da vidente, pilar de Portugal: “uma vez estava ali naquela casa, da irmã Lúcia, um homem qualquer que entrou na cozinha e perguntou-me se tinha fé em Deus. Fé porquê? – perguntei-lhe. Alguma vez o viu? – perguntou ele. Eu já, disse. Quando? Todos os dias, disse eu. Todos? Onde, quando? – perguntava ele. Bonda olhar para esta abóbada celeste para saber que há Deus”. Deus pusera os portugueses na linha da frente dos serviços de informação com o terceiro segredo de Fátima: “eu nunca lhe pedi para ela me dizer o segredo. Mas uma vez procurei a maneira e disse-lhe assim: às vezes vejo-me atrapalhada com as pessoas a perguntarem-me. E ela disse-me para eu responder que se vai sabendo a pouco e pouco. E vai, que ela em pequena dizia: ai o Santo Padre, tenho tanta pena dele. Ela sabia o que ele estava para passar”. “Naquele tempo, o Santo Padre ninguém lhe fazia nenhum. Mas agora vê-se”. No dia 13 maio, o turco Mehmet Ali Ağca disparara sobre João Paulo II na Praça de São Pedro, em Roma, e o Santo Padre reconheceu “uma mão materna”, de Maria, que o amparou, retendo-lhe o sopro da vida, para salvar o mundo do comunismo. Em Portugal, houve comunhão de fiéis no sábado, 23 de maio: “a febre do ‘rock and roll’ e a solidariedade para com o malgrado defesa-direito do Sporting, o loiro, duríssimo e espetacular Artur, inutilizado para o futebol por uma trombose, levaram esta manhã ao estádio Alvalade, em Lisboa, uma multidão calculada entre 30 e 35 mil pessoas”. Nessa manhã, nas escolas secundárias, os azarentos com aulas ao sábado desertaram para o Campo Grande, os retidos, ouviam a transmissão via rádio do programa “Febre de sábado de manhã”, de Júlio Isidro [3], com Mário Mata, CTT, Tantra, Adelaide Ferreira, Táxi… e a atração internacional Fischer Z [4].
Com a seca severa, em maio, as emissões de televisão encerrarão pouco depois das 23:00 horas para poupar energia, embora a determinação governamental seja para encerrar antes das 23:00 horas. O país liquefaz-se no verão, escachado na relva dos jardins. Serão dez dias, entre 10 e 20 de junho. Segunda-feira, 15: “a grande maioria dos citadinos não conseguiu suportar em casa a canícula. Praias, matas, jardins, cervejarias, foram literalmente invadidas, enquanto milhares de galinhas poedeiras soçobravam à violência climatérica”, no dia anterior arquearam com 43º, no dia seguinte: “dezanove mortos por desidratação”. “Metade do parque avícola nacional dizimada em quarenta e oito horas”. E no dia 17 falta água nas zonas altas de Lisboa. “Lisboa e Porto quase esgotaram as reservas de cerveja nos últimos dias. Em Lisboa, a Sociedade Central de Cervejas vendeu 40 mil grades (…). No Porto as duas principais fábricas de cerveja e refrigerantes esgotaram as reservas”. A onda de calor de 2003, entre 29 de julho e 15 de agosto, foi mais extrema e de maior duração, esta de 81 foi de extensão espacial superior. Em 1991 haverá outra grande onda de calor entre 10 e 18 de julho. – Amainado o calor, trabalhar é mais fácil. Na quarta-feira, 1 de julho: “durante ‘maratona’ parlamentar de 22 horas deputados aumentam-se quase 100 por cento”. A governação sempre conluiada com a economia real do país. Sexta-feira, 17 de julho: “custo de vida sobe outra vez. Transportes mais caros (até 25 por cento) em setembro. Combustíveis, eletricidade e juros subiram hoje. Por detrás do ‘pacote’ hoje anunciado, instruções bem precisas do Banco Mundial”.
O país, como um desarrumado quarto de adolescentes, encaminha-se para o caos, além fronteiras nacionais, o mundo livre ordena-se. Quarta-feira 29 de julho, Carlos e Diana casam-se na St. Paul’s Cathedral, “um conto de fadas”, acerta-lhe o bispo de Canterbury, o padreca celebrante da cerimónia. Mil milhões de pessoas sonharam plebeiamente através da televisão, nas ruas, um conto de fadas más: “tumultos em Liverpool antecederam boda real. Enquanto mais dois grevistas do IRA estão à beira da morte no Bloco H e em Liverpool se registaram esta madrugada, pela terceira vez consecutiva, violentos tumultos, em Londres, um ambiente de ‘Carnaval’ envolveu esta manhã o casamento de Carlos e Diana”. No dia 1 de agosto, para um público-alvo adolescente e jovem adulto, perenes, estreou a MTV: o primeiro vídeo, “Video Killed the Radio Star” dos Buggles e o segundo “You Better Run” da Pat Benatar. Em 1991 censurarão “Jesus Christ Pose” dos Soundgarden. Para ascenderem à perfeição televisiva no século XXI com “My Super Sweet 16” (2005-08): onde se documenta os preparos e festa do décimo sexto ano de um aniversariante com pais porcos de ricos. Como Audrey, que apetece-lhe como prenda um Lexus (67 mil dólares). No stand, o vendedor gaba: o carro tem sistema de navegação ativada por voz, ela, sentada ao volante diz: “shopping mall”. A progenitora descuidou-se, sacou o carro antes do momento dramático: “estúpida, idiótica  mãe. Estragaste tudo ao entregar o carro no dia errado … arruinaste a minha vida, foda-se, odeio-te, vou-me embora, a festa está cancelada!” (para a qual contratara Los Primeros que lhe ensinaram os seus moves para o vídeo “Eslow Motion”). No continente europeu, a MTV Europa, atamancada em Amesterdão, terá uma estreia mais pudim, a 1 de agosto de 1987, com um concerto ao vivo de Elton John. O primeiro vídeo transmitido, “Money For Nothing” dos Dire Straits, agasalhava a empresa com a frase “I want my MTV”, dita por Sting. – No ano de 1981, os portugueses sobrevêm as peripécias de “Kilas, O Mau da Fita” (1980), estreado dia 27 de fevereiro no Éden e no Quarteto, e a 9 de outubro, as recolhas arqueológicas do dr. Indiana Jones em “Os Salteadores da Arca Perdida” (1981).
Nesse ano também desabrolhará o bom da fita que arcará muitos enchedores, achados da condução do Estado e da economia. Cavaco Silva, uma formiguinha, quando Pinto Balsemão se empoleira no cargo de primeiro-ministro, demite-se do Parlamento, dedicando-se a enodar o presidente do seu partido [5]. Abstergendo a voz com chá de perpétua roxa, no 8º Congresso do PSD, (20-22 de fevereiro), pela uma da manhã, arrabunha 20 minutos de discurso e nasceu uma estrela [6]. Nesse congresso Cavaco Silva ganha a sua presunção de inteligência, louvado por pares, ímpares, números primos, tios partidários, tias-avós independentes, tanto mérito lhe matraquearam, competência, qualidades, dons, que se entranhou na voz geral e todos acreditaram. Os doze meses de ministro das Finanças engravidaram-no para a política, confessa ele “interesse pela política maior do que aquele que tinha”, sob a proteção de um pé conjugal [7] formigou por reuniões partidárias na reta pelo partido e pelo Estado. Em 1981 a RTP emitia “… E os resto são cantigas[8].  
__________________________________
[1] O país de todos. Teena Marie, de origem portuguesa, italiana, irlandesa e índia americana, publicou o seu quarto álbum, “It Must Be Magic”, no dia 14 de maio de 1981. Nele, “Portuguese Love”, uma homenagem às suas origens portuguesas.
[2] Dez mil compareceram. E os Clash regressaram três vezes ao palco. No concerto, Joe Strummer fumou de um charro rodado pelo público e caraterizou depois Portugal. Num giro pela Marginal, para fotografar murais de partidos políticos, entre copos e charros, com Belino Costa: “qual é a primeira impressão sobre Portugal?”; Joe Strummer: “é parecidíssimo com a Jamaica”; Costa: “com a Jamaica?!”; Strummer: “sim, lá também há assim muita confusão nas estradas. Há muitas construções. É parecido com a Jamaica ou outro país da América do Sul”.
[3] Júlio Isidro: “eu já fazia um programa chamado Grafonola Ideal, onde comecei a fazer emissões no exterior. Gostava de testar o feedback dos ouvintes. Entretanto, lembrei-me de ouvir em miúdo o Companheiros da Alegria, onde também se trabalhava na rua. Propus a ideia de fazer um programa ao vivo ao meu director - João David Nunes - e ele aceitou, ainda eu não tinha acabado de explicar o que era. O nome teve origem no filme Febre de Sábado à Noite e a ideia passava por divulgar e estrear bandas. O primeiro espetáculo foi no Noite e Dia, onde fizemos um concurso de noivos. Só depois é que fomos para o Nimas”.
[4] O mais alto dos estadistas portugueses, Marques Mendes, no futuro (2012), relembra a importância de relembrar: “temos que tentar sobreviver, ser otimistas, manter a esperança, e esta festa e este convívio ajuda bastante a que uma pessoa perceba que apesar dos sacrifícios pode haver uma luz ao fundo do túnel e este ambiente ajuda muito”. Alentava esperança em Viseu, na festa “Os melhores anos”, com serviço de mesa, sob a temática dos anos 60, Pedro Abrunhosa era cabeça de cartaz. Fernando Ruas, presidente da Câmara de Viseu: “dancei muito e continuo a dançar. Eu conheço as músicas dos anos 60, da maior parte dos dos dos conjuntos da época, e naturalmente que sempre aproveito esta este dia para de certo modo, com uma certa nostalgia, matar recordações desse tempo”. – No 23 de janeiro de 1982, 10 000 pessoas, no Pavilhão de Alvalade, assistiram a outro “Febre de sábado de manhã”, com Paulo de Carvalho, Dany Silva, Grupo de Baile, Trovante, Táxi, Rock & Varius e Lobo. Em 2006, mais barriga, menos cabelo, o programa renasce no Pavilhão Atlântico, com UHF, Lena D’ Água, Trabalhadores do Comércio, Jáfumega, Adelaide Ferreira, Grupo de Baile e a atração internacional Fischer Z.
[5] Paulo Portas, jornalista do semanário Tempo, 19 anos, militante do PSD, entrevista Cavaco Silva, 42 anos, e o fascínio do jovem, o efebo, pelo velho, o educador, tece-se ao respirar “trabalho e pacatez” no cavaquiano gabinete “numa pacata rua da Lapa citadina, num branco e vulgar prédio”. Cavaco Silva, como bom conspirador, não contesta a liderança: “é óbvio que, como militante, acredito nela. O dr. Pinto Balsemão foi escolhido pelos órgãos do partido de forma totalmente democrática, resultou da vontade claramente expressa dos seus militantes”.
[6] Marcelo Rebelo de Sousa no Expresso, 28 de fevereiro, desenhava-lhe os raios: “que Cavaco Silva saiba esperar pelo momento adequado de projeção política, não caindo no erro de um passo em falso cedo demais, que lhe pode vitimar as hipóteses de liderança partidária ou de afirmação governamental. A ver vamos de Cavaco Silva, este ano que se segue, consegue projetar-se dentro do PSD e manter-se avesso à tentação de uma hostilidade prematura contra Balsemão, condições essenciais para que a sua estrela, ainda insuficiente neste congresso de 81, possa subir nos anos que se seguem”.
[7] A secção Gente do Expresso de 24 de janeiro notou a roda-viva: “nos últimos tempos não para uma noite em casa, em reuniões basistas no partido”. E por causa desta nota mundana o diretor do jornal, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu uma carta de Maria Cavaco Silva: “Vossa Excelência, como diretor do jornal Expresso, que tão sabiamente dirige, talvez me possa aliviar algumas dúvidas trágicas que me assaltaram depois da leitura de uma nota da ‘Gente’ da sua edição de hoje, 24-1-81. Diz-se aí, a propósito dos entusiasmos políticos do homem com quem partilho a vida há mais de 17 anos, ‘que nos últimos tempos não para uma noite em casa’. Ora, here is the rub! Como o visado se deita comigo todas as noites, grandes problemas familiares surgiram abruptamente, com tendência para agravamento (como no boletim meteorológico), caso V. Ex.ª não se digne a dar uma ajudinha, com um esclarecimento oportuno. Ao acordar a meio da noite, estendo o pé e ‘ele’ está lá! Quando acordo de manhã, estamos de novo os dois lá. Que se pode passar então? Hipóteses várias me atormentam o espírito, até agora tranquilo: ‘ele’ dá-me um soporífero, veste-se sorrateiramente e sai, suave e fantasmagórico, para essa frenética atividade partidária noturna. Como criatura ‘superiormente inteligente’ que é, antes de sair, ‘ele’, constrói habilmente um boneco que põe no seu lugar, ao alcance do meu desconfiado pé conjugal, no caso de o soporífero abrandar os seus efeitos, lá a meio das suas noitadas. Regressa sorrateiramente e quando eu acordo, aquela cara repousada é fruto não de uma bela noite de sono tranquilo a meu lado, mas de uma cuidada sessão de maquilhagem a que teve de se submeter antes de regressar aos lençóis”.
[8] “… E os resto são cantigas” um programa de: Raul Solnado, e de: Fialho Gouveia, que o apresenta: “bom, o programa vai utilizar uma linha extremamente simples, e terá como objetivos base fazer reviver aqui algumas das cantigas mais populares da música ligeira portuguesa, bem assim como algumas das rábulas mais engraçadas, mais divertidas da nossa revista, da revista à portuguesa”.

na sala de cinema

Heavenly Bodies” (1984), um filme sobre a febre aeróbica dos anos 80. Os impacientes pés de “Samantha Blair” (Cynthia Dale) saltaricam debaixo da secretária ao som dos Sparks: “Breaking out of prison baby / Breaking out of prison girl / I know you can”, enquanto os ponteiros do relógio se aproximam das 16:30, do fim de um dia a picar o ponto, da fuga da prisão de um bulimento com patrão, e para o seu sonho de possuir com duas amigas uma academia de dança. “10 grandes montagens dos anos 80”: “Scarface” (1983), dirigido por Brian De Palma, escrito por Oliver Stone. O editorial do jornal cubano Granma de 7 abril de 1980 exclamava: “que se vão os lumpen!”, “que se vão os delinquentes!”, “que se vá a escória!”. Em maio, discursava Fidel Castro: “aqueles que não têm coragem, aqueles que não querem adaptar-se ao esforço, ao heroísmo da revolução, que se vão, não os queremos, não precisamos deles”, e abriu o porto de Mariel para que 125 000 refugiados partissem para os Estados Unidos. Desses, “marielitos”, 1 200 foram presos pelas autoridades americanas por suspeita de crimes graves em Cuba, 600 foram diagnosticados com doenças mentais graves e um número indefinido de homossexuais. Um de los bandidos a desembarcar em Miami seria Tony Montana (Al Pacino): “este é o paraíso, estou-te a dizer. Esta cidade, como uma cona bem grande, apenas esperando para ser fodida”, politizado: “sabes o que é o capitalismo? Ser fodido!”, e focado: “mato um comunista por divertimento, mas por uma Carta de Residência Permanente (green card), vou retalha-lo realmente bem”. A montagem da sua ascensão, dinheiro aos sacos, casamento acima da sua zona, mulher na coca à pazada e no álcool à litrosa, faz-se com “Push it to the Limit”, escrita por Giorgio Moroder e Pete Bellotte, e cantada por Paul Engemann. “The Karate Kid” (1984), o jovem “Daniel LaRusso” (Ralph Macchio) transfere-se, por causa da mobilidade laboral da mãe, de Newark para o bairro de Reseda, em San Fernando Valley, Los Angeles, para se apaixonar por uma cheerleader, Ali Mills (Elisabeth Shue), enfurecendo o namorado, praticante de antiético karate, até à batalha final, treinado pelo gentil Mr. Miyagi: “esfrega a cera… retira a cera”. A montagem da eliminação nos combates faz-se com “You’re the Best”, escrita por Bill Conti e Allee Willis, cantada por Joe Esposito [1]. “Commando” (1985) um arraial de ação onde explodem maquetas e bonecos ao som de balas e James Horner. O “coronel John Matrix” (Arnold Schwarzenegger), cauteloso, arma-se: uma metralhadora ligeira finlandesa Valmet M78, uma metralhadora Uzi, uma espingarda de combate Remington Modelo 870, uma pistola automática israelita Desert Eagle, uma metralhadora de fita M60E3, uma espingarda de assalto M16A1, um lança rockets M202 FLASH, uma faca balística russa… para resgatar a filha “Jenny” (Alyssa Milano). A casa onde os raptores a aprisionam e que ele invade, supostamente em Val Verde, foi construída nos anos 20 por Harold Lloyd em Beverly Hills.Top Gun” (1986), o mundo, sob a asa protetora de Ronald Reagan, os alunos de uma escola de pilotos de caças numa saudável competição surram os russos e sossegam o Ocidente: “a marinha dos Estados Unidos afirmou que, após o lançamento do filme, o número de jovens que se alistaram, querendo ser aviadores navais, subiu 500%”. A montagem da camaradagem máscula no jogo de voleibol de praia entre “Maverick” (Tom Cruise) e “Goose” (Anthony Edwards) contra “Iceman” (Val Kilmer) e “Slider” (Rick Rossovich) faz-se com “Playing with the Boys” de Kenny Loggins; no filme Meg Ryan é a mulher de Goose, “Carol Bradshaw”: “leva-me para a cama ou perde-me para sempre”. “The Naked Gun: From the Files of Police Squad!” (1988) sem “Frank Drebin” (Leslie Nielsen) a longa vida de Elizabeth II teria sido encurtada. A montagem da felicidade, pós-consumação do ato sexual, faz-se com “I’m Into Something Good”, escrita por Gerry Goffin e Carole King, cantada por Peter Noone. “Bloodsport” (1988), “Frank Dux” (Jean-Claude Van Damme) treinado desde a juventude na via do ninjutsu viaja para Hong Kong para um torneio que foge aos impostos e aos direitos humanos. A montagem de rebentar fuças faz-se com “Fight To Survive”, escrita por Shandi Sinnamon e Paul Hertzog, cantada por Stan Bush, a voz de “Touch”, para a banda sonora do filme de animação “Transformers” (1986).
__________________________________
[1] A censura na China não tem sido pato doce para os produtos de Hollywood. Na versão 3D de “Titanic” (2012), os censores barbearam a cena de Kate Winslet posando nua para Leonardo DiCaprio; justifica um funcionário: “considerando os vívidos efeitos 3D, tememos que os espectadores possam estender as mãos para tocarem e, assim, atrapalhar a visualização das outras pessoas”. A versão original, de 1997, rendera 44 milhões de dólares, a 3D, 74 milhões. Quando o dólar fala, o cego vê, o coxo anda. Ben Fritz e John Horn, no Los Angeles Times: “Hollywood aprendeu da maneira mais difícil que, manchar a imagem da China no ecrã, pode ter implicações a longo prazo para os muitos braços de um conglomerado de média moderno. No final de 1990, os estúdios Walt Disney, a Sony Pictures e a MGM, todas, enfrentaram uma paralisação temporária nos seus negócios com o país, depois de lançarem os filmes ‘Kundun’, ‘Seven Years in Tibet’ e ‘Red Corner’, respetivamente, que eram críticos do Governo comunista”. Por isso o plano americano abandonou as chinesices. “Com o anúncio de que a DreamWorks Animation, de Steven Spielberg, bordejará para a China no ano que vem para criar a Shanghai Oriental DreamWorks Film & Television Technology Company, Hollywood dá sinal de que está a ultrapassar a era de simplesmente vender no mercado chinês a partir do exterior”. “Durante a última década, as coproduções têm sido vistas como uma maneira de sair deste tipo de dilema (baixa qualidade da produção nacional), porque elas normalmente costumam obter melhores resultados nas bilheteiras que as versões domésticas, disse Gao Jun, director-geral da Beijing Shengshi Huarui Film Investment & Management Co.: ‘quando você não pode mudar o mundo, você muda-se a si próprio para se adequar ao mundo. Coproduções são um esforço nessa direção’”. “Algumas companhias de cinema estão a fazer o mínimo absoluto, como adicionar um ator chinês num filme num papel secundário, para integrar os seus filmes numa classificação que era suposto beneficiar ambos os mercados, o relatório cita o vice-chefe da Administração Estatal da Rádio, Filme e Televisão da China, Zhang Pimin”. No filme “Cloud Atlas” (2012) “o único elemento chinês visível até agora no material pré-publicitário é a atriz Zhou Xun, que interpreta ‘Yoona-939’. Zhou trabalhou como assalariada, não com participação acionária. Ainda é incerto se o filme será classificado na China como uma coprodução ou como uma importação. No caso de coprodução, não só contorna a quota (limite para a exibição de filmes estrangeiros), mas também proporciona um maior retorno para os investidores”. Hollywood espertou, em vez de desafiar a censura chinesa, os industriais do cinema agora praticam a “incensura”, isto é, censuram eles próprios os filmes para um mercado de 1 300 milhões de esverdeados consumidores. No remake de “Red Dawn” (2012), os produtores alteraram a nacionalidade dos vilões, dos invasores dos Estados Unidos, de soldados chineses, para coreanos e não cortar lucros na China. A Disney achinesou o seu “High School Musical: College Dreams” (2010), e a indústria em geral migrou para novo amor: “An American in China” (2008) – a China já tem os seus momentos hollywoodescos: a atriz principal deste filme, Sun Feifei, nos Prémios Esquire em 2011, a anfitriã, Fang Ling, acidentalmente pisou uma faixa do seu vestido branco, expondo-lhe o soutien cor de pele, não é teta ainda, como seria em Hollywood, é um pequeno passo para a China, um grande passo para o espetáculo. O remake de “Karate Kid” foi realizado para a realeza americana: Will Smith e família, e para o mercado chinês. Sabedoria, no filme, de “Mr. Han” (Jackie Chan): “o kung fu vive em tudo o que fazemos xiao (pequeno) Dre. Vive no modo como vestimos o casaco, no modo como o despimos, e vive no modo como tratamos as pessoas. Tudo é kung fu”; “chi, energia interna. A essência da vida. Move-se dentro de nós, flúi através do nosso corpo, dá-nos força a partir de dentro”; “estar quieto e não fazer nada, são duas coisas muito diferentes”; “wu ji bi fan, quer dizer: tudo o que é demais, é mau. Treinas muito, precisas de descansar”: “Karate Kid” (2010), o jovem “Dre Parker” (Jaden Smith) transfere-se, por causa da mobilidade laboral da mãe, de Detroit para Pequim, para se apaixonar por uma violinista, Mei Ying (Wenwen Han), enfurecendo o quasi-namorado, praticante de quasi-antiético karate, até à batalha final, treinado pelo gentil Mr. Han: “veste o blusão! despe o blusão!”.

no aparelho de televisão

Fábulas da Floresta Verde” (1972-73), série de anime da Zuiyo Eizo, antecessora da Nippon Animation, estreada em Portugal em 1985, e baseada nos contos infantis de 1910 e 1920 escritos por Thornton W. Burgess. Música de Tozé Brito, letra de António Pinho: “É bom ver na floresta o sol nascer, / é bom imaginar o que irá acontecer, / são tantas amizades, / são histórias de amizades, / que vão nossos amigos animais viver.”: Pompom o coelho (voz: Irene Cruz), Avelar o gaio (voz: António Feio), Quico o esquilo (voz: José Gomes), Mara e Joca as marmotas (vozes: Isabel Ribas e Luísa Salgueiro), Gugu o guaxinim, e outros animais, fintam o Raposinho (voz: João Perry) que os quer caçar. “Sport Billy” (1979): “é do planeta Olympus (gémeo da Terra no lado oposto do sol), que é habitado por atléticos seres semelhantes a Deus. O próprio Billy tem uma sacola de desporto mágica, que muda de tamanho, o Saco Omni, que produz várias ferramentas quando precisa delas. Ele viaja para a Terra com a missão de promover o trabalho de equipa e o espírito desportivo. Descrito pela canção tema como um ‘herói de outro planeta’, Billy enfrenta a malvada rainha Vanda e o seu capanga, semelhante a um gnomo, Snipe. A missão de Vanda é destruir todos os desportos na galáxia visto a fairness (o lenço de batalha de Durão Barroso) a enojar”. “Transformers” (1984-88) estreados em Portugal em 1989. “Toda a série foi baseada nas linhas de brinquedos Diaclone e Microman, originalmente criadas pelo fabricante de brinquedos japonês Takara, que foram desenvolvidos na linha de brinquedos Transformers pela empresa americana Hasbro”. Dois grupos do planeta Cybertron, os heróis que amparam os humanos, os Autobots: Bubblebee, Prowl, Sunstreaker, Round, Trailbreaker, Ironhide, Mirage, Wheeljack, Jazz, Cliffjumper, Ratchet, Sideswipe, liderados por Optimus Prime, e os vilões, os Decepticons: Starscream, Shockwave, Soundwave, Reflector, Thundercraker, Ravage, Rumble, chefiados por Megatron, lutam pelos recursos energéticos da Terra. – Anúncio: “Double A” c/ a atriz sul-coreana Park Han-Byul. “He-Man e os donos do universo” (1983-84), o homem mais poderoso do universo, alter-ego do príncipe Adam, protege os segredos do castelo de Grayskull, depositário da sabedoria do planeta Eternia, governado pelo rei Randor e a rainha Marlena, e atacado pelas forças maléficas de Skeletor. Estreou na RTP em 1986. – Redesenhados p/ Adrian Riemann. “Ursinhos Carinhosos” / “Care Bears” (1985), personagens criadas em 1981 pela American Greetings Corporation para postais de boas-festas e de aniversário, pintados por Elena Kucharik: os ursinhos vivem no distante Reino do Carinho, na Nuvem Rosa (Care-a-Lot), repleta de nuvens e arco-íris, difundem bons sentimentos nas pessoas e guardam a Terra do mal e do execrando Professor Coração Gelado que quer extinguir o amor. “Os Super-Gatos” / “ThunderCats” (1985-89) estreou em Portugal em 1988: gatos humanóides alienígenas fogem do seu moribundo planeta Thundera. A frota é atacada pelos seus inimigos os mutantes de Plun-Darr que destroem as naves. No entanto, poupam a nave-almirante do Senhor dos Super-Gatos, Lion-O, na esperança de capturar a Espada Justiceira, que tem no cabo o Olho de Thundera, a fonte do poder dos Super-Gatos. Os danos na nave, aumenta o tempo de viagem até à Terceira Terra, Jaga, o mais velho dos Super-Gatos, voluntaria-se para a pilotar, enquanto os outros dormem em cápsulas. Ele morre de velhice, mas o piloto automático leva-os à Terceira Terra, onde o feiticeiro Mumm-Ra recruta os mutantes para destruir os Super-Gatos para que o mal prevaleça.

na aparelhagem stereo

Stock Aitken Waterman (SAW) focaram-se, no final dos anos 80, nas suas contratações de jovens artistas através da etiqueta PWL. “A PWL (Pete Waterman Limited) foi inicialmente defendida pelos jornais de música pelo seu som fresco e estética aparentemente underground, mas não por muito tempo. Eles provocaram a ira da imprensa musical britânica, quando fizeram braço de ferro com o grupo M/A/R/R/S, num acordo judicial, sobre um sample que M/A/R/R/S havia tirado da gravação dos SAW, ‘Roadblock’, e usaram-no no seu êxito surpresa ‘Pump Up the Volume’. Pete Waterman escreveu uma carta aberta para a imprensa musical chamando a essas coisas ‘roubo por atacado’. A imprensa contra-atacou que Waterman estava atualmente a usar uma linha de baixo de ‘Trapped’, do Colonel Abrams, no ‘Never Gonna Give You Up’, do Rick Astley. Na realidade, ‘Trapped’ em si, poderia ser descrita como inspirada no sucesso clássico ‘Pick Up the Pieces’, dos Average White Band. A empresa de produção de Waterman até plagiou o arranjo rítmico inteiro de ‘Pump Up the Volume’ (completo com o refrão) numa mistura para um disco de Sybil (sabiamente intitulado ‘Red Ink Remix’). Como resultado, as relações entre a PWL e grande parte da música underground do Reino Unido, foram por muito tempo azedas. Waterman disse que era uma questão de princípio, em vez de lucro, e prometeu doar todos os royalties do processo judicial para caridade”.
Ritmo SAW:
O’Chi Brown → “Whenever You Need Somebody” (1985) ♫ The Three Degrees → “The Heaven I Need” (1985) ♫ Phil Fearon → “I Can Prove It” (1986) ♫ E.G. Daily → “Mind Over Matter” (1987) ♫ Debbie Harry → “In Love with Love” (1987) ♫ Pet Shop Boys → “It's A Sin” (1987) ♫ Dolly Dots → “What A Night” (1987) ♫ Shooting Party → “Safe In the Arms of Love” (1988) ♫ Giant Steps → “Into You” (1988) ♫ Band Aid II → “Do They Know It's Christmas?” (1989) ♫ Blue Mercedes → “I Want To Be Your Property” (1989).

26 Comments:

  • At 9:11 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    O primeiro post sobre 1981, tempos distantes, muito diferentes de hoje, que nos parecem vindos de Marte: o FMI estava em Lisboa, o CDS estava no poleiro mais o PSD, o pão aumentava, enfim, muito diferente de hoje.

     
  • At 12:33 da tarde, Blogger São said…

    Bem podemos continuar a cantar essa canção, mas cada vez em tom mais baixo...que a fome começa a apertar!

    Um abraço

     
  • At 1:39 da manhã, Blogger Il castello del sogno said…

    Táxi, agora que a múmia de Boliqueime quebrou o silêncio, deixo-te este clássico:

    http://www.youtube.com/watch?v=IJ7vnnRD47Y&feature=related

     
  • At 10:30 da tarde, Blogger José said…

    Cheguei a metade do post,Esta vez se tivesse mais tempo, ia ler todo, Gostei especialmente dos milagres de Fátima. E da chuva que veio a seguir à seca, o que foi para mim mais um milagre. Da politica gostei especialmente do fura greves, e do homem maior na politica portuguesa. Eu na minha opinião são todos grandes.
    Bom fim de semana,
    José.

     
  • At 8:20 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: e é muito interessante que a atividade política possa falir um país e o melhor povo do mundo ache: “ok, tudo bem”. Ninguém é responsável, eles, os responsáveis, acham que a sorte das urnas é suficiente, são retirados do lugar que mais gostam, o poleiro, e acham isso um castigo atroz. E chegamos ao ridículo cúmulo de ver alguns deles deputados a mandar postas de pescada.

    Sócrates, e todo o seu Governo deveriam estar na cadeia, não por ter endividado o país à parva, coitado era um otimista, ainda por cima quando a crise da indústria financeira chega, ele, como todos os dirigentes da época estavam extasiados pelo presidente Báráque e desata a imitá-lo, a lançar dinheiro sobre a economia, tinha lá discernimento Sócrates para saber que Portugal não era a América (muito menos para saber que o caminho americano será o caos, mas isso será para daqui a 10 ou 20 anos).

    Deveria estar na cadeia por ter mentido sobre o défice. Uma coisa é baixar um défice de 5% para 3 em três anos. Outra muito diferente é baixar de 10% para 3 nos mesmos três anos, é impossível como se está a ver, ou será possível com grandes estragos no dito Estado Social (não sei os números mas as pensões terão que levar um corte de 10 ou 20% ou até mais, não faço ideia, mas será um valor bastante alto, isso de certeza). Quando se pediu dinheiro emprestado, vulgo chamar a troika, as contas do Estado deveriam ser transparentes, é verdade que algumas estavam escondidas, como as do Alberto João, mas as das empresas públicas deveriam estar feitas, só assim seria possível negociar um programa de saneamento exequível, num país que não é independente. Mas isto ele também não tinha obrigação de saber, que é muito diferente um país ser independente, com moeda própria, acertar as suas contas, e um zona, um bocado de terra, chama-se país por hábito, que é o caso de Portugal.

     
  • At 8:21 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Il castello del sogno: ó Hammer! clássico, realmente. Eram a alegria dos ecrãs numa altura em que existia uma coisa, já não deves ter conhecido, que se chamava Europa e tinha umas coisas raras chamadas países europeus.

    Leste a explicação chinesa para o corte das cenas nuas da Winslet no Titanic? (está na nota 1, e única, do cinema). É uma explicação muito plausível e de defesa do consumidor. O Ocidente livre ficou esperto, em vez de “criar” “obras” que enfrentam a censura chinesa, adotou Hollywood uma posição maoísta, pratica a incensura, ou seja, os filmes já são feitos adaptados ao mercado chinês.

     
  • At 8:21 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    José: que na política são todos grandes é o que eu defendo também. Até acho que deveria haver uma comissão nacional que construísse estátuas a todos, desde o assessor ao ministro, para que as gerações futuras tenham abrigo por não terem casa, perdão, para que as gerações futuras não esqueçam a grandeza de Portugal.

     
  • At 1:51 da tarde, Blogger São said…

    Concordo contigo totalmente.

    Tal como dizes, a culpa em Portugal nunca existe: começam-se investigações (agora é a angolanos), mas tudo fica em brancas nuvens...

    Os políticos(Sócrates e afins , portugueses e estrangeiros) vederam a alma ao Diabo , isto é, ao poder económico...e o resto é passe de mágica: nós pensamos que esramos em Democracia e vivemos em liberdade e aqui está a tragicomédia da actual situação mundial.Pelo menos na parte em que as formalidades ainda vigoram, porque na restante nem há disfarces!

    Bom fim de semana

     
  • At 11:42 da tarde, Blogger Il castello del sogno said…

    Realmente...é uma explicação bem fundamentada...

    O mesmo se aplica ao cinema porno em 3D; o clássico já era complicado ver nas salas, imagina agora em 3D!

     
  • At 9:32 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: a estrutura política sempre foi a expressão do poder económico, o problema é que esse poder modificou-se na Europa. Com a peregrina ideia de Reagan / Thatcher de abrir o comércio, a Europa perdeu a indústria, que fugiu toda para países com mão-de-obra barata e melhores condições fiscais, e desses países começou a importar tudo por ser mais barato. E pela Europa ficou o desemprego crónico. Há países que ainda têm massa para o sustentar, outros não.

    O duo Reagan / Thatcher também apanhou o capitalismo em crise, (saturação de produção, que é o problema de uma economia não planificada). Então têm uma ideia, olharam para os milhões de consumidores na China (e outros países), e pensaram que bom seria se eles comprassem os nossos produtos. Continuava-se a produzir, mas as pessoas no Ocidente livre já tinham carros que chegassem, televisões com fartura, rádios, máquinas de lavar, etc. etc., era difícil conseguir que consumissem mais, primeiro o crédito resolve esse problema de consumo, (e vai esgotar-se em 2008 na explosão da indústria financeira), mas não chega, e as fábricas não podiam parar ou seria o desemprego. Então impuseram regras de comércio livre, pensavam eles que os seus países eram fortes impunham-se aos mais fracos, esqueceram-se que o mundo muda.

    E a ideia da Clinton continua a ser a mesma, abrir novos mercados, para criar prosperidade no Ocidente livre, enfim, como não há crescimento absoluto tem que haver mudança nas regras, e essas mudanças só serão determinadas pelas circunstâncias. Essa ideia de que os dirigentes agem sobre a realidade, modificam-na com a sua inteligência visionária, é treta, eles reagem às situações como toda a gente.

     
  • At 9:32 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Il castello del sogno: é critério objetivo, não é nada dessa mariquice que é preciso controlar a informação porque ela corrompe, desvia as pessoas dos bons caminhos, o caminho do poder, isso é subjetivo, a uns afeta, a outros não. Agora, o que a vista vê, é o que é, é psicologia básica de Wundt.

    Deverá ter grande futuro no porno por causa da posição exterior, espetada, do órgão masculino. Se no warholiano Frankenstein em 3D, as pessoas se afastavam com a cena do bocado de bofe espetado na ponta de uma lança, quando avançar para elas um falo em riste, a reação normal será ficarem quietas para levarem com ele na testa, (ou mais abaixo), sobretudo o público masculino que felizmente já assume o seu metrassexualismo.

     
  • At 11:47 da manhã, Blogger São said…

    Sim, mas ainda há quem ache que é a realidade que se moldará à sua vontade e não o oposto: Gaspar e acompanhantes.

    Sugiro que leias o artigo que vem na "VISÃO"desta semana: O Aluno MOdelo.

    Fiquei estarrecida e furiosa com as pretensões do dirigente da Bosch , recebido pór Cavaco, a múmia.

    E ciente do que preetende Merkel e aquela gente

    Um bom dia

     
  • At 5:48 da tarde, Blogger Tétisq said…

    Portugal continua “belo”, como dizia o Luís Cila, mas se o arroz custasse hoje o que custava naquele tempo seria ainda mais belo.

    Se há coisa de que me lembro bem de quando era miúda são as vigílias que os povos do sul (especialmente alentejanos) faziam, recorrendo aos santos meteorológicos. Numa semana reuniam-se na capela do lugar apelando a que chovesse e na semana seguinte reuniam-se no mesmo lugar para se queixarem da chuva…

    Nossa senhora colocou-nos na linha da frente para o terceiro segredo, e eu acho que com a questão da conversão da Rússia nos quis colocar numa das linhas da frente da diplomacia internacional, acho que foi um momento incompreendido ou desaproveitado nas suas possibilidades e continua a ser…

    O Cavaco tinha uma certa razão as pessoas votam, não em projetos pessoais mas num conjunto de medidas, mas isso não impede, pelo menos até agora não impediu, os governantes de não cumprir o conjunto de medidas que propuseram antes das eleições (podemos incluir aqui o próprio Cavaco).

    Volto como sempre… quero ver as “Fábulas da Floresta Verde” com mais tempo, ainda me recordo da música, não é incrível?

    Não sei se já referiste mas há uns dias andei com um grupo de pessoas à procura de “O Romance da Raposa” série de animação baseada na obra do Aquilino Ribeiro, a propósito do serviço público também era giro: http://www.youtube.com/watch?v=xkp9g4FnGcQ

     
  • At 1:28 da manhã, Blogger Jose Torres said…

    "Naquele tempo", ou ainda não existia a Assunção Cricas ou seria muito pequena para pedir milagres e... não choveu. Felizmente que hoje já possui esses poderes.
    Não posso estar mais do que satisfeito com este governo.
    Evita-me que gaste dinheiro e beba cerveja; só como os tremoços, que coma carne, poupo nos palitos para os dentes, ou melhor para os interstícios... dos ditos; que tenha que dar voltas ao miolo para fazer aplicações com o excedente da reforma, que ande de carro, com o exemplo do Láparo (12 motoristas), não me posso dar ao luxo de pagar a quem vire ou guine o volante, porque para me guiar nesta vida, para além dele, temos o tradutor da Merkel, Vítor Gaspar.
    Bem...
    Ainda não consegui licença de uso e porte de armas. Estou aflito porque tenho a metralhadora debaixo da cama ao pó e não consigo por a coisa de pé!
    A coisa, é a frase:
    "A ARMAS É O VOTO DO POVO".
    Talvez me aliste na polícia política que Paulo Macedo (e outros) anseia.
    Para já estou descansado.
    O presidente da ERC, Carlos Magno (parece-me que descendente iluminado do outro Magno), quer saber exactamente o que se passou.
    E,
    Miguel Relvas sabe que vai ser aberto um inquérito na RTP...
    Não dá gosto viver neste país...???

    Olhe, um bom fim de semana e não pense mais nesta vida,
    ...até os sete magníficos pios do processo Casa Pia vão processar o estado... e este (estado) pela visão do conceituado mago, Gaspar, talvez em breve venha a ter algo parecido com o Ramadão. Só que será semanalmente...

     
  • At 4:29 da tarde, Blogger Rafeiro Perfumado said…

    O Cavaco Silva tem um meio muito peculiar de se amanhar, o resto é conversa.

     
  • At 10:49 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: não li o artigo, mas os hamsters têm de ser educados consoante as necessidades das classes dominantes das sociedades, agora, precisam de hamsters competitivos e especializados, que sejam treinados! Faça-se treino! diria Deus no início.

    A imitação, no ser humano, e nos animais não votantes também, é a base da socialização, Sócrates pelava-se pelos escandinavos, que modelo a imitar! Passos pela Alemanha, a Irlanda já foi motivo de inveja de dirigentes europeus, a Islândia idem, a chatice é que depois a realidade cai-lhes em cima. Ainda copiaremos os modelos guineenses, estou farto de dizer que deveriam chamar economistas desse país irmão para explicarem como se leva a economia.

    O grande perigo, continuo a dizer, não virá da Merkel, mas do presidente Báráque (ou talvez não, se ele declarar uma guerra, é norma dos impérios, num país subdesenvolvido para espevitar a economia).

     
  • At 10:50 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Tétisq: era um tempo bastante duro para Portugal, havia bichas nas ruas quando abria uma vaga numa loja, havia fome em Setúbal, e foi a década toda até começar a chover os fundos da União Europeia. As coisas é que já estão esquecidas, Portugal sempre foi muito pobre, por isso é que me meti a escrever estes posts, para me lembrar de uma década tramada.

    A Rússia vai pelo bom caminho, creio que também já está a comprar pedaços de Portugal, é sinal de prosperidade, comprar uma quinta num país impronunciável (para eles).

    O Tózé Brito é o nosso Beethoven, acho que as músicas dos desenhos animados eram quase todas dele.

    Já não me lembrava da Raposa, diálogos da mãe da Eugenia Melo e Castro, tenho que falar disto, vou anotar numa das folhas Word, já estão vários posts escritos, e vários em processo.

     
  • At 10:50 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    José Torres: o povo sempre rezou que se fartou, foi pena que a igreja não tivesse ido nas milhentas aparições que por aí houve, se tivessem construído mais quatro ou cinco Fátimas, não havia desemprego e dinheiro havia a balde (ou de balde).

    Ainda estamos muito bem, nas terras de sua majestade (sua, dela), andam com a ideia de aumentar os impostos no álcool para evitar que os reformados espatifem a reforma toda nos bares. A Escócia acho que já aprovou.

    O velho slogan das Brigadas Revolucionárias está bem atual, o Estado está a atacar o cidadão, que tem o direito de se defender. Todos os contratos que havia com os votantes foram rasgados, e estes governantes, tal como os outros no passado, não sabem o que estão a fazer. Dentro de 10 anos estará tudo a chorar das más decisões de agora, se é que haverá memória para tal, os responsáveis pelas más decisões do passado ainda por aí passeiam alegres, nenhum foi passado pela bala no Campo Pequeno.

    A polícia política existe, é mais discreta e difunde-se muito entre a população. Estão nas empresas chave tal com a inovadora PIDE tinha os seus que não estavam nas fichas. A abertura / encerramento de um processo é um procedimento democrático, já passei por um. Nas ditaduras não há, é comer e calar, na democracia, não se come mas fala-se.

     
  • At 10:50 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Rafeiro Perfumado: enquanto a Maria tiver pés, ele andará.

     
  • At 5:03 da tarde, Blogger São said…

    O que a Alemanha pretende é o regresso ao mais puro salazarismo: ordenados miseráveis (assim nem "os países de Leste conseguem competir" connosco), "aumento da carga horária de trabalho, já que não é possível aumentar impostos",desprotecção total de quem trabalha.

    Guerra? Bem receio que surgirá, sim...

    Boa semana

     
  • At 2:01 da tarde, Blogger José said…

    O meu avô contava, que lá lugar onde ele nasceu, e viveu. Havia uma beata que rezava por tudo e por nada, e num ano muito seco, ela rezou pedindo chuva, e a reza foi tão bem feita, que começou a chover no mesmo momento, a mulher ficou toda molhada, foi para casa ficou de cama, e acabou de morrer com uma pneumonia. E foi a partir daí que as pessoas começaram a rezar na Igreja, se chovesse sempre estavam abrigadas. E sempre metiam qualquer coisa na das almas, que era para as almas!

    Abraço, e boa semana.
    José.

     
  • At 12:14 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Estes dois supra foram os melhores comentários que li.

     
  • At 12:18 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: a Alemanha tem pouco a ver com isto, porque a questão é: se eles tivessem dinheiro para mandar para cá, para que é que ele servia? as reformas a fazer são imensas e começam pelo saneamento dos bancos, mas a malta quer tanto banco, e vai alegre dar-lhes o seu dinheiro... enfim, só depois da falência total é que surgirá algo de novo, ou não, nos EUA ficou tudo na mesma.

     
  • At 12:19 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    José: esta coisa dos milagres tem sempre um senão...

     
  • At 12:25 da tarde, Anonymous cdr said…

    Em vez de colocar posts enormes deveria separar por temáticas e usar as etiquetas/tag para se fazer a associação. Dou um exemplo: começa o post a falar de 1981 e acaba com os SAW que é muito mais tarde. Assim fazia um (ou mais) posts sobre determinado ano e outros posts sobre outros assuntos.

     
  • At 8:41 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Eu sei que isso deveria ser assim, se tivesse alguma pretensão a ser lido, e que na era da net se deve escreve posts pequenos pois ninguém lê coisas com mais de dez linhas, mas optei por este modelo, talvez no futuro a preguiça não seja a cultura dominante e toda esta informação tenha algum valor.

    Thanx pelas sugestões.

     

Enviar um comentário

<< Home