Pratinho de Couratos

A espantosa vida quotidiana no Portugal moderno!

terça-feira, fevereiro 28, 2017

Olham para nós como se fossemos a grande potência do século XVI (tl;dr)

Fortunosa pátria oirada de História top. Os navegadores quinhentistas ancoraram no zénite, nunca desembarcaram de seus navios, hoje, os seus paralelos são os banqueiros, a especiaria da economia, a gávea do progresso. Palavra ao superlativo numulário português, Fernando Ulrich: “Quando se pergunta se é se é poss… se o país aguenta! mais austeridade? Ai aguenta, aguenta. Aguenta, aguenta, não não não gostamos, mas aguenta, mas aguenta e e choca-me aliás, como é há tanta gente, tão empenhada, provavelmente com com ignorância do que está a dizer, ou das consequências das recomendações que faz, a querer-nos empurrar pra situação da Grécia.” (novembro 2012). Meses saçaricados, chega-lhes bravateiro, Ulrich: “Se os gregos aguentam uma queda do PIB de 25%, os portugueses não aguentariam porquê? somos todos iguais, ou não? Portanto, se você andar aí na rua e e e e infelizmente, en encontramos pessoas que são sem-abrigos, isso não lhe pode acontecer a si ou a mim, porquê? também nos pode acontecer, e se aquelas pessoas que nós vemos ali na rua, nessa situação, e a sofrer tanto, aguentam, porque é que nós não aguentamos, hã? portanto parece uma coisa absolutamente evidente.” (janeiro 2013). – (Em 2012, o BPI fechou 12 balcões, despediu 258 colaboradores e apresentou 249 milhões de saldo positivo, isto é, não assumiu as imparidades e fez o bonito de ter “lucro”). Eis quando, ameaçou pingar-lhe no annual report, rumorejou-se uma solução para o crédito malparado, um veículo pago pela banca, um “banco mau”, não aguenta, não aguenta, Ulrich: “Ai que agora é que me vai dar aqui uma coisa, não é? … isso nem me passaria pela cabeça nem numa noite de pesadelos e de tempestade … não é? … quer dizer, já basta o que temos que pagar para o fundo de estabilização.” (outubro 2016).
Junho. 1984. Sexta-feira, 15 «As atitudes dos não pobres e a ignorância do fenómeno da pobreza constituem os obstáculos maiores ao progresso da luta contra a pobreza», considerou esta manhã o padre Vítor Melícias na abertura do painel «Políticas contra a pobreza», integrado no colóquio «Crise económica e pobreza», que desde ontem decorre na Gulbenkian. Para o orador, é necessário assumir «uma estratégia de desenvolvimento que associe o crescimento económico ao progresso e justiça sociais, de que a erradicação progressiva da pobreza é elemento dos mais significativos» [1]. O padre Melícias, que não se mostrou particularmente convencido da vontade política do atual poder no sentido de implementar uma verdadeira opção de combate à miséria, apontou quatro «perspetivas fundamentais» para o modelo de desenvolvimento a seguir: prioridade estratégica ao emprego; clara vontade no sentido da regionalização do país; estratégia global de desenvolvimento rural; e adoção de padrões de especialização produtiva. Defendeu igualmente a articulação entre iniciativa privada, Estado e autarquias «não como concorrentes, mas complementares» e chamou a atenção para o papel das instituições tanto de caráter público como privado. (…). «Grosso modo deve haver mais pobres atualmente do que havia em 1973», afirmou o eng. Bruto da Costa na sessão da tarde de ontem do colóquio «Crise económica e pobreza». O ex-ministro dos Assuntos Sociais do governo Pintasilgo, que apresentou um trabalho introduzido como sendo «a primeira tentativa para quantificar a pobreza em Portugal» do ponto de vista económico, afirmou que com base nos dados do inquérito às despesas familiares realizado em 1973/74 havia no nosso país mais de 3,3 milhões de indivíduos que vivem em níveis inferiores à chamada linha da pobreza. (…). Bruto da Costa apresentou a crueza dos primeiros números do censo populacional de 1981. Cerca de 1,5 milhões de pessoas que não sabem ler nem escrever, 35,7 % das famílias a viverem mal alojadas, sendo que só 65,66 % da população vive em casas com eletricidade, retrete e água. (…). Curiosa, por exemplo, foi a desmistificação que Teresa Abrantes, do Centro Regional de Segurança Social, que trabalha no concelho de Cascais, fez desta zona considerada de luxo. Duas freguesias do interior – Alcabideche e S. Domingos de Rana – dão o contraste gritante. Cerca de 900 barracas onde habitam quatro mil pessoas; construção de mais de três mil habitações clandestinas, de 76 para cá, onde habitam 36 mil cidadãos; muitos casos de casas sem luz ligada e com falta de esgotos. Isto para não falar nos problemas sociais que estas situações geram: casos de violência e marginalidade.” – Alojamentos familiares ocupados. Instalações existentes nos alojamentos. Censo/81. Com eletricidade, retrete e água --- 65,6 %; com apenas duas das instalações --- 14,7 %; com apenas uma das instalações --- 12,4 %; sem nada --- 7,2 %. Famílias mal alojadas. Barracas --- 21 662 (0,8 %); outros alojamentos não clássicos --- 15 070 (0,5 %); partilhando --- 197 936 (7,1 %); clássico superlotado --- 538 132 (19,2 %); clássico s/ água e eletricidade --- 225 541 (8,1 %). Nível de instrução. População residente com 12 anos e mais anos --- 7 459 625; não sabe ler nem escrever --- 1 421 888 (19,1 %); sabe ler e escrever sem ter frequentado --- 92 327 (1,2 %). 
Quinta-feira, 14 de junho “o corpo do cantor António Variações, ontem falecido em Lisboa, será transportado, ao fim da tarde de hoje, para a Basílica da Estrela, após a autopsia no Instituto de Medicina Legal. O funeral sairá amanhã, às 9 horas, daquela igreja para o cemitério de Amares, Braga. Entretanto, as causas da morte de António Rodrigues Ribeiro, mais conhecido por António Variações, continua a ser alvo de versões algo contraditórias. Na altura da morte, os médicos não tinham ainda conseguido confirmar o diagnóstico da doença que há alguns meses acometia o cantor, falando-se de uma «doença desconhecida». Uma informação recente sobre o seu estado dava-o como tendo «as defesas imunitárias extremamente debilitadas» (uma das caraterísticas conhecidas da SIDA), e frequências respiratórias anormais, que atingiam as 70 por minuto. Segundo informações ontem divulgadas, teria sido uma doença pulmonar aguda que levou ao internamento, em maio, de António Variações na secção de pneumologia do hospital Pulido Valente. Daí, o cantor de 39 anos foi transferido, há cerca de três semanas, para a clinica da Cruz Vermelha, onde ontem faleceu. Barbeiro e cantor, António Rodrigues Ribeiro dizia-se fã de Amália Rodrigues e o seu primeiro disco incluía, numa das faixas, «Povo que lavas no rio», popularizado pela voz da fadista. (…). A primeira aparição pública do cantor foi feita cerca de seis meses antes do lançamento do primeiro disco, em 1981, num dos programas televisivos de Júlio Isidro. Aparição que lhe deu a imagem de marca que manteve até á sua morte: a extravagância. Um dos pontos mais altos da sua carreira foi um espetáculo realizado na Aula Magna da Reitoria de Lisboa, em 1983, no qual ele e Amália Rodrigues atuaram no mesmo concerto. O cantor agora falecido nasceu no distrito de Viana do Castelo e veio para Lisboa após a conclusão da instrução primária. Na capital passou por uma série de empregos. No final da década de 60, saiu de Portugal e percorreu diversos países europeus, tendo vindo a fixar-se em Inglaterra.”
Segunda-feira, 18 de Junho “entram hoje em vigor os novos preços dos óleos alimentares com um aumento médio, relativamente à última tabela (fixada em 27 de fevereiro) de 43 %. (…). Também os sabões sofrem a partir de hoje um novo encarecimento, embora em percentagem inferior: 20,9 %, relativamente à tabela que estava em vigor desde 19 de março. (…). O óleo Fula, um dos mais populares e obtido à base de amendoim, passa de 152$50 para 219$00, o mesmo acontecendo com o óleo de girassol. Quanto ao óleo de milho, que custava 165$50, desde março, sobe ainda mais: 69$50. Passa a custar ao consumidor, 235$00. Os sabões Clarim e Migo que em 19 de março custavam 44$00 e 27$70 – as barras de 440 e 250 – sobem para 53$00 e 35$50, respetivamente, as barras maiores e menores.”
Sexta-feira, 22 de junho “no segundo semestre deste ano, os portugueses vão sentir menos os efeitos da política restritiva e de austeridade que o governo implementou desde agosto de 1983, diz uma nota do ministério das Finanças sobre a revisão do acordo com o FMI. O governo admite a possibilidade de uma recuperação «gradual e prudente» do investimento e do consumo interno, no decurso do segundo semestre de 1984. «Tendo em conta as perspetivas de evolução da procura externa e dos preços internacionais, considera-se que o objetivo estabelecido para o défice da balança de pagamentos é compatível com uma recuperação gradual e prudente do investimento e do consumo interno, no segundo semestre deste ano». (…). A Carta de Intenções estabelece os termos «em que será prosseguido o programa de estabilização com a duração de 18 meses iniciado em agosto de 1983» e agora sujeito a revisão, conforme ficara previsto desde então. Neste sentido, informa o ministério das Finanças e do Plano, mantém-se, nomeadamente, «a gestão rigorosa da política orçamental e a orientação da política cambial, com uma taxa de desvalorização deslizante do escudo de 1 % ao mês». Mantém-se ainda o objetivo de 1,25 mil milhões de dólares para o défice da balança de transações correntes e o limite de 1,25 mil milhões de dólares para o crescimento do endividamento externo global ao longo do corrente ano.”      
Sábado, 23 de junho “Mário Soares aterrou hoje no aeroporto da Portela às 07h25 de regresso de uma visita oficial à República da Coreia e ao Japão. O primeiro-ministro era aguardado por elementos do seu executivo, pelo embaixador do Japão em Portugal e outras individualidades. Soares não fez, à chegada, declarações aos jornalistas. Em Anchorage, no Alasca, aproveitou a escala técnica para dialogar com a imprensa. Fazendo o balanço da visita oficial que efetuou à Coreia do Sul e ao Japão, disse que Portugal «deve aproveitar o capital de simpatia que possui no exterior». (…). Soares sublinhou que Portugal «deve ter consciência do seu peso no mundo para ganhar orgulho e perder o seu habitual pessimismo e derrotismo». Em sua opinião, a deslocação da delegação portuguesa «excedeu todas as expetativas». Frisou que «por razões de natureza política e económica» a República da Coreia do Sul mostrou-se «extremamente interessada» em incrementar as relações com Portugal. Neste país conseguiu-se a equiparação da balança comercial com o consequente aumento das exportações portuguesas para um mercado com imensas possibilidades». Do Japão, salientou «o ambiente de recetividade e carinho, desproporcionado com a importância e peso de Portugal no enquadramento mundial». «Olham para nós como se fossemos a grande potência do século XVI». (…). Mário Soares recordou as cerimónias de Nagasaki - «com uma presença portuguesa muito viva» - e a sua emoção ao ouvir o hino nacional cantado em português por estudantes nipónicos e ao plantar uma árvore no Memorial Park, «para não esquecer a catástrofe da bomba atómica», momento em que dirigiu «um apelo à paz que é a vocação do povo português, universalista e humanista». Naquela oportunidade, ao assinar o livro do museu, recordando as vítimas nucleares de Nagasaki, Soares escreveu: «Muito revoltado, impressionado e preocupado». O chefe do executivo português realçou o interesse dos investidores nipónicos pelo mercado africano, lembrando que «as riquezas inexploradas daqueles países podem ser exploradas com o capital e a moderna tecnologia do Japão e a experiência, o conhecimento e a capacidade de Portugal, se esse for o desejo desses países soberanos». (…). Ao partir do Alasca, Soares enviou, do avião, um telegrama ao presidente Ronald Reagan, apresentando-lhe «as mais sinceras e amigas saudações».”
Segunda-feira, 25 de junho “o filósofo francês Michel Foucault, que com Jacques Lacan e Claude Lévi-Strauss, foi autor das principais obras estruturalistas e influenciou decisivamente, com a sua problemática das «arqueologias», as gerações de filósofos e de investigadores em ciências humanas sobretudo a partir do início da década de 70, morreu hoje aos 57 anos, em Paris. Michel Foucault dera entrada na passada quinta-feira nos serviços de reanimação da clínica para doenças do sistema nervoso do hospital da Salpêtrière, na capital francesa [2]. (…). Próximo de Gilles Deleuze (coautor, com Félix Guattari, de uma reflexão sobre a esquizofrenia na era pós-psicanalítica, o «Anti Édipo», que viria a prolongar-se com «Mille Plateaux») [3], Michel Foucault tornou-se conhecido a partir do seu livro «Naissance de la clinique» (Nascimento da clínica), seguido, pouco depois, de «Archéologie du savoir» (Arqueologia do saber) e «Les mots et les choses» (As palavras e as coisas). A sua «Histoire de la folie à l’âge classique» (História da loucura na idade clássica), de que um resumo que correu mundo acabaria por ser publicado em formato de bolso, pela 10/18, viria a tornar-se numa verdadeira bíblia para todos os investigadores que refletem sobre o papel e o lugar do «discurso louco» na génese das sociedades contemporâneas. A par desta reflexão, Foucault desenvolveu todo um trabalho sobre a génese e progressiva autonomização dos diferentes «discursos» que atravessam as nossas sociedades, numa perspetiva genealógica que se transformou numa verdadeira escola de pensamento. Neste aspeto, é particularmente importante o seu curto texto «L’ordre du discours» (A ordem do discurso), lido sob a forma de «lição» no ato de entrada de Foucault para o Collège de France. Nos últimos anos, Foucault trabalhava numa «História da sexualidade» iniciada com a publicação, em 1976, de «La volonté de savoir» (A vontade de saber). O segundo volume desta história seria «L’usage des plaisirs» (O uso dos prazeres), e o terceiro, publicado há apenas duas semanas, «Souci de soi» (A preocupação consigo mesmo).” [4]
Quinta-feira, 28 de junho “o candidato à presidência norte-americana Jesse Jackson disse às autoridades nicaraguenses que lograriam a «vitória final» contra a guerrilha apoiada por Washington, antes de regressar hoje a Cuba para buscar os prisioneiros libertados por Fidel Castro. O pastor negro disse quarta-feira à noite no ministério do Interior, em Manágua, que a administração norte-americana não tem o direito de minar os portos nicaraguenses nem de tentar derrubar o regime sandinista. Jackson apelou a uma audiência constituída por soldados, polícias e milicianos, para continuarem a combater pela «paz e a justiça», manifestando a sua convicção na sua «vitória final». Na sua resposta, o ministro nicaraguense do Interior, Tomas Borges, fez eco, às afirmações de Jackson, de que os problemas da América Central são a consequência de regimes de opressão e não de uma ofensiva comunista, como o proclama Washington. O regresso a Cuba será a última etapa da iniciativa de paz que levou Jackson a quatro países da América Central. Em Havana, foram-lhe entregues 22 prisioneiros norte-americanos que viajarão no seu avião até Washington. Segundo Jackson, Castro prometeu também libertar 26 presos políticos cubanos, que constam de uma lista compilada pela Amnistia Internacional. O Departamento da Justiça em Washington anunciou que as autoridades policiais e da imigração vão examinar os casos dos prisioneiros norte-americanos, para decidir se serão autorizados a entrar no país. Estava detidos em Cuba por delitos de direito comum, na sua maioria relacionados com tráfico de drogas.” 
Sábado, 30 de junho “eram 18 jovens que ontem a meio da tarde começaram mais uma tentativa de levar os lusos nomes ao Guinness Book. Desta vez, o recorde que se pretende bater é o de dança sem parar, modalidade que a nível mundial está fixada nas 160 horas. Os jovens que dão ao pé na discoteca Chacrinha, na Brandoa, começariam, cedo a dar sinais de fraqueza. Dois deles, um rapaz e uma rapariga, já esta manhã tinham trocado a ambição pelo sossego dos lençóis. Esta iniciativa, que conta com o apoio dos Bombeiros Voluntários da Trafaria, vai no sentido de se melhorar minimamente os resultados obtidos em anteriores tentativas nacionais. É que nunca os nossos praticantes conseguiram resistir além das 70 horas.” [5]
Sábado, 30 de junho “após ter batido o recorde nacional (26 horas) a tocar bateria, o operário fabril Américo Escudeiro, de Vilar de Prazeres, Vila Nova de Ourém, abandonou a sua tentativa de entrar no Guinness Book. Américo Escudeiro, de 22 anos, que faz parte da filarmónica Primeiro de Dezembro, da sua terra natal, iniciava a prova às 22 horas de sexta-feira e, segundo os seus apoiantes, ao bater o recorde nacional, «estava com uma pedalada que só visto». Só que, poucas horas depois, desistia confessando-se «dorido, mas bem».”
___________________
[1] O sacador da pobreza infalível é a arte. Terka Styr, 1,65 m, 47 kg, 80-60-82, olhos azuis, cabelos loiros, nascida a 7 de novembro de 1991, República Checa, t.c.c. Sara Coul, Sara J, Tereza, Tereza K, Teri, Terka, Terry, Tery, Treza, Uma. Sites: {The Nude} {Porn Teen Girl} {Club Seventeen} {iafd} {Indexxx} {Euro Babe Index} {Which Pornstar} {Albagals} {Define Babe} {Nude in Public} {Karup Films} {Czech Casting}. Obra fotográfica: {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4} {fotos5} {fotos6} {fotos7} {fotos8} {fotos9} {fotos10} {fotos11} {fotos12} {fotos13} {fotos14}. Obra cinematográfica: {“Tereza” (2012)} Ѿ {“Karup’s Hardcore” (2012)} Ѿ {“Teens” (2013)} Ѿ {“4 Girls Rafting Naked” + Vanessa O + Tessa E + Nessy} Ѿ {“Pure Girls From Europe 2” (2012)} Ѿ {“Teeny Sportstars 02” (2013) + Sabrina L, Nessy, Ester B} Ѿ {“Teenage Fantasie 8” (2014) + Nessy} Ѿ {“Teeny Sportstars 03” (2014) + Vanessa O + Nessy} Ѿ {“Teenage Superstars #13” (2015) + Monika H} Ѿ {“Pure Girls From Europe 11” (2015)} Ѿ {“Sara Coul Plays with Pearls”} Ѿ {“Sara Pleasuring Herself in Nature”} Ѿ {“Four Hands for You”}.
[2] “O chefe do serviço de neurologia do hospital de La Salpêtrière, prof. Paul Castaigne, e o dr. Bruno Sauron, publicaram, em acordo com a família de Michel Foucault, o comunicado seguinte: «Michel Foucault entrou a 9 de junho de 1984 na clinica de doenças do sistema nervoso do hospital de La Salpêtrière, em Paris, para lhe serem feitos exames complementares tornados necessários por manifestações neurológicas que vieram complicar um estado septicémico. Estas explorações revelaram a existência de vários focos de supuração cerebral. O tratamento antibiótico começou por ter um efeito favorável; melhoras permitiram, na semana passada, a Michel Foucault, tomar conhecimento das primeiras reações consecutivas ao aparecimento dos seus últimos livros. Um brutal agravamento suprimiu toda a esperança de terapêutica eficaz, e a morte ocorreu no dia 25 de junho às 13h15».”          
[3] Michel Foucault: “Parece-me que a politização de um intelectual se fazia tradicionalmente a partir de duas coisas: a sua posição de intelectual na sociedade burguesa, no sistema da produção capitalista, na ideologia que ela produz ou impõe (ser explorado, reduzido à miséria, rejeitado, «maldito», acusado de subversão, de imoralidade, etc.); e o seu próprio discurso enquanto revelador de uma certa verdade, descobridor de relações políticas lá onde as pessoas não se apercebiam da existência delas. Estas duas formas de politização não eram estranhas uma à outra, mas também não coincidiam necessariamente. Havia o tipo «maldito» e o tipo «socialista». Estas duas politizações confundiram-se facilmente em certos momentos de reação violenta por parte do poder – depois de 1848, depois da Comuna, depois de 1940. O intelectual era rejeitado, perseguido no momento exato em que as «coisas» apareciam na sua «verdade», no momento em que ninguém devia dizer que o rei ia nu. O intelectual dizia a verdade àqueles que ainda não a tinham visto e em nome daqueles que não podiam dizê-la: consciência e eloquência. Ora, o que os intelectuais perceberam recentemente, é que as massas não precisam deles para saberem. Elas sabem perfeitamente, claramente, e muito melhor do que eles. E até o dizem muito bem. Mas existe um sistema de poder que apaga, proíbe, invalida esse discurso e esse saber. Poder que não reside apenas nas instâncias superiores da censura, mas que penetra muito profundamente, muito subtilmente em toda a rede da sociedade. Eles próprios, intelectuais, fazem parte desse sistema de poder. A ideia de que eles são agentes da «consciência» e do discurso faz, ela própria, parte deste sistema. O papel do intelectual já não é o de se «pôr um pouco para diante ou um pouco ao lado», para dizer a verdade muda de todos. É, sim, o de lutar contra as formas de poder lá onde ele próprio é ao mesmo tempo objeto e instrumento delas: na ordem do «saber», da «verdade», da «consciência», do «discurso». É por isso que a teoria não exprime, não traduz, não aplica uma prática: ela é uma prática. Mas local e regional, como você diz: não totalizante. Luta, não por uma «tomada de consciência» (há muito que a consciência enquanto saber está tomada pelas massas, e que a consciência como sujeito está tomada, ocupada pela burguesia), mas para sapar, tomar o poder, com todos aqueles que lutam por isso, e não um pouco à parte para os esclarecer. Uma «teoria» é o sistema regional dessa luta.
Gilles Deleuze: “É isso, uma teoria é exatamente como uma caixa de ferramentas. Nada tem a ver com o significante… É preciso que ela sirva, que ela funcione. E não «para-si-própria». Se não há ninguém para se servir dela, a começar pelo seu autor, é porque ela não serve para nada ou porque ainda não chegou o momento indicado. Não se «revê» uma teoria, faz-se outra, há outras para fazer. É curioso que tenha sido um autor que passa por um «puro intelectual», Proust, quem o disse tão claramente: tratem o meu livro como um par de óculos dirigidos para o exterior… e, bom, se eles não vos servirem, arranjem outros, encontrem o vosso próprio aparelho, que é forçosamente um aparelho de combate. A teoria não totaliza: ela multiplica e multiplica-se. É o poder que, por natureza, opera por totalizações. Você diz, exatamente, que a teoria é por natureza contra o poder… Na verdade, a noção de reforma é idiota e hipócrita. Se a reforma é elaborada por quem se pretende representativo, e que tem por profissão falar em nome dos outros, em vez de outrem, então estamos perante um arranjo do poder, uma distribuição de poder acompanhada de repressão maior. Se a reforma foi reclamada, exigida por aqueles a quem ela diz respeito, então deixa de ser reforma, é uma ação revolucionária que, no fundo do seu caráter parcial, está votada a pôr em causa a totalidade do poder e da sua hierarquia. Isto é evidente nas prisões: a mais minúscula, a mais modesta reivindicação dos presos chega para esvaziar a pseudorreforma das prisões (alusão à reforma Pleven, 1972). Se as crianças de colo conseguissem fazer ouvir os seus protestos numa Maternelle (pré-infantil), isso bastaria para provocar uma explosão no conjunto do sistema de ensino. Na verdade, este sistema em que vivemos não consegue suportar nada: daí a sua fragilidade radical em cada ponto, e ao mesmo tempo, a sua força global de repressão. Na minha opinião, você foi o primeiro a ensinar-nos qualquer coisa de fundamental, ao mesmo tempo nos seus livros e no domínio da prática: a indignidade de falar em nome dos outros. Quer dizer: nós gozávamos com a representação, dizíamos que tinha acabado, mas não tirávamos a consequência dessa conversão «teórica»: que a teoria exigia que as pessoas interessadas passassem a falar por sua conta e risco” em “Os intelectuais e o poder”, conversa entre Michel Foucault e Gilles Deleuze, publicada na revista L’Arc.
[4] “Numa espécie de quadrivium grego do século IV a.C., o homem adulto, a (sua) mulher, o adolescente e o escravo animam uma cena onde cada um deles tem de se reconhecer como sujeito de uma sexualidade. O enigma maior é o do adolescente: ele é passivo como a esposa e o escravo, mas vai tornar-se ativo, cidadão livre. Como pode um cidadão livre ter estado na situação de passivo objeto de desejo? O segundo enigma é o do homem adulto, e diz respeito ao governo de si próprio: qual é a regra do prazer? O seu amor pelo adolescente pode perdê-lo, ou deve transformar-se em filia (amizade)? E esta transformação conduz, ou não, o homem adulto a girar em torno da esposa, objeto perene, obrigando-o a governar-se, enquanto projeto de futuro, pela conjugalidade? E então, onde ficou o impossível? As questões são fascinantes, e não necessariamente porque tenham a ver connosco (mas não terão?). O seu fascínio é fruto de uma das fidelidades de Foucault: no passado encontra-se o diferente, e não o mesmo. Trata-se de um antidoto contra o delírio da história: a genealogia não procura invariâncias, descobre descontinuidade e relações, num universo predominantemente acausal. Mas a decifração desses enigmas ilumina, abrasadoramente, a problematização contemporânea dos sujeitos livres. Essa é outra fidelidade de Foucault: ele foi, desde o início dos anos 60, o filósofo e o historiador das relações entre o poder e as margens do corpo social, por um lado, e das relações entre o poder e o saber, por outro. A sua reflexão sobre as grandes estruturas de enclausuramento (hospital, prisão) desdobra-se numa outra, sobre que laços e que intimidade marcam a procura da verdade e o poder, já que ela é obrigada a durar e a exaurir-se, exatamente, no labirinto deste último. Agora, e sobretudo desde o seu «silêncio» de 76, Foucault abandonava a reflexão sobre o poder-enquanto-governo-de-outrem e convidava-nos a segui-lo até «outras vozes, outros quartos». Outras vozes, de facto, habitavam desde há anos o seu jardim, mas apenas quem o ouvia no Collège de France pôde aperceber-se disso: as vozes dos que, na «biblioteca grega», falavam do governo de si próprio.” João Mendes em Diário de Lisboa n.º 21 496.
“Para inventar aquilo a que ele chamava o «direito de falar como mestre de verdade e de justiça», do estatuto de «consciência moral e política», de porta-voz e de mandatário. E, na verdade, ele não deixou de afirmar que em matéria de pensamento não há delegação. Sem por isso sucumbir ao culto ilusório do pensamento na primeira pessoa. Ele sabia melhor do que ninguém que os jogos de verdade são jogos de poder e que o poder e o privilégio são um princípio dos esforços para descobrir a verdade dos poderes e dos privilégios. Michel Foucault queria substituir o pensamento absolutista do intelectual universal por trabalhos específicos vindos das fontes – e deve-se-lhe o ter exumado regiões inteiras da documentação histórica ignoradas pelos historiadores, – mas isso sem abdicar das maiores ambições de pensamento. Do mesmo modo, embora recusasse os grandes ares da grande consciência moral – alvo favorito do seu riso – sempre recusou a divisão, tão comum e tão cómoda, dos investimentos intelectuais e dos empenhamentos políticos. (…). Direi em todo o caso que a obra de Foucault é uma longa exploração da transgressão, da passagem do limite social, que diz respeito inseparavelmente, ao conhecimento e ao poder. Daí, sem dúvida, o seu interesse, desde a origem, com a sua «Histoire de la folie à l’âge classique», pela génese social do «corte», materializado no manicómio, entre o normal e o patológico. Este estudo de uma das fronteiras sociais mais decisivas em que se baseia o estado de razão, é ao mesmo tempo uma transgressão da fronteira que delimita o impensado de Marx (muitas vezes Foucault, que gostava de dizer que a melhor maneira de pensar um pensador do passado consiste em servirmo-nos dele, até para o ultrapassar, mata assim dois coelhos de uma cajadada). Quando seria fácil encontrar muitas afirmações tipicamente marxistas na «Histoire de la folie» ou em «La naissance de la clinique», Foucault observa que o internamento psiquiátrico, a normalização psicológica dos indivíduos e as instituições penais, só têm, sem dúvida, uma importância limitada para quem só considera a sua função económica. O que não impede que tenham um papel essencial no maquinismo do poder. (…). Explorar o impensado é, antes de mais, fazer a história das categorias do pensamento, e do conhecimento que elas permitem e que ao mesmo tempo proíbem. Essa intenção crítica, segundo Kant, realiza-se numa história social que não tem grande coisa a ver com a vulgar História dos historiadores – mas que não pensará nessas exceções exemplares que são os trabalhos de Dumézil, um dos modelos de Foucault, ou de Duby das «Trois Ordes»? Evidente em «Les mots et les choses» esse intuito está em ação em «La naissance de la clinique», história social da visão clínica, do saber-ver médico, e na história da sexualidade. Nisto próximo de Bachelard e de Canguilhem, uma das suas fidelidades mais absolutas, e também do Cassirer de «Structure et fonction» ou de «Individu et cosmos», que se prendem à verdade e ao estado nascente, quer dizer, ao erro fecundo, ele transgride o limite do seu «impensado» trabalhando numa história materialista das estruturas ideais.” Pierre Bourdieu em “O prazer de pensar”.
[5] Fernando Ribeiro, vocalista dos Moonspell, faz uma viagem guiada pelos monumentos históricos de interesse turístico da Brandoa.

na sala de cinema

La morte non conta i dollari” (1967), real. Riccardo Freda (como George Lincoln), c/ Mark Damon, Stephen Forsyth, Luciana Gilli, Pamela Tudor … sob o título local “O vingador atira à esquerda” estreado quinta-feira, 10 de maio de 1984 no cinema Politeama. “Lawrence White regressa a Owell Rock, a sua cidade natal, e reabre a investigação sobre o assassinato do seu pai. Ao mesmo tempo chega Boyd, que frequentemente se mete em pancadarias. Doc Lester, que é o mandante do homicídio, contrata Boyd e empossa-o como xerife para travar White. Porém, acontece que «Boyd» é o verdadeiro Lawrence White, enquanto «White» é um amigo dele. Ladrões de gado mataram o major White e uma testemunha que informou o xerife, mais tarde, é alvejada e cortada a língua. Muitos anos depois, o filho do major regressa numa diligência, que é parada por alguns militares, mas outro passageiro, Boyd, denuncia-os como falsos e eles vão-se embora. Quando White chega, as pessoas dizem que isso significa sarilhos para o major Lester. White tenta reabrir o caso do assassínio do seu pai e envolve-se numa zaragata com os homens de Lester. A irmã de White, por outro lado, reclama vingança.” “Guerra do Mirandum” (1981), real. Fernando Matos Silva, c/ Maria do Céu Guerra, José Gomes, Teresa Madruga, Fernando Filipe, Manuel Cavaco … Subsidiado pelo Instituto Português de Cinema. Produção Cinequipa. Música de Fausto … estreado quinta-feira, 31 de maio de 1984 no Cine Estúdio A.C. Santos. “No dia 8 de maio de 1762 centenas de habitantes de Miranda do Douro foram massacrados na invasão espanhola ocorrida no contexto da «guerra dos sete anos», em que Portugal se viu envolvido mercê da aliança com Inglaterra. Evocando a invasão e a reação popular a ela, o filme aborda a guerra inconsequente («pobres a invadir outros pobres», como terá dito o próprio comandante invasor), e, como quase sempre no nosso cinema, usa o estatuto de «filme de época» como território para falar de um Portugal mais recente. Marcaram-no ainda especialmente a referência ao dialeto mirandês, o uso do cancioneiro transmontano e a música de Fausto.”A Guerra Fantástica, Guerra do Mirandum ou Guerra do Pacto de Família, foi o nome pelo qual ficou conhecida a participação de Portugal na Guerra dos Sete Anos (1756-1763), fruto de um terceiro Pacto de Família Bourbon. O conflito desenrolou-se no período de 9 de maio a 24 de novembro de 1762, iniciando-se quando um exército franco-espanhol, com um efetivo de cerca de 42 000 homens sob o comando do general Nicolás de Carvajal y Lancaster, o marquês de Sarriá, invadiu Portugal pela fronteira de Trás-os-Montes, conquistando Miranda, Bragança e Chaves, sendo derrotado pelas guerrilhas - sobretudo quando tentaram cruzar o Douro para ocupar a cidade do Porto e atravessar as montanhas de Montalegre, com o mesmo fim - e forçado a retirar para Espanha. Os espanhóis abandonaram todas as praças anteriormente ocupadas, com exceção de Chaves, e o comandante espanhol foi substituído pelo Conde de Aranda. Perante esta derrota, seguiu-se uma segunda invasão pelas Beiras, conquistando Almeida e Castelo Branco, entre outras praças.”The Dresser” (1983), real. Peter Yates, c/ Albert Finney, Tom Courtenay, Edward Fox … sob o título local “O companheiro” estreado quinta-feira, 31 de maio de 1984 no São Jorge. “O enredo é baseado nas experiências de Ronald Harwood como camareiro do ator shakespeariano, Sir Donald Wolfit, que é o modelo para a personagem «Sir». O filme começa com uma representação de «Otelo» num teatro de província no Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial. No papel principal está um envelhecido, uma vez famoso, ator shakespeariano identificado apenas como «Sir» (Albert Finney). Ele é da velha e empolada escola de teatro britânica, cheio de grandes gestos e oratória. Enquanto a cortina desce no último ato, e os atores alinham-se para o agradecimento, Sir repreende-os sobre os erros que cometeram durante o espetáculo, mostrando-lhes que ele é o líder deste grupo de saltimbancos que traz Shakespeare à província durante o tempo de guerra. À espera nos bastidores está Norman (Tom Courtenay), que há décadas tem sido o camareiro de Sir. Norman é um homenzinho eficiente, um tanto efeminado, que conhece todos os caprichos e desejos de Sir, está habituado às suas tiradas e rabugices e é, para todos os efeitos, o criado de Sir. Enquanto Norman espera que Sir saia do palco, após um típico floreado discurso para a audiência, percebermos uma das formas como ele atura o seu trabalho, quando bebe um gole de uma pequena garrafa de brandy, sempre no seu bolso de trás.” “Sürü (1979), real. Yilmaz Güney, c/ Tarik Akan, Melike Demirag, Erol Demiröz … sob o título local “Suru - O rebanho” estreado sexta-feira, 22 de abril de 1983 no Quinteto. “Drama turco escrito, produzido e corealizado por Yilmaz Güney com Zeki Ökten durante o segundo encarceramento de Güney, protagonizado por Tarik Akan como um camponês forçado por um litígio familiar a vender as ovelhas na distante Ancara. (…). Durante a longa viagem de comboio, subornos têm de ser pagos a funcionários insignificantes, ovelhas são roubadas ou morrem atafulhadas em vagões sem ventilação, e a esposa enferma de um dos filhos da família fica gravemente doente.”Dimenticare Venezia” (1979), real. Franco Brusati, c/ Mariangela Melato, Eleonora Giorgi [1], Erland Josephson … sob o título local “Esquecer Veneza” estreado terça-feira, 27 de janeiro de 1981 no cinema Londres. “Numa casa rural do Vêneto vivem as jovens Anna e Claudia, a idosa tia Marta e a decrepita ama Caterina. Anna, sobrinha de Marta, foi cantora lírica e ocupa-se da fazenda. Claudia, órfã, acolhida na casa desde pequena, faz de professora para as crianças da zona agrícola e participa ativamente na manutenção da família, todas mulheres. Um dia, vindo de Milão, onde tem uma loja de carros clássicos renovados, chega Nicky, irmão de Anna, junto com o mecânico, Picchio, um jovem que é seu sócio mas também seu «amigo». Da casa, cheia de memórias e nostalgia, parece subitamente soltarem-se os fantasmas do passado.” [2]Out of the Blue” (1980), real. Dennis Hopper, c/ Linda Manz, Dennis Hopper, Sharon Farrell … sob o título local “Angustia de viver” estreado sexta-feira, 15 de abril de 1983 no Quarteto sala 1. “Filme canadiano realizado e protagonizado por Dennis Hopper. Foi escrito e produzido por Gary Jules Jouvenat. Competiu pela Palma de Ouro no festival de Cannes em 1980 [3]. Este é o primeiro filme realizado por Hopper desde «The Last Movie» (1971), substituindo no último momento o realizador original (e argumentista Leonard Yakir). (…). Centra-se em C.B., uma jovem rebelde e passada dos cornos, interpretada por Linda Manz, interessada apenas em Elvis Presley e punk rock: «Todos me abandonaram. O meu pai abandonou-me, Johnny Rotten abandonou-me, Sid Vicious abandonou-me e agora tu, o Rei, tens de me deixar. Eu sei que não entendes, não é o mesmo sem ti. Estou a tentar…». As outras personagens são o seu pai, Don Barnes (Dennis Hopper), um ex-condenado, e a sua histérica mãe, Kathy (Sharon Farrell). O título foi retirado da canção de Neil Young «My My, Hey Hey (Out of the Blue)». Foi rodado em Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá, e vários ídolos de Vancouver daquela época aparecem no filme, incluindo os Pointed Sticks, uma das principais bandas do movimento punk da cidade.” Factos: “Dennis Hopper considerou este filme uma continuação de «Easy Rider» (1969), - [estreado quarta-feira, 29 de abril de 1970 no São Luís] -, pois isto é o que teria «provavelmente acontecido» às personagens do filme dez anos depois.” “O primeiro de dois filmes consecutivos de Dennis Hopper com referência a cor no título, «Out of the Blue» e «Colors» (1988), sob o título local «Los Angeles a ferro e fogo» estreado sexta-feira, 16 de setembro de 1988 no Condes, Hollywood sala 1 e Las Vegas sala 1.” O grupo Primal Scream, em “Kill All Hippies” (2000), usou o arrazoado de C.B. ao rádio do camião no genérico do filme: “Olá, esta é a Gorgeous, está alguém a ouvir-me? (Confirmado. Escuto). Subverte a normalidade. Punk não é sexual, é apenas agressão. Destrói. Mata todos os hippies. Não estou a falar para ti, estou a falar contigo. Anarquia. O Disco é uma merda. Não quero saber sobre ti, quero saber de ti. Esta é a Gorgeous. Está alguém a ouvir-me? O Disco é uma merda, mata todos os hippies. Muito vazio, hein? Subverte a normalidade. Desligando. Esta é a Gorgeous. Desligando.” “Ópera prima” (1980), real. Fernando Trueba, c/ Óscar Ladoire, Paula Molina, Antonio Resines … sob o título local “Prima, eu amo-te” estreado quarta-feira, 1 de dezembro de 1982 no City e no Cine Portela. “Matias (Óscar Ladoire) é um jovem jornalista de 25 anos que usa boxers à Cary Grant e tem três normas fundamentais: nunca se deitar sem meias, nunca viajar de avião sem um bocado de madeira e, a terceira norma, Norma Jean. Divorciado e com um filho pequeno passeia a sua amargura por Madrid até que se apaixona pela sua prima Violeta (Paula Molina), «Quem faz incesto, faz cem», uma jovem estudante de violino de 19 anos que vive num sótão na Plaza de Ópera. Ainda que inicialmente resista a admitir que se enamorou da sua própria prima, pouco a pouco e depois de ter sondado os amigos, vai-se apercebendo que definitivamente Violeta é a mulher da sua vida, de modo que tentará que o sentimento seja mútuo.” [4]
____________________
[1] Nascida em Roma, capa da Playboy italiana de junho 1974, Eleonora Giorgi declara os seus pelos axilares na Playmen. “Estreia-se como figurante na coprodução franco-italiana de terror «La Tarentule au ventre noir» (1970), real. Paolo Cavara, c/ Giancarlo Giannini, Claudine Auger, Barbara Bouchet … sob o título local “O ventre negro da aranha” estreado sexta-feira, 8 de março de 1974 no Roxy. Foi motociclista em «Roma» (1972), sob o título local «Roma de Fellini» estreado sexta-feira, 23 de março de 1973 no São Jorge. Continuou com «Tutti per uno… botte per tutti» (1973), real. Bruno Corbucci. Ainda em 1973 protagoniza «Storia di una monaca di clausura», filme do género erótico-conventual, realizado por Domenico Paolella, onde se destacou juntamente com Catherine Spaak; e no ano seguinte alcançou outro sucesso de público com o filme erótico «Appassionata», junto de Ornella Muti, que interpretava o papel de Eugenia Rutelli, uma adolescente que seduzia o pai, o dentista Emilio Rutelli (Gabriele Ferzetti). Nesse mesmo ano posou integralmente nua para a revista Playboy, e empresta a sua moto ao colega Alessandro Momo, que tem um acidente mortal. Retoma a carreira dois anos mais tarde no filme «L'Agnese va a morire» (1976), de Giuliano Montaldo e «Cuore di cane» (1976), de Alberto Lattuada. Em 1977, conseguiu um papel de protagonista em «Liberi Armati e Pericolosi», onde trabalhou ao lado de Tomas Milian.”
[2] O passado está cheio de deusas. E a sua revista Adam editada no paraíso. Diosas ancestrales. A americana Bambi Sydwin, olhos castanhos, cabelos pretos, t.c.c. Angie, Carol Blake, Bambi Martino ѽ June Palmer, 1,58 m, 97-58-94, nascida em Londres a 1 de agosto de 1940 ѽ Jackie Parker, 1,52 m, olhos azuis, cabelos castanhos, inglesa nascida para representar: “Ladder Strip” ∙ “Two Friends” ∙ “Perfect Host” ѽ Gaby Rougier, 89-56-89, olhos azuis, cabelo loiro, “nascida em Bruxelas foi levada para Inglaterra pelos pais pouco antes da chegada do exército alemão. Diz Gaby: «De qualquer maneira, meu pai tencionava deixar o seu trabalho no cinema em Monte Carlo. Ele pensou que os meus dois irmãos e eu teríamos melhor educação em Inglaterra. Os alemães apenas apressaram a mudança». Sendo católica, Gaby foi enviada para St. Mary’s Convent em Folkestone, onde lhe ensinaram inglês. Aos 10 anos foi levada para perto de Dover. «Tinha de ver aquelas famosas falésias brancas», diz Gaby. A tragedia aconteceu… ela caiu da borda da Inglaterra. Um ano passado no hospital; o maxilar partido parecia ter-lhe dado uma desfiguração permanente. Mas os médicos ingleses habilmente curaram-na e pelo seu décimo primeiro aniversário estava de regresso à escola e ao seu grande amor naquela época: a dança. (…). Ela apareceu em “Let’s Get Married”, “No Prison Bars”, “Circus of Horrors”, “The Hands of Orlac” e a personagem principal em “Carole” – o papel de uma adolescente de 16 anos. Gaby gosta de andar a cavalo, nadar e carros desportivos velozes, e do seu namorado com quem está comprometida há cinco anos. «Gostaria de fazer uma pipa de massa e casar-me». Ela não gosta de viajar de metro ou levantar-se cedo e pode ser contactada por telefone (convenientemente ao lado da cama) até às 11h30. «Exceto quando estou em filmagens».” ѽ Christine Jensen “uma sueca genuína mas nascida em Bristol. Tem 22 anos de idade e era cabeleireira antes de se tornar modelo.” “Viúva aos 18 anos teve que começar a vida de novo. E agora ela desloca-se de Westcliff-on-Sea, Essex, para Londres no seu Cortina. Ela conduz rápido e bem. Após tentar vários empregos, descobriu que posar fornece-lhe a estimulação e satisfação de que precisa.” Ѽ Jackie Lippiatt ѽ modelo desconhecido ѽ Shirley Levitt ѽ Roberta Pedon “mamalhuda, esplendida, morena e um espanto bem torneado, nasceu Rosma Laila Grantoviskis a 2 de maio 1954, no Ohio. Filha de judeus letões refugiados, Pedon falava fluentemente português e completou o secundário em 1972. Mudou-se para São Francisco antes de finalmente se fixar em Venice, Califórnia, para seguir uma carreira de modelo. Abençoada com um rosto doce, longos cabelos castanhos, enormes seios naturais, rechonchuda, e uma personalidade sensual e livre, Pedon foi uma modelo de grandes seios muito popular e adorada no princípio dos anos 70.” “Nesses poucos anos, ela desenvolveu um apetite voraz por drogas, sexo e homens, nenhum dos quais lidou com muita facilidade e sucesso. Por volta de 1975, tinha sido hospitalizada por overdose, o que levou a ser excluída da lista da A.A.E. (American Art Enterprises), detida em São Francisco por prostituição é aí que o seu rasto começa a esvanecer.” “Morreu tragicamente aos 28 anos vítima de doença hepática em 30 de julho de 1982, em Alameda County, Califórnia.” ѽ Helena Antonaccio, 1,60 m, 50 kg, 91-61-86, sapatos 36, olhos castanhos, cabelos loiros, nascida a 21 de março de 1949 em Morristown, New Jersey. “Veio a Nova Iorque para uma audição de modelo para passagem de perucas. «Tinha feito algum trabalho de modelo de rosto, portanto tinha um pouco de confiança em mim. Mas quando não fui escolhida para a apresentação das perucas, fiquei bastante deprimida. Não consegui o trabalho porque a mulher disse que eu não era suficientemente sexy», lembra a italo-americano genuína. «Não estava pronta para ir para casa e admitir a derrota, comecei a andar às voltas e dei por mim em frente do Playboy Club». Na altura, ela não fazia ideia do que era o Playboy Club, ela era apenas uma doce e ingénua rapariga de Jersey incrivelmente tímida.” {Miss Junho 1969} {fotos} ѽ Gigi, olhos e cabelos castanhos. {The Nude} {Indexxx} {fotos1} {fotos2} {fotos3} ѽ Patricia Farinelli, 1,60 m, 52 kg, 91-64-91, olhos e cabelos castanhos, nascida a 18 de março de 1960 em Los Angeles. “Patti teve uma educação católica, a sua fé foi testada quando aos 16 anos, o seu pai morreu. Em vez de ficar consternada com a morte do pai, ela encheu-se de gratidão pela mãe, Clementina, e pela forma como ela não permitiria que a família se desintegrasse. «A minha mãe é uma grande mulher. Ela trabalha no duro», diz a miss dezembro 1981. «Vi-a regressar a casa depois de trabalhar o dia inteiro na fábrica e atirar-se logo a fazer o jantar. Ela simplesmente não para quieta. Ela é da santa terrinha. Eu sou mais americana». Se a adolescente Patricia tivesse crescido em Itália, os vizinhos teriam considerado o seu corpo magro e peito liso motivos de preocupação. Cada avó italiana no bairro tê-la-ia forçado a comer, pensado que estava subnutrida. Infelizmente, para a morena rodas baixas, os seus colegas americanos não eram tão compassivos como os italianos e muitas vezes referiam-se-lhe como a tábua de engomar Patti.” {Miss Dezembro 1981} {fotos}.
[3] Em 1980, venceram a Palma de Ouro ex aequo: “All That Jazz” (1979), real. Bob Fosse, c/ Roy Scheider, Jessica Lange, Leland Palmer … sob o título localAll That Jazz: O espetáculo vai começar” estreado sexta-feira, 19 de setembro de 1980 nas quatro salas do Quarteto e no Trindade (Porto); e “Kagemusha” (1980), real. Akira Kurosawa, c/ Tatsuya Nakadai, Tsutomu Yamazaki, Ken'ichi Hagiwara … sob o título local “Kagemusha - A sombra do guerreiro” estreado terça-feira, 16 de dezembro de 1980 no Londres.
[4] Fernando Trueba também realizou “El Artista y la Modelo” (2012), c/ Jean Rochefort, Aida Folch, Claudia Cardinale. “1943. Sul da França ocupada. Léa e a sua criada, a espanhola María passeiam pela aldeia quando veem uma rapariga dormindo numa soleira de uma porta e que mais tarde se lava numa fonte, então decidem ajudá-la, levando-a para casa. A rapariga, Mercè, conta-lhes que é de perto de Reus e, embora diga que não tinha nenhuma razão especial para sair da Catalunha, elas têm a certeza de que ela fugiu de um campo de refugiados de Argèles, decidindo ajudá-la permitindo que viva numa pequena casa que têm na montanha, que está descuidada e que o escultor usa como estúdio, propondo-lhe que pose para o marido a troco de algum dinheiro.”

no aparelho de televisão

Carson’s Law” (1983-84), c/ Rowena Mohr, Peter Aanensen, Gerard Kennedy … sob o título “O império de Carson” série transmitida aos dias de semana pelas 18h50, na RTP 1, de segunda-feira, 12 de outubro de 1987 / sexta-feira, 4 de março de 1988. Carson’s Law é uma série australiana que alcançou enorme sucesso e que nos conta a saga da Austrália nos anos 20 e a história de uma mulher que ousou ser diferente. 2.º episódio: Godfrey, embora contrariado, autoriza Jennifer a entrar para a firma Carson & Filhos, como advogada. A família fica consternada quando Godfrey anuncia o seu noivado com Felicity Bryce, a filha viúva de Sir Humphrey Moore, um homem muito influente. Jennifer envolve-se num caso famoso do assassínio de uma criança e convence Bill a defender o acusado, George Royston. Mas quando Godfrey sabe, ele e Bill têm uma terrível discussão. 2.º episódio: Godfrey tenta afastar Bill do caso Royston, mas não consegue. Amy vai sair com um namorado, Alan Manning, e descobre que Tommy anda a beber muito. O julgamento do caso Royston começa e Arthur descobre uma testemunha que pode apresentar um bom alibi. 4.º episódio: Bill vai de avião a Ballarat para trazer a testemunha para Melbourne, mas no voo de regresso o avião cai e Bill e a testemunha morrem. 5.º episódio: Jennifer, apesar de muito perturbada, tenta manter a família unida. Robert descobre que desaparecera uma elevada quantia em dinheiro que estava à guarda de Bill … [1]The Boomtown Rats”, programa musical transmitido pelas 20h30, na RTP 2, quinta-feira, 10 de janeiro de 1980. Nas quartas-feiras, 11 e 18 de julho de 1984, também a RTP 2, pelas 20h30, transmitiu o concerto dos mencionados Boomtown Rats gravado no pavilhão Infante Sagres em 1982, no Porto. “Os amigos Garry Roberts, Simon Crowe, Johnnie Moylett, Patrick Cusack (t.c.c. Pete Briquette) e Gerry Cott formaram uma banda em Dun Laoghaire, Irlanda. Bob Geldof foi inicialmente convidado para manager da banda, mas viu-se designado para assumir o papel de vocalista pelo guitarrista Garry Roberts, que de início tinha essa tarefa e não a queria. Tocar guitarra já era bastante difícil para ele, sem ter de cantar também. O modo ridículo de Bob tocar harmónica impressionou os outros e selou o seu destino. As influências iniciais da banda eram Dr. Feelgood, The Rolling Stones, The Who, The Doors e Bob Marley, entre outros. Gerry e Pete conseguiram o primeiro concerto do grupo, para o Dia das Bruxas, em 1975, por um cachet de 60 libras – nada mal para 1975 – sob o nome The Nightlife Thugs, no Bolton Street Technical College, onde eles, e Johnnie, estudavam Tecnologia da Arquitetura. Pouco antes de subirem ao palco, mudaram o nome para The Boomtown Rats, que era um gangue citado na autobiografia de Woody Guthrie, «Bound For Glory». Os Boomtown Rats mudaram-se para Inglaterra à cata de um contrato de gravação. Recusaram um negócio de um milhão de libras da Virgin Records de Richard Branson, e decidiram assinar pela nova etiqueta que tinha sido criada pelo antigo homem da Phonogram, Nigel Grange e o DJ Chris Hill. A etiqueta chamava-se Ensign.” “Lord Tramp” (1977), c/ Hugh Lloyd, Joan Sims, George Moon … minissérie inglesa de seis episódios transmitida sob o título local “O Lorde Vagabundo” às sextas-feiras pelas 21h55, na RTP 1, de 30 de novembro de 1979 / 11 de janeiro de 1980. “É diversão hilariante para toda a família quando o vagabundo sem cheta Hughie Wagstaffe subitamente descobre que é um lorde com uma imponente casa, completa com criados e tudo.” “Telejornal”, noticiário da RTP 1, às 19h30. No dia 4 de abril de 1988 reportava desde o Parque Natural de Donaña, Sevilha. Cavaco Silva acompanhado de mulher e filhos chegou no seu carro particular ao meio dia. Felipe González aguardava-o à entrada do parque natural. Cavaco foi conduzido ao palácio da reserva natural para o almoço que reuniu as duas famílias à volta de uma paella tipicamente espanhola. Declarou nesse dia o recreador primeiro-ministro português: “Isso é um grande desafio que se coloca aos dois países até 1992, como é sabido Portugal está neste momento a tentar fazer quase todas as reformas ao mesmo tempo, na Espanha elas foram feitas ao longo dos anos, mas, em resultado da instabilidade política, que se viveu em Portugal, elas foram sempre adiadas, e neste momento não é mais possível adiar as reformas, caso contrário as dificuldades serão muitas, quando 1992 chegar.”Piece of Cake” (1988), real. Ian Toynton, c/ Neil Dudgeon, George Anton, Boyd Gaines … minissérie inglesa com o título local “Os heróis da esquadrilha” transmitida às quintas-feiras pelas 21h25, na RTP 1, de 23 de março / 27 de abril de 1989. Piece of Cake é uma série em seis episódios que nos conta as aventuras de um grupo de pilotos ingleses em França, durante o primeiro ano da Segunda Guerra Mundial. Para alguns destes jovens pilotos foi a primeira vez que saíram da Inglaterra. Ficaram instalados num castelo francês onde passaram os primeiros dias em ameno convívio mas ansiando por ação. Porém quando são chamados a intervir as coisas não são tão fáceis como supunham. “A série é baseada no romance «Piece of Cake» (1983), de Derek Robinson. No livro, o esquadrão está equipado com Hurricanes. A relativa raridade de Hurricanes navegáveis no final dos anos 80, impediu o seu uso nesta série de TV. O esquadrão retratado é o fictício Hornet Squadron, que está equipado com caças Supermarine Spitfire e estacionado em França, onde passa a drôle de guerre em conforto e elegância, até ao ataque alemão à Europa ocidental em maio de 1940. Um a um, quase todos os pilotos originais são mortos e enquanto as perdas aumentam, a personalidade do esquadrão muda de descontraída despreocupação para uma luta pela sobrevivência. No final da série, apenas quatro dos catorze pilotos iniciais tinham sobrevivido. Alguns dos principais temas explorados no guião incluem: o snobismo e consciência de classe que existia na RAF durante a época; a crença acalentada por muitos pilotos de que a guerra seria travada com desportivismo como uma competição de cavalheiros; a inflexibilidade e ineficácia das táticas usadas pelo Comando de Combate da RAF no início de 1940, e a fraca competência em artilharia e treino inadequado de muitos pilotos britânicos nos primeiros dias da Segunda Guerra Mundial. Tal como no romance de Robinson, a história abrange o primeiro ano da guerra, de setembro de 1939 ao primeiro ataque aéreo massivo da Luftwaffe a Londres em 7 de setembro de 1940.” “Footsteps” (1987), série documental inglesa com o título local “Vestígios” transmitida às sextas-feiras, pelas 18h00, na RTP 2, de 27 de janeiro / 14 de abril de 1989. 1.º episódio: Giovanni Belzoni foi um grande homem, não apenas pelos seus dois metros de altura. Tendo começado a sua carreira como artista de circo, mais tarde tornou-se num dos maiores arqueólogos, ao qual se devem muitas das descobertas que nos permitiram conhecer melhor a história egípcia. Descobriu a entrada do túmulo de Ramsés II, o túmulo de Seti I e a entrada da pirâmide de Chephren, em Gizé. 2.º episódio: durante nove séculos, as ruinas de Tikal permaneceram resguardadas do olhar humano, sendo precisamente um dos poucos vestígios da cultura e da arquitetura maias que a expedição liderada por Stephens e Catherwood não pôs a descoberto. 3.º episódio: em 1810, um jovem oficial do exército britânico na Índia foi um dos primeiros homens a percorrer as 300 milhas que separavam Bombaim dos espetaculares templos subterrâneos de Ellora. A sua motivação era a procura de coisas antigas e invulgares. Assim foi dos primeiros a visitar as 32 grutas dos séculos VI, VII e VIII a.C. que eram os templos budistas e hindus. 4.º episódio: a infância de John Burckhardt como filho duma abastada família suíça, não fazia prever a sua futura carreira como explorador. Porém, em 1806 ele fez uma viagem a Londres onde se inscreveu na associação que promovia a descoberta das regiões do interior de África. Assim, em 1809 ele foi o primeiro estrangeiro a conseguir visitar a maravilhosa cidade de Petra, escondida nas montanhas de Wadi Musa. 5.º episódio: pela mão do arqueólogo David Drew, seremos conduzidos no episódio de hoje às ruinas do Grande Zimbabwe, visitadas pela primeira vez em 1871 pelo geólogo alemão Karl Mauch (1837-1875). 6.º episódio: “A cidade perdida dos incas”, rumores da existência de ruinas inexploradas nas selvas montanhosas a norte de Cuzco eram correntes no Peru desde 1875. Porém, foi só em 1911, quando Hiram Bingham liderou uma expedição de arqueólogos da Universidade de Yale, que pela primeira vez alguém penetrou nessa região desconhecida. Foi então descoberto o Pico de Machu que é ainda hoje considerado o local onde existiu a famosa Cidade Perdida do império inca. 7.º episódio: Charles Fellows era um jovem inglês abastado que tinha como grande paixão a arte e arquitetura clássica da Grécia. Assim resolveu percorrer a Turquia, em 1838, para procurar cidades perdidas do mundo antigo. Entre os locais que descobriu conta-se a cidade de Xanto, capital do antigo reino de Lícia. 8.º episódio: Reginald Le May era um membro do consulado britânico em Siam. Passou muitos anos em viagens no interior da Tailândia e em 1924 visitou as cidades irmãs de Si Satchanalai e Sukhothai, construídas no século XIII e XIV pelo primeiro reino Thai independente … “The Fear” (1988), c/ Iain Glen, Susannah Harker, Jesse Birdsall … minissérie transmitida aos sábados pelas 22h20, na RTP 1, de 12 de novembro / 17 de dezembro de 1988. Uma série inglesa de cinco episódios escrita por Paul Hines e realizada por Stuart Orme. A série baseia-se na vida de um criminoso que gosta de viver luxuosamente e que traça o seu próprio destino. 2.º episódio: o corpo de Motty aparece a boiar perto de um barco, no rio Lea. Enquanto isso, Linda está deitada no quarto de Carl, no apartamento deste. Entretanto, perto da casa de Fiorelli, Russell espera uma oportunidade para atravessar a rua. Fiorelli, pelo seu lado entra no restaurante no momento em que Mário faz as limpezas. Marty e Carl vão a casa de Chalker fazer investigações, que são interrompidas quando se ouvem passos no andar de cima. 4.º episódio: Linda e Carl estão com problemas, pois ela não está disposta a suportar por mais tempo as pressões que a vida junto dele lhe tem trazido. Disposta a tudo, Linda fala-lhe da sua amizade com Chris e a resposta é uma violenta bofetada. Entretanto o grupo reúne-se no Cheers para planear a próxima ação para sexta-feira seguinte. 5.º episódio: neste último episódio de O Medo, e na sequência do desenrolar dos acontecimentos pouco favoráveis aos “negócios” realizados por Carl e pelos seus rapazes, o clima de medo instala-se definitivamente no ar. Marty aparece morto e Carl, incapaz de se separar do corpo do amigo, permanece em vigília até ser dominado pelo sono. No meio de toda a angústia e incerteza que domina as relações do casal, Linda confessa a Carl que está grávida, mas apesar dos sinais de euforia manifestados pelo futuro pai, Linda contesta uma vez mais o modo de vida de Carl. Perante a inflexibilidade de Carl, decide então pôr termo à gravidez.
____________________
[1] A mulher australiana dos anos 2000 ainda ousa, ousando rijas no circuito das artes. Isabella, 1,60 m de talento ruivo com obra feita: “Six Girls - Group Skinny Dipping” (2003) Ѿ “Natural Bush” (2003) Ѿ “Isabella & Jenny - Nipple Play” (2003), trabalho incluído na obra “Girls In Love” (2006). Por sua vez, Jenny, 1,64 m de tesouro sensual dourado, é natural de Sydney. “Jenny é uma malandreca e não vai fingir ser outra coisa. Mas Cass gostaria de advogar que nem todas as garotas kiwi são tão aventureiras como a nossa Jenny.”

na aparelhagem stereo

O dinheiro não só é o valor moral supremo como é bom. No reino da Dinamarca, 2014. “Sob os termos do acordo, a Goldman investiria 1,45 mil milhões de dólares por 18 % na Dong Energy, a empresa estatal, que se tornou um exemplo de energia verde pela sua opção pela eletricidade produzida por turbinas eólicas. Embora o negócio fique aquém de uma posição de controlo, a participação minoritária viria com privilégios especiais. A Goldman conseguiria um assento no conselho da empresa. E o banco, juntamente com dois fundos de pensões dinamarqueses, teriam poderes de veto sobre mudanças na estratégia da empresa ou no seu conselho de administração – especificamente o CEO ou o diretor financeiro. Os fundos de pensões dinamarqueses estão a investir cerca de 550 milhões. (…). Os apoiantes disseram que a Goldman oferecera o melhor negócio. Engelbrecht, o deputado que votou a favor do acordo, disse: «Não estou interessado em ser um defensor da Goldman Sachs – eles cometeram muitas loucuras ao longo do tempo relacionadas com a crise financeira. Eles têm má reputação, não há dúvida sobre isso». Mas ele acrescentou: «Agora eles apoiam o crescimento verde e a energia verde, o que é algo de que estou muito orgulhoso. Que alguém tão focado na receita como a Goldman Sachs pense crescimento verde e energia verde, especialmente a energia eólica, tem grande potencial para o futuro».” [1]
Dois anos depois, a Goldman Sachs contratava José Manuel, uma cereja da Avenida da Igreja, para o topo do bolo. “Em Portugal, Barroso foi subsecretário do ministério dos Assuntos Internos, em 1985, e ministro dos Negócios Estrangeiros em 1992. Entre 2002 e 2004, ocupou o cargo de primeiro-ministro da República Portuguesa. A 23 de novembro de 2004, Durão Barroso assumiu as funções de presidente da Comissão Europeia, tendo sido reconduzido no cargo em novembro de 2009, após ter sido reeleito pelo Parlamento Europeu a 16 de setembro. No comunicado enviado à comunicação social pela Goldman Sachs, pode ler-se: «A perspetiva, capacidade de julgamento e conselho vão acrescentar grande valor ao nosso board de diretores». O banco apresenta ainda uma pequena biografia de Durão Barroso, passando pelo seu percurso político em Portugal e na Europa e ainda pelos vários cargos que acumulou antes e depois da carreira pública. Entre eles está o cargo de professor na Universidade de Georgetown, antes de se filiar na política. Além destas variadas posições, «José Manuel», como lhe chama o comunicado da Goldman Sachs International, já foi galardoado com vários prémios, incluindo a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo e o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique.”
Por contenção na gabarolice, a Goldman Sachs excluiu o mais alto furo no cinto de José Manuel: fazedor de pazes e democracias. José Manuel amigava muito com George W. Bush, era ele o moço que serviu os drinks na base das Lajes, nos Açores, quando Bush, Blair e Aznar concertaram libertar o Iraque para o arco da paz e democracia.
As moedas nos anos 80:
Eighties” (1984), p/ Killing Joke. “O vocalista dos Killing Joke, Jaz Coleman, escreveu a letra desta canção, inspirado pelo romance «The Coming Race» (1871), do escritor inglês Edward Bulwer-Lytton. (Um verso refere diretamente o título: «I’m in love with the coming race»). O livro trata sobre uma raça desconhecida que vive no subsolo e que atingiu poderes extraordinários. Coleman explicou numa entrevista o significado da canção: «Era uma antevisão no futuro transumano que paira sobre nós atualmente». A canção foi escrita numa fazenda, na Suíça, que a banda descobriu quando tocou dois espetáculos em Genebra, em 1983. Adoraram aquilo, e a casa tornou-se um retiro habitual dos membros do grupo. Numa dessas escapadelas, criaram esta faixa. Coleman recorda-se de subir as escadas para o quarto de Geordie Walker e ouvi-lo tocar o riff de guitarra pela primeira vez. «Quando ele rasgou aquele riff, foi tão memorável, como que encarnava tudo o que estava a acontecer naquela época», disse Coleman. Os Nirvana copiaram o riff de guitarra no seu êxito de 1991, «Came As You Are». Era evidente o gamanço e os Killing Joke ponderaram uma ação legal, mas após a morte de Kurt Cobain, desistiram sem pensar duas vezes. Dave Grohl e Jaz Coleman tornaram-se mais tarde bons amigos, e Grohl tocou bateria no álbum «Killing Joke» de 2003. O vídeo foi realizado por Anthony Van Den Ende, que fez os videoclips «I Ran (So Far Away)» e «Wishing (If I Had A Photograph of You)», para os Flock of Seagulls. No vídeo, Coleman é mostrado como um político autoritário discursando em frente de ambas as bandeiras, a americana e a russa. Coleman queria um conjunto de imagens relacionadas com a década inseridas no vídeo, então Van Den Ende reuniu filmagens de várias figuras políticas e filmou cenas aleatórias para juntar, incluindo o casamento de um cão e a cara de Coleman a desfazer-se. Os fãs dos Killing Joke foram filmados esperando por um concerto no exterior do Hammersmith.” [2] Paradise” (1982), p/ Phoebe Cates. Da banda sonora do filme “Paradise”, (“Eles estavam sós… eram jovens… vivendo a aventura do amor no Paraíso Azul”), com o título local “Paraíso azul” estreado quinta-feira, 25 de março de 1982 nos cinemas Satélite e Xénon. “Na época vitoriana, dois adolescentes, David McBride e Sarah Scott, encontram-se casualmente na mesma caravana de Bagdad para Damasco. No mercado de Bagdad, a beleza singular de Sarah cativa o coração negro do comerciante de escravos, Sheik Abdel El-Aziz, conhecido como o Chacal, que a interpela na sua algaraviada de infiel. Sarah: «O que é que ele está a dizer?» Geoffrey: «Minha cara menina, a não ser que eles falem o inglês do rei, estou tão à nora quanto você». El-Aziz: «O inglês do rei serve para vender porcos, não para glorificar a beleza de tão perfeita flor do deserto». Sarah viajava escoltada por Geoffrey: “O seu pai paga-me bem para ser um bota-de-elástico, e continuarei a sê-lo até levá-la em segurança até Londres». E David acompanhava os pais, o reverendo James McBride, de Boston, e a esposa Rachel, que rogam boleia na caravana. Mãe: «Senhor, estamos a tentar chegar a Damasco há quase três meses». Reverendo: «Seria um ato de caridade cristã». Amed Abu: «Oh sim, nós muçulmanos, sempre estivemos muito interessados na caridade cristã». Numa paragem para abastecimento e descanso, o Chacal ataca-os durante o sono, principalmente cobiçando a bela jovem Sarah. «A vingança é minha, diz o Senhor», grita o reverendo, cai trespassado pela lança de um cavaleiro mourisco. David, atirando uma panela de água quente contra Chacal e o seu corcel, protege a fuga de Sarah para o esconderijo, uma pequena gruta na parede do poço. Sarah, David e Geoffrey escapam por uma unha negra, todos os outros foram chacinados e as mulheres capturadas. Bashid: «Capturaste muitas mulheres, El-Aziz, elas render-te-ão bom lucro, uma a menos não fará de ti um homem pobre». El-Aziz: «A rapariga inglesa não será para vender. Ela é para mim» [3]. Após enterrar os pais de David, os três sobreviventes prosseguem viagem no único camelo disponível, os jovens montados, Geoffrey a pé. David era um atado: «O meu pai disse-me que era pecado olhar a nudez». Sarah: «Adão e Eva estavam nus». David: «Não estavam não, usavam folhas. Grandes». A sua perspetiva muda quando vê Sarah, esfregando as suas arredondadas divinais formas, num duche, nas águas quentes que caem do teto da gruta. David avista um acampamento mouro. Geoffrey arma-se ao pingarelho: «Se forem amistosos podem ajudar-nos a sair daqui». David: «Não. Não podemos confiar em ninguém.» Geoffrey: «Serei muito cuidadoso. Agora vai, arruma as coisas, e cuida da menina Sarah, este país não é adequado para uma jovem de esmerada educação». Geoffrey sofre morte horrível, torturado. Os jovens continuam a sua fuga, o camelo leva-os a um bonito oásis – o seu paraíso – onde descobrem o amor e o sexo. Entretanto, o Chacal não desistiu da Sarah, e David tem que atraí-lo para a sua morte ou ser morto por ele.” Factos: “Willie Aames afirmou numa entrevista que as cenas de amor eram mais explícitas na versão que lhes foi mostrada, a ele e a Phoebe Cates, para aprovação. Durante as filmagens, Cates e Aames decidiram que o filme não requeria a quantidade de nudez que estava no guião.” “Filme de estreia de Phoebe Cates. Cates tinha 17 anos quando protagonizou o filme. Foi um dos dois que ela fez em 1982, o outro foi “Fast Times at Ridgemont High”, com o título local «Viver depressa» estreado quinta-feira, 26 de julho de 1984 no cinema Roma. Phoebe não é só protagonista mas também foi escolhida para cantar o tema musical do filme. Ela recusou-se promover o filme devido à exposição de nudez. Segundo Willie Aames, Phoebe ficou muito transtornada com isso.” “Os cenários em Israel usados no filme incluíram o Mar da Galileia, as grutas de Beit Guvrin, a cidade de Jerusalém e a mesquita turca perto de Telavive.” Na embalagem do filme, Phoebe Cates editou um álbum, “Paradise”, pela CBS, faixa 1: “Lemonade Kisses”.
Black Coffee in Bed” (1982), p/ Squeeze. “O membro fundador e guitarrista dos Squeeze, Chris Difford, escreve as letras das canções. Diz Chris: «Esta letra foi inspirada por certo dia eu ter pegado no meu caderno de apontamentos e ver uma mancha de café nele, o que inspirou o verso. Foi uma imagem muito intensa para mim e inspirou esta canção sobre perda e arrependimento». Glenn Tilbrook, que também é membro fundador dos Squeeze e escreve a música para as canções, cantou esta faixa. Em muitas canções dos anos 70, Tilbrook e Difford cantariam juntos, com Difford uma oitava mais baixo. Em 1981, Paul Carrack juntou-se à banda e cantou o êxito «Tempted». Carrack partiu antes do álbum «Sweets from a Stranger», e Tilbrook tem-se encarregado desde então de cantar a maioria das canções dos Squeeze. Tilbrook, que pode ser um pouco duro consigo mesmo, diz sobre «Black Coffee in Bed»: «É demasiado pesada. Nunca poderia ser uma canção rápida, mas teve certamente a oportunidade de ser ligeiramente mais espevitada. A minha interpretação é afetada e de todo não muito boa, e não suporto ouvi-la atualmente. Foi influenciada por aquilo que Paul Carrack tinha trazido para o grupo mas, sem a voz de Paul, não soava bem. Gravámos uma ótima maquete com Gus Dudgeon, mas lixámo-la sem dúvida no disco, o que é inteiramente culpa minha. Esta é uma das poucas canções dos Squeeze que de bom grado regravaria, porque penso que poderia fazer uma versão melhor». Elvis Costello e Paul Young (famoso por «Every Time You Go Away») fizeram os coros. Costelo produziu algumas canções do álbum anterior dos Squeeze, «East Side Story», incluindo «Tempted» e «Labeled With Love». Difford e Tilbrook cantaram no álbum de 1985 de Paul Young, «The Secret of Association». A MTV foi lançada em 1981 e, durante alguns anos, as suas playlists estavam carregadas de bandas britânicas, que faziam vídeos há já algum tempo, simplesmente porque não havia muito mais nada disponível (a digna exceção é «Whip It» dos Devo). Os Squeeze fizeram um vídeo bastante estranho para esta canção, mostrando a banda parecendo melancólica e artificial de permanentes e blusões de couro. Teve algum destaque na MTV mas não conseguiu impor a banda na América.” Cult of Personality” (1988), p/ Living Colour. “A canção mais popular dos Living Colour, «Cult of Personality», começa e termina com citações famosas: «E nos poucos momentos que nos restam, queremos falar terra a terra numa linguagem que todos aqui conseguem facilmente entender». Isto é Malcolm X, do seu discurso «Message To The Grass Roots», em 1963. O seu objetivo era unir todos os afro-americanos. As citações finais começam com o famigerado «Não perguntes o que o teu país pode fazer por ti, mas o que podes fazer pelo teu país» de John F. Kennedy. Isto é do seu discurso de investidura em 1961. O significado das citações é que ambas são de homens que foram assassinados. A maior parte da canção parece estar a denunciar a idolatria, mas há uma estrofe contendo a frase, «Um líder fala, um líder morre». Eles também não parecem fazer distinção entre good e evil, pois cada vez que mencionam um «herói» fazem parelha com um «inimigo» - Mussolini e Kennedy, e Estaline e Gandhi. As palavras finais são: «A única coisa que temos a temer é o próprio medo», uma citação do discurso de investidura de Franklin D. Roosevelt, em 4 de março de 1933. Roosevelt usou a declaração para anunciar o seu programa New Deal e incentivar os cidadãos dos Estados Unidos a superarem os seus problemas económicos enquanto saíam da depressão [4]. A banda queria usar a abrir a canção o «free at last» do discurso «I Have A Dream» de Martin Luther King Jr., mas não conseguiram assegurar os direitos (esse discurso não é do domínio público). Vernon Reid deparou-se com o discurso de Malcolm X quando o encontrou à venda nalguns vendedores no Harlem. Comprou uma cópia e usou uma parte desse discurso em vez de Luther King. Muito antes de a gravarem, a banda tocava esta canção ao vivo. Foi durante essas atuações que eles tiveram a ideia de incluir discursos, pois Corey Glover ocasionalmente fazia playback da parte «Não perguntes o que o teu país pode fazer por ti» quando tocavam. O videoclip foi realizado por Drew Carolan, um fotógrafo amigo da banda. As sequências da banda tocando a canção foram filmadas no Hammerstein Ballroom em Nova Iorque, dois dias depois do final da sua tournée europeia e um dia antes de eles irem para a estrada na tournée americana. Numa entrevista Corey Glover disse: «Senti que era de facto uma continuação da tournée, porque estávamos a tocar um concerto, só que estávamos a tocar a mesma canção uma e outra vez».”
All of Me (Boy Oh Boy)” (1988), p/ Sabrina. “Foi o quinto single internacional da estrela pop italiana Sabrina. Foi lançado em Itália em julho de 1988 como primeiro single do seu segundo álbum, «Super Sabrina». Seguiu o seu single precedente, «Hot Girl», na Europa, ao passo que era o seu segundo single lançado no Reino Unido, seguindo «Boys (Summertime Love)». Escrita e produzida por Stock Aitken Waterman, a canção é um típico disco pop bem produzido da época dourada desta equipa de produtores. Escrita de propósito para Sabrina, a letra, a produção e até a melodia são ligeiramente reminiscentes do êxito internacional dela, «Boys»: a estrutura das introduções são semelhantes (a linha de baixo a bater com o título da canção sendo cantado / dito), enquanto o coro em «Boys» é construído à volta da frase «Boys, boys, boys», em «All Of Me» é «Boy, oh, boy». Uma favorita entre os fãs de Sabrina assim como entre os entusiastas de Stock Aitken Waterman, esta canção solidificou ainda mais o estatuto de Sabrina como mais do que um fenómeno de um êxito .” Cielo” (1985), p/ Daniela Poggi. “Atriz e apresentadora italiana. Em 1977, participou no Festival de Sanremo como bailarina durante a exibição de Matia Bazar, com o grupo de baile chamado ironicamente Bazarettes. Em 1979, é a soubrette da segunda edição do pograma televisivo de variedades «La sberia», transmitido na Rete 1 (atual Rai 1), juntamente com Gianfranco D’Angelo e Gianni Magni com realização de Giancarlo Nicotra. Estreia-se no teatro em 1978 com Walter Chiari e divide-se entre o cinema (onde trabalha principalmente em numerosas comédias à italiana como “Prestami tua moglie” (1980), real. Giuliano Carnimeo, c/ Lando Buzzanca, Janet Agren, Daniela Poggi … estreado quinta-feira, 26 de fevereiro de 1981 no Politeama), teatro e televisão. De 2000 a 2004, apresentou o histórico programa da RAI 3 «Chi l’ha visto?» e em 2005 «Una Notte con Zeus» também na RAI 3. Em 2000, interpretou o papel de Maria Madre di Gesù na ficção «San Paolo», e em 2010 o da magistrada Flavia Conti na série «Io e mio figlio - Nuove storie per il commissario Vivaldi». Em maio de 2001 foi nomeada embaixadora da Unicef e como tal participou nalgumas missões para ajudar as crianças em África.” 
____________________
[1] Potencial de futuro certo. Krista, 1,70 m, 50 kg, 87-62-92, sapatos 37, nascida a 26 de março de 1986 em Volgograd, Rússia. “Pura e simpática, essa é Krista. (…). O seu caráter alegre faz todos rir. Ela acabara de comemorar os 18 anos e veio ao estúdio do Grig algumas semanas atrás. Krista sempre sonhou ser fotografada. E há pouco tempo o sonho realizou-se. Grig reparou imediatamente nela. Krista tem um aspeto muito atrativo, não tem? Ela está muito entusiasmada com o seu novo emprego e tenta dar o seu melhor. (…). A história de Krista é interessante e inesperada. Os seus parentes viviam em Paris e o seu bisavô costumava jogar às cartas. Gastou todo o dinheiro no jogo e teve de mudar-se com a família de Paris para uma pequena aldeia na Sibéria. Foi um choque doloroso para todos. Acontece que os pais de Krista recusaram-se morar lá, o clima era horrível. O seu dinheiro era suficiente para comprar uma casinha numa pequena aldeia perto de Volgograd. Krista nasceu nela. Os seus pais puseram-na a estudar em Volgograd. Krista costumava jogar ténis mas não estava interessada em desporto. Agora a modelo estuda francês e vai visitar Paris.” Sites: {jeuneart} {Galitsin’s Angels} {The Nude} {hqcollect} {Round 2}. Entrevista: P: “Quais pensas que são as tuas melhores características?”, Krista: “Os olhos.” P: “Cor favorita?”, Krista: “Branco e cor-de-rosa.” P: “Programas de TV favoritos, lista de nomes”, Krista: “Não vejo televisão… Não gosto de programas de TV. Prefiro ir ao cinema com os meus amigos.” P: “Livros favoritos, lista de títulos”, Krista: “O primeiro amor, Turgeniev.” P: “Filmes favoritos, lista de títulos”, Krista: “A Pretty Woman, Titanic.” P: “Revistas favoritas, lista de nomes”, Krista: “Elle, Burda.” P: “Música favorita, lista de títulos”, Krista: “Gosto de vários géneros de música. Mas a minha favorita é pop (como Madonna) e alternativa (Linkin Park).” P: “Altura favorita do dia, porquê?”, Krista: “A noite. Posso descansar, visitar os meus amigos. É o momento mais romântico do dia.” P: “Qual é a tua formação? Curso?”, Krista: “Agora sou estudante, estou na universidade e estou a estudar francês.” P: “Falas outras línguas? Se assim for, diz-me algo nessa língua”, Krista: “Francês.” P: “Lugar favorito para viajar, relaxar ou visitar”, Krista: “A natureza nos arredores, a beira-mar.” P: “Quais foram os locais que visitaste?”, Krista: “Moscovo, Sochi, Gelengic.” P: “Qual é o teu feriado preferido? (Natal, dia dos namorados, dia de ação de graças, etc.)”, Krista: “O aniversário, o ano novo.” P: “Comida favorita, lanches, doces”, Krista: “Batatas, várias saladas.” P: “Qual é o teu carro de sonho?”, Krista: “Peugeot 307 e Lexus RX 300.” P: “Qual é o teu emprego de sonho?”, Krista: “Economista.” P: “Descreve o teu lugar favorito para fazer compras”, Krista: “Park House - é um lugar muito espaçoso para fazer compras e tem as minhas lojas favoritas como Episode, Mexx, Cavalli.” P: “Vês desporto, se sim, quais são as tuas equipas preferidas?”, Krista: “Vejo jogos de futebol e a minha equipa preferida é o Manchester United.” P: “Quais são os teus passatempos?”, Krista: “Gosto de colecionar cuecas e plantar flores.” P: “Preferência de bebidas, alcoólicas e não alcoólicas”, Krista: “Gosto de sumos de morango e manga. Não bebo álcool.” P: “Tens algum animal de estimação?”, Krista: “Sim. Tenho um gato. Chama-se Benia.” P: “Estado civil?”, Krista: “Solteira.” P: “O meu pior hábito é…”, Krista: “Gosto de pôr as minhas coisas em todo o lado.” P: “A única coisa que não suporto é…”, Krista: “Gastar muito dinheiro.” P: “Que animal melhor descreve a tua personalidade e porquê?”, Krista: “A raposa. Sou astuta e atraente.” P: “As pessoas que me conheceram no liceu pensavam que eu era…”, Krista: “Maluca e imprevisível.” P: “Como é que descontrais ou passas o teu tempo livre?”, Krista: “Passo todo o meu tempo livre com meus amigos, gostamos de ir a discotecas.” P: “Qual foi o momento mais feliz da tua vida?”, Krista: “Quando terminei a escola.” P: “Quais são as tuas esperanças e sonhos”, Krista: “Espero ser uma boa profissional e encontrar um bom emprego.” P: “O melhor conselho que já me deram foi…”, Krista: “Perdoar e nunca confiar em pessoas que não se conhece.” P: “O pior conselho que me deram…”, Krista: “Ficar calada.” P: “Que tipo de cuecas usas, se algumas”, Krista: “Biquíni.” P: “Homem ou mulher ideal”, Krista: “Valentina, acho que ela é muito gentil e atraente.” P: “O tamanho importa? Qual é a tua medida ideal?”, Krista: “Quanto a mim, o tamanho não importa. Mas nalgumas situações talvez importe.” P: “Descreve a tua primeira vez (pormenores, local, pensamentos, satisfação, etc.)”, Krista: “Sou virgem.” P: “O que te excita?”, Krista: “A velocidade e carros caros.” P: “O que te desliga?”, Krista: “A persistência e o frio.” P: “O que te faz sentir mais desejada?”, Krista: “Beijos e quando um rapaz garboso olha para mim.” P: “Masturbas-te? Com que frequência? (dedo, brinquedos ou ambos)”, Krista: “Claro, com coisas especiais.” P: “Qual foi o teu primeiro fetiche, se sim, qual?”, Krista: “Com um fato de homem.” P: “Qual é o lugar mais exótico ou invulgar em que fizeste sexo? Ou onde gostarias que fosse?”, Krista: “Gostaria que fosse numa sauna.” P: “Descreve um dia típico da tua vida”, Krista: “Levanto-me às 07h30. Tomo um duche e vou correr. Então, tomo o pequeno-almoço e vou para a universidade. Terminadas as aulas, normalmente vou para casa, como e converso com os meus amigos ao telefone.” P: “Tens alguma curiosidade sexual que gostasses de explorar ou tivesses explorado? Por favor, descreve com pormenores (rapariga / rapariga, voyeurismo, etc.)”, Krista: “Voyeurismo - adoro ver o meu corpo perfeito num espelho.” P: “Descreve em detalhe a tua fantasia sexual favorita”, Krista: “Quero fazer sexo com várias raparigas bonitas.” P: “Conta-nos a tua ideia de um encontro de sonho”, Krista: “À beira-mar, quero usar um vestido Dior.” P: “Se pudesses ser fotografada de qualquer forma, em qualquer cenário, qual escolhias? O que te faria sentir mais desejada, mais sensual?), Krista: “Gostaria de ser fotografada com crocodilos nos trópicos quentes.” Obra fotográfica: {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4} {fotos5}. Obra cinematográfica: {“Interview” + Katia} ѽ {“After Interview” + Katia} ѽ {“Tender Touches” + Alice} ѽ {“Midnight Bath”} ѽ {“Noon Rest”} ѽ {“Nature Romp” + Katia + Valentina} ѽ {“Funny Hair Do”}.
[2] A arte no vídeo do fotógrafo / realizador Said Energizer, Kiev, oriundo do Médio Oriente – {SonicHits} {SoundCloud} {Tumblr} {StasyQ} {Alexander Tikhomirov & Said Energizer, “Girls of my Dreams”}. A sua obra cultiva no plano praxiológico de arquiteturas acorcovadas cosmopolitas velozes e caras: StasyQ #81” = modelos: Dalee e Lemony. /‖ Dalee, 1,60 m, 40 kg, 84-56-84, sapatos 36, olhos verdes, cabelos loiros, nascida Darina Litvinova (Дарина Литвинова) a 30 de novembro de 1992 em Kiev t.c.c. Candy, Candy D, Niky, Alice, Candice B, Snezhka, Felicity. Sites: {Met-Art Hunter} {Indexxx} {The Nude} {brdteengal} {Erotic Beauties} {“Elevage”} {“Solstice”} {fotos} ‖\ Ѿ “StasyQ #82” = modelos: apelidadas Twins Picwin (Julia A) Ѿ “StasyQ #84 = modelo: Vee t.c.c. Viktoria Krasnova {fotos} Ѿ StasyQ #85” = modelo: Marina Endorfin (Марина Эндорфин) 1,68 m, 46 kg, 85-59-86, sapatos 38, olhos verdes, cabelo loiro, Ucrânia Ѿ “StasyQ #86” = música: “Toca Bunda” (Chocolate Puma Remix), p/ Mastiksoul, Gregor Salto Ѿ “StasyQ #90” = modelos: Nastya e Ksu Ѿ “StasyQ #92” = modelo: Ira Kaletnik Ѿ “StasyQ #93” = modelo: Sasha Shokareva Ѿ “StasyQ #95” = modelos: Dalee t.c.c. Darina Litvinova (Дарина Литвинова) e Karina Golubtsova (Карина Голубцова) Ѿ “StasyQ #96” = modelo: Poly t.c.c. Polina Dementova, 1,74 m, 86-62-92, olhos azuis, cabelos loiros. Sites: {Polina D e Angelina Petrova} {site} Ѿ “StasyQ #97” = modelo: Dasha Prikhno (Даша Прихно), 1,75 m, 86-61-88, sapatos 39, olhos castanhos, cabelos pretos, nascida a 23 de março em Kiev. Sites: {Instagram} {Facebook} Ѿ “StasyQ #99” = modelo: Pheny Ѿ “StasyQ #109” = modelo: Nasty, 1,65 m, 47 kg, 88-65-89, sapatos 38, olhos verdes, cabelo castanho, nascida Anastasia “Nastya” Panteleeva (Анастасия “Настя” Пантелеева) a 11 de maio de 1989 em Kiev, Ucrânia, t.c.c. Guerlain, Raisa, Anesthesia, Anastasia, Anastasia P, Anastasia S, Anat, Dominika, Lily C, Natalia E, Violetta, Nastik Kitsan, Nastya Panteleeva, Asastasia Sia, Nastik Panteleeva. Sites: {The Nude} {Indexxx} {Vimeo} {fotos} Ѿ “StasyQ #115” = modelo: Katty t.c.c. Katya Dobrenko (Катя Добренко) 1,74 m, 59 kg, 82-61-90, sapatos 38, olhos e cabelos castanhos nascida em Kiev, Ucrânia {fotos} Ѿ “StasyQ #121 = modelo: Shumy t.c.c. Inga, Jennifer, Tatyana Y. Sites: {Indexxx} {The Nude} {Amour Angels} {Tokyodoll} Ѿ StasyQ #124” = modelo: Mayer, 1,63 m, 45 kg, 84-56-89, olhos azuis, cabelos castanhos nascida a 24 de março de 1991, Ucrânia, t.c.c. Amelie B, Amelie Bee, Milena, Alina S, Alina Maye. Sites: {Erosberry} {Freeones} {The Nude} {Indexxx} {fotos} Ѿ “StasyQ #129” = modelo: Dalee Ѿ “StasyQ #161” = modelo: Sunny Ѿ “StasyQ #165” = modelo: Kristy t.c.c. Kristina Yarkaya, 1,70 m, 52 kg, 86-58-86, nascida a 10 de fevereiro de 1991 em Moscovo. Sites: {Playboy} {Indexxx} Ѿ “StasyQ #169” = modelo: Lova t.c.c. Anastasiya Scheglova (Анастасия Щеглова), 1,73 m, 85-58-87, sapatos 37, olhos verdes, cabelos castanhos-claros, nascida a 19 fevereiro de 1995 em Moscovo {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4} {fotos5} Ѿ “StasyQ #174” = modelo: Rooby, 1,72 m, 84-61-86, sapatos 38, olhos verdes, cabelos loiros, nascida a 23 de setembro em Moscovo, t.c.c Katerina Rubinovich (Екатерина Рубинович), Katerina Kristall {fotos} Ѿ “StasyQ #177” = modelo: Lulya Ѿ “StasyQ #180” = modelo: Nasty Ѿ “StasyQ #203” = modelo: Sofie, 1,74 m, 48kg, 89-61-91, olhos verdes, cabelos castanhos, nascida 1 de janeiro de 1995 em Kiev, t.c.c. Gloria Sol, Penelope Y, Sofia, Sophia. Sites: {Indexxx} {Erosberry} {The Nude} {Erotic Beauties} {“Facil”} {“Taste My Sweetness”} {fotos} Ѿ “StasyQ #206” = modelo: Fara t.c.c. Eva Jane, Cosima, Lerinni, 1,63 m, 48 kg, 84-64-89, olhos verdes, cabelo castanho, nascida em 1995, Ucrânia. Sites: {The Nude} {Euro Pornstars} {SexBoomCams} {Indexxx} {Define Babe} {fotos} Ѿ “StasyQ #208” = modelo: Lisy, 1,71 m, 84-66-94, olhos e cabelos castanhos, nascida em 1991 na Rússia, t.c.c. Britney Y, Mandy. Sites: {The Nude} {Indexxx} {“Bathing. Before”} {“I Care For Myself”} {fotos} Ѿ “StasyQ #214” = modelo: Shpitsy, 1,60 m, 90-56-90, sapatos 38, olhos castanhos, cabelos pretos, nascida a 7 de junho de 1992 na Rússia, t.c.c. Stasya Platova (стася  платонова), Pam, Paula T, Pammie Lee, Lubashka, Winona McFerran. Sites: {The Nude} {Indexxx} {Eros Berry} {fotos} Ѿ “StasyQ #215” = modelo: Rita Ѿ Hello Girls @ 2013” = modelos: Yani e Elen t.c.c. Jana Jackovskaja e Elen Kaminskaya ѾElen” = modelo: Elen Kaminskaya (Элен Каминская), 1,65 m, 45kg, nascida a 23 de outubro de 1991, Moscovo.
[3] Os muçulmanos purificaram a boa prática de disciplinar a mulher-esposa, ditosamente, a aliança das civilizações importou esse costume para as cristãs, as mais pias, vindicam logo do seu farol, o esposo, essa correção nelas próprias, cientes de que desbridadas não são produtivas, dispersando a sua atenção em malas Hermès, sapatos Louboutin, vestidos Chanel e Dior, e que um rabo dorido, cérebro ativo, como Renee ou Geiler ou…
“Lagarde foi ouvida em tribunal no passado dia 23 de maio. Dois meses antes, a polícia tinha encontrado em sua casa uma carta manuscrita dirigida ao antigo presidente francês. A missiva foi nesta segunda-feira revelada pelo jornal Le Monde, que alega ter tido acesso ao processo judicial que condenou o Estado francês a indemnizar em 2008 o empresário francês Bernard Tapie com 403 milhões de euros. Tapie é amigo de Sarkozy e apelou ao voto no ex-presidente. «Querido Nicolas, de forma breve e respeitosamente, estou ao teu lado para te servir e servir os teus projetos para França», começa por dizer a carta, que não se sabe se chegou a ser entregue a Sarkozy. Ainda segundo o Le Monde, Christine Lagarde diz ter dado o melhor de si, acrescentando que se alguma vez falhou pede que Sarkozy lhe conceda perdão. «Utiliza-me como te convier e como convier ao teu projeto. (…). Se me utilizares, necessito de ti como guia e do teu apoio: sem a tua condução poderia ser ineficaz, sem o teu apoio seria pouco credível. Com imensa admiração, Christine L», pode ler-se na carta divulgada pelo jornal francês. Segundo a investigação ao chamado «escândalo Tapie», Nicolas Sarkozy, que goza de imunidade enquanto ex-presidente da República, terá sido o cérebro na sombra da arbitragem privada pedida por Lagarde e que levou a indemnização de Tapie. O empresário ganhou o litígio que opunha ao Banco Crédit Lyonnais e que tinha a ver com a venda da empresa Adidas. Por decisão da antiga ministra da Economia e Finanças, que ocupou o cargo entre 2007 e 2011, Tapie recebeu 403 milhões de indemnizações por parte do Estado francês.”
“A diretora do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, foi considerada culpada de negligência por um tribunal especial francês. O processo remonta ao tempo em que foi ministra das Finanças de França. O conselho de administração do FMI, no entanto, reiterou a plena confiança em Lagarde. (…). O Tribunal de Justiça da República, que julga apenas ministros e ex-ministros, por ofensas cometidas durante o exercício das suas funções, e é formado por juízes e políticos, considerou que Lagarde foi negligente ao autorizar que passasse para um tribunal arbitral o litígio que o empresário Bernard Tapie mantinha com o antigo banco público Crédit Lyonnais. Em causa estavam os prejuízos que Tapie, amigo do então presidente Nicolas Sarkozy, alegava ter tido com a venda da empresa de artigos desportivos Adidas ao Crédit Lyonnais, ainda no início da década de 1990. Ao deixar que o caso seguisse para tribunal arbitral, em vez de deixar que o processo seguisse o seu caminho nos tribunais comuns, a então ministra das Finanças francesa, abriu caminho para que o Estado francês pagasse a Tapie 403 milhões de euros. (…). Apesar de a ter considerado culpada, o tribunal não aplicou agora qualquer pena a Christine Lagarde. Ela arriscava até um ano de prisão e 15 mil euros de multa. O tribunal considerou que «a personalidade» e a «reputação internacional» da diretora do FMI, bem como a batalha que na altura travava contra a «crise financeira internacional» são fatores a seu favor, que justificam a dispensa da pena, diz a AFP. A própria Lagarde deu a entender, ao depor durante o julgamento, que a crise financeira de 2008 a fez distrair deste caso, «que não era prioritário». Disse que seguiu as recomendações dos seus conselheiros. «A possibilidade de fraude escapou-me completamente», afirmou”, no jornal Público n.º 9744.
[4] Sobre o conceito “interesse nacional”. “Não me recordo de tanto ouvir e ler como agora que é necessário que todos os agentes políticos ponderem e reflitam sobre a melhor forma de prosseguir com o interesse nacional. De tanto ser repetido a propósito de tudo e de nada, desde os PINS até às finalidades dos processos de privatização, passando por complementos ao conceito estratégico de defesa nacional e não excluindo a consolidação orçamental, a diminuição da despesa e o abaixamento do défice, a tudo se tem vindo a aplicar o conceito de interesse nacional, claro que para justificar as decisões que conjunturalmente são tomadas e/ou defendidas. Mas afinal de que estamos a falar quando falamos e invocamos o interesse nacional? Sendo certo que o conceito pode variar em razão da ótica de análise do mesmo, em regra a sua definição surge associada às relações entre os Estados, e neste âmbito importa sublinhar as duas principais correntes que o têm procurado identificar: A teoria realista e a teoria liberal. A teoria realista entende que as políticas externas dos Estados são regidas pelo interesse nacional, dado estes terem interesses egoístas no âmbito do sistema internacional, que é anárquico por natureza. (Hans Morgenthau e Kenneth Waltz). Para as teorias liberais, além das relações egoístas, os Estados mantém relações de cooperação com o objetivo de assegurar, através das organizações internacionais de que fazem parte, a sua segurança. (Sérgio Pistone). Não sendo ou não parecendo ser este o conceito de interesse nacional que tem vindo a ser reiteradamente utilizado no discurso político atual, de que falam quando nos seus múltiplos atos discursivos se referem ao superior interesse nacional? Não é possível, a meu ver, densificar este conceito sem o conexionar com o conceito de soberania e a sua evolução no tempo e no espaço com as novas formas de integração europeia e de interpretação e configuração da soberania no espaço europeu. Interesse nacional e interesse europeu podem, assim, significar confluências e vantagens recíprocas no que toca, por exemplo, às relações entre a União e os seus Estados membros e entre estes e a restante comunidade internacional. Mas podem, por outro lado, significar oposição conceitual e prática quando se confrontam interesses nacionais que exigem maior solidariedade e coesão e o interesse europeu, como tal definido por instituições de que todos fazem parte, caso em que a história nos diz que prevalece o interesse comunitário. No momento atual parece ser possível considerar que o interesse nacional e o interesse europeu podem significar uma profunda tensão, no sentido de contradição ou de confluência entre ambos. O interesse europeu pode ser entendido como alheio aos interesses nacionais porque, sendo definido conjuntamente pelos parceiros comunitários, aí prevalecem relações de poder suscetíveis de influenciar a definição do conceito em função dos seus próprios interesses. Mas voltando ao início! De que falam os políticos quando falam do interesse nacional? Não sei... Retomando um dos seis princípios do realismo político elencados por H. Morgenthau, no sentido em que a definição de interesse é a concretização de relações de poder, diremos como A. Maltez que: «O realismo político, afinal, gerou um novo rebaixamento dos fins da política, principalmente quando difundiu um conceito de estadista capaz de, em nome da responsabilidade do Estado, suspender as convicções, por admitir que os fins considerados superiores justificariam os meios inferiores utilizados». Não me custa admitir que é difícil a densificação deste conceito; o que me custa admitir é a sua invocação constante sem o mínimo de preocupação quanto ao seu significado e à sua adesão à realidade”, Celeste Cardona, em Diário de Notícias n.º 53 018.  

36 Comments:

  • At 12:27 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    15.º Post de 1984, mês de junho. O título é uma frase de Mário Soares, chegado do Japão, maravilhado como eles ainda viam os portugueses, possivelmente algo que se passava na cabeça dele, como não falava a língua, eles podiam estar a chamar-lhe cabrão que ele ficava a leste, pensando Ó como eles gostam de mim.

    Fiz uma introdução com o nosso colorido banqueiro Ulrich que era muito valentão para os outros, os portugueses aguentavam, os gregos aguentavam, mas quando tocou aos banqueiros já não aguentava. O grande mal português, nunca foi a produtividade, nem a competitividade, são as elites. Essas que o Cavaco tanto admirava como faróis da nação. Uma cambada que não serve para gerir um pastelaria quando mais um país. É, no fundo, o povo que somos.

    Em junho de 84, o bom alma padre Melícias falava da pobreza; era enterrado o António Variações; e Michel Foucault (em campas separadas); e os jovens em Portugal tentavam entrar no Guinness, na Brandoa, dançando, em Ourém, pondo discos.

     
  • At 6:49 da manhã, OpenID rodolfomondolfo said…

    Táxi, já não via, desde a conferência de Paulo Futre, um aglomerado de frases tão bom como este:

    http://observador.pt/opiniao/um-casulo-para-dois/

    Em 84 a Sensual Jane só tinha um ano, mundo estranho.

     
  • At 12:36 da tarde, Blogger São said…

    Uma pessoa que se dedicou a sério ao tema da pobreza e que tão injustiçado foi , chamou-se Alfredo Bruto da Costa.

    Quanto às memórias deixadas pelos valentes descobridores por onde passaram , é melhor nem falar!

    Um abraço entrudesco :)

     
  • At 10:38 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: nesta conferência onde o Melícias falava, também o Bruto da Costa apresentou o primeiro estudo sobre a pobreza em Portugal, no fundo, um problema que será resolvido quando Passos voltar, com ele, Portugal crescerá, crescerá, crescerá, com Schäuble aplaudindo: Que rico aluno! (mas em alemão, as palmas e a elogiosa exclamação).

    Hoje é mais um dia histórico. Este povo é o maior fazedor de História da História, hoje, temos mais um vislumbre de Paulo Núncio, já nos roíam as saudades, esse cozido de sentimentos tão português, que enegrece a alma, Paulo N, desde que saiu do governo nunca mais foi visto, os seus amigos têm fortuna de confraternizar todos os dias e noites com ele, mas, e o povo? barrado de Paulo N, não tendo acesso às suas boas inovadoras competitivas sustentáveis ideias. Há pessoas que deveria haver lei que as obrigasse a haver todos os dias, que as TVs transmitissem diariamente uns minutos com, para matar saudades e aquentar almas.

    Depois de dez anos à cata de coisas fofinhas feitas pelo presidente Obama, e vindo o tempo da imprevisibilidade, é bom saber-se que em Portugal temos travesseiros seguros. E, atualmente, os nossos navegadores são os banqueiros, os que dobram cabos, descobrem continentes, e no fim, hablam chinês ou espanhol.

     
  • At 10:40 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo: uma coisa é certa, Cavaco avisou que a sua reforma não dava para as despesas, o mais correto é ele procurar novas fontes de rendimento, como o casal já está velho para fazer sessões no Live Jasmin (obrigam a trabalhar noite fora e corpo avelhentado pede descanso, não aguenta noitadas), é natural que ele publique livros com juicy, para vender, ou estaria na casa de partida, isto é, obrigado a viver com a reforma.

    O livro é igual ao do Saraiva, de mexericos, as únicas diferenças são: Passos esteve na apresentação de Cavaco, e fugiu do Saraiva; Saraiva limitava-se ao mexerico, Cavaco, além de mexericar, ajusta contas com os seus inimigos, esvaziando o seu ódio. Mas a reação dos intelectuais não foi a mesma, viram pensamento político (algo que fará Aristóteles dar saltos na tumba, para não falar no Sócrates).

    Epah, a realidade alternativa veio para ficar. Então Hollywood alinhou, deu ao mundo dois Melhores filmes, em alternativa. Embora esse programa de publicidade dos produtos americanos não me interesse, estava a ver uma merda qualquer no imdb, eles estavam a transmitir em direto, e vi La La Land, como melhor filme, retive a informação, e no dia seguinte, no telejornal dizem que não, que trocaram os envelopes. Não houve troca nenhuma: deram às pessoas dois títulos à escolha, isto chama-se liberdade, chama-se Santo Agostinho. Como penso não ver nenhum dos dois, para mim o melhor é Lalaland.

    Esta idosa que escreve nos jornais é badass. “Mais que um “quanto baste” para o tornar numa indispensável fonte de esclarecimento para o estudo da História recente ou simplesmente para quem se interesse pelo fenómeno político e pela vida pública.”- fonte indispensável, pena não ser da virgem, para repescarmos Bergman. Porra e porra: “(Deve haver muitos estudiosos e curiosos, o livro esgotou num fim de semana). Tão importante quanto interessante, li-o de um fôlego. Interessa-me o personagem, gosto de política, sigo-a – e persigo-a – há muitas décadas, ouvi e vi muito. Sou, em resumo, uma leitora naturalmente predisposta para o que aí esteve e o que aí está.” – É por causa disto que na nota 3 da secção música pus em cima da mesa a nalgada, há uma dialética entre o rabo e o cérebro feminino, quando mais for zurzido mais elas sobem ao topo da elite. Cabe agora aos cientistas provarem esta relação filogenética. Dei o exemplo de Lagarde, aquele rabo ossudo (bony ass), tratado em tempo próprio, levou-a ao topo da finança. Até evitou que fosse condenada, quer dizer, foi, mas sendo uma girl muito importante, não foi.

     
  • At 10:43 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo:

    O controlo de todos os gestos é fundamental. Não é por acaso que Estaline foi o maior estadista do século XX e aquele que mais influenciou o século XXI. Chegará o dia em que vamos na rua, damos um pontapé numa pedra, e somos acusados de destruição de mobiliário urbano.

    A Godzilla.

    Diz um comment: I don't think I can handle the amount of hipster in this video. E tu canes?

     
  • At 1:22 da manhã, Blogger São said…

    Núncio, o de grande elevação segundo a kiwi Cristas, é um troca tintas desgraçado que já vai na terceira versão - e recebe o apoio das mesmissimas criaturas que pedem a demissão de Centeno...

    Oh, país este, que é o nosso !!

    Desejo-te bom Março.

     
  • At 7:56 da tarde, OpenID rodolfomondolfo said…

    O próximo musical de Hollywood terá o título de "Lalalangue" e argumento de Lacan.

    Os Blue Oyster Cult sempre foram uma banda de culto...

    Bruto da Costa parece uma marca de champanhe.

    Tinha de acontecer: o Ron faz agora cinema de autor, intelectual.

    O Paulo Núncio tinha anunciado não sei quê, mas desmentiu-se a ele próprio, numa atitude humilde e/ou oportunista que pode ser vista como uma ilustração da coexistência de mundos paralelos no império geral da falência do 'modus tolendo ponens' ou do regime pós-verdade e 'check fact' ou - numa visão mais singela - do triunfo da lógica da batata e do soundbit para consumo digital.

    Hoje estive a discutir filosofia política com jovens cientistas políticos no café, comportei-me como um verdadeiro gentleman; estas imagens foram já depois de eu ter citado Churchill e Péricles:

    https://www.youtube.com/watch?v=nT2qFx9iSlM

     
  • At 8:11 da tarde, OpenID rodolfomondolfo said…

    Não há nenhuma bitch a saltitar as nádegas que bata isto:

    https://www.youtube.com/watch?v=XjhTHQhJLxs

     
  • At 8:45 da tarde, OpenID rodolfomondolfo said…

    Já me esquecia de um link que tinha guardado para ti. Andei a ouvir umas coisas dos nine inch nails e apareceu-me isto:

    https://www.youtube.com/watch?v=7zzGQJHZ0Qk

    Não há que ter medo. Ela aí não canta. Há os terríveis efeitos de overdose de iogurte danone, mas mesmo pessoas mais sensíveis podem suportar o visionamento.

     
  • At 9:45 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo:

    Mais logo leio isto, agora tinha programado ir comprar comida para o gato, e na mesma volta, ir buscar o B.I., mas o tempo está agreste, não gosto de mudar os planos traçados, mesmo com risco de uma grande molha, vou cumprir o plano.

    A tal incerteza, atualmente tudo é possível: burros sem orelhas, pássaros sem asas, marques sem mendes

    Com seis anos? tá bem tá, para se vender é preciso juicy.

    Ele estava a precisar da Lola.

     
  • At 2:08 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: via-se perfeitamente que o Núncio estava a mentir. O grande problema dele era safar os seus donos, e assim é que deve ser. Um homem confiável vai longe, os mariquinhas que se chibam todos na primeira contrariedade, fazem-no uma vez, mas depois ficam queimados e nunca mais são gente.

    Por causa disso comprei a Sábado, para ver o que disse o Bataglia, tinha lido que ele derreteu-se todo, chibou o que sabia e o que não sabia. Ele deve pensar que há delação premiada, talvez haja entre a classe dominante, de facto, não existe, é um engodo dos bófias para sacar informações, e há quem caia.

     
  • At 2:08 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo: já me tinha esquecido. O Tó Jó saiu da cadeia, temos economista, agora das Neves andará sempre a olhar por cima do ombro, para ver se não lhe vêm roubar o lugar: é a flexibilidade: substituir os velhos pelos novos. Quando agora das Neves tomar do seu remédio quero ver se gosta.

    Ó o saudoso Lacan. Tinha a obra quase toda dele e hoje não tenho nada. Esperava que o CM publicasse as obras completas, mas estou a ver que não se decidem, se fosse do Papa Chico, já estaria cá fora. E por falar em publicar. A Sábado está a dar uns posters catitas de cinema luso, com eles, poderás embelezar o teu espaço, como se vê nos filmes americanos nas casas de pessoas intelectuais, há sempre uns posters afixados nas paredes. Pelo menos o da Branca de Neve, valerá a pena, sempre é o melhor filme português, embora eu critique César Monteiro de leviandade, junto com a cópia em preto, ele devia ter feito uma cópia em branco, para abranger um maior leque de espetadores, o cinema tem que dar dinheiro, não pode viver só de subsídio.

    As fogueiras são absolutamente aterradoras. Espera-se sempre que surja alguém com uma facalhão.

    Ainda ninguém conseguiu stopar a dance.

    Fica muito melhor com os Nine Inch. Foi um grupo de quem gostava muito, andar bêbedo por Lisboa, como eles nos headphones, e por tal comprei muito CD deles.

    E tu? Já vieste por uma coisa e ficaste por outra? Came here for boobs stayed for music.

    Será que ele irá existir como um português?

     
  • At 2:34 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo:

    Uma arma para quando fores outra vez discutir com cientistas políticos.

    E para quando fores discutir com cientistas gastronómicos.

    E quando chegar a sobremesa.

    E para quando fores discutir com cientistas viajadores.

    E no hot.

    Para quando discutires com cientistas bitches.

    E agora uns mexicanos muito bons.

    Eles também viram o diabo.

     
  • At 11:20 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo:

    Se quiserem o meu exemplar, só com choruda indemnização por danos morais, por ter sequer imaginado a Fernanda Câncio nua.

     
  • At 11:58 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo: o que é feito de ti? Espero que seja uma ausência motivada, como toda a gente, neste momento histórico, pela preparação da receção ao Papa: rezas, orações, penitências, jejuns, autoflagelação, etc. E que não seja outros afazeres profanos, passíveis de inferno, abre-núncio! vá o agouro.

    Entretanto, há sinais perturbadores no horizonte: um tribunalzeco europeu qualquer permite que as empresas proíbam uso de símbolos religiosos, políticos e filosóficos. Isto é muito grave. Uma t-shirt de Kant poderá dar despedimento, miséria e cadeia, depois de o despedido matar o patrão. Usar um pin de Anaximandro ou de Plotino e a vida terminada na sopa dos pobres. Para já não falar na difícil discussão do que é filosófico e do que não é. Será Carrilho filósofo? Ou será a Bárbara? – A propósito de Carrilho, o Derrida tem um texto “Violência e metafísica” sobre o Levinas, creio que vem n’ “A escrita e a diferença”, talvez venha uma perspetiva que beneficie Bárbara.

     
  • At 4:45 da tarde, Blogger São said…

    Para mim essa delação premiada é repugnante!!

    O governo PSD/CDS foi uma tragédia de que o país levará décadas a recupera, mas como há gentinha que é capaz de votar neles de novo ... nem quero imaginar


    Tudo de bom

     
  • At 1:54 da tarde, OpenID rodolfomondolfo said…

    E um oin de Wittegenstein?

    Epá, passou-se tanta coisa, tantos sacaram rios de lecas com essas coisas (os do costume), e não me lembro de nenhuma dessas coisas!

    Música popular:

    https://www.youtube.com/watch?v=W0L7ZfkIZHI

    Música intelectual:

    https://www.youtube.com/watch?v=4hXhG87V2wk

    O gato vai bem?

     
  • At 2:51 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: a delação premiada já existe em Portugal, chamava-se “arrependidos”, muito falado na altura dos julgamentos da FP 25, embora isso seja um logro para enganar tolos a chibarem-se pensando que vão ter atenuações, no caso das FP 25, deram 3 mil contos e mandaram-nos para o Brasil. Ficarem cá significava tiro na cabeça, mas nos outros casos é mesmo só conversa da bófia para sacar informações.

    Muito curioso o governo Passos. Ignorou os problemas do país, entrou numa fúria de vender tudo a metade do preço, queria continuar, e agora quer regressar. Passos tem uma coisa boa: diz uma coisa: e, podemos ter a certeza, que ele vai fazer o contrário. Ele diz: Não vou aumentar impostos. Aumenta os impostos. Claro que lhe chama “fiscalidade verde”, para os tolos pensarem que é coisa boa. Ele diz: não vou usar o dinheiro excedente da ADSE. Logo o dinheiro marcha para a Madeira, para o amigo Albuquerque pagar umas contitas.

    Anda ele a sacudir a água do capote no caso BES, como sempre, não é nada com ele, a desculpa que ele dá para tudo. Não fui eu! Foram os outros meninos! E, de facto, ele estava na Manta Rota, de barriga ao sol, com chapéu por causa da queda de cabelo, e o Carlos Costa é que foi empurrado para a linha da frente. Saiu a avaliação da Standard & Poor’s, como seria de esperar voltaram a atacar os bancos que estão todos falidos, e mantiveram Portugal no lixo. Aparece a dona de casa Maria Luís Albuquerque, que não fez nada para resolver o único problema grave na altura, a mandar postas de pescada. Estar na política é mentir com convicção e contar com a fraca memória das pessoas.

     
  • At 2:57 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo: de verdade aconteceram tantas e tão maravilhosas coisas, Marcelo ultrapassou os quintilhões de selfies e Pereira Coutinho coçou os… cabelos.

    Fogo! Nora ou Gena é um gajo, parece o Paulo Gonzo do sítio (sem estar manco como o nosso).

    Rambo Amadeus é um bom nome, tão bom como Miguel Ângelo. Foda-se, tem um tanque a passar por cima de um tipo, espero que seja snuff movie. O Tavares do Público queixava-se numa brilhante crónica que “fascista” era um insulto e “comunista” não. Ele devia ir viver para os países de leste onde chamar-se comunista a um tipo é pior que chamar filho da puta. – E por falar em chamar, o Cavaco, que anda a vender a merda que escreveu, vem no Público a lamentar-se de incompreendido. Isto já não vai com pichota na boca, agora só mesmo com monster dildo pelo rabo acima.

    Parece que o nosso senhor fala para ti.

    Os Beatles.

    De velhinho é que se torce o pepino.

    As bichas também amam o dinheiro.

    O gato tem-se aguentado, sai-me bastante caro todos os meses, mas até eu estou espantado nas melhorias, nem parece que estava para morrer (morreria se não o tivesse levado ao veterinário).

     
  • At 3:09 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo:

    Para o fim de semana.

    Para fugir de Putin.

     
  • At 3:47 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo:

    Tantas jovens, tantos sonhos.

     
  • At 4:56 da tarde, Blogger São said…

    Lembro-me dos "arrependidos", sim.

    A Justiça em Portugal anda mais de rastos do que aquelas desgraçadas criatura que se arrastam em Fátima, a maior fraude religiosa portuguesa.

    Veja-se a Operação Marquês( isto sem entrar em considerações sobre a inocência ou culpa de Sócrates): uma vergonha !

    Passos e Portas e compinchas são biltres , nada mais ---Por isso , onde anda a criatura irrevogavelmente submarina ?

    Passa bem

     
  • At 8:12 da tarde, OpenID rodolfomondolfo said…

    Tácxi, essas tipas do Big Show Sic já não vão poder fumar na praia: uma diretiva eurocpeia proíbe a partir de agora fumaca na areia; não sei se ainda se pode ir para as dunas de óculos raibantes, cigarro na boca e bicnóculos, se calhar agora tem linha amarela a demarcar zocna de cigarro. Se conseguires fazer bodyboard de cigacrro aceso, a lei abre exepção.

    Outro da Europa, o DJ Lissewbouimeomn, diz para Porctugal gastar, mas não gasctar tudo em frades e vinho verde.

    O, Anctonio Guerreiro descobriu a "transdemocracia". Uma ideia futurista. Coisas que se lê no The Guardien. Hoje em dia é tudo muito sofisticado, mas, pelo, que tenho observado, o país ainda é habitado pelo, Zé Quim e pela Jaquelina -- ambos desempregados (e, nisto são fucturistas).

     
  • At 3:39 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    São: fraude Fátima? A MEO também é, ou as empresas de águas, e ninguém se chateia. O que interessa é a posição no mercado e o efeito na economia, e nisso, Fátima está à frente: é a melhor empresa portuguesa, (é difícil encontrar as contas deste petitórios: há anos apresentaram lucros de 8 milhões), e o turismo religioso é o principal fluxo de pessoas, à frente do turismo desportivo ou do cultural e de lazer. Tomara Portugal ter mais três ou quatro Fátimas, mas estas empresas não são como os bancos, em que há sempre lugar para abrir mais um, neste setor de mercado, muitas Fátimas resultaria na falência de todas. Acho que todos os países têm o seu local de aparições, que concorrem entre si para atrair os consumidores de religião. Este ano Portugal tem uma vantagem de marketing, a visita do Papa, qualquer gajo com uns apartamentos lá perto fará uma fortuna, os restaurantes ganharão pelo ano todo, o comércio venderá o stock e, antigamente, havia os carteiristas que rumavam a Fátima e regressavam cheios de massa, mas depois a GNR começou a ficar esperta e a coisa acalmou.

    A Operação Marquês não é diferente do trabalho de juízes e magistrados do magistério público, (em Portugal são tacitamente a mesma coisa). Tem graça a justificação para os atrasos: elevada complexidade, como se isso quisesse dizer alguma coisa. A causa principal dos atrasos é a incompetência, juízes e magistrados fazem muito bem em nunca darem entrevistas ou as pessoas ficavam logo a saber o que vai na carruagem, mas basta ir a um tribunal e sentar-se durante uma hora a observar.

    Portas tem um espaço televisivo mas nunca vi. Ele está a guardar-se para ser presidente da República daqui a dez anos. Seria ótimo que ele arranjasse um namorado para termos um verdadeiro casal em Belém.

     
  • At 3:40 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo: pelo andar da carruagem ainda proíbem fumar no fumar. Acho que devia voltar o tabaco de mascar e os saloons com o escarrador, os homens andariam de pernas arqueadas, beberiam whisky e veriam espetáculos de Can-can, estilo de vida mais barato aprovado pelos holandeses.

    O Dijsselbloem nem disse nada de novo. É um tema recorrente da social-democracia. Passos Coelho já explicara: “A solidariedade não é irmos todos almoçar, cada um pedir o que lhe apetece, uns pedirem os pratos caros, e os outros pedirem uns pratos mais modestos de acordo com o dinheiro que têm no bolso e chegar ao fim e dizer: Não tem problema, agora dividimos por todos.”

    Nunca mais apanhei uma brilhante crónica de Tony Guerreiro no Público, também não faço questão em procurá-las. Outras notícias mais preocupantes vem na imprensa de referência. Numa dessa imprensa, Assunção Cristas afirma perentória que se não fosse mulher Paulo Portas não teria reparado nela. Será isto uma tentativa de branquear Portas, não se dirá branquear, homemear, machoear, no fundo, despasnascar, mas a palavra também não existe. Não é possível expressar em português esta surpreendente afirmação. Já mais fácil é Rita Pereira que afirma que só um gajo lhe toca. Trata-se evidentemente de um caso de objetificação, de auto-objetificação, ela crê ser um bule, um bloco de notas ou um violoncelo.

     
  • At 3:42 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo:

    A guerra na Irlanda, assim devia ser sempre para as jovens escolherem segundo o tamanho.

    Nem tudo contou Bartolomeu Dias sobre que viu no Cabo da Boa Esperança.

    Quando chegarmos ao fim de ciclo, quando acabar o dinheiro, eis a canção que ouvirás.

     
  • At 3:17 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    rodolfomondolfo:

    Frango e pato já está, outros se seguirão: vaca, avestruz, crocodilo, caracóis e os saborosos tomates de carneiro.

     
  • At 11:09 da manhã, Blogger katrina kaif said…

  • At 10:22 da manhã, Blogger Drag Racer V3 said…

    Great! Thanks a lot for sharing it scorehero.net

     
  • At 8:09 da manhã, Blogger games draw said…

    I like this post stick-rpg2.com

     
  • At 8:54 da manhã, Blogger Alice Taylor said…

    Thank you for such a sweet tutorial - all this time later, I've found it and love the end result. I appreciate the time you spent sharing your skills.


    keelah se'lai

     
  • At 2:40 da manhã, Blogger Ngọc Bảo said…

    I like your post. It really useful with me. Thanks for sharing these useful information!
    happywheels3game.com

     
  • At 5:43 da manhã, Blogger Thu Lê said…

    I was very impressed by this post, this site has always been pleasant news. Thank you very much for such an interesting post. Keep working, great job! In my free time, I like play game: facebooklite.com.br. What about you?

     
  • At 2:52 da manhã, Blogger Friv4 Games Online said…

    Thanks for the information you shared. Please share useful information with your friends regularly
    papasgamesonline.com

     
  • At 4:23 da manhã, Blogger Games 2 Girls said…

    I was working and suddenly I visits your site frequently and recommended it to me to read also. The writing style is superior and the content is relevant. Thanks for the insight you provide the readers!
    sushi-cat2.com

     

Enviar um comentário

<< Home