Pratinho de Couratos

A espantosa vida quotidiana no Portugal moderno!

quarta-feira, agosto 30, 2017

O senhor ministro está à procura de notoriedade através das palavras, pois não se sente capaz de realizar atos (tl;dr)

Há um gigante aos ombros de gigantes. Da província aos trambolhões aterrou, de malas apetrechadas em barda de truces e camurcinas, na estação de comboios. E, de táxi para o Parlamento, perdurando o nobre uso e costume da pachecada [1] num país que muito progrediu com estradas, postes de alta tensão, albergarias e pavilhões multiusos. Chamaram-lhe… Carlos Abreu Amorim: “A questão política é que ninguém, nem mesmo o otimismo que é conhecido do senhor deputado Eurico Brilhante Dias, e do senhor primeiro-ministro também, e de grande parte do Partido Socialista, poderia alguma vez antecipar que esta coligação material duraria tanto tempo. Isso sim. Isso surpreendeu-nos. Agora em relação aos resultados económicos e financeiros, eu acho que ficaram aquém daquilo que seria de esperar. Eu julgo que o ano passado foi um ano perdido, 2016 foi um ano perdido, não temos dúvidas sobre isso. Acho que o plano que o PSD, e o CDS, tinham para a governação depois das eleições, que aliás venceram, era um plano que nos faria crescer de uma forma muito mais sustentável e antecipar o futuro com mais confiança. Agora em relação aquilo que foi feito, obviamente que isso é resultado e produto, digamos assim, que, usando uma expressão literária, se me permite, são, o atual governo, são um pouco, faz a figura dos anões aos ombros dos gigantes, gigantes foram aqueles que levaram o défice de 11 para 3 %.” (12/07/2017). [2]
Continuam a chamar-lhe… Carlos Abreu Amorim: “Há mais de um mês, na AR, o PS apresentou um «Voto de Saudação» intitulado «De Apoio à Candidatura de Portugal à sede da Agência Europeia de Medicamentos». Foi aprovado por unanimidade. Não é segredo para ninguém que neste tipo de Votos se dá muito mais atenção à tomada de posição política do que às eventuais interpretações verbais - ao contrário do que sucede com os textos normativos onde cada palavra é pesada e avaliada cuidadosa e sistematicamente em Comissões e Grupos de Trabalho. Ainda assim, e por mim falo, deveria ter lido o Voto de Saudação com maior atenção e percebido que o PS estava a entronizar Lisboa [3] como sede da EMA à boleia da candidatura de Portugal. Por não ter tido esse dever de cuidado peço desculpa aos meus eleitores e a todos aqueles que também consideram o centralismo como a pior doença crónica do nosso País”. (16/06/2017).
Deputado independente, - jus à independência lhe brindem -, não manqueja a quem lhe assina a folha de pagamentos. Em diálogo parlamentar: Miguel Tiago: “A cangalhada PSD, e CDS, vieram aqui hoje dizer que acima de tudo é preciso defender a independência do Banco de Portugal. Ó senhores deputados, é isso mesmo que o PCP propõe.” Carlos Abreu Amorim: “Gostaria apenas de chamar a atenção da mesa sobre a condução dos trabalhos, para para a expressão que foi agora utilizada.” (07/04/2017).
Feroz dialético, a palavra acoita debaixo da língua, esse Carlos Abreu Amorim: “Seria bom que, com muita serenidade, neste Parlamento, não se agitassem fantasmas. Os fantasmas que não existem. Não são como aquele ditado espanhol que diz que das bruxas las hay las hay. Não existem. Não existe nenhuma extrema-direita organizada, nem milícias, nem toda essa panac… pa… pa…, esse esse conjunto de disparates que foram aí agitados, que foram aí agitados, pela sua bancada (do Bloco de Esquerda).” (10/03/2017).
Paladínico dos mais fracos, escuda-os Carlos Abreu Amorim: “Não é possível salvaguardar a independência destas entidades quando os principais responsáveis políticos abalroam! a dignidade dos reguladores, apoucam! os seus protagonistas e, como alguém já disse, fazem bullying fulanizado e em tom prepotente.” (10/03/2017).
Mesmo calado, o deputado, torna-se um credo nacional. Marco António Costa: “Quando está a responder a outras bancadas, estar a fazer gracinhas com a nossa bancada, é é muito mau gosto (do seu lado esquerdo, Carlos Abreu Amorim acena a cabeça que sim).” (23/12/2016).
Sexta-feira, 31 de agosto de 1984, “decididamente, estamos em tempo novo: churrasco para Carlos Lopes e parceiros olímpicos, todos os bons e acreditados colegas do «rei» de Los Angeles a receberem muitas donas marias, a inscreverem nomes em ruas, a darem a figura para homenagens por esse Portugal fora. Virada a página do servilismo, a prática desportiva de alta competição conquistando carta de alforria, o campeão entra nos salões, bebe do tinto em São Bento, abraça governantes, trata de igual os melhores deste reino. Hoje, em Vila Nova de Cerveira, o general Ramalho Eanes, presidente da República Portuguesa, foi até aos ciclistas, cumprimentou toda a caravana, felicitou Venceslau Fernandes, deu os parabéns pelos vinte e dois anos de Manuel Cunha, ajudou a vestir a camisola laranja a Manuel Neves, trocou muitos dedos de conversa com a insólita plateia e deu (até) o tiro de partida para a etapa voltista que (sem qualquer abalo) foi a ligação para a Póvoa de Varzim: sempre no meio de uma pequena multidão que jamais tinha imaginado um presidente da República a conviver com a festa mais popular do desporto, Ramalho Eanes declarou, expressamente para o Diário de Lisboa: «A Volta é uma grande festa popular, um estímulo para modalidade desportiva a que presto o meu maior respeito. É um impulso à juventude que, não tendo possibilidades para competir em outras disciplinas, pega no seu instrumento que serve para se transportar para o trabalho e faz o desporto que lhe é permitido, o desporto com muitas tradições em Portugal e acessível à população que não recebeu no berço as benesses divinas ou o impulso dos seus antepassados». Ramalho Eanes acrescentaria: «É um período de tempo em que os nossos melhores ciclistas confraternizam, abraçam-se e competem muito honestamente e com todo o brilho. Para um presidente que gosta muito do desporto este é um motivo, muito do meu agrado pessoal, de poder afirmar que respeito e dou o meu aplauso a todo o desportista que engrandecendo o país apenas pela dignidade do seu clube, tudo faz o mais honestamente possível para não ficar anónimo. Endereço o meu obrigado a quantos não querem submergir-se na vulgaridade, e o atleta ciclista, pelo muito que luta, tem absoluta necessidade de se sentir pelo menos compensado por quem está a seu lado no reconhecimento do esforço que despende no trabalho quotidiano».”             
1984. Setembro. Segunda-feira, 3, “a Portucel está a cometer um autêntico crime nacional; as demolições das casas clandestinas da Ria Formosa prosseguirão em outubro; as praias da costa do sul deveriam ser interditas aos banhistas – eis três das afirmações que ressoaram durante o fim de semana, pela voz de Francisco Sousa Tavares. O ministro da Qualidade de Vida falava ao programa «Vamos a isto», um magazine regional da RDP/Sul. (…). O ataque à Portucel seria justificado pelo ministro pelo facto de a empresa estar a substituir floras primitivas e zonas florestais serranas muito importantes. «A Portucel está a fazer autênticos crimes nacionais para plantar a flora que lhe interessa. Os interesses das populações estão a ser desviados para os interesses da Portucel, porque o eucalipto não dá trabalho, nem subsistência às populações serranas». (…). O Estado tem que dominar a Portucel, integrá-la dentro da política nacional». Todas as praias da costa sul deveriam estar interditas a banhistas, dado o alto grau de poluição da água no mar daquela zona. (…). Contudo acrescentou, «é muito difícil convencer as pessoas de que é perigoso tomar banho em águas poluídas». Referindo-se ao Algarve, fez notar também que já existem na água do mar sinais perigosos de poluição «e já este ano houve problemas intestinais derivados da poluição em praias do Algarve». O ministro atribuiu o facto aos esgotos que são lançados para o mar e sublinhou: «Não podemos continuar assim, isto não é saneamento básico». Interrogado sobre se o seu ministério poderia tomar medidas para moralizar o problema, Sousa Tavares disse: «Nada posso fazer senão alertar para o facto ou causar escândalo público». «Não tenho meios e estes assuntos são da responsabilidade da Comissão de Saneamento Básico, dependente da Presidência do Conselho de Ministros. O titular do ministério da Qualidade de Vida revelou que está em negociações com o primeiro-ministro, Mário Soares, para que seja delegada no seu departamento a competência do saneamento. (…). Interpelado sobre um projeto de construção na ponta de Sagres de um conjunto de apartamentos com uma frente de 170 metros, projeto que foi embargado pela Câmara de Vila do Bispo, o ministro aprovou a atitude da autarquia e afirmou que seria «gravíssimo» se qualquer governo concedesse autorização de construção na ponta de Sagres. «É como assassinar uma parte de Portugal e seria um atentado de selvajaria passado ao povo português». «Compreendo que esses senhores queiram ganhar dinheiro e façam fortunas monumentais, mas não à custa de toda a estética de uma nação e à custa do bem-estar, da beleza, da vida». O ministro lamentou que o seu gabinete estivesse tão esvaziado de decisão e que apenas tivesse de agir como «mosca incómoda, nas conceções de negócios loucos que vão por aí».”            
Quarta-feira, 5 de setembro, “a questão da poluição das praias da linha de Cascais conheceu hoje um inesperado desenvolvimento, convertendo-se já numa acesa polémica envolvendo o ministro da Qualidade de Vida, a presidente da Câmara de Cascais, o presidente da Comissão de Turismo da Costa do Estoril e Margarida Borges de Carvalho, ex-secretária de Estado do Ambiente da AD (Aliança Democrática). É que, segundo Sousa Tavares, estes são os porta-vozes de uma campanha contra si, com o apoio dos hoteleiros daquela zona turística. Em conversa com jornalistas, após um almoço no Estoril, a arq.ª Helena Roseta declarou que «Sousa Tavares não deve andar a pregar sustos a terceiros para o Ministério da Qualidade de Vida ter dinheiro». A presidente da Câmara de Cascais, aproveitando a presença do secretário de Estado dos Desportos, que organicamente depende do Ministério da Qualidade de Vida, mandou ainda um recado a Sousa Tavares: «Que o ministro não prejudique as atividades económicas desta zona e a própria população já tão afetada pelas cheias de novembro». Idênticas considerações fez César Torres. Para o presidente da Comissão de Turismo aquela organização pretende que «o Estoril tenha cada vez mais e melhores turistas, independentemente de todas as campanhas que lhe seja movidas». Em resposta às afirmações da presidente da Câmara de Cascais, Sousa Tavares adiantou à ANOP que «a arquiteta Helena Roseta tem conhecimento preciso dos mesmos documentos que eu e, se está à espera que morram pessoas para confirmar as minhas palavras, é triste que seja esse o seu pensamento político». Para o ministro, que manteve durante a tarde uma demorada conversa telefónica com Helena Roseta, a presidente da Câmara de Cascais está a mover-lhe «uma campanha indecente», «integrada na campanha de Margarida Borges de Carvalho, de César Torres e do jornal A Tarde, que está ao serviço dos hoteleiros do Estoril». (…). Em contacto com Margarida Borges de Carvalho, uma das visadas nas palavras de Sousa Tavares, a ex-secretária de Estado do Ambiente considerou que «este tipo de políticos tem necessidade de encontrar um bode expiatório». Adiantando que «estas afirmações só classificam quem as faz», Margarida Borges de Carvalho acrescentaria que «o sr. ministro está à procura de notoriedade através das palavras, pois não se sente capaz de realizar atos». Sobre a campanha movida pelo jornal que dirige, uma das acusações formuladas pelo ministro da Qualidade de Vida, a diretora da Tarde negou que se estivesse perante uma perseguição.”
Quarta-feira, 5 de setembro, “os quatro portugueses que estavam detidos no Maputo e fazem parte de dez agraciados com medidas de clemência por parte das autoridades moçambicanas já e encontram nas suas residências (…). São eles, Eugénio Fonseca Bento, Carlos Nunes de Almeida, José Augusto Marmeleiro e Rodrigo José Vasco. Destes quatro, apenas o primeiro pretende regressar, já, a Lisboa, havendo a possibilidade de o fazer no avião da carreira de hoje. Os outros seis detidos na cidade da Beira, devem ser libertados brevemente (…). A decisão da Assembleia Popular de Moçambique, que ordenou a libertação, tem data de segunda-feira e foi ontem publicada no Maputo com a imediata libertação dos quatro que estavam à ordem do SNASP na capital. Iniciou-se também o processo burocrático para a libertação dos seis portugueses que estão na Beira, detidos pelo SNASP (Serviço Nacional de Segurança Popular), havendo esperança de que a burocracia não se prolongue para além de hoje ou amanhã a prisão sem culpa formada em que se encontram desde há cerca de um ano. Julga-se que todos eles tenham sido detidos por suspeita de ligações à Renamo e, no caso dos da Beira, por participação ou cumplicidade na sabotagem dos depósitos de combustível daquela cidade. (…). Estas libertações, por ocasião da visita de Mário Soares a Moçambique, já estavam a ser tratadas anteriormente tendo as diligências neste sentido pertencido, quer ao presidente da República, quer ao anterior governo logo que os primeiros foram presos. Disso fala a resolução da Assembleia Popular e que reza o seguinte, segundo comunicado publicado ontem no Maputo: «Alguns cidadãos portugueses encontram-se detidos à ordem do Serviço Nacional de Segurança Popular (SNASP) para processos de investigação sobre matéria de segurança do povo e do Estado popular. Órgãos de soberania da República Portuguesa, nomeadamente o chefe do Estado e o primeiro-ministro portugueses, fizeram representações junto do governo da República Popular de Moçambique, solicitando que se tomasse em consideração a situação prisional dos referidos cidadãos portugueses. A Comissão Permanente da Assembleia Popular apreciou a petição das altas instâncias da República Portuguesa. Tendo em conta a vontade do governo moçambicano em desenvolver as relações de amizade e cooperação com Portugal e no contexto da atual visita de Sua Excelência o primeiro-ministro de Portugal dr. Mário Soares, a Comissão Permanente da Assembleia Popular decidiu determinar a libertação imediata de 10 cidadãos portugueses que se encontram detidos à ordem do Serviço Nacional de Segurança Popular (SNASP), independentemente dos factos já apurados e constantes dos processos que foram examinados pela Comissão Permanente da Assembleia Popular. Maputo, 3 de setembro de 1984.”
Sexta-feira, 7 de setembro, “já estão em liberdade todos os 11 portugueses que se encontravam detidos em Moçambique sem culpa formada. Os sete libertados na cidade da Beira são Leonel Silva, Carlos Guerra, Vítor Reis, Rui D’Espiney, José Oliveira Martins, José Alberto Damião e António Marques Moita. (…). Assim, os libertados nas duas principais cidades de Moçambique totalizam mais um dos que os dez anunciados na noite de três de setembro, durante o banquete de despedida que o primeiro-ministro Mário Soares ofereceu, em Maputo, ao presidente Samora Machel.”
Quinta-feira, 20 de setembro, “os três portugueses que esta manhã chegaram a Lisboa são os aviadores Leonel Nunes da Silva e Carlos Guerra e o contabilista José Oliveira Martins (…). Dos três, apenas Leonel Nunes da Silva se dispôs a falar aos jornalistas, sublinhando, sobretudo, que pensa voltar em breve à Beira, cidade onde residia, depois de descansar e fazer alguns exames médicos. Leonel da Silva vivia na Beira desde 1936 e afirmou aos jornalistas ter regressado voluntariamente, neste momento, a Portugal, pois as autoridades moçambicanas já tinham renovado a sua carta de residência. Piloto aviador da companhia Seta, de que era proprietário, revelou ter sido detido em 8 de abril de 1983, aparentemente por ter ido visitar um britânico que foi condenado por sabotagem, mas que sempre disse estar inocente (através da esposa) do crime de que era acusado. (…). Disse nunca ter sido maltratado na prisão, nem formalmente acusado do que quer que fosse. (…). Leonel Nunes da Silva disse ainda nada ter a ver com a autoproclamada Renamo (Resistência Nacional Moçambicana), assim como os seus companheiros (que não fizeram declarações aos jornalistas), acusação que levou à prisão e condenação do cidadão britânico Finlay Hamilton, de quem era amigo e pelo qual intercedeu, a pedido da esposa do inglês – que continua ainda hoje a invocar a inocência do marido.”     
Quarta-feira, 5 de setembro, “foi hoje publicada no Diário da República a lei-quadro do sistema de Informações da República Portuguesa. Segundo os termos da mesma, «incumbe aos serviços de informações assegurar, no respeito pela Constituição e da lei, a produção de informações necessárias à salvaguarda da independência nacional e à garantia da segurança interna». A lei-quadro hoje publicada na folha oficial estabelece que não podem ser «desenvolvidas atividades de pesquisa, processamento ou difusão de informações que envolvam ameaça ou ofensa aos direitos, liberdades e garantias consignados na Constituição e na lei». Nela se prevê igualmente «não poderem fazer parte direta ou indiretamente dos órgãos e serviços previstos na lei quaisquer antigos agentes da PIDE/DGS ou antigos membros da Legião Portuguesa ou informadores destas extintas organizações». (…). De acordo com a lei, os serviços de informações da República – Serviços de Informações Estratégicas de Defesa; de Informações Militares; e de Informações de Segurança – ficará sob o controlo de um Conselho de Fiscalização «eleito pela Assembleia da República, sem prejuízo dos poderes de fiscalização deste órgão de soberania nos termos constitucionais». O referido Conselho será composto por três cidadãos de «reconhecida idoneidade e no pleno gozo dos seus diretos civis e políticos, eleitos pela Assembleia da República por voto secreto e maioria de dois terços dos deputados presentes, não inferior à maioria dos deputados em efetividade de funções». (…). A lei-quadro do sistema de informações prevê a utilização da informática nos serviços para o processamento e conservação em arquivo magnético dos dados e informações recolhidos. Nela se refere que «o acesso de funcionários aos dados e informações conservados em arquivo só é consentido mediante autorização superior». A lei-quadro do sistema de informações prevê também que «sem prejuízo das competências próprias da Comissão Nacional de Proteção de Dados, a atividade dos Centros de Dados é fiscalizada por uma comissão constituída por três magistrados, membros do ministério público e designados pela Procuradoria-Geral da República, que elegerão de entre si o presidente».”
Sexta-feira, 7 de setembro, “o pintor catalão Salvador Dalí concordou submeter-se a uma operação que poderá salvar-lhe a vida, depois de ter sofrido queimaduras num incêndio registado a semana passada na sua residência. Os médicos recomendaram que a operação de enxerto de pele seja feita dentro de 48 hora para evitar uma infeção que seria provavelmente fatal. O artista, de 80 anos, concordou em submeter-se à operação depois de consultar os seus três colaboradores mais próximos – o seu secretário e amigo Robert Descharnes, o advogado Miguel Domenech e o pintor Antoni Pitxot. Os médicos disseram que a operação é vital para remover o tecido morto resultante das queimaduras de segundo grau que o artista sofreu em quase 20 % do corpo no incêndio que se registou na passada quinta-feira no seu quarto, aparentemente em consequência de um curto-circuito na campainha que Dalí usava para chamar a enfermeira. Os médicos acrescentaram que Dalí está a responder bem ao tratamento intravenoso que lhe está a ser administrado para combater uma desnutrição crónica. (…). Dalí concordou em ser internado na clinica do Pilar, em Barcelona, na passada sexta-feira, sendo esta a segunda vez que abandonou a sua residência, o castelo de Rubol, desde a morte da mulher, Gala, no verão de 1982.” [4]         
Terça-feira, 11 de setembro, “o pintor surrealista Salvador Dalí continua em estado grave mas estacionário, numa clinica de Barcelona, 72 horas depois de ter sido submetido a uma intervenção cirúrgica devido a queimaduras sofridas em 30 de agosto. O doutor José Visa Miracle, um dos sete elementos da equipa médica que na sexta-feira operou o pintor, afirmou que o seu estado de saúde é grave mas estável, tendo em consideração a sua idade (80 anos) a gravidade das queimaduras. (…). O médico disse ontem que o pintor, a quem tinham sido apontadas também perturbações mentais, se encontra completamente lúcido e que declarou, inclusivamente, que sentia dores devido às queimaduras.”
Sexta-feira, 7 de setembro, “o ministro da Administração Interna inaugurou em Pedrogão Grande, um posto da GNR e presidiu, nesta vila, a uma reunião dos 15 concelhos do distrito. O presidente da autarquia, Manuel Henriques Coelho e o governador civil, Rui Garcia, descreveram Pedrogão Grande como «amostra do nordeste transmontano incrustada no centro do país». «Conhecemos bem as carências deste conselho mas a capacidade de intervenção do governo é bastante limitada», disse Eduardo Pereira. O ministro percorreu as zonas mais devastadas pelos incêndios de 1983 e comentou que «os fogos são fundamentalmente um problema cultural do país». Observou também, que além dos incêndios causados por simples pirómanos, os há de «origem revolucionária» e que as ações de prevenção «têm de ser apoiadas nas populações locais».
Sábado, 8 de setembro, “trinta e cinco crianças de ambos os sexos e quatro monitoras de uma colónia de férias a funcionar no Centro Social Santa Isabel em Albarraque, no concelho de Sintra, tiveram de ser internadas esta madrugada de urgência, com intoxicação alimentar, nos hospitais D Estefânia e Curry Cabral. Ao fim da manhã, vinte delas ainda estavam em observação no serviço de infetocontagiosas do hospital D. Estefânia, tendo as restantes regressado, entretanto, a Albarraque. Segundo afirmou ao Diário de Lisboa uma das responsáveis do centro, dra. Maria Helena Ramito, as 35 crianças que mostravam sintomas de intoxicação faziam parte de um grupo de 60 que, na tarde da passada quinta-feira, tinham participado num piquenique realizado numa mata nas proximidades de Albarraque. Durante o lanche foram consumidas sandes de fiambre e bolas de Berlim (os «berlindes») compradas no estabelecimento que normalmente fornece o centro.”     
____________________
[1] “O imenso talento de Pacheco pouco a pouco se tornava um credo nacional. Vendo que inabalável apoio esse imenso talento dava às instituições que servia, todas o apeteceram. Pacheco começou a ser um Diretor universal de Companhias e de Bancos. Cobiçado pela Coroa, penetrou no Conselho de Estado. O seu partido reclamou avidamente que Pacheco fosse seu Chefe. Mas os outros partidos cada dia se socorriam, com submissa reverência, do seu imenso talento. Em Pacheco pouco a pouco se concentrava a Nação. À maneira que ele assim envelhecia, e crescia em influência e dignidades, a admiração pelo seu imenso talento chegou a tomar no País certas formas de expressão só próprias da religião e do amor. Quando ele foi Presidente do Conselho, havia devotos que espalmavam a mão no peito com unção, reviravam o branco do olho ao Céu, para murmurar piamente: – «Que talento!» E havia amorosos que, cerrando os olhos e repenicando um beijo nas pontas apinhadas dos dedos, balbuciavam com langor: – «Ai! que talento!» E, para que o esconder? Outros havia, a quem aquele imenso talento amargamente irritava, como um excessivo e desproporcional privilégio. A esses ouvi eu bradar com furor, atirando patadas ao chão: – «Irra, que é ter talento de mais!» Pacheco no entanto já não falava. Sorria apenas. A testa cada vez se lhe tornava mais vasta.” Eça de Queirós, em “A Correspondência de Fradique Mendes”.
[2] Carlos Abreu Amorim desempenha na alta política o papel da taróloga Maya. Também esta adivinhadeira acertava em 1998. “Eu analisei os três potenciais, dois potenciais líderes e um líder atual. Que é o prof. Marcelo Rebelo de Sousa, o dr. Durão Barroso e o dr. Santana Lopes. Dos três, a personalidade do dr. Marcelo Rebelo de Sousa inquietou-me um pouco, porque acho que ele tem alguma tendência a distúrbios do foro nervoso, que podem ser instabilizadores para a governação politica. O dr. Durão Barroso pareceu-me ser uma pessoa que é capaz de ter soluções, mas não é capaz de as pôr em prática. E, com franqueza, penso que o dr. Santana Lopes ‘tá nestes próximos três anos a ganhar maturidade e será, é talvez de todos os políticos que analisei, o que tem mais potencialidades para ser um bom executivo.” (no programa “Herman 98”).
A vidinha deste último português suave. “Foi em 1978, quando Santana Lopes tinha pouco mais de 20 anos e dois de filiação no PPD/PSD, que o então chefe de governo, Francisco Sá Carneiro, o convidou pela primeira vez para um cargo político: adjunto do ministro-adjunto do primeiro-ministro. Dois anos mais tarde, vai para a Assembleia da República como deputado e, em 1982, recém-licenciado em Direito, chega à presidência da Comissão Política Distrital de Lisboa do partido. Pela mão de Cavaco Silva, a sua carreira política ganha novo impulso, e torna-se secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros em 1985. Em 1987, candidata-se às eleições europeias, como cabeça de lista do PSD, e acaba por trocar Lisboa por Bruxelas durante dois anos. De regresso a Portugal, Santana Lopes opta pela comunicação social, fundando, juntamente com Rui Gomes da Silva, [seu ex-camarada da Associação Académica da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa], que será um dos ministros mais polémicos do seu governo [em 2004-2005], o grupo «Projetos, Estudos, Informação», que compra o jornal Record e o Diário Popular e ajuda ainda à constituição do jornal Liberal e da Rádio Geste. Contudo, os maus resultados do projeto levam de novo Santana Lopes à política e, mais uma vez pela mão de Cavaco Silva, de quem se torna, entre 1989 e 1995, secretário de Estado da Cultura.”
Sexta-feira, 9 de junho de 1989, “Pedro Santana Lopes, licenciado em direito, de 32 anos, ex-secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, atualmente eurodeputado, é hoje sujeito de «investigações» de dois semanários: O Jornal e O Independente. O motivo deste interesse é a sua liderança daquele que já é o maior grupo de comunicação social portuguesa, a PEI, (Projetos, Estudos, Informação), de que aliás Santana Lopes agora anuncia o afastamento para se dedicar à advocacia e ao ensino. O grupo tem sido alvo de atenções generalizadas desde há algum tempo, pelo seu peso crescente e até pelo êxito aparente das suas iniciativas: Radio Geste, Sábado*, um Liberal anunciado, o Diário Popular** e o Record comprados ao Estado, a televisão privada em perspetiva para logo que seja possível [chamar-se-ia TV Geste, e o projeto foi encomendado, por Santana Lopes, a Júlio Isidro, faltou o dinheiro e nunca saiu do papel]. Santana Lopes, o «patrão» Lopes como já é conhecido no meio, naturalmente mereceu as atenções porque não faltou quem lembrasse as suas parcas posses económicas de origem para justificar o milhão de contos de investimento que já terá feito. Mas, honra lhe seja feita, Santana Lopes não evita respostas. Confirma que não é rico, nega participações financeiras no grupo, anuncia a sua saída no fim do mês. Nomes do «império» também lá estão. Resta saber quem será o sucessor do «patrão Lopes».”
__
* “Ainda em 1989, Miguel Sousa Tavares foi diretor da revista Sábado, publicação generalista que havia sido lançada no ano anterior por Pedro Santana Lopes. No entanto, manteve-se pouco tempo no cargo devido à instabilidade interna da revista, que algum tempo depois viria a fechar.”
** “No final dos anos 80, o governo liderado por Aníbal Cavaco Silva inicia a privatização dos jornais detidos direta ou indiretamente pelo Estado, e assim, o título e o parque gráfico do Diário Popular são alienados pelo Estado, em separado. A EPDP ficou assim impedida de prosseguir o seu objeto estatutário e foi extinta, com o Decreto-Lei 1/90. O jornal foi vendido ao grupo PEI (Projetos, Estudos, Informação), fundado por Pedro Santana Lopes e Rui Gomes da Silva, que detinha à época a revista Sábado, o jornal O Liberal, o jornal Record (também adquirido ao Estado) e a Rádio Geste. A 28 de setembro de 1991, o Diário Popular cessa a sua publicação. Uma das razões que se apontam para o fecho do jornal foi o prejuízo mensal de 3 mil contos (cerca de 15 mil euros). Em contrapartida, o parque industrial do jornal assegurava vários trabalhos de impressão para outras publicações periódicas, e, portanto, o conjunto «jornal» (entendido como o título, a publicação em si, e todos os trabalhadores incluindo os jornalistas) e «tipografia» associada era, na verdade, lucrativo. Mas com a separação do parque industrial e do título Diário Popular, o jornal entrou numa situação deficitária. Outra razão terá sido o facto de jornais vespertinos estarem em contínua queda de vendas, com a alteração dos hábitos de vida dos leitores e a ascensão de outros meios de comunicação como a rádio e a televisão.”
[3] Carlos A A: “Magrebinos: curvem-se perante a Glória do Grande Dragão!” “Agora vou para a Baixa e para o Dragão com a canalha (já habituada) celebrar mais um campeonato! Thank You, Jesus!!!”. (19/05/2013). “O que recuso é essa ideia de me estarem a colar a uma máscara de oposição ao presidente Pinto da Costa. Julgo, como sempre referi, que deveria ter feito uma renovação na equipa diretiva. Mas isso é a minha opinião. Como portista tenho o direito à crítica sempre que considere que é oportuno. Mas não sou contra a recandidatura. Não existe melhor pessoa para assumir o cargo.” (28/03/2016).
[4] “Uma estranha atitude face à sexualidade: isto é o mínimo que se pode dizer sobre o genial e provocador artista espanhol Salvador Dalí. Um dia, quando era jovem, terá atirado com um saco de esperma ao pai, num gesto de revolta. O progenitor desaprovava vigorosamente o seu envolvimento com Gala, que considerava uma toxicodependente e uma péssima influência. Dalí e Gala, que gostavam de se sentar nus à mesa para escandalizar a criada que lhes servia as refeições, acabariam mesmo por se casar e na sequência da união o pai decidiu deserdá-lo. Curiosamente, suspeita-se que o artista e a sua musa, uma mulher dez anos mais velha, nunca tenham consumado a relação. O surrealismo, movimento de que o artista natural de Figueres, Catalunha, foi um dos máximos expoentes, explorava os recessos do inconsciente e o poder das pulsões sexuais. Dalí chegou a visitar Freud em Londres, onde este passou o fim da vida exilado, e deixou mesmo um retrato a tinta-da-china do pioneiro austríaco. O artista possuía, portanto, uma noção muito nítida dos impulsos eróticos que palpitam no ser humano. Mas exorcizava-os através de telas perturbadoras como «Donzela Sodomizada pelos Chifres da sua Castidade» ou «O Grande Masturbador». E ainda de outras formas muito pouco convencionais: por exemplo, organizando orgias na sua mansão de Port-Lligat, às quais assistia escondido num recanto. Aparentemente, o ato sexual, fosse com homens ou mulheres, não o seduzia, bem pelo contrário. Estes comportamentos invulgares podem ter resultado de traumas de infância. Na sua delirante autobiografia, «A Vida Secreta de Salvador Dalí» (1942), revelava: «Durante muito tempo, experimentei a angústia de acreditar que era impotente». Ali dizia também que desenvolvera um certo gosto pela necrofilia (sexo com cadáveres), que conseguiu ultrapassar. Já o seu biógrafo e amigo Ian Gibson notou que Dalí detestava que lhe tocassem e sentia uma aversão violenta pelos órgãos genitais femininos, comparando o coito a uma «selva sangrenta». Mas e se afinal o perfil sexual de Dalí não fosse assim tão peculiar? Essa é a convicção de Maria Pilar Abel Martinez, uma cartomante de Girona que defende que o artista teve um caso extraconjugal com a sua mãe em meados da década de 1950. Maria Pilar, que nasceu em 1956 e vive em Girona, acredita ser fruto dessa relação e diz ser fisicamente muito parecida com Dalí: «Só me falta o bigode», declarou ao El Mundo. Esta semana, a natural de Girona viu uma juíza de Madrid dar-lhe razão. «Estou muito contente. Agora vai saber-se a verdade sobre o meu ADN e porventura calarei muitas bocas, pela minha família e pela minha mãe». À falta de outros objetos que pudessem servir de amostragem para os testes comparativos, a juíza Maria de Mar Crespo deu ordem para exumar os restos mortais do excêntrico artista. Dalí encontra-se sepultado na cripta do museu-teatro que mandou construir em Figueres, onde viveu recluso, após a morte de Gala. Não chegou a ser congelado para poder ser «ressuscitado» mais tarde – uma hipótese que se chegou a colocar – mas, de acordo com instruções dadas aos seus colaboradores, o seu corpo foi embalsamado, exatamente como fora o de Gala sete anos antes.” no jornal I n.º 2470.

na sala de cinema

L’Amour en herbe” (1977) real. Roger Andrieux, mús. Maxime Le Forestier, c/ Pascal Meynier, Guilhaine Dubos, Bruno Raffaëlli, Françoise Prévost, Michel Galabru … sob o título local “O despertar do amor” estreado quinta-feira, 28 de agosto de 1980 no cinema Estúdio, Av. Afonso Henriques, 35, tel. 55 51 34. “Entre a casa dos pais e o liceu suburbano que frequenta, Marc Morel (Pascal Meynier), 16 anos, leva a vida rotineira e calma de um aluno estudioso. O seu mundo certinho é perturbado quando conhece Martine Perez (Guilhaine Dubos), 17 anos, empregada de supermercado. Este primeiro amor torna-se mais importante que tudo. Ele negligencia os estudos, e o pai dele, (Michel Galabru), tenta pôr fim nesta relação intervindo de maneira desajeitada e autoritária. Martine, pelo seu lado, encontra mais compreensão junto da mãe dela, (Françoise Prévost), também sua confidente. Apesar do apoio do irmão, Christian (Bruno Raffaëlli), jovem fotógrafo pobre, Marc é obrigado a capitular. Mas isso dura pouco. Ao rever Martine, decide abandonar a sufocante mansão familiar para viver a sua vida com aquela que ama. É então que o seu irmão, enriquecido graças a uma fotografia escandalosa, volta-se contra ele e tenta subornar Martine. Desesperado, Marc percebe que foi enganado pelo mundo dos adultos e declara-lhe guerra.” Il giocattolo” (1979), real. Giuliano Montaldo, c/ Nino Manfredi, Marlène Jobert, Arnoldo Foà … sob o título “O brinquedo” estreado quarta-feira, 29 de outubro de 1980 no Cine 222, Av. Praia da Vitória, 37, (ao Saldanha), tel. 57 94 60. “Vittorio Barletta é um contabilista romano estabelecido no norte da Itália, que trabalha numa rica e poderosa empresa propriedade de um amigo e ex-colega de escola, Nicola Griffo, uma pessoa egoísta e sem escrúpulos que não hesita em explorar o nome dele em operações financeiras arriscadas, muitas vezes no limite da legalidade. Vittorio vive uma existência desgraçada e insatisfatória com a esposa, Ada, uma mulher de saúde precária e que sofre há vários anos de fortes enxaquecas. Um dia, às compras num supermercado com a mulher, fica gravemente ferido na perna num tiroteio que eclodiu durante um assalto.”Chapter Two” (1979), real. Robert Moore, c/ James Caan, Marsha Mason, Joseph Bologna … sob o título “Capítulo segundo” estreado sexta-feira, 7 de novembro de 1980 nos cinemas Castil e Vox. “George Schneider é um escritor habitando em Nova Iorque cujo tempo é ocupado pelo trabalho, jogos de softball no parque e visitas do seu irmão casado, Leo, um assessor de imprensa, que tem tentado apresentar o viúvo George a mulheres disponíveis. Os sentimentos de George ainda estão frescos da morte da esposa, e continua a lembrar-se dela. George recebe o número de Jennie MacLaine, uma atriz que Leo conheceu recentemente através da sua amiga Faye Medwick, e, acidentalmente, liga-o, quando pretendia telefonar para outra pessoa. Depois de um diálogo inconfortável, ele telefona repetidamente a Jennie para explicar por que ligou, embora ela deixasse claro que ela, também, não tem interesse num encontro arranjado. A persistência de George resulta nela aceitar a proposta de um encontro de cinco minutos, cara a cara. Se não correr bem, ele promete deixá-la em paz. Encontram-se no apartamento de Jennie e de imediato dão-se bem. Jennie é recém-divorciada de um jogador de futebol. George pede-lhe um encontro tradicional e ela aceita. No jantar, ele explica como Leo lhe arranjou uma série de encontros desastrosos, assim ele encontra-se agradavelmente surpreendido de estar com alguém como ela.” Factos: “A peça em que este filme se baseia é um trabalho semiautobiográfico de Neil Simon, inspirado na sua vida. Marsha Mason, no essencial, interpreta-se a si própria, porque Simon baseou a história no casamento deles.” “Marsha Mason recusou o papel principal de Jennie Malone na produção da Broadway, porque não conseguia interpretar cenas tão difíceis da sua própria vida, uma e outra vez, todas as noites, no palco.” “Um dos cinco filmes escritos por Neil Simon interpretados pela então sua esposa, Marsha Mason. Os outros são: «The Goodbye Girl» (1977), «The Cheap Detective» (1978), «Only When I Laugh» (1981), sob o título local «Sempre te amei» estreado quinta-feira, 20 de maio de 1982 no Terminal, estação do Rossio, tel. 37 15 73 e «Max Dugan Returns» (1983), sob título local «O regresso do aventureiro» estreado sexta-feira, 1 de junho de 1984 no Hollywood sala 2, Centro Comercial de Avalade, tel. 80 28 59.” “O nome da personagem Jennie Malone na peça de Neil Simon, «Chapter Two», foi alterado para Jennie MacLaine na versão cinematográfica. Da mesma forma, a profissão de George Schneider foi mudada de dramaturgo, na peça, para romancista no filme.” “A Small Circle of Friends” (1980), real. Rob Cohen, c/ Brad Davis, Karen Allen, Jameson Parker … sob o título “Um pequeno círculo de amigos” estreado quinta-feira, 4 de dezembro de 1980 no São Jorge. “Leonardo (Brad Davis), Jessica (Karen Allen) e Nick (Jameson Parker) são alunos de Harvard no final dos anos 60. À medida que se envolvem nos acontecimentos daquela época turbulenta, também criam um forte laço que dura durante os seus anos académicos até à idade adulta. Leonardo tem uma relação com Jessica no início, mas não resulta, então Nick rouba-lha. A princípio, Leonardo fica irritado, mas no final adapta-se e os três formam, mais tarde, um ménage à trois.” “Em Boston, Massachusetts, Nick Baxter vê uma velha amiga, Jessica Bloom, entrar num táxi. Ele embica por um beco na sua bicicleta para alcançá-la. Quando choca com o táxi, Jessica reconhece-o. Nick lembra-se de chegar à Universidade de Harvard no outono de 1967 como caloiro de medicina: a sua mãe entrega-lhe um estetoscópio que pertenceu ao pai. Uma noite, Leo DaVinci Rizzo, um estudante de jornalismo, tenta esgueirar uma namorada do dormitório, escondendo-a no chuveiro com Nick, enquanto ele disfarça no urinol. Mais tarde, no bar do campus, Nick e Leo falam, quando Jimmy, o cozinheiro da cantina, levanta o copo para cantar o hino nacional em homenagem do seu filho, Billy, que recentemente embarcou para o Vietname. Na biblioteca do campus, Jessica, uma estudante de arte do Radcliffe College, vê Leo roubando livros dos arquivos, mas não diz nada. Mais tarde, Leo agradece-lhe o silêncio e paga-lhe um café. Ele descreve o artigo que quer escrever sobre Jimmy para o jornal da escola, o Crimson. Na redação do Crimson, o editor recusa publicar a história de Leo, alegando que ninguém estaria interessado no Jimmy e no filho. Leo recruta Nick para entrarem na redação nessa noite. Lá, insere o artigo na próxima edição. No dia seguinte, Nick conta ao Leo que os estudantes por todo o campus estão a ler o exemplar do seu jornal e os amigos felicitam-se um ao outro. Mais tarde, o presidente Johnson anuncia que não se recandidata. Os estudantes comemoram pendurando uma efigie de Johnson na escada. Nick segue o barulho até uma festa e conhece Jessica. Leo chega e os amigos dançam e celebram. Depois, Leo surpreende Jessica com uma garrafa de champanhe no telhado do edifício do campus, e beijam-se. Em 1968, Leo e Nick tornam-se companheiros de quarto no segundo ano. A relação de Leo e Jessica sofre porque ela sente-se o brinquedo dele. Nick avisa Leo que a sua relação está condenada, a menos que ele aceite o talento de Jessica e aprenda a comunicar os seus sentimentos. Um dia, visita o atelier de pintura de Jessica, e Leo convida-o para passar o fim de semana com ele e Jessica em Cabo Cod. Quando Nick e uma fotógrafa do Crimson, chamada Alice, juntam-se-lhes no hotel, Leo e Jessica começam a fazer amor no chão da casa de banho até que ela interrompe a paixão para procurar o diafragma, Leo irritado diz-lhe para mudar para a pilula ou um dispositivo intrauterino (DIU). Contudo, ele pede desculpa e abraçam-se.” “Underground” (1970), real. Arthur H. Nadel, c/ Robert Goulet, Danièle Gaubert, Lawrence Dobkin … sob o título “O exército secreto” estreado quinta-feira, 26 de fevereiro de 1981 no São Jorge. “O escritor Howard Hughes concentrou-se nos filmes produzidos pela Oakmont Productions, a companhia britânica que financiou e lançou pérolas de baixo orçamento tais como «Attack on the Iron Coast», «The Thousand Plane Raid», «Hell Boats», «Submarine X-1» e «Mosquito Squadron». Estes filmes não tinham grandes pretensões de serem potenciais vencedores do Oscar. Em vez disso, foram feitos simplesmente para gerar um lucro modesto. No entanto, tendiam a ser inteligentemente escritos, bem realizados e interpretados, com papéis de relevo concedidos a vedetas que normalmente não rendiam muito dinheiro (Lloyd Bridges, Christopher George, David McCallum). O filme «Underground» não é uma produção da Oakmont, mas é indistinguível da lista de filmes da empresa. É interpretado por Robert Goulet, como Dawson, um amargurado agente americano dos serviços secretos militares, destacado na Inglaterra. Dawson é consumido pela culpa, porque a sua missão, atrás das linhas alemães na França ocupada, terminou num desastre. Tanto ele como o outro colega (a sua mulher) foram capturados. Dawson, sob tortura extrema, revela a verdadeira identidade da mulher e ela sofre uma horrenda morte às mãos da Gestapo. Dawson conseguiu escapar e volta para Inglaterra, porém, como ele logrou esta excecional proeza, é ignorado no guião. O filme começa com Dawson ludibriando a sua entrada num avião que transporta um agente para um nova missão na França ocupada. Dawson está determinado a reparar o seu anterior fracasso, assumindo a missão ele mesmo, imobiliza o agente e salta de paraquedas no seu lugar para se encontrar com os seus contactos na resistência francesa.”

no aparelho de televisão

The Andros Targets” (1977), c/ James Sutorius, Pamela Reed, Danny Aiello … série americana, sob o título local “Os alvos de Andros” transmitida na RTP 1, pelas 22h20, nas terças-feiras, 13 e 20 de maio. Quartas-feiras, 4 e 11 de junho. Terça-feira, 24 de junho. Quarta-feira, 9 de julho. Quinta-feira, 17 de julho. Quarta-feira, 23 de julho. Quintas-feiras, 31 de julho, 7, 21 e 28 de agosto e 4 de setembro de 1980. “Mike Andros é um jornalista de investigação de um importante jornal nova-iorquino, o fictício New York Forum. Ele concentra o seu trabalho em desvendar a corrupção. Sandi Farrell é a sua jovem assistente. Chet Reynolds é o editor chefe do New York Forum, Norman Kale é o editor e Ted Bergman é o editor local. Wayne Hillman é outro jornalista da redação do Forum e amigo de Andros.” Atirou-lhe, na época, Mário Castrim: “Começaram ontem uma série intitulada «Os alvos de Andros». De origem americana. Conta-nos como é livre, dinâmico, criador, independente, o jornalismo ianque. Vimos ontem como a imprensa americana não respeita nem os congressistas que subornam, prevaricam, ou são mesmo beras por qualquer razão. Isto dentro da famosa legenda «Uma imprensa livre, num país livre». Pura aldrabice. Isto é uma imagem mítica, sem qualquer correspondência no mundo real da Grande Imprensa. Ficará para outra, com mais vagar, a completa exemplificação das subordinações da Grande Imprensa aos Grandes Interesses. Mas se o leitor quer saber alguma coisa, para principiar, do perigo que representa desejar ser-se jornalista independente nos Estados Unidos, pode ler «O pão da mentira», de Horace McCoy, traduzido para português, editado pela Europa-América – passe a publicidade mas é serviço público. Nota curiosa: este jornalista formidável é de origem grega; eram de origem italiana os polícias Baretta, o do papagaio, e o Colombo, o do olho de vidro. Polícias bestialmente humanos e sinceramente incorruptiveis. Com mil diabos, parece que os próprios americanos estão desiludidos quanto ao caráter dos seus compatriotas de boa cepa. E já agora que falamos de polícias, se os leitores quiserem fazer uma ideia do polícia real e não do polícia barettal ou colombial, leia o livro «Na jogada» da coleção «A regra do jogo». (…). Estamos, pois, embarcados em mais uma terrível operação de lavagem ao cérebro «made in USA». Aliás, a televisão portuguesa é hoje uma poderosa fábrica de detergentes com certificado de origem bem determinado. E é ver a simpleza e a ingenuidade com que certas pessoas caem na teia da aranha.” [1]Danger UXB” (1979), c/ Anthony Andrews, Maurice Roëves, George Innes … série inglesa, sob o título local “Perigo, bomba não detonada” transmitida na RTP 1, pelas 22h15, às terças-feiras, de 1 de julho / 7 de outubro de 1980. “É uma série britânica da ITV, passada durante a Segunda Guerra Mundial, desenvolvida por John Hawkesworth e interpretada por Anthony Andrews como o tenente Brian Ash, um oficial dos Royal Engineers. A série relatava as façanhas da fictícia 97.ª Tunnelling Company, que organizou uma unidade de eliminação de bombas, especificamente a Secção 347 da companhia, para lidar com milhares de bombas não explodidas (UXBs) em Londres durante a Blitz. Tal como acontece com todos os seus colegas, Ash deve, a maioria das vezes, aprender através da experiência as técnicas e procedimentos de desarmamento e destruição das UXB, constantemente confrontado com avanços tecnológicos mais ardilosos e mortais na detonação de bombas aéreas. A série apresentava principalmente enredos militares, com uma linha romântica protagonizada pela filha de um inventor, casada, Susan Mount (Judy Geeson), por quem Ash se apaixona e outras vinhetas de interesse humano.” “A série foi intitulada e parcialmente baseada nas memórias do major A. B. Hartley, M.B.E, RE, «Unexploded Bomb - The Story of Bomb Disposal», com episódios escritos por Hawkesworth e quatro argumentistas. Foi filmada em 1978 em e nos arredores de Clapham, Streatham e Tooting, no sul de Londres.” “Wonder Woman” (1975-1979), c/ Lynda Carter, Lyle Waggoner, Tom Kratochvil … série americana, sob o título local “As aventuras da Super-Mulher” transmitida aos sábados na RTP 1, pelas 16h15, de 12 de julho / 27 de setembro de 1980. “No início de 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, o major Steve Trevor (Waggoner), piloto americano, ejeta-se durante uma batalha aérea sobre o Triângulo das Bermudas, local onde se situa a Ilha do Paraíso (cenas filmadas no Arboreto e Jardim Botânico do Condado de Los Angeles). A ilha é o lar das Amazonas: mulheres bonitas e que não envelhecem, com grande força, agilidade e inteligência. A princesa Diana (Carter) resgata o bem-parecido Trevor e acompanha a sua convalescença. A sua mãe, a rainha amazona, (Cloris Leachman, sucedida por Carolyn Jones e Beatrice Straight nos últimos episódios), decreta que os jogos, parecidos com os Olímpicos, serão realizados para selecionar uma amazona para acompanhar Trevor de volta à América. Mas proíbe a sua própria filha Diana, a princesa, de participar. Diana declara que, uma vez que não tem permissão para participar, não quer estar presente para assistir aos jogos, e que irá fazer um retiro no lado norte da ilha. Os jogos são executados com as participantes usando máscaras e números, em numeração romana, inscritos em triângulos, pendurados nos decotes das suas curtas túnicas sem mangas. Entre as concorrentes está uma amazona loira. Durante as provas, a amazona loira revela excecional destreza e empata no primeiro lugar com outra guerreira. Para desfazer o impasse, a prova «balas e braceletes» é escolhida para desempatar, em que cada mulher reveza-se disparando uma na outra. Aquela que está sendo baleada tem que desviar as balas com as suas braceletes à prova de bala. A loira vence a prova, ferindo superficialmente o braço da sua oponente. Quando é declarada vencedora, retira a máscara e a peruca revelando que é Diana. A sua mãe, embora inicialmente chocada, cede e permite que ela vá para a América. O uniforme de Diana como Supermulher, desenhado pela rainha Hippolyta, tem emblemas da América, terra à qual ela devolve Steve Trevor. Um cinto dourado será a fonte da sua força e poder enquanto estiver longe da Ilha do Paraíso. Ela tem braceletes que desviam as balas e também recebe um laço dourado que é inquebrável e força as pessoas a obedecer e dizer a verdade quando estão amarradas nele.” Factos: “Embora Debra Winger tenha ganhado uma quantidade considerável de dinheiro com o seu papel de irmã mais nova da Supermulher, de facto, gastou a maior parte dele tentado sair do seu contrato com a Warner Bros., pois tinha dúvidas em continuar a personagem da Wonder Girl.” “Lynda Carter tinha 25 dólares na sua conta bancaria quando recebeu a chamada informando-a de que ganhara o papel de Supermulher. Vencera 2000 outras atrizes.” [2]The New Adventures of Wonder Woman” (1975-1979), c/ Lynda Carter, Lyle Waggoner, J. A. Preston … segunda temporada da série “Wonder Woman”, sob o título local “As novas aventuras da Supermulher” transmitida aos sábados na RTP 1, pelas 15h05, de 23 de maio / 27 de junho de 1981. “Apesar das boas audiências, a ABC empatou a escolha da série para uma segunda temporada. Isto ocorreu porque «Wonder Woman» era uma história de época, decorrida na década de 1940, que tornava cenários, roupas, automóveis, etc. mais caros de produzir. Enquanto a ABC não estava ainda comprometida, a produtora da série, a Warner Bros., ouviu a proposta da estação rival, a CBS. Enquanto a ABC continuava a decidir, a CBS concordou retomar a série na condição de que a ação mudasse da Segunda Guerra Mundial (anos 40) para os tempos modernos (1970). Alterando o título para «The New Adventures of Wonder Woman», a série afastou-se da intriga internacional para um programa mais convencional, do tipo ação policial / detetive, que era mais comum na década de 70. A princesa Diana, envelhecendo lentamente por causa da sua natureza amazona, regressa da Ilha do Paraíso após 35 anos de ausência (parecendo paticamente igual), para se tornar numa agente da Inter-Agency Defense Command (IADC), uma organização estilo CIA / FBI, combatendo o crime, as organizações criminosas e a ocasional invasão extraterrestre.” [3]Beggarman, Thief” (1979), com Jean Simmons, Glenn Ford, Lynn Redgrave … minissérie americana sob o título local “Restos do passado” transmitida às sextas-feiras na RTP 1, pelas 21h15, de 6 a 27 de março de 1981. “Beggarman, Thief é uma sequela de 4 horas da minissérie de grande audiência «Homem rico, homem pobre» [transmitida aos domingos na RTP 1, pelas 21h05, de 8 de janeiro / 5 de março de 1978; a segunda temporada será exibida também na RTP 1 aos domingos, pelas 21h10, de 18 de junho / 5 de novembro de 1978]. Ambas as produções foram baseadas nos trabalhos do romancista Irwin Shaw. Para efeitos de continuidade, um novo membro do clã Jordache é apresentado: a cineasta Gretchen Jordache Burke, interpretado por Jean Simmons. É tarefa de Gretchen manter a família unida após a morte de seu irmão, Tom (interpretado por Nick Nolte em «Homem rico, homem pobre») e o recente desaparecimento do seu outro irmão, Rudy (Peter Strauss continua o seu papel em HRHP).” [4]The Life and Times of Lord Mountbatten” (1969), minissérie-documentário inglês sob o título local “A vida de lorde Mountbatten” transmitida às quartas-feiras na RTP 2, pelas 21h0, de 8 de julho / 23 de setembro de 1981.Almirante da frota Louis Francis Albert Victor Nicholas Mountbatten, 1.º conde Mountbatten de Birmânia, KG GCB OM GCSI GCIE GCVO DSO PC FRS, (nascido príncipe Louis de Battenberg; 25 de junho de 1900 - 27 de agosto de 1979), foi um oficial naval e estadista britânico, tio do príncipe Philip, duque de Edimburgo, e primo em segundo grau de Isabel II. Durante a Segunda Guerra Mundial, foi supremo comandante aliado, Comando do Sudeste Asiático (1943-46). Foi vice-rei da Índia (1947) e primeiro governador-geral da Índia independente (1947-48). De 1954 a 1959 foi First Sea Lord, um cargo exercido pelo seu pai, príncipe Louis de Battenberg, cerca de quarenta anos antes. Posteriormente, serviu como chefe do Estado-Maior da Defesa até 1965, tornando-o o chefe que serviu mais tempo nas Forças Armadas britânicas até à data. Durante este período, Mountbatten também serviu, por um ano, como chairman do comité militar da NATO. Em 1979, Mountbatten, o seu neto Nicholas, a viúva Lady Brabourne e Paul Maxwell, um rapaz criado de bordo, foram mortos pelo Exército Republicano Irlandês Provisório (IRA), que colocou uma bomba no seu barco de pesca, o Shadow V, em Mullaghmore, condado de Sligo, Irlanda.” [5]
___________________
[1] De água suja do capitalismo, veículo ideológico dos Estados Unidos, a Coca-Cola, hoje, acarinhado património líquido mundial, veicula os mais sofisticados modelos civilizacionais, como visto em “Pool Boy”, na campanha promocional internacional, “Taste the Feeling”.
[3] As ameaças extraterrestres do espaço profundo ampliaram a sua perigosidade para o ser humano. Para evitarem rendas excessivas, contas da luz abusivas, velhotes worn out nos Conselhos Gerais e de Supervisão, os alienígenas partiram nas suas naves na exploração de formas de energia baratas e inesgotáveis, até que se depararam com 3 732 571 224 canais cinéticos aptos a descarregarem alta tensão, ecologicamente. “Anal Intruder IX: They Came From Planet Butt” (1995), real. Teri Diver, c/ Teri Diver, Kimberly Chambers, Tom Chapman … «Zorak, quero que te lembres de uma coisa, estamos aqui por uma e única razão, que é drenar energia dos seres humanos. Só temos uma forma de fazer isso, que é tendo sexo anal com eles.”
[4] A mulher arca, além da lida da casa, o cuidado dos filhos, as refeições do marido a horas na mesa, com o indissociável traço concupiscente de Jezabel. “Porque os lábios da mulher estranha destilam favos de mel, e o seu paladar é mais suave do que o azeite. Mas o seu fim é amargoso como o absinto, agudo como a espada de dois gumes. Os seus pés descem para a morte; os seus passos estão impregnados do inferno.” (Provérbios 5:3-5). A obscenidade congénita do corpo feminil dissuade a sua exibição sem mais, inclusive elas próprias, nas suas abluções, no banho, no chapinhar, é aconselhável uma camisa comprida que tape o contacto visual com as carnes acautelando o narcisismo e o sincrónico autoerotismo. À vista disto, o naturismo feminino é um crime contra o bom padrão e uma imoralidade social. No verão, os corpos femininos nas praias laceram a pureza das areias enterrando a cabeça da civilização no absurdo ser o nada.
A anatomia própria da mulher goza apenas de três órgãos genitais, mas de dezenas, centenas de órgãos sexuais: o sovaco, o póplite, a falanginha, o pai-de-todos… toda a superfície causa invencível enlevo sexual. Nesta dialética do real, a mulher, o thereshold do perigo, é, em si, pornográfica, tanto que, não há filmes pornográficos, todos os filmes são pornográficos, exceto alguns americanos sobre heróis duros na Segunda Guerra Mundial, com Errol Flynn ou Lee Marvin. Desta assemblage primordial resulta, diante do sexo feminino, não há representações não sexuais: cortar as unhas ou comer uma banana - mesmo na horizontal - encerra uma carga erótica que enlouquece o observador. Perceção que prejudica as mais famosas nudistas ucranianas, concorrentes a “Miss Teen Crimea Naturist 2008”, Irina, Maria, Alina, Tatiana, Sonia, Ludmila, Aleta, Sabina, Nadia e Maria (dançam, divertidas, a ritmada canção “Moscow Never Sleeps”, p/ DJ Smash). Amaldiçoadas pela genética, as raparigas não têm alternativa, da Sra. Thatcher, da Sra. Merkel, do Sr. João Miguel Tavares, senão, serem ímanes sexuais nos contextos mais banais. Na praia. No turismo. Na ginástica - “Teen Nudist Workout 2 / Тренировка молодых нудисток 2”, {vídeo1} ▪ {vídeo2} ▪ {vídeo3} ▪ {vídeo4} ▪ {vídeo5} ▪ {vídeo6} ▪ {vídeo7} ▪ {vídeo8} ▪ {vídeo9} ▪ {vídeo10} ▪ {vídeo11} ▪ {vídeo12} ▪ {vídeo13} ▪ {vídeo14} ▪ {vídeo15} ▪ {vídeo16} ▪ {vídeo17} ▪ {vídeo18} ▪ {vídeo19}.
O poder político, missing in action, obriga as pessoas e as famílias a passarem por esse calvário da essência da indecência, porque não proíbe a exibição do corpo feminino. “Russian Nudist Camp”, {vídeo1} ▪ {vídeo2} ▪ {vídeo3} ▪ {vídeo4} ▪ {vídeo5} ▪ {vídeo6} ▪ {vídeo7} ▪ {vídeo8} ▪ {vídeo9} ▪ {vídeo10} ▪ {vídeo11}. O corpo da mulher, uma tela falhada, pelo imperativo libidinoso, “Nudist Party”. “Os exames acabaram, a escola está a fechar, temos o diploma no bolso e podemos divertir-nos”, “Girlfriends Together”, outro ano letivo que provoca inquietação, angústia e dúvidas, não trajando as jovens de condutas socialmente adequadas e conformes aos usos e costumes, “Playing at Home Backyard”. A obscenidade, como qualidade feminina, de facto, ruma a navegação de cabotagem para cabotinagem, “Nude Summer”.
[5] Também nobili genere natus, tão paramentada, titulada e medalhada como o lorde inglês, Katie, a única coisa que lhe aconteceu, quando se portou mal, foi o pai reconfigurar-lhe os valores, avermelhando-lhe o tutuzinho com o cinto.

na aparelhagem stereo

A Guerra das Civilizações combatida na Europa nos anos 2000 sobe rio acima para a zona do coronel Walter E. Kurtz, no filme “Apocalypse Now”: “O horror e o terror moral são seus amigos. Se não são, então são inimigos a temer”. Os limites esvanecem, as regras dobram-se, os valores, em saudável concorrência, só os importantes sobrevivem, providencialmente, sumariza uma senhora inglesa na terceira idade, de nome Theresa May: “E se as nossas leis de direitos humanos nos impedirem de fazer isso, mudaremos as leis. Se for eleita primeira-ministra na quinta-feira, esse trabalho começará na sexta-feira” [1]. O povo, em redor da guilhotina, disputa os salpicos das gotas de sangue. «Suspeitávamos que havia uma aceitação cada vez maior da tortura no contexto do auge do terrorismo, mas não nos dávamos conta de que a evolução era tão dramática», comentou à AFP Jean-Etienne de Linares, delegado-geral da Ação dos Cristãos para a Abolição da Tortura (Acat). Segundo o relatório anual da Acat, 54% dos franceses inquiridos consideram justo que um polícia aplique descargas elétricas num suspeito de colocar uma bomba de forma a fazê-lo falar. Em 2000, somente 34% concordava com isso, segundo inquérito da CSA para a Amnistia Internacional. Uma percentagem de 36% das pessoas interrogadas, aceita «em alguns casos» a utilização da tortura, o que evidencia um aumento de 11 pontos em comparação com a pesquisa da Amnistia Internacional em 2000.”
Nas fileiras árabes, problemas juvenis para além da acne e das meças. “Cinquenta jovens foram presos em junho [2016], em Meca, a cidade santa na Arábia Saudita, por usar cortes de cabelo e roupas consideradas contrárias ao islamismo. Segundo o site de informação Sabq, estas prisões foram feitas durante uma campanha realizada na cidade sagrada do islamismo, ao leste da Arábia Saudita, durante o Ramadão, o mês de jejum muçulmano que começou no dia 6 de junho. Os jovens foram presos por cometerem «um certo número de infrações como: usar cortes de cabelo estranhos, correntes no peito ou no punho e vestimentas curtas e sem pudor, tanto homens como mulheres», acrescentou o Sabq, site próximo às autoridades do país. Os agentes encarregados de aplicar a lei advertiram os cidadãos sobre os «costumes e tradições contrárias à doutrina» do islamismo. A Arábia Saudita, berço do wahabismo, uma versão rígida do islamismo, é um país ultraconservador que impõe uma série de restrições, principalmente às mulheres. Os jovens menores de 25 anos representam mais da metade da população do país.” [2]
Na paz dos anos 80:
Y’a pas que les grands qui rêvent (1989) l’école est finie” (1990), p/ Melody. “Nascida em Ronse, Bélgica, a 20 de janeiro de 1977, Nathalie Lefebvre, nome artístico Melody, cresceu em Saint-Sauveur, entre Tournai e Ath [3]. Dotada de um belo timbre de voz, esta fã de Roch Voisine participa desde muito jovem em concursos de canto, sob a mão condutora dos pais. Um dia em que atuava numa festa local, (o baile dos bombeiros de Villiers-le-Bel, diz a lenda), cruza-se com Jean-Pierre Millers, o compositor de Corinne Hermès (uma cantora do início dos anos 80 que chegou mesmo a participar na Eurovisão). E tal como «mon R’né» com a Céline Dion, este velho maquinista das variedades não resistiu ao talento da miúda de 12 anos e apresenta-a ao seu amigo produtor: Orlando, irmão de Dalida. Que ninguém se engane: um contrato é assinado e Melody, lançada. (…). Na sequência, Melody conhece um sucesso de estima com «Chariot d’étoiles», em 1990, mas parece que os jardins da Babilónia tinham já amarelecido um pouco. As outras duas cantoras adolescentes da época, Vanessa Paradis e Elsa, não lhe deixam mais espaço para existir. E, apesar de dois álbuns, a pequena belga da voz potente desapareceu tão rapidamente como tinha aparecido. (…). Melody já não canta, ela mantém, ou manteve, uma loja de roupa na Bélgica, onde vive, casou-se em 2004 e foi mãe.” T’en vas pas” (1986), p/ Elsa. “É o primeiro single de Elsa Lunghini, então chamada apenas pelo nome próprio, Elsa. Faz parte da banda sonora do filme «La Femme de ma vie», de Regis Wargnier, com Christophe Malavoy, Jane Birkin e Jean-Louis Trintignant, estreado em 1986. A canção foi primeiro proposta a Jane Birkin, que recusou. Elsa, então com 13 anos, interpreta o tema principal do filme, primeiro numa cena deste, onde está ao piano com Jane Birkin, depois em estúdio. Elsa Lunghini é uma cantora e atriz francesa nascida a 20 de maio de 1973 em Paris. É filha de Georges Lunghini (ator, fotografo, compositor) e de Christiane Jobert (pintora e escultora). Ela é sobrinha de Marlène Jobert e prima de Eva Green e de Joséphine Jobert. Aos sete anos, Elsa interpreta em 1981 o seu primeiro papel no filme de Claude Miller, «Garde à vue», ao lado de Romy Schneider, Lino Ventura e Michel Serrault… sob o título local “Sem culpa formada” estreado terça-feira, 22 de dezembro de 1981 no cinema Nimas.” Un roman d’amitié” (1988), p/ Elsa & Glenn Medeiros. “Em 23 de março de 1988, Elsa é convidada do principal programa de variedades da TF1, «Sacrée Soirée». O conceito do programa era oferecer uma surpresa ao convidado em questão. Elsa recebe a visita inesperada de Glenn Medeiros, adolescente americano cujo êxito «Nothing Gonna Change My Love For You», liderava o top 50. Os produtores, então, consideram a ideia um pouco maluca de reunir num dueto as duas crianças-estrela da época. «Un roman d’amitié» vê assim a luz do dia. Ao mestre dos êxitos dos anos 80, Didier Barbelivien, é confiada a adaptação da letra.”
Maybe Tomorrow” (1980), p/ The Chords. “Os Jam deram origem a um revivalismo mod britânico entre 1979-81, quando os Secret Affair, Purple Hearts, Merton Parkas, The Gas, Lambrettas, The Mods e The Jolt, se acotovelaram para alcançar as tabelas de vendas. Embora cada um deles legasse singles credíveis, apenas os Chords, (sem relação com a banda americana homónima de doo-wop dos anos 50), tiveram os bailes punk, que fizeram dos Jam, mais do que saudosistas de 1967. Os Chords têm sido mais lembrados que a maioria dos seus contemporâneos, citados nada menos que pelos Stone Roses como uma influência inicial. Os esmagadores singles de power pop do álbum «So Far Away»,Maybe Tomorrow» e «Something’s Missing»), abordam os mesmos picos melodiosos tais como as melodias contemporâneas dos Jam, como «Going Underground» e «Funeral Pyre». Por outro lado, o álbum junta originais inspirados It’s No Use», «I’m Not Sure», «Happy Families»), com duas devidamente respeitosas velharias, («She Said She Said» e «Hold on, I'm Coming»), atualizadas por um ataque de dupla guitarra liderado por Chris Pope.” “A história dos Chords começa com os primos Billy Hassett e Martin Mason ensaiando canções dos Beatles e The Who, etc. na escola. Através de um anúncio no New Musical Express, Chris Pope junta-se em janeiro de 1978. Passaram um ano escrevendo, ensaiando e tocando alguns concertos. Também falharam ser a banda no filme «Quadrophenia», aparentemente, demasiado barulhentos.” Chained to the Wheel(1989), p/ The Black Sorrows. “Qualquer análise dos Black Sorrows resume-se inevitavelmente a uma pessoa. Joe Camilleri, (cantor, compositor, saxofonista, produtor e o cérebro por trás dos Black Sorrows), é uma das mais genuinamente talentosas figuras da música australiana. Escritor de marcos importantes tais como «So Young», «Hit And Run», «Shape I’m In», «Hold On To Me», «Harley & Rose», «Chained To The Wheel», «Never Let Me Go» e «Chosen Ones», Camilleri dedicou a sua vida a fazer música. Líder de duas das mais bem-sucedidas bandas australianas, Jo Jo Zep and The Falcons e The Black Sorrows, a música de Joe tornou-se parte da cultura musical australiana. (…). Camilleri lançou os Black Sorrows, uma banda despreocupada de pessoas com os mesmos gostos, em 1984, na sequência do desaparecimento da sua banda Jo Jo Zep and The Falcons, no ano anterior. De humilde começo, tocando em cafés em redor de Melbourne e vendendo álbuns da bagageira do carro, Camilleri transformou o grupo num dos mais sofisticados conjuntos do país. O álbum «Dear Children», edição de autor, representa um ponto de viragem, uma vez que a CBS/Sony chegou-se à frente com um contrato mundial. Quando a rádio pegou no clássico «Mystified», os Black Sorrows levantaram voo publicando sucessos multiplatina, como «Hold On To Me», «Harley & Rose» e «The Chosen Ones».”
Change in Mood” (1983), p/ Kids in the Kitchen. “Formaram-se no início de 1983 em Melbourne com Scott Carne, voz, Bruce Curnow, bateria, Greg Dorman, guitarra, Craig Harnath, baixo e Greg Woodhead, teclados. O grupo tocou ao vivo durante oito meses antes de assinar pela White Label, da Mushroom Records. Um musicólogo australiano descreveu como eles tinham «atraído bastante atenção. Tinham o som certo (synth pop contemporâneo com um traço de funk inspirado pelos congéneres Duran Duran, Spandau Ballet e Chic), o aspeto certo e abundante atratividade juvenil para agarrar as tabelas. (…). Após a separação dos Kids in the Kitchen, Carne juntou-se a uma banda de rockabilly, Priscilla’s Nightmare, que lançou um álbum homónimo, e depois embarcou numa carreira a solo. O seu single «All I Wanna Do» foi um êxito menor em 1990. Curnow abriu uma loja de música Billy Hyde, em Shepparton, em 2002. Harnath foi produtor, inclusive trabalhando para os Chocolate Starfish. Ele também trabalhou para os programas «Frontline» (1994-1997) e «Funky Squad» (1995), da Australian Broadcasting Corporation. Mais tarde, era dono dos Hothouse Studios em St Kilda.”Stimulation” (1986) p/ Wa Wa Nee. “Foi uma banda australiana de funk / pop ativa entre 1982 e 1989. O cantor / compositor Paul Gray e o guitarrista Steve Williams formaram a banda em 1982. Juntaram-se-lhes Geoff Lundren (baixo), Elizabeth Lord (teclados, coros) e Chris Sweeney (bateria), e assinaram com a CBS em 1985. Mark Gray e Phil Witchett entraram no grupo pouco depois e o seu single de estreia «Stimulation» foi editado em abril de 1986. A canção alcançou o número 2 na Austrália. «I Could Make You Love Me» foi lançada em agosto de 1986 e atingiu o número 5. Em novembro de 1986, os Wa Wa Nee publicaram o álbum homónimo que chegou ao número 29 na Austrália. Mais dois singles foram retirados do álbum, «Sugar Free» em dezembro de 1986 e «One and One (Ain't I Good Enough)» em abril de 1987 e ambos entraram no top 20 australiano. «Sugar Free» foi editado nos EUA em julho de 1987 e alcançou o número 35 na Billboard Hot 100. A canção «Stimulation» fazia parte da banda sonora do filme «Cassandra», e foi lançada como o single subsequente e atingiu o número 86. Também aparece na banda sonora do filme «Satisfation» [4]. (…). Durante a gravação do segundo álbum em 1988, o teclista Phil Witchett morreu. Em novembro de 1988, «Can’t Control Myself» foi editado como single principal do segundo álbum da banda. (…). Depois da dissolução dos Wa Wa Nee, o baixista Mark Gray trabalhou com Tania Bowra, James Reyne e os Indecent Obsession. Steve Williams trabalhou com James Freud, Mama's Darlings e Richard Clapton. Mudou-se para a Europa antes de regressar para viver a Austrália. Em 2006, esteve envolvido numa banda de versões dos Led Zeppelin chamada The Zep Boys. Paul Gray trabalhou com Deni Hines, CDB, Kate Ceberano, Tina Arena e Bardot como teclista, diretor musical, compositor e produtor. Gray participou na série de concertos Countdown Spectacular 2 na Austrália, entre finais de agosto início de setembro de 2007, como artista e diretor musical. Ele cantou duas canções «Stimulation» e «Sugar Free». Ele também apareceu com os 80s Enuff e Idols of the 80s. Gray tocou êxitos dos Wa Wa Nee em 28 de março de 2010 numa recolha de fundos para Jenin, uma área devastada da Cisjordânia, no território palestiniano ocupado. Todo o dinheiro foi diretamente para a construção de uma escola pré-primária na área. Gray tocou em salas de concertos em Melbourne, em 2010, com colegas de sucesso dos anos 80, Scott Carne (Kids in the Kitchen) e Brian Mannix (Uncanny X-Men). Fez a primeira parte nalgumas datas da tournée australiana de Belinda Carlisle. Os Wa Wa Nee fizeram a primeira parte de Rick Astley nas tournées australianas de 2012 e 2014.”     
____________________
[1] Vários estudos provam, leda expressão cunhada por Arménio Carlos, que o melhor do mundo são as mulheres de terceira idade, as novas, essas bisonhas, exasperam pelas cãs sapientes. Olesia, 1,72 m, 59 kg, 87-63-90, sapatos 37, nascida a 11 de abril de 1984 em Verkhni Oufaleï, Rússia. Sites: {The Nude}. “O sul da Rússia é um lugar estranho. Tribos e nações, línguas e culturas misturam-se aqui. Não há nem paz nem guerra. Olesia nasceu no sul da Rússia, ela conhece o valor do silêncio e o poder da ação. Ela está cheia de paixão interior que constrói a sua entidade. Não há regras, apenas intuição. A Olesia é a quintessência do que acontece à personalidade quando tudo em volta está em mudança. A cara é a coisa mais erótica em Olesia. Olhar cheio de calma, onde a experiência de séculos se concentra, a sabedoria de uma miúda frágil no mundo mutável, conquista corações de homens fortes: ela é a mulher de um guerreiro. Recolhemos a nossa força do olhar dela. Ela é algo misterioso que sustenta o mundo dos homens, por causa disso permanece constante e inviolável, harmoniosa e confortável. Carnudos lábios vermelhos cereja parecem suculentos e doces como framboesas maduras e há um desejo inconquistável de prová-los, sentir a sua frescura. O seu corpo jovem parece-se como uma videira. Ela é graciosa como a cabra montesa, o seu dúctil peito arde de desejo íntimo, e o seu rabo perfeito é um aveludado fruto proibido, do qual apenas um verdadeiro guerreiro é digno. Ela estuda na faculdade de Medicina e vai ser médica. Quer ser uma boa médica que tratará dos corpos e das almas, libertará da dor e aliviará o sofrimento com o seu toque abençoado. Olesia encontrou-se com o Grig enquanto lhe administrava os primeiros socorros depois de um acidente no dique do rio Volga. Quando ele lhe propôs fotografá-la numa série erótica, ela não disse nada mas, semanas mais tarde, viu alguns trabalhos de Galitsin e tomou uma decisão que mudou o seu presente e futuro.” Entrevista: P: “Quais pensas que são os teus melhores atributos?”, Olesia: “Os olhos, a rata pequenina (por favor, prestem atenção).” P: “Cor favorita?”; Olesia: “Cor de laranja.” P: “Programas de TV favoritos, lista de nomes”, Olesia: “Guess the Melody” P: “Livros favoritos, lista de títulos”, Olesia: “O mestre e Margarida, Bulgakov, Guerra e paz, Tolstoy.” P: “Filmes favoritos, lista de títulos”, Olesia: “Inimigo às portas (2001), Simone (2002), Brigada (2002).” P: “Revistas favoritas, lista de nomes”, Olesia: “Playboy, I Choose.” P: “Música favorita, lista de títulos”, Olesia: “Música rock, Aria, Nazareth, Kiss.” P: “Altura favorita do dia, porquê?”, Olesia: “Desde as 5 às 7 da tarde, a minha telenovela favorita passa na TV a essa hora.” P: “Qual é a tua formação? Curso?”, Olesia: “Trabalho como modelo na agência Grace.” P: “Falas outras línguas? Se assim for, diz-me algo nessa língua”, Olesia: “Italiano.”, P: “Lugar favorito para viajar, relaxar ou visitar”, Olesia: “Adoro andar de mota com o meu namorado.” P: “Quais foram os locais que visitaste?”, Olesia: “Moscovo, São Petersburgo, Tver, Ucrânia.” P: “Qual é o teu feriado preferido? (Natal, dia dos namorados, dia de ação de graças, etc.)”, Olesia: “O aniversário, o dia dos namorados.” P: “Comida favorita, lanches, doces”, Olesia: “Bananas, kiwis, iogurtes.” P: “Qual é o teu carro de sonho?”, Olesia: “Repsol Honda (mota).” P: “Qual é o teu emprego de sonho?”, Olesia: “Modelo.” P: “Descreve o teu lugar favorito para fazer compras”, Olesia: “Lojas de roupa como Mexx, Mango e Benetton.” P: “Assistes a desporto, se sim, quais são as tuas equipas favoritas?”, Olesia: “Não.” P: “Quais são os teus passatempos?”, Olesia: “Gosto de fazer compras com as minhas amigas, escolher prendas.” P: “Preferência de bebidas, alcoólicas e não alcoólicas”, Olesia: “Leite, iogurtes e cocktails vários como B-52.” P: “Ocupação?”, Olesia: “Mulher de negócios.” P: “Tens algum animal de estimação?”, Olesia: “Um hamster, Mikky.” P: “Estado civil?”, Olesia: “Solteira.” P: “O meu pior hábito é…”, Olesia: “Sou muto previsível.” P: “A única coisa que não suporto é…”, Olesia: “Beber muito álcool.” P: “Que animal melhor descreve a tua personalidade e porquê?”, Olesia: “A serpente. Sou astuta e sensata.” P: “As pessoas que me conheceram no liceu pensavam que eu era…”, Olesia: “Inteligente e interessante para conversar.” P: “Como é que descontrais ou passas o teu tempo livre?”, Olesia: “P: “Gasto todo o meu tempo livre com os meus amigos.” P: “Qual foi o momento mais feliz da tua vida?”, Olesia: “O meu namorado comprou-me uma motocicleta.” P: “Quais são as tuas esperanças e sonhos”, Olesia: “Mantenho todos os meus segredos em segredo.” P: “O melhor conselho que já me deram foi…”, Olesia: “Não esqueças os teus melhores amigos.” P: “O pior conselho que me deram…”, Olesia: “Não te preocupes com o teu amor. Ele virá. Sei que o meu amor está nas minhas mãos.” P: “Que tipo de cuecas usas, se algumas”, Olesia: “Bikini.” P: “Homem ou mulher ideal”, Olesia: “Amável, atencioso e educativo.” P: “O tamanho importa? Qual é a tua medida ideal?”, Olesia: “Quanto a mim, o tamanho importa. O maior é o tamanho ideal.” P: “Descreve a tua primeira vez (pormenores, local, pensamentos, satisfação, etc.)”, Olesia: “Foi no campo, chegámos lá de mota.” P: “O que te excita?”, Olesia: “Autoestradas e motas.” P: “O que te desliga?”, Olesia: “O silêncio.” P: “O que te faz sentir mais desejada?”, Olesia: “O belo corpo que me seduz.” P: “Melhor maneira de te dar um orgasmo”, Olesia: “Tocar a minha rata com a língua, enquanto como bananas.” P: “Qual foi o teu melhor ou mais prazeroso orgasmo?”, Olesia: “Foi com a minha amiga, Katerina. Ela é uma miúda muito bruta, mas às vezes pode ser muito simpática.” P: “Masturbas-te? Com que frequência? (dedo, brinquedos ou ambos)”, Olesia: “. Claro, geralmente com o dedo” P: “Qual foi o teu primeiro fetiche, se algum?”, Olesia: “Com as minhas luas de cabedal.” P: “Qual é o lugar mais exótico ou invulgar em que fizeste sexo? Ou onde gostarias que fosse?”, Olesia: “À noite, à beira-mar, na praia.” P: “Posição sexual favorita, porquê?”, Olesia: “À canzana.” P: “Descreve um dia típico da tua vida”, Olesia: “Levanto-me às 07h00. Tomo um duche, tomo o pequeno-almoço e vou à vida. À noite, encontro-me com o meu namorado.” P: “Tens alguma curiosidade sexual que gostasses de explorar ou tivesses explorado? Por favor, descreve com pormenores (rapariga / rapariga, voyeurismo, etc.)”, Olesia: “Como disse, às vezes faço amor com raparigas. Mas não tem qualquer importância. Tenho um namorado e de facto amo-o.” P: “Descreve em detalhe a tua fantasia sexual favorita”, Olesia: “Quero fazer amor com duas raparigas ao mesmo tempo.” P: “Conta-nos a tua ideia de um encontro de sonho”, Olesia: “Ir para os trópicos quentes com o meu namorado no avião dele.” P: “Se pudesses ser fotografada de qualquer forma, em qualquer cenário, qual escolhias? O que te faria sentir mais desejada, mais sensual?), Olesia: “Gostava ser fotografada conduzindo uma mota, Alice Aprilia Racing.” Obra fotográfica: {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4} {fotos5}. Obra cinematográfica: {“Tender Waves” + Valentina + Katerina} ѽ {“The Sadist” + Katerina} ѽ {“Oil And Love” + Katerina} ѽ {“Forest Nymphs” + Katerina} ѽ {“Depilation On The Rock”} ѽ {“Dinner Time” + Valentina + Katerina} ѽ {“Oiled Girls On The Coast” + Valentina + Katerina}.
[2] No Ocidente Livre, a juventude acavala direitos, liberdades, garantias, mão protetora. “Sid’s Bath” - modelo: Sidney, com 19 anos, bela belga de Liège, vivendo em Milão, doce, industriosa, desempoeirada, artística, lhana, cintilante estrela cruzando as ruas milanesas de bicicleta. Parte favorita do corpo: os lábios. Não gosta da forma dos seus seios. Trabalhou como modelo na Playboy francesa. Parca obra: Casting em Milão para a Vice ▪ “Headache” ▪ “Bycicle” ▪ “Smokers”, fotografada por Richard Kern.
“O caminho de Kern começou na década de oitenta, quando se envolveu no mundo do cinema fazendo alguns filmes experimentais no âmbito erótico, mostrando o seu interesse pelo sexo extremo, violência e perversão. Isto converteu-o numa figura importante no movimento «Cinema da transgressão», originado por Nick Zedd. Depois de terminar esta fase no cinema da transgressão, dedicou-se a tempo inteiro à fotografia e realização de alguns vídeos.” “Antes de se tornar conhecido como fotógrafo, Richard Kern foi realizador de curtas-metragens death-punk, pioneiro numa estética porno B pós-warholiana que fazia em casa com capas de álbuns dos Sonic Youth, e em caves de projeção na East Village, numa altura em que ainda era possível chamar essa cultura underground. Enquanto isso, as fotos de Kern têm sido publicadas em revistas tão variadas como Purple e Barely Legal. Kern faz porno, arte e também fotografia de moda, às vezes tudo no mesmo dia de trabalho, mas não é neste potencial de cruzamento que reside a singularidade do seu trabalho, é na forma como ele estripa esta multitarefa até ao tutano, e em como ele elabora a sua peculiar distância do trabalho que executa sempre que pega na câmara e a aponta para o modelo posando.” {Vimeo}. Livros: {“Kern Noir”} {“Soft”}. Fotografia: {Toni Garrn} {Lydia Hearst} {Trish Goff} {Sasha Grey} {Nicole Trunfio} {Abby Stedman & Samantha York, “Samantha York não é estranha ao estilo de vida multi-ocupacional e, de facto, é mestre na arte. Com artista, modelo e cenógrafa no papo, temos a certeza que Sam continuará a expandir o seu curriculum vitæ antes de completar 25 anos.”} {Dana Wright} {“Masculin Féminin”, Ali Michael, Heaven Baize Garcia, L.H. Guillaud, Hannah Mensch e Jordan Robin} {Ali Michael} {Charlotte Kemp Muhl, a boneca sexual de Sean Lennon} {Lucy (Lucy McKenzie)} {“Shot by Kern, Paris, France”} {“Medicated”} {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4} {fotos5}. Videoclips: {“Death Valley '69” (1985), p/ Sonic Youth com Lydia Lunch} {“Earwig” (2011), p/ Dentata} {“Lover’s Cave” (2013), p/ Is Tropical}} {“Private Play”, (2013), p/ Wash 'n' Set} {“Boys (I Dated In Highschool)” (2015), p/ The Prettiots}. Filmes: {“Manhattan Love Suicide: Stray Dogs” (1985)} {“Submit To Me” (1986), música The Butthole Surfers, c/ Lydia Lunch, Lung Leg, Jim Thirlwell e muitos outros} {“Fingered” (1986), c/ Lydia Lunch, Emilio Cubeiro, Marty Nation}   {Hedy La Fleurt} {“Face to Panty Ratio” (2011)} {“FFP” (Foot Fetish Party)} / {Kern Girls} {Vice Gallery México}.
Kern: “Lydia vestia-se sempre como se quisesse provocar as pessoas. Muitas vezes passava pela East Village, ou ia de metro com ela, quando os homens começavam a chateá-la pela forma como se vestia. Todas as vezes, ela parava, virava-se para o gajo ou gajos, enfrentava-os, dizendo coisas como: «Vá, la, vamos fazê-lo já aqui» - fazer sexo. Os tipos cortavam-se sempre. Sempre pensei que ela tirou dicas em estilo e atitude da Tura Satana no filme de Russ Meyer, «Faster Pussycat, Kill Kill».” {“Breaking Open The Head” (2014), c/ Richard Kern, Lydia Lunch, Thurston Moore, Weasel Walter, James Johnson}.
[3] O nome Melody tem uma brilhante continuadora tropical. “Gabriella Abreu Severino, (nascida em São Paulo, 2 de abril de 2007), mais conhecida como Melody, é uma cantora e compositora de pop e funk paulista. Segundo relatos do pai, Thiago Abreu, mais conhecido com Belinho, Gabriella sonha em ser cantora desde os primeiros anos de idade, por conta de sua influência, que é cantor de funk também. Não se tem informação sobre a mãe de Melody, Belinho afirma que cria suas duas filhas como pai solteiro. Melody tem uma irmã dois anos mais velha conhecida como Bella Angel. MC Melody ganhou notoriedade nacional no início de 2015, após divulgar um vídeo na sua página do Facebook cantando a música «Fale de Mim», canção escrita pelo pai, MC Belinho. Num vídeo seguinte, tentava reproduzir um falsete de Christina Aguilera que se tornou vital. Logo depois, fez outro vídeo fazendo falsete dessa vez com uma amiga do seu pai, Deborah Moreira. Melody sempre declarou que Anitta é a artista que mais lhe inspira, grande fã da cantora, sempre quis conhecê-la. A menina chegou até a menosprezar Laura Pausini durante um encontro com a mesma, dizendo que preferiria ver Anitta. Na mesma entrevista, Laura ficou impressionada com os falsetes da menina e com os números de suas redes sociais. Após um encontro constrangedor onde Anitta não lhe deu muita atenção, Melody chorou, mas depois com ajuda do programa «Pânico na Band», ela conseguiu conhecer e conversar com Anitta. Anitta teve outro momento constrangedor com a cantora-criança, quando Melody anunciou no seu Facebook que estaria preste a lançar uma música com ela. Anitta comentou a publicação com dois pontos de interrogação, dando a entender que não sabia sobre essa música. Atualmente, de vez em quando Anitta mostra em seu Snapchat que acompanha as redes sociais de Melody e seus novos vídeos. Melody é considerada uma das crianças brasileiras mais influentes da Internet.”
“Melody não tem regalias quando se trata da escola. Seu pai, Thiago Abreu, conhecido como MC Belinho, faz questão de que a filha não falte às aulas para nenhuma gravação. E a cantora nem ousa desobedecer os ensinamentos do pai. «Se você não estuda, fica burra. Se você estudar, vai ficar esperta, já é legal. Tem que ficar esperta. Adoro estudar. Minhas notas vão bem, 9, 10», afirmou ela, que adora as aulas de Matemática. Na escola, os alunos estão proibidos de tratar Melody como artista e de correr atrás dela na hora do intervalo, como já aconteceu. «Pra eles, eu sou diferente e meio normal. Porque se falarem que sou diferente, a diretora briga. Teve um dia que eles correram atrás de mim, um monte de menina, criança igual a mim. Fiquei pra lá, pra cá, pra lá, pra cá. Agora quem ficar atrás de mim, toma suspensão», contou ela, confessando que se sentia incomodada com tal assédio na escola: «Então… ficar atrás me incomoda. Porque você tem que ficar ali toda hora sem comer nada, correndo pra lá e pra cá. Sufocava. Era horrível quando ficava assim. Mas é legal a fama».”
“O Ministério Público de São Paulo abriu nesta quinta-feira [24/04/2015] um inquérito para investigação sobre «forte conteúdo erótico e de apelos sexuais» em músicas e coreografias de crianças e adolescentes músicos. A cantora de funk conhecida como MC Melody, de oito anos, é um dos alvos da investigação, que suspeita de «violação ao direito ao respeito e à dignidade de crianças / adolescentes». O caso está sendo investigado pela Promotoria de Justiça de Defesa dos Interesses Difusos e Coletivos da Infância e da Juventude da Capital. Segundo uma das representações publicadas no inquérito, Mc Melody «canta músicas obscenas, com alto teor sexual e faz poses extremamente sensuais, bem como trabalha como vocalista musical em carreira solo, dirigida por seu genitor». Além dela, músicas e videoclipes de outros funkeiros-crianças como MCs Princesa e Plebéia, MC 2K, Mc Bin Laden, Mc Brinquedo e Mc Pikachu também são alvo da investigação do Ministério Público paulista. (…). O inquérito, aberto pelo promotor Eduardo Dias de Souza Ferreira, é resultado de denúncias e representações encaminhadas pela Ouvidoria do Ministério Público e por cidadãos que pedem avaliação legal sobre a exposição dos funkeiros-crianças.” Músicas: “Agora chora” (2015) p/ Melody e Bella Angel Já cansei de ser pobre” (2016), “Eu já cansei de ser pobre (pobre) / Ano passado eu ganhei uma Barbie / Vai dar par de meia para o escambau / Eu quero é dinheiro de natal.” M de Melody” (2016), p/ Mc Melody Melhor assim” (2016), p/ Melody e Rafinha Dragão Só curtição” (2017), p/ Melody, Aryel e Bella Angel Loka” (2017), p/ Melody, Bella Angel e Mc Belinho Sorte que cê beija bem” (2017), p/ Melody e Bella Angel.
[4] Filme de aventuras de um grupo de rock feminino. Este tipo de atividade, tocar rock ‘n’ roll, que afasta as mulheres do seu dever de satisfazer o esposo e lida da casa, com as tournées, as tentações carnais, o estilo de vida louco, é cada vez mais fazível, consequência da inovação tecnológica, que as converte, civilizacionalmente, em excrescências rococó. Desde Rosey, o robot dos Jetsons, muito evoluíram as máquinas na realização das tarefas femininas até aos anos 2000 à função primeira: fazer sexo, proporcionar prazer sexual, repousar o guerreiro. Elenca a questão o intelectual americano Milo Yiannopoulos. “Com quem, ou o quê, os homens têm sexo é a base da civilização. É a força motriz por trás das nossas maiores realizações. Os homens não competem por prazer abstrato: competem para arrecadar o melhor parceiro. A Internet, as pirâmides e as alunagens não existiriam se não fosse o desejo do homem de fazer sexo com a mulher. É por isso que a Natureza experimenta mais amplamente com o homem: a faixa do QI masculina é mais larga, e há mais variação no comportamento e biologia masculinos do que nas mulheres. Os homens estão onde a experimentação acontece, porque uma maior variedade de aptidões e preferências masculinas manterá as mulheres mais felizes e resulta numa sociedade mais desenvolvida e saudável. Mas os apetites sexuais masculinos são facilmente satisfeitos, apesar do que dirão as mulheres. Broches não são difíceis de conseguir e, em todo o caso, a maioria dos gajos contenta-se com uma piza e uma punheta. Para muitos homens, o sexo é um agradável bónus, mas não é essencial. Quando se introduz uma alternativa de baixo custo às mulheres, que vem sem todo aquele resmungar, inseguranças e despesas, francamente, os homens alinham logo. Outra razão pela qual os homens podem entusiasmar-se pelo sexo sem mulheres é óbvio: o feminismo sociopata que odeia os homens, que hoje vemos aos quilos na televisão e nos jornais, está a afastar os homens de lidarem em absoluto com mulheres. As constantes lamúrias sobre «masculinidade tóxica», «sentar-se de pernas abertas», «condescendência nas conversas com mulheres», o falso fosso salarial e o absurdo mito da cultura da violação nos campus universitários estão a separar os sexos, alimentando a desconfiança e o medo. (…). Em resposta, os homens estão simplesmente a pular fora, desistindo de mulheres e retirando-se para o porno e videojogos. Chamo-lhe «sexodus», e as suas vítimas imediatas não são os homens, mas as mulheres, que estão sendo consignadas ao celibato, visto os homens perderem interesse nelas ou estão simplesmente demasiado exaustos ou amedrontados das consequências sociais de se aproximar romanticamente de raparigas. A verdade é que os homens passam bem sem mulheres, ao contrário das mulheres, que se tornam apanhadinhas neuróticas esganiçadas, se ainda estão solteiras aos 30 anos. (…). As feministas disseram às mulheres que podiam ter tudo: a carreira, o marido, os filhos e o clube de leitura. Mas era uma mentira. O que lhes calhou em vez disso é um apartamento minúsculo numa cidade dormitório, amigos que odeiam, um histórico de relações desastrosas e emocionalmente insatisfatórias, e um gato. Se atualmente as relações entre os sexos tivessem sido mais saudáveis, não haveria lugar para as ginoides. Sexualmente, as mulheres já tinham a vantagem. Elas tinham o que os homens queriam. Há uma razão para que a fuga do Ashley Madison mostrasse que o site era 90 % masculino. As feministas detestam quando por acaso conseguem o que querem. Há décadas que promovem uma guerra contra o sexo nos campus universitários e alhures. Agora, de repente, elas ganharão os frutos do seu trabalho: os «criançolas choramingas», que têm acossado por tantos anos vão ejacular em robots moldados em silício, em vez de rastejarem aos seus pés pela hipótese de lhes snifarem as cuecas. «Senhoras, se pensam que agora os gajos são imbecis interesseiros e egoístas, apenas esperem até eles começarem a aparecer nos encontros envoltos no resplendor pós-sexo com os seus robots de Jessica Alba», escreve o muito lido blogue Château Heartiste. «Vai ser preciso dar o litro para conquistar um tipo que está tão sexualmente satisfeito». (…). Dito isto, o meu palpite é que o matrimónio beneficiará da redução do foco no sexo. Com o desejo retirado do quadro conjugal, é concebível, que crescerá o número de «casamentos de parceria» entre pessoas que se dão bem e respeitam uma à outra o suficiente para partilharem o fardo de criar filhos. Sem o desequilíbrio de poder incorporado no casamento heterossexual tradicional – isto é, as mulheres com os trunfos todos – o casamento poderia tornar-se mais forte que nunca.”          
Na América há uma esperança de que o sexo com robots não prevaleça, uma mulher que os homens beijam os pés, (Lucy In The Sky With Diamonds”), uma católica com 1,65 m, 52 kg, 86-61-84, sapatos 38, olhos azuis, cabelo castanho-escuro, de seu nome, artístico, Miley Cyrus.Bang Me Box BB Talk”.
Em Portugal, a proverbial passividade feminina, abre perspetivas de lucros opulentos no mercado das ginoides, serão recebidas de carteiras e camas abertas. Epiloga essa consensual letargia, uma volva do sul, Manuela Ferreira Leite: “Esse setor, tão sensível, com uma empresa que é uma empresa tão importante, eu acho que nós temos uma tendência, masoquista, para aniquilarmos aquilo que é bom no país. (…). Lembrámo-nos agora de repente de nos irmos de nos irmos meter com a EDP? E de dizermos que ehh eles têm manhas, que fazem isto e fazem aquilo? Uma empresa cotada, que não é nossa, que está na mão basicamente dos chineses, ‘tamos a meter com os chineses? Ah, mas eles não têm nenhum prurido, com certeza, em dar qualquer outro destino à empresa, caso a gente os mace muito.”
A melhor definição de ato sexual nacional publicou-o um jornal de referência, que, num golpe de génio, destacou quatro mulheres jornalistas, para uma visão objetiva, sintética, do ponto de vista feminino, do ato: “a jovem está apática”, “não tem reação”, “a estudante universitária não sabe o que lhe está a acontecer”. Apatia, inação, apedeutismo, abrevia o papel de uma portuguesa e, nisto, o melhor jornal de referência deu uma lição de jornalismo, escolhendo expertas, porque só uma mulher, - quatro ainda melhor -, extrairiam a notícia da imagem, pois têm inside information. “O vídeo gravado na Queima das Fitas do Porto, ao que tudo indica no interior de um autocarro da STCP, tem menos de dois minutos. São visíveis contactos sexuais não consentidos, a jovem está apática, não tem reação e percebe-se claramente nas imagens que circulam nas redes sociais que a estudante universitária não sabe o que lhe está a acontecer. A Polícia Judiciária do Porto já está a investigar, mas para já ainda não foi formalmente aberto um inquérito. Nem pode ser, porque estão em causa crimes particulares e semipúblicos. E se os intervenientes não se queixarem, os atos divulgados poderão ficar sem castigo. A verdade é que, nas redes sociais, a imagem de todos os intervenientes – o grupo que nada faz, mas assiste – foi tornada pública. Havia mesmo milhares de partilhas com as imagens dos envolvidos e quem apelasse à justiça popular contra os rapazes e pelo menos uma rapariga que assistiu aos atos, tal como havia quem culpasse a jovem pela situação em que se encontrava. Estão em causa, neste caso, pelo menos três crimes: abuso sexual de pessoa incapaz de resistência, devassa da vida privada e gravação ilícita. Mas a jovem não pode ser forçada a apresentar queixa, tanto mais quer as imagens dão conta de que será maior de idade.” no Correio da Manhã, 18/05/2017.

19 Comments:

  • At 7:05 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    21.º Post de 1984, mês setembro. Uma introdução para honrar um dos maiores portugueses de sempre: Carlos Abreu Amorim. E agora ele ainda está melhor fazendo pandã com Hugo Soares, serão os mais brilhantes dias do parlamento português.

    Em setembro de 1984 Sousa Tavares, o tareco do Champalimaud, pai desse que agora anda de carantonha nas TVs, era ministro da Qualidade de Vida, lugar que lhe ofereceram durante uma corrida de touros em Santarém. Nessa qualidade apresentava serviço falando da Portucel e das plantagens de eucalipto, e da água poluída de Cascais, que irritou Helena Roseta, na época presidenta da Câmara, pois umas bactérias não podem interferir com o turismo.

    O título vem precisamente de mais essa polémica da nossa sociedade, dita por Margarida Borges de Carvalho, que tinha sido secretária de Estado, e agora era jornalista paladina dos hoteleiros de Cascais, fazia jornalismo independente, como sempre.

    De Moçambique chegaram presos portugueses, uma boa vontade para com a visita de Mário Soares; foram criados os serviços de agentes secretos lusos, agora em bom (para substituir a PIDE); e Salvador Dalí fez um enxerto de pele, porque ficou queimado num incêndio em casa.

    Nesse mês pedrogao Grande tem um grande melhoramento: um posto da GNR, aquilo tinha ardido em 1983, o ministro diz que os incêndios são um problema cultural, desde aí aquilo nunca mais ardeu.

     
  • At 12:33 da manhã, Blogger d. a. said…

    "Epá, como é que te está a correr o verão? A mm só me falta que uma gaivota me roube “A crítica da faculdade do juízo”.

    ahahah Por acaso passei montes de tempo em arrumações e deitei muitos livros e cds ao lixo, e um deles acabou por ser esse do Juízo, naquela tradução do António Marques, irritava-me a cor da capa, cor de rosa, mas ainda hesitei muito, acabou por ir; outro, por exemplo, foi o "Mimesis e Negação" do Fernando Gil, ficou quase até ao fim: "isto ainda é capaz de dar uns trocos", o que lhe valeu mais uns dias de vida. "O Problema de Sócrates", do Vasco Magalhães Vilhena também partiu. Algumas coisas arrependi-me depois, claro. Olha, não tenho qualquer livro de Deleuze agora e do Foucault só ficou a edição de poche do "Folie". Um que acabou por ir foi o "Triunfo da Morte" do D'Annunzio, edição muito antiga.

    Foi um horror, os livros têm vida própria, caem ao chão, reclamam, enviam mensagens, aparecem emparelhados em coincidências maléficas, os títulos acusam; é como quando se morre e se vê o filme em rewind, os livros conspiram e voltam a conspirar, um gajo quase morre comido por eles (até os bookmarkers aparecem a conspirar), como naquela história do Perfume, mas desta vez já os lixei a quase todos.

    De resto, nem uma vez à praia ou rio.

     
  • At 12:51 da manhã, Blogger d. a. said…

    E Revistas? Só de revistas em que participava o Maria Carrilho foram 2 carrinhos de mão.

     
  • At 1:21 da manhã, Blogger d. a. said…

    Táxi, antes de calçares as All Star de defunto, tens de ver o vídeo da Hitomi a fazer de samurai, o que é fixe é mesmo a parte cinéfila, ela com a espada, é muito boa actriz, a certa altura cai numa teia, como naquele filme pulp italiano; o resto é o esperado.

     
  • At 1:09 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    Fogo, isso é mais radical que limpezas de primavera, (não por acaso estamos no verão). Antigamente também fazia razias assim, ia muita coisa para o lixo, agora, retrospetivamente, percebo que foi muito vintage para o aterro. Tinha os números todos do jornal Musicalíssimo, do Blitz, não sei até que número, mas os primeiros tinha de certeza, jornais Libération, uns artigos do MEC, quando ele escrevia muito divertidamente sobre música, não me lembro onde, enfim, depois destas catarses sentia-me um homem novo, erro meu, afinal destrui valor, por isso é que agora não deito nada fora. Graças a Deus que me sobram ainda vários livros do Deleuze.

    Tens muita sorte de não teres livros para menino e livros para menina, como a última (?) polémica que incendiou o Arredes Sociais. Indignaram e bem, eu sou terminantemente contra o estereótipo sexista. Nunca percebi por que razão o poder político não acaba com a vergonhosa distinção de o menino mijar em pé e a menina sentada. Há anos que luto contra este sexismo escabroso.

    Hoje não ia comprar nenhum jornal, mas quando vejo na capa do DN a Mariana Mortágua montada numa Honda, nem pensei duas vezes nem pensei nada fora do socialmente correto, não sou desses, aliás, não há maior defensor dos direitos da mulher que eu. Esparsamente, no post, defendo-as da exploração de que são vítimas por causa do corpo que têm. Se o homem nasce com o sinal de Adão, elas nascem com o sinal de Jezabel. Todo o seu corpo é pornográfico, daí não haver cinema pornográfico, todo o cinema é pornográfico, quando entra uma mulher, mesmo só atravessando uma rua. Só me lembro de alguns filmes sobre guerra em que não entrava uma única mulher, esses são os únicos que não são pornográficos. A última (?) polémica do Arredes Sociais da adepta do Benfica, que o realizador fez zoom numa teta, vem dar-me razão, não é só nua que a mulher é porno, também vestida o é. Se fosse um zoom do peito de um homem o Arredes Sociais descansava, não dizia corno. Já tinha o post escrito quando rebentou a polémica da adepta, mas voltarei ao assunto, não posso pactuar com a discriminação de género, quaisquer géneros, mesmo alimentícios.

    De facto ainda não estreei as minhas All Stars, estou com certa relutância em rasgar as calças nos joelhos, a coisa pode dar para o torto e ter que comprar novas, quer dizer, elas rasgando-se já estão, mas não no lugar que eu queria. Estão a rasgar-se no períneo, e isso não faz trend, não ouves na rua Olha, aquele gajo vai com o períneo à mostra! Ouves sim Aquele tipo tem os joelhos de fora, ou até as nádegas, para os homens mais ousados. Veremos se a Mariana vem fazer ação política para aqui, nesse caso calço-as logo e até uso um pin revolucionário qualquer.

     
  • At 1:11 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    O fruto.

    Finalmente.

    Como dizia, é contra isto que luto, contra a discriminação dos corpos, corpos iguais para todos, homens ou mulheres.

    Sou pela amizade entre as mulheres, à moda do PSD.

    É obscenidade pela frente.

    É obscenidade por trás.

    Os desenhos animados não escapam.

    A nascente do rio Nilo que os ingleses tanto procuraram.

     
  • At 1:39 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    Foda-se! Reparei nas notícias que o gajo da Caixa Geral de Depósitos enganou-me, disse-me que não cobravam, na minha conta, estes novos seis euros por mês. Quando lá estive da última vez perguntei que devia fazer para mudar para a conta serviços mínimos, que, no fundo, já é a minha conta, é só para receber a massa, e todos os meses, o que faço, é tirá-la toda. Teria de ir às Finanças buscar papéis. Quando chego ao balcão, o tipo diz-me que a minha conta ficava na mesma, e eu não me lembrei da merda da idade, e nunca mais pensei no assunto. Segunda-feira tenho que ir às Finanças, já vou tarde, o mês mal começou, ainda nem recebi e já perdi seis euros.

     
  • At 8:28 da tarde, Blogger d. a. said…

    "não é só nua que a mulher é porno, também vestida o é."

    Há uma razão para isso. Como cantava Nick Cave, "she is completely naked underneath all her clothes":

    https://www.youtube.com/watch?v=LWSDIpSg2b0

    Nem Christo consegue esconder a mulher: o manto é sempre diáfano, podes é escolher entre a ferreira leite e a hitomi.

     
  • At 2:37 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    Bem verdade, e nenhum governo ataca o grave problema de elas andarem nuas debaixo da roupa, levando ao aumento da taxa de criminalidade. Um tipo vê aquilo, e só lhe apetece meter os garfos e depois é o assédio, a violação, o casamento e os chapadões quando o Benfica perde. Não suporto a discriminação de que as mulheres são vítimas inocentes. Não entendo que não haja igualdade no ato sexual, são sempre elas que são espetadas, num mundo correto, sem desigualdade, num paraíso de esganiçadas, elas também espetariam: já há condições científicas e técnicas para acabar com esta diminuição das mulheres: o pegging, seria uma solução, ou enfiar o dedo no rabo do seu amorzinho, o português gosta, e muitos até gostam que o lá deixem ficar.

    Vi num jornal de referência que os portugueses são dos que mais acreditam que há raças inferiores. Outro cancro social que me repugna. Não sei como se pode ser racista. E não sou daqueles amigos do Rui Tavares que, para provarem que não são racistas dizem Eu até tenho amigos pretos. Eu não digo isso. Digo: gostaria de ter a piça do preto e manha do cigano, se tivesse estas duas utilíssimas características hoje seria mais rico que Ronaldo. E só para te dar uma ideia de como a malta rica vive.

    E não gostarias de viver assim?

    E por falar em viver, há o novo youtuber que te fará esquecer os áudio-livros e a Hitomi. Agora o Arredes Sociais vai poder largas à sua fértil e original imaginação, reproduzindo os vídeos noutro lado, pois ele fechou os comentários.

     
  • At 2:45 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    No estádio da Luz também é assim.

    Mais um exemplo da diminuição da mulher.

    Uma bombeira norueguesa.

     
  • At 2:50 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    Bela canção, essa do Nick. Tanto como esta, atenta à letra

    All we wanna do is have a good time then you went and took our house away
    No-one ever asked for our opinion no, we don't get a say
    AM, FM, all that jazz We'd rather sing along with Yazz
    What happened to the radio? They never play the songs we know
    Golden oldies, Rolling Stones, we don't want them back
    I'd rather jack than Fleetwood Mac
    No heavy metal, rock'n'roll, music from the past
    I'd rather jack than Fleetwood Mac

    Can't they see that every generation has music for its own identity?
    But why the DJ on the radio station is always more than twice the age of me?
    Who needs Pink Floyd, Dire Straits that's not our music, it's out of date
    Demographic stereo they never play the songs we know
    Golden oldies, Rolling Stones, we don't want them back
    I'd rather jack than Fleetwood Mac
    No heavy metal, rock'n'roll, music from the past
    I'd rather jack than Fleetwood Mac.

     
  • At 2:56 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    Ou esta, o que eu desejei nos oitentas ter um blusão daqueles.

     
  • At 9:03 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    Isto chegou ao grau zero do menos zero da decência. Então agora acusam o Tony Carreira e o Landum, dois beethovens portugueses, de plágio? que acusem Sócrates ou Shakespeare, vá lá que não vá, agora meterem-se com o que de mais profundo temos, há que dizer basta! esses juízes estão a pedi-las. E o CM vai mais longe estendendo a toda a musical família. Se isto não é o cheiro do enxofre do fim do mundo, então que bringuem os dancing horses. Quero ver se o CDS vem em defesa do popular cantor, como fez há tempos, quando a república francesa lhe honrou com a Ordem do Grande Masturbador (se calhar o nome da honraria não é este), e o embaixador português não apareceu, dada a solenidade e orgulho nacional do ato. (Marcelo ainda não tinha sido eleito, senão, estaria logo lá caído).

    Ao ler a entrevista da Mariana Mortágua, abro parêntesis: faço notar que nenhuma vez pensei que ela estaria nua debaixo da roupa, estou convencido, tão seguro como o Descartes com o seu cogito, que debaixo da roupa ela está vestida, e noto também, como deves ter reparado, que ao referi-la sentada numa Honda não fiz nenhuma referência – gratuita, só para parecer que sou intelectual – ao filme do Tinto Brass, em que os padres cheiram o selim da bicicleta da Monella, fecho o parêntesis. Nessa entrevista fico a saber que ela não gosta de rock, prefere música clássica. Dou-lhe razão. É o melhor para para o 69. Não há como um fagote, um oboé, uma tuba e até um xilofone para melhor desfrutar dessa cómica posição. Ela, para dançar, prefere house music. Aqui lembrei-me que não tinha explicado o que significa “jack” no verso “I'd rather jack than Fleetwood Mac”, nessa canção acima. A palavra vem do calão house de Chicago, e significa dançar freneticamente. Sem esta pedra de roseta, não se perceberia a ironia do verso.

    Depois de telemóveis a mil euros, a Apple que vá levar onde os seus CEO gostam. Não sei se é mais um sinal do fim do mundo, mas o CM traz uma entrevista com Passos Coelho, estará tão desesperado que a seguir segue-se O Diabo, na falta do Jornal do Incrível?

    Lisboa também é assim.

     
  • At 9:38 da manhã, Blogger Mariazita said…

    Meu saro Taxi
    Muito grata (sempre) pela sua presença.
    Já uma (ou duas???) vezes tive oportunidade de dizer que estes posts têm leitura suficiente para um ano :))))))))))))))
    Por isso... passa-se-lhes a vista por cima... e tá feito!

    Pois... o Trump não me quis receber quando visitei a Casa Branca. Ou talvez, na altura, ele estivesse na Florida... Fica para a próxima :))))))))))))))

    Votos de um Domingo feliz
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS


     
  • At 12:08 da tarde, Blogger d. a. said…

    O Passos não queria soluções mágicas, então o Costa mandou o Luís de Matos para a RTP 1, só para o lixar.

    O Tony diz que depois destes plágios todos mais nada. Fica comprometido o maior evento cultural português: o Feirão do Tony. Uma fã disse na TV não acreditar em nada, são torpes difamações. Quem vai entreter estas mulheres agora? Espero que seja uma mera pausa para o Tony reflectir e reexaminar a sua vida.

    Marco Paulo dizia, num plágio de uma canção mexicana, "sempre que brilha o soool naquela pláaagiaaa". Tudo é plágio. Plágios de plágios.

    Deve ser difícil detectar um autor que não faça plágio. Aliás, a noção de autor já é um plágio, uma vez que só há um Autor (como diria o Panurgo). Aliás, a sociedade portuguesa de autores devia ser controlada pela ASAE, há ali práticas de enchimento de chouriços muito suspeitas.

    Realmente, com José Sócrates a youtuber, a Hitomi vai para a fila do desemprego. Resta-nos cometer o hara-kiri ou o tiki-taka ou lá o que é.

    https://www.youtube.com/watch?v=UeNJ5B9HbyI

    Que o gato esteja bem!

    p.s afinal o livro do kant salvou-se, pus-me a folhear e reparei que ele conta anedotas lá para o meio, incluindo uma de um preto e uma cerveja.

     
  • At 10:48 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Mariazita:

    Também é verdade que demoro quase um ano a escrevê-los :))), mas ler, nem eu o consigo fazer. Quando tenho que reler para corrigir alguma ou outra palavra mal escrita, não consigo, daí, quando lhe passo os olhos, estar sempre a encontrar coisas mal escritas.

    O Trump era menino para receber naquela casa de luxo cheia de dourados, basta dizer que somos da terra de Durão Burroso, que ajudou Bush na guerra, que o Trump oferece logo uma viagem por Manhattan.

    Boa semana

     
  • At 10:48 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    Nunca mais vi um canal generalista, e sei que há estupendas telenovelas, mas o reduzido número de horas por dias (24 só) não consentem esse deleite. Tinha uma porrada de merdas na box para ver, depois de muito esforço, e dioptrias, consegui reduzir para uns episódios da Guerra dos tronos e de Gotham. E começou a nova temporada da série que mais me assusta, American Horror Story, estou a gravar, e o melhor será comprar uma garrafa de uma bebida espirituosa para embebedar o medo.

    Tony vencerá esta cabala, e lançará muitos álbuns originais.

    Temos que amar o plágio como forma de não poluir mais o ambiente, usando, reciclando o que já existe, como manda a Quercus e as boas práticas. Já quando o Pelágio chegou a Roma entreteve durante 100 anos, que são mais do que entreterá Marcelo. “Quando Pelágio chegou a Roma, notou que muitos cristãos viviam de maneira indecente e muitos outros pareciam não se preocupar com a crescente indiferença à pureza moral e obediência na igreja. Rastreou o problema até uma publicação de Agostinho (Confissões), onde este afirmava que ninguém podia ser continente (abster-se da imoralidade), a menos que Deus lhe desse essa dádiva. Argumentou que, se os cristãos acreditavam que não podiam ser continentes, era de se esperar que praticassem a incontinência. Escreveu, então o livro da Natureza, em que sustentava que os seres humanos podem ter uma vida sem pecado com seus “dons naturais” e que cabe a eles fazer isso. Esse foi o início da grande controvérsia a respeito do pecado original, do livre-arbítrio e da graça que ocupou a igreja por mais de cem anos e cuja repercussão continuou nos séculos seguintes.”

    O gato vai bem, amanhã tenho que levar a gata ao veterinário, mais umas lecas que porei a circular na economia real, que dirá das Neves no seu efeito nos almoços?

    Porra, no meu anseio de ser um Ramone, lixei as calças que fariam pandã com as All Stars (ainda por estrear). Dei-lhes uma chinada para fazer uma rasgadela no joelho, se fosse a Ana Salazar ou a Katty Xiomara ou o João Rolo a meterem a faca, fariam arte, design, eu, só fiz um rasgão. Corro desassossegado, expetante, coração palpitante, para frente do espelho, esperando-me ver igual ao Joey Ramone, e qual não foi o meu espanto, o horror, não vi nada parecido com Joey Ramone, apenas eu, com um rasgão nas calças. Fui enganado por uma Mitologia barthesiana e nem tive direito a comer o mil-folhas do Eduardo Prado Coelho. Isto deve ser a falsa realidade de que fala muito o Passos, diz ele, que é tão enganadora, que faz parecer a caverna platónica um Pingo Doce.

    Há esperança no mundo ainda. Parece que Isaltino vai vencer em Oeiras. Se eu vivesse por lá, ia votar nele. E vislumbra-se um novo santo no horizonte, o cadáver não exquisito de Salvador Dalí foi exumado, encontraram o bigode intacto, sinal hagiográfico de não corrupção, logo de recetáculo esperando o regresso da alma no dia do juízo final.

     
  • At 10:54 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d. a.:

    Nos aeroportos só falta mesmo a mamada.

    Aquela que faz as vozes na Casa Branca (a miúda venceu, e de facto é espetacular).

    Teremos mais discos do Jorge Palma, agora em duetos.

    Coçar o nariz pode não ser sinal de ter snifado coca.

     
  • At 12:38 da tarde, Blogger São said…

    Tens razão; Soares e Amorim são uma parelha que vai dar muito que falar , dada a inteligência e boa educação comuns .

    Que os não vou ouvir nem ver, não vou : só por puro acaso.

    Pobre país!!

    Tudo de bom

     

Enviar um comentário

<< Home