Pratinho de Couratos

A espantosa vida quotidiana no Portugal moderno!

sexta-feira, agosto 23, 2019


Bordel dos vícios europeus (tl;dr)

Mais do que na poesia trovada, – “a tua pura integridade delicada / a tua permanente adolescência de segredo / a tua fragilidade acesa sempre altiva” (O teu rosto (1994), António Ramos Rosa) –, a lendária fidelidade da mulher portuguesa é dogma do lar, donzelice no bar, fartura no mar, glória do altar [1]. Nunca homem casado com uma dessas pérolas viveu, vive ou viverá a Estratégia do Cuco, (de criar filho de outro depositado em seu ninho), que justifica o arrebatamento pela paternidade, a ufania da posse, o convicto meu filho, o pronome possessivo exclusivamente português, não há noutras línguas, como Saudade, Fado, uma Queijaria em Aguiar da Beira. Não estupefica, pois, a frustração do homem português diante da deceção de classe, quando iguais mordem iguais, comprometendo a reprodução da estratificação social, e o desfrute do pronome possessivo bem nosso. [2]. “‘Olha aqueles espertos que trouxeram um bebé só para passar à frente dos outros; isto agora é só truques, se calhar nem é deles’. Foi debaixo deste e de outros comentários bem sonoros que fui atendido há dias, com a minha mulher, no Serviço de Finanças de Picoas, em Lisboa, acerca de uma situação que envolvia ambos. Chegámos antes do abrir da porta, integrámos a fila formada na rua, tirámos senha quando o relógio bateu as 9h da manhã e, tendo trazido a nossa filha por não termos com quem a deixar àquela hora, exercemos o direito à prioridade no atendimento. Tudo normal? Pelos vistos não, já que os insultos não tardaram. E, incontestados pelos restantes, vieram proferidos por quem menos se esperaria – uma senhora com idade para ser avó, elegantemente vestida e, tanto quanto é possível supor, com instrução acima da média.” (Alexandre Homem Cristo).

1984. Dezembro. Terça-feira, 18, “é bem possível que o governo português, representado por Ernâni Lopes, consiga, finalmente, reunir-se esta tarde com os ministros dos Negócios Estrangeiros da Comunidade, depois de os negociadores espanhóis terem concluído a sua sessão de conversações com a comissão ministerial da CEE iniciada esta manhã. Ernâni Lopes está, desde domingo passado, em Bruxelas, mas as expetativas de avanço nas negociações eram muito reduzidas. Na sessão anterior o ministro português não conseguiu ser recebido pelo Conselho, não se desenvolvendo qualquer negociação. Ontem mesmo, Lorenzo Natali, vice-presidente da Comissão Europeia, encarregado das questões do alargamento, disse partir ao encontro de Ernâni Lopes de «mãos vazias». Natali foi mandatado pelos ministros dos Estrangeiros para desenvolver contactos exploratórios com a delegação portuguesa acerca dos dossiers pescas e agricultura. A situação desanuviou-se um tanto esta manhã ao saber-se que a Grécia levantara a sua reserva geral em relação às posições comunitárias sobre pescas e vinho, reserva essa que impedia o alargamento enquanto não fossem desbloqueadas as verbas para os PIM (Programas Integrados Mediterrânicos). O levantamento das reservas gregas permite à Comunidade apresentar posições de negociação sobre aqueles domínios aos países candidatos, Espanha e Portugal.”     
Terça-feira, 18, “desde que o governo PS/PSD subiu ao poder, em junho de 1983 os preços dos bens alimentares essenciais sofreram um aumento médio de 67 %. Este cálculo é feito pela CGTP, que afirma ter feito as contas com base em dados do Instituto Nacional de Estatística e tomando como comparação o período entre maio de 1983 e novembro de 1984. Para estes cálculos o CGTP tomou como base os preços da batata, frango, fiambre, chouriço, chispe, carapau, ovos, pão e leite, produtos que aquela central considerou praticamente insubstituíveis numa alimentação diária mínima.”
Terça-feira, 18, “a Junta de Educação da Virginia (EUA) está a reexaminar dois livros escolares dos quais o editor cortou 420 linhas de duas peças de Shakespeare, por pensar que as passagens eram sexualmente demasiado explícitas. O editor, Scott, Foresman & C.ª, de Glenview, Illinois, cortou cem linhas de «Hamlet» e 320 linhas de «Romeu e Julieta». A parte retirada de «Hamlet» diz respeito à altura em que o príncipe dinamarquês mostra tristeza sobre o casamento irrefletido de sua mãe com o seu tio, após a morte do pai, argumentando que ela nunca mais deve dormir como ele. Na versão de «Romeu e Julieta» falta o exceto no qual a jovem heroína sonha com um último encontro com o seu amante exilado.”
Quarta-feira, 19, “o papo-seco, produto da panificação de mais largo consumo, passa a custar quatro escudos a 1 de janeiro. O papo-seco custa atualmente 3$25. A informação sobre este aumento foi confirmada pela Associação de Panificação de Lisboa e divulgada esta manhã pela ANOP. Anteriormente, e na fase de discussão do novo preço, os industriais da panificação pretendiam, também, baixar-lhe o peso, que é de 45 gramas e vai manter-se assim. Segundo os industriais, eles continuarão, por não terem sido atendidos, a adicionar no pão aditivos químicos que custaram a Portugal em 1983 «mais de um milhão de contos em divisas». Os outros tipos de pão aumentam 20 %.”  
Quarta-feira, 19, “Mário Soares, Mota Pinto e o próprio presidente da República terão muitas dificuldades no próximo ano, de acordo com as previsões de Zandinga [3]. Contestado por uns, merecendo de crédito a outros, aqui fica a previsão do parapsicólogo. Mas não é tudo, de acordo com um documento que elaborou: 1985 será o ano da descoberta de um Watergate português, da morte de Chernenko, de atentados contra Reagan e Samora Machel, além de acidentes no circuito automobilístico do Estoril e de distúrbios entre turcos e sírios. Estas desgraças não vêm sós, com a agravante de Zandinga fazer gala nalgumas outras que previu… e acertou. Foi o caso do atentado contra João Paulo II, em 1980. Para o ano que vem, a previsão é, ainda, de fortes sismos na Califórnia, inundações e dilúvios no Brasil, China e Etiópia e o regresso a Angola de muitos ex-residentes. Em matéria de presidentes, antevê o fim, por doença grave, de João Figueiredo, Sandro Pertini, Ferdinando Marcos e Jaruzelski. Reagan não chegará ao fim do mandato. O «Watergate português», que segundo aquele parapsicólogo será descoberto em 1985, «envolverá um membro do atual executivo e outros ‘indiretamente’, sendo o seu autor descoberto quando estiver ausente no estrangeiro». Zandinga prevê nomeadamente «maiores vantagens no campo laboral» para os que trabalham na madeira, vidreiros, técnicos de saúde, gastrónomos, militares e «todas as profissões que se relacionam com máquinas». No campo desportivo, considera que o Benfica é «a equipa com mais possibilidades de ganhar o campeonato de futebol» e prevê a qualificação da seleção portuguesa para o Mundial do México. Na lista de personalidades estrangeiras que segundo Zandinga serão alvo de atentados figuram, além de Reagan e Samora Machel, Margaret Thatcher, Filipe González, Khomeiny, Daniel Ortega, Robert Mugabe, os reis Balduíno e Hussein, e o presidente egípcio Mubarak. Na Etiópia, Paquistão, Gabão, Polónia, Zaire, Bolívia, Jamaica e Chile haverá «tendências para golpes de Estado», a guerrilha afegã intensificará a sua atividade contra o governo de Cabul, e as tropas soviéticas estacionadas no país sofrerão vários reveses. Uma «sabotagem» no sistema elétrico de Nova Iorque colocará a cidade às escuras durante várias horas, e a Turquia, Itália, Peru, Uruguai, Guatemala, Coreia, Somália, Bulgária e Filipinas serão abaladas por tremores de terra. Para Portugal, Japão, Nepal, Suíça, Venezuela e Jamaica Zandinga prevê apenas «sismos ligeiros». Segundo o parapsicólogo será um «ano mau» para os atores Laurence Olivier, Burt Lancaster, Rock Hudson, Brigitte Bardot, Cantinflas, Jane Russell, Simone Signoret, Ann Margret e Debbie Reynolds. Para Portugal, Zandinga prevê, ainda, a morte de três políticos ligados ao antigo regime salazarista / Marcello Caetano (um dos quais ausente do país) e de duas figuras do regime implantado em 25 de abril de 1974. No capítulo dos desaparecimentos, Zandinga prevê também a morte de dois grandes dirigentes de clubes desportivos, um ciclista, um fadista, duas atrizes de teatro e de um jovem intérprete de música rock «devido a um desastre de viação». Segundo as previsões de Zandinga, Portugal obterá um prémio internacional de cinema, e ficará em 7.º ou 8.º lugar no Eurofestival da Canção. 1985 será «um bom ano» para o atletismo português e «trará provas concretas e positivas da existência de jazigos de petróleo na costa portuguesa».”     
Sexta-feira, 21, “o ministro soviético da Defesa, Dimitri Ustinov, de 76 anos, morreu em Moscovo, soube-se hoje na capital soviética. A notícia foi dada por um funcionário da Casa dos Sindicatos de Moscovo, onde costumam ficar em câmara ardente os dirigentes soviéticos falecidos. A mesma fonte indicou que Ustinov morreu na quarta-feira e que será enterrado na próxima segunda-feira. Um diplomata que pediu o anonimato disse que o ministro se encontrava em coma no hospital há vários dias. A primeira indicação da morte de Ustinov, que não é visto em público desde 27 de setembro, surgiu quando responsáveis do Campeonato Mundial de Xadrez amuniciaram que o jogo entre Karpov e Kasparov não se realizaria «porque a sala vai estar ocupada». A imprensa oficial e as autoridades do Kremlin não confirmaram, porém, a morte do homem que tem sido o chefe supremo das Forças Armadas da URSS desde há oito anos.”   
Sexta-feira, 21, “reabilitar «o fundo comum das culturas portuguesa e espanhola» foi uma das saídas proposta por Natália Correia, para a preservação da nossa identidade cultural, ao usar da palavra no primeiro dos colóquios organizados pelo PCP, sob o tema «Portugal – independência nacional em questão», que estão a decorrer na Casa da Imprensa. Acompanhada na mesa do colóquio, por António Victorino d‘Almeida, e pelos dirigentes do PCP, Rúben de Carvalho e Álvaro Mateus, a escritora e ex-deputada do PSD alertou igualmente para o perigo que corre a nossa cultura face à eventual integração na CEE. Sob a influência do «ocidentalismo» dos EUA e dos valores da Europa dos dez, Portugal arrisca-se - frisou Natália Correia - a ser transformado em «bordel dos vícios europeus». A tacanhez ou provincianismo dos que recusam dialogar com os comunistas foi também salientada por Natália Correia. «Pôr no gueto um partido que representa 20 % dos portugueses significa que estávamos numa democracia saloia», disse. Ruben de Carvalho e Victorino d‘Almeida abordaram aspetos concretos da dependência cultural, tendo o primeiro (chefe de redação do Avante e membro do CC do PCP) salientado a extrema influência norte-americana pela via dos filmes, séries televisivas, publicações, assentes num forte domínio económico. Na sessão de ontem (igualmente muito participada) o deputado e economista do PCP, Carlos Carvalhas, deu os números e factos da dependência económica do país. Sublinhou particularmente o que apelidou de «ciclo da desvalorização do escudo», iniciado em 1976 e tornado esquema ou circuito vicioso de debilitação da nossa moeda e do nosso sistema financeiro sempre sob pretexto de aumento da competitividade das exportações. Mostrou Carvalhas, todavia, que tal esquema torna mais caras as importações, aumenta a taxa de juro e coloca a economia a reboque do setor exportador. «Cerca de 50 % das exportações são consumidas por importações de bens e consumos subsidiários». Deu, a propósito, os exemplos dos setores têxtil e dos transportes. A venda de 227 toneladas de ouro, o défice externo de mil e oitocentos milhões de contos e a «operação política» de adesão à CEE, foram igualmente de denunciadas por Carvalhas. Lembrou frases de responsáveis políticos (Almeida Santos - «um sismo, mas é um desafio»; deputado PSD - «um terramoto, mas é um desafio» e de Mota Pinto - «um abalo profundo, mas e um desafio») comparando-as com o vendedor de castanhas junto do metropolitano «são podres mas boas».”        
Sábado, 22, “a firma Manuel Rui Azinhais Nabeiro Lda., de que é sócio gerente o presidente socialista da Câmara Municipal de Campo Maior, Manuel Rui Azinhais Nabeiro, foi condenada no passado dia 12 a pagar ao Estado a quantia de 512 mil contos por dívidas relativas a importações irregulares de café. O processo em questão arrastava-se desde 1981 e era um dos vários em que aquela empresa, proprietária dos cafés Delta, se encontra envolvida na sequência da descoberta pelos serviços alfandegários de fugas sucessivas ao pagamento de uma sobretaxa de importação de café entre agosto de 1979 e agosto de 1981. (…). A certidão de execução de dívidas no montante de 512 627 629 escudos foi enviada pela Alfândega de Lisboa, em 1981, para a repartição de Finanças de Campo Maior, tendo a firma executada apresentado uma oposição àquela execução em 29 de janeiro de 1982. Nesse documento, subscrito pelo advogado Deodato Coutinho que partilhava o seu escritório com o dr. Almeida Santos, argumentava-se, de acordo com o art.º 20.º do Contencioso Aduaneiro, que «o importador não é solidariamente responsável com o agente do delito, se este for despachante oficial». Com efeito, a estratégia de Manuel Rui Nabeiro tem residido desde sempre na afirmação não provada até agora, de que nada deve ao Estado, porque pagou ao despachante oficial Carlos Alberto Costa Santos o dinheiro necessário ao cumprimento de todas as obrigações legais, resultantes da importação de café para a sua firma. A descoberta em 1981, pela Alfândega de Lisboa, do não pagamento de uma sobretaxa de 90 escudos por cada quilo de café importado por aquela empresa nos dois anos referidos levou ao desencadeamento de vários processos, dos quais apenas um tinha sido concluído até agora. Nesse processo, o despachante Costa Santos foi condenado, em abril de 1982, a cinco anos de prisão maior por ter subtraído às Alfandegas toda a documentação referente às importações irregulares que despachou por conta de Rui Nabeiro. O descaminho dos boletins de despacho destinava-se, segundo foi comprovado em tribunal, a encobrir «em benefício próprio e do dono das mercadorias» as «lesões fiscais nele documentadas». No decurso daquele julgamento, o juiz Carmona da Mota deixou patente a sua convicção de que, ao contrário do que afirmava o próprio despachante e único réu no caso, havia conluio entre ele e o importador. (…). Numa primeira fase da instrução, o despachante havia porém confessado que agira de acordo com o importador e com ele partilhara os proveitos da operação, vindo depois a retirar essas declarações e a assumir total responsabilidade pelos factos. (…). As empresas de Rui Nabeiro empregam cerca de um terço da população ativa de Campo Maior, vila com cerca de 10 mil habitantes, e a sua atividade estende-se por todo o país. Entre essas empresas a Manuel Rui Azinhais Nabeiro Lda. (cafés Delta e armazéns de mercearia), a Torrefações Camelo, Cafés Cubano, a Domuz (anises), Estalagem Progresso e Supermercados Delta.”     
Sábado, 22, “no dia em que comemora o seu segundo século de atividade, o restaurante Tavares é hoje palco de um jantar que comemora o primeiro aniversário do Semanário e em que estarão presentes as 50 figuras do ano, eleitas por aquele órgão de informação. Entre os escolhidos para se sentarem à mesa no que é previsto como um opíparo banquete, figuram Maria Barroso e Maria de Lourdes Pintassilgo, a par de dois ministros: Jaime Gama e Rui Machete. Foram também distinguidos Lermos Ferreira e os desportistas Carlos Lopes e Rosa Mota. Quanto ao restaurante Tavares [4], será hoje laureado com a medalha de Mérito Municipal que lhe será entregue pelo presidente da Câmara de Lisboa, Krus Abecasis, que é afinal um dos 50 escolhidos pelo Semanário [5].”
Segunda-feira, 24, “o número de mortos no atentado ocorrido ontem num comboio em Itália é de 16, revelou hoje a polícia. (…). As autoridades dizem que até agora foram retirados 15 cadáveres dos escombros, de difícil acesso, mas que outros corpos poderão estar ainda no túnel. Uma mulher morreu mais tarde no hospital. A maioria dos passageiros seguia de férias de Nápoles para Milão. A explosão ocorreu às 19h15 horas locais (18h15 de Lisboa) e a composição, composta por 14 carruagens, transportava cerca de mil passageiros. Os bombeiros e as equipas de socorro imediatamente enviadas para a zona, 6 quilómetros dentro do túnel, de19, tiveram grande dificuldade em chegar ao local onde o comboio se imobilizara, devido ao fumo causado por um princípio de incêndio nas carruagens afetadas. Várias organizações terroristas neofascistas e ultraesquerdistas reivindicaram durante a noite o atentado contra o rápido Nápoles-Milão. O atendado foi reivindicado pelas organizações neofascistas Ordem Negra e Ordem Nova através de um telefonema para a delegação de Nápoles do jornal Paese Sera. Também as Brigadas Vermelhas e os Núcleos Armados Revolucionários reivindicaram o atentado em telefonemas para a agência italiana ANSA e para o jornal Il Messaggero, em Roma. O atentado ocorreu no mesmo túnel em que há 10 anos outro engenho explosivo, cuja colocação foi reivindicada por organizações neofascistas, provocou 12 mortos e 43 feridos entre os passageiros do rápido Italicus. Segundo as autoridades ferroviárias, o acidente de há 10 anos não foi mais trágico, porque, na altura da explosão, o comboio estava a sair do túnel.”    
Quarta-feira, 26, “a polícia italiana afirmou-se hoje na pista de um participante no atentado à bomba no expresso Nápoles-Milão, no domingo passado. Testemunhas oculares afirmaram ter visto um homem de cerca de 30 anos abandonar o comboio na estação de Florença, três quartos de hora antes da explosão, em «estado de grande excitação». As primeiras informações revelaram que 17 pessoas morreram em consequência da explosão da bomba, ocorrida quando o expresso se encontrava no interior do túnel de San Benedetto ao norte de Florença. Todas as vítimas foram identificadas à exceção de três: um cidadão italiano e duas crianças de quatro e nove anos. O atentado, reivindicado por organizações neofascistas, provocou ferimentos em mais de 180 pessoas, 118 das quais continuam internadas em hospitais de Bolonha, (…). A polícia disse que a bomba foi provavelmente colocada no porta-bagagem da nona carruagem do comboio, constituído por catorze. Edições especiais de jornais publicados ontem diziam que os «italianos ficaram sem vontade de celebrar o Natal». (…). O suspeito é um indivíduo com um metro e setenta de altura, de rosto moreno e oval, barba curta, cabelo castanho-escuro e óculos, vestindo casaco tipo «marine», camisola vermelha, camisa branca e calças cinzentas. (…). Grupos de extrema-direita e da extrema-esquerda, organizações internacionais como os fundamentalista islâmicos, que ameaçaram desencadear ações sangrentas se o Estado italiano não pusesse em liberdade os sete extremistas árabes presos em Itália, traficantes de droga ou membros da Máfia são alvos preferenciais das investigações da polícia. A polícia atribui importância ao facto de o atentado de domingo ter ocorrido no mesmo túnel onde, há dez anos, uma bomba colocada no comboio Italicus provocou 12 mortos e 40 feridos. Os detidos por autoria do atentado anterior, conotados com a extrema-direita, foram julgados no ano passado, após sete anos de investigações, e absolvidos por falta de provas. O presidente italiano, Betino Craxi, afirmou que «o atentado não é obra de um louco mas de uma lógica diabólica» dirigida contra a Itália. «O autor fez um raciocínio simples: Pensou que a Itália é um país demasiado normal, demasiado tranquilo e sereno. É a lógica que vejo neste atentado: Penso num homem sentado atrás de uma mesa que planeia friamente e, friamente, põe em marcha o seu plano». (…). Pela primeira vez em 24 anos, os jornais italianos saíram para a rua no dia de Natal, com edições especiais para relatar a tragédia de domingo.”      
Quarta, 26, “seis mortos, cinquenta feridos e importantes danos materiais constituem o balanço de dois atentados ocorridos nas últimas 24 horas em Teerão, informou a agência iraniana IRNA. A primeira explosão verificou-se na manhã de ontem e foi provocada por cerca de 10 quilos de explosivos colocados num táxi estacionado perto de um hotel. O rebentamento causou quatro mortos e cinquenta feridos, dois dos quais faleceram pouco depois. Uma das vítimas, atingida pela onda expansiva quando se preparava para subir para um autocarro, foi literalmente despedaçada. A segunda explosão verificou-se na madrugada de hoje na avenida Mowlawi, também no centro da cidade. O engenho explosivo tinha sido colocado num recetor de lixo e o rebentamento destruiu vários carros e causou importantes danos materiais nos edifícios comerciais vizinhos. A agência IRNA noticiou que esta segunda explosão provocou ferimentos num transeunte, atingido por estilhaços de vidro.”
___________________
[1] Os senhores padres em Portugal têm vida de abade. Por causa da respeitabilidade da mulher, não há Gomorra, não há pecado, a confissão, somente absolve de umas caralhadas soltadas por partirem uma unha ou queimarem nos dedos ao tirar a caçarola do forno, despachadas com um par de ave-marias e uma vela ao santinho da devoção. “Tu pensas / que os cardeais / não se masturbam, / que não veem / as telenovelas, / que veem, quando muito, os filmes de Bergman / e o Evangelho segundo São Mateus de Pasolini. / Não, eles nunca leem os livros pornográficos / e nunca pensaram em ter amantes. / Eles não conhecem o turbilhão das visões / das figuras eróticas, / eles leem os exercícios espirituais / de Santo Inácio / e têm o odor da santidade / e irão para o céu porque nunca pecaram, / nunca acariciaram um pénis, / nunca o desejaram túmido e ardente / na sua boca casta.” (António Ramos Rosa).
[2] “As teorias da classe social foram elaboradas plenamente apenas no século XIX, à medida que as ciências sociais, especialmente a sociologia, se desenvolviam. Filósofos como Thomas Hobbes, John Locke e Jean-Jacques Rousseau discutiam as questões da desigualdade social e da estratificação, e escritores franceses e ingleses no final do século XVIII e início do século XIX expuseram a ideia de que elementos não-políticos na sociedade, como o sistema económico e a família, determinavam em grande medida a configuração da vida política de uma sociedade. Esta ideia foi levada mais longe pelo teórico social francês Henri de Saint-Simon, que defendia que o tipo de governo de um Estado correspondia ao caráter do sistema subjacente da produção económica. Os sucessores de Saint-Simon introduziram a teoria do proletariado, ou classe trabalhadora urbana, como uma força política importante na sociedade moderna, influenciando diretamente o desenvolvimento da teoria de classe de Karl Marx, que dominou a discursão posterior deste tópico.”
[3] O prof. dr. Lesagi Gymmes Zandinga foi o português mais culto de todos os tempos. Cursos académicos e científicos. “Psiquiatria e Anatomia Patológica pela Universidade de Brasília e do Rio de Janeiro; Acupunctura pelo American Institute of Metapsichie Inc. de Miami EUA; e Sociedade Japonesa de Acupunctura e Moxibustão; Curso avançado de Ciências Pedagógicas e Psicológicas pela Bristol University; Curso Superior de Psicologia Aplicada (onde obteve o doutoramento pelo Institute Psychology Fundation de Bruxelas); Curso Intensivo de Cosmobiologia pelo Centro de Pesquisas Cósmicas da Duke University dos Estados Unidos; Curso Superior de Psicanalise pela American Society for Psychanalyse Research; Curso de Especialização de Hipnomagnetologia pela Brantridge Forest School de Londres; Técnico Educativo pelo Instituto de Educação «Sud Mennucci» de Piracicaba; Curso Intensivo de Mentalismo e Parapsicologia pelo Centro Internacional de Parapsicologia de S. Paulo; Curso Avançado de Ciências Teosóficas pela Universidade de Adyar do Trieste; Curso Internacional de Astrologia e Astrognose pela Ordem de Antares; Confraternização dos Mantos Amarelos do Tibete (China); Curso de Ciências Grafológicas pelo Centro de Grafologia de Buenos Aires; Naturopatia, pela Academy Brantridge, Inglaterra.
«Pela sua mão, em consultas pessoais passaram grandes personalidades mundiais, entre os quais De Gaulle, Kennedy, Allende, Agatha Christie, Sophia Loren, Brigitte Bardot, Pelé, Roberto Carlos, Nixon, Richard Burton, Fittipaldi, Pace, Jânio Quadros, Eusébio, Carlo Ponti, Garrincha e tantos outros».  
[4] “A partir de hoje [01/08/2018] o Tavares, conhecido por Tavares Rico, passa a fazer parte do leque de restaurantes do grupo Multifood, que adquiriu a histórica casa lisboeta, fundada em 1784. O restaurante vai continuar a funcionar, agora com o grupo Multifood a assegurar toda a operação do espaço, mantendo os fornecedores e a equipa residente, assim como o menu e horários vigentes. Mas, de acordo com fonte próxima do processo, o Tavares será revitalizado e ganhará nova vida a curto prazo. «Trata-se, sem dúvida, de um marco no percurso de 20 anos de um dos maiores e mais prestigiados grupos de restauração portugueses. O Alma, do qual Henrique Sá Pessoa é o chef executivo e que ganhou uma estrela Michelin em 2015, o Pesca, chefiado por Diogo Noronha, o Tapisco ou a Sala de Corte, que reabriu na semana passada, bem como o Delidelux ou a pizaria ZeroZero são alguns dos ex libris do grupo fundado e liderado por Rui Sanches», refere o comunicado enviado às redações. Trata-se de um dos restaurantes mais antigos da Europa, tendo aberto portas em 1784, como café. Ganhou este nome em 1823 quando os excêntricos irmãos Tavares tomaram conta do negócio. [Originalmente um botequim conhecido por Talão que servia «refrescos, ovos fritos e outras bebidas», em 1823, sob a gerência dos irmãos Manuel e António Tavares, o local foi considerado suspeito de apoiar os opositores ao rei dom Miguel, que havia usurpado o trono a dona Maria II]. Foram Vicente Marques Caldeira e o seu filho Manuel Caldeira que transformaram o Tavares num dos restaurantes mais exclusivos e luxuosos da Europa, em 1861. A talha dourada, os vitrais, os lustres de cristal, os motivos rococó, os estilos belle époque e art nouveau, fazem deste espaço um símbolo arquitetónico de Lisboa, que é um Imóvel Classificado e está integrado numa Zona Especial de Proteção.”
[5] “O Semanário foi um jornal editado em Portugal, com periodicidade semanal, saindo às sextas-feiras. Foi criado em 1983 por Marcelo Rebelo de Sousa, Daniel Proença de Carvalho, José Miguel Júdice, João Lencastre, Victor Cunha Rego, João Amaral, entre outros. O seu último diretor foi Paulo Gaião. Rui Teixeira Santos, foi o seu anterior diretor.”

na sala de cinema

Misterio en la isla de los monstruos” (1981), real. Juan Piquer Simón, c/ Terence Stamp, Peter Cushing, Ian Sera … sob o título local “O mistério da ilha dos monstros” estreado sexta-feira, 24 de setembro de 1982 no Olimpia no Porto e quinta-feira, 24 de março de 1983 no Estúdio e no Zodíaco em Lisboa. “O filme centra-se em Jeff Morgan, um jovem desinquieto que quer viajar pelo mundo e ter uma aventura antes de se casar com a sua bela noiva, Meg Hollaney. O tio rico de Jeff, William Kolderup, monta um navio e tripulação para navegar pelo mundo para que Jeff possa satisfazer os seus obstinados ímpetos e, no final, estabelecer-se numa vida calma com Meg, mas, inesperadamente, durante a viagem o barco depara-se com alguns problemas, e Jeff e o seu tutor Thomas Artelect são forçados a abandonar o navio. Arremessados pelo mar, acordam numa ilha misteriosa que parece nascida das mais loucas fantasias, com criaturas gigantescas, canibais selvagens, caçadores mascarados e todo o tipo de coisas medonhas a cada passo. Jeff tinha encontrado finalmente a sua aventura, mas será demais para ele? Este conto imaginativo, inspirado nos escritos de Jules Verne, é um divertimento e peras, assim apertem os cintos que a nossa jornada começa.”Heat and Dust” (1983), real. James Ivory, c/ Julie Christie, Greta Scacchi, Christopher Cazenove … sob o título local “Verão indiano” estreado quinta-feira, 4 de agosto de 1983 no São Jorge e no 7.ª Arte. “Em 1982, um inglesa chamada Anne (Julie Christie) começa a investigar o destino da sua tia-avó Olivia (Greta Scacchi), cujas cartas e diário herdara. Ela entrevista o velho Harry Hamilton-Paul (Nickolas Grace), que na juventude era amigo íntimo de Olivia quando ambos moravam na Índia. A busca de Anne leva-a à Índia, onde a história de Olivia é contada em flashbacks. Em 1923, durante a governação britânica, Olivia, recém-casada com Douglas Rivers (Christopher Cazenove), funcionário público da administração colonial, veio juntar-se ao marido em Satipur, na Índia central. Douglas é um marido atencioso e o casal parece estar muito apaixonado. Quando ele insiste para que Olivia passe o verão em Simla para evitar o calor extremo, ela recusa de forma a permanecer junto dele. No entanto, a sociedade convencional e tacanha das memsahibs inglesas entedia-a. Mrs. Saunders (Jennifer Kendal), a mórbida esposa do médico local, avisa Olivia que todos os indianos são potenciais violadores. Mrs. Crawford (Susan Fleetwood), a veneranda memsahib, é bondosa mas igualmente conservadora. O racista dr. Saunders antipatiza de imediato com Olivia. Enquanto a sociedade anglo-indiana parece ter pouco a oferecer a Olivia, ela é lentamente cativada pela própria Índia. A região está sendo saqueada por um grupo de bandidos sanguinários, e as intrigas opõem a comunidade britânica liderada pelo major Minnies (Barry Foster) e Mr. Crawford (Julian Glover) contra o governante do principado vizinho, o nababo de Khatm (Shashi Kapoor). Os ingleses suspeitam que ele esteja conluiado com os bandidos, permitindo que eles operem impunemente em troca de uma parte do saque.” “Une femme est une femme” (1961), real. Jean-Luc Godard, c/ Anna Karina, Jean-Claude Brialy, Jean-Paul Belmondo … sob o título local “Uma mulher é uma mulher” estreado terça-feira, 18 de novembro de 1975 no Estúdio. (Reposto quinta-feira, 2 de setembro de 1982 também no Estúdio).Em «Blonde Venus» (1932), de Sternberg, [sob o título local «A Vénus loira» estreado terça-feira, 19 de setembro de 1933 no São Luiz] encontramos um caso interessante para comparar com «Une femme est une femme». Ao analisar este filme, a teórica feminista Ann Kaplan observa que a fetichização de Helen, personagem vivida por Marlene Dietrich, se dá pela oposição entre sensualidade e maternidade. Helen é uma esposa que em diferentes ocasiões se vê dividida entre a vida familiar e a profissão de dançarina num cabaret, isto é, entre o cuidado com os filhos junto ao marido e a sensualidade pujante da sua ocupação noturna. No entendimento de Kaplan (1995, p. 84), «o patriarcado vem representando a Mãe como fora do âmbito da sexualidade e, portanto, se quisermos uma determinada definição, não-ameaçadora para o homem». Com efeito, o fetichismo é abordado por Kaplan como uma forma de perversão que atribui às mulheres características físicas associáveis ao falo. Neste sentido, a maternidade e a ausência de sexualidade seriam dados correspondentes que se imbricam na construção de uma personagem como Helen. Kaplan sustenta que os vários meios pelos quais a personagem de Dietrich é fetichizada como dançarina (o uso de saia reta, os saltos altos, as lentejoulas nas roupas etc.) são uma compensação para os momentos em que ela assume a condição de mãe e precisa abdicar da sensualidade. A primeira cena de exibição de dança seria um exemplo de que o estilo de Sternberg colocou-se a serviço da fetichização. Trata-se de uma longa sequência em que Helen dança sob o olhar atento do homem rico vivido por Cary Grant (três olhares masculinos, como proposto por Mulvey: o da personagem, o da câmara e o dos espetadores). Apaixonado pela dançarina, a personagem de Grant desencadearia a perturbação da vida familiar, confirmando que Helen, ao contrário de Angela, não detém o controlo da ação. Em «Une femme est une femme», a cena de «Blonde Venus» ecoa no momento em que vemos Angela exibindo o seu número de striptease. A diferença de abordagem dos dois filmes demonstra o quanto, de facto, o controle da ação acaba sendo fundamental na construção das personagens femininas. No filme de Sternberg, Helen voltou a dançar depois de alguns anos distante dos palcos, porque precisava financiar o tratamento de saúde do marido. Apesar de possuir um talento singular e promissor, a dançarina havia abandonado a profissão para se casar e ser mãe, desafiando a resistência do próprio marido que, embora doente, nunca se sentiu confortável por depender da esposa. Em «Une femme est une femme», por sua vez, Angela é stripper com a anuência de Émile. O parceiro não apresenta sinais de incómodo, e, quando apresenta, recebe uma resposta desconcertante (Émile diz-se enojado por Angela se despir em público, ao que ela responde que o salário do namorado não é suficiente para viverem juntos). Longe da moral melodramática de «Blonde Venus», Godard define Angela como uma mulher que, tendo em vista tornar-se mãe, aprofunda a sua sexualidade e confronta as personagens masculinas do início ao fim da narrativa. Para isso, (…), ela faz uso de uma argúcia indissociável da sua condição de mulher desejada pelos olhares que a cercam. Se é possível falar em olhar masculino, aqui, este olhar é assimilado por Angela em benefício próprio – e isso não se dá apenas na diegese, mas também em relação ao olhar dos espetadores, dada a elevada autoconsciência da narrativa e as quebras com o ilusionismo que aproximam o público da intimidade da personagem (uma aproximação que é diferente da espionagem do mundo privado, para lembrar a afirmação de Mulvey sobre a tela do cinema como uma espécie de buraco de fechadura).” Factos: “Alfred Lubitsch, personagem interpretada por Jean-Paul Belmondo, pergunta a Jeanne Moreau (não creditada) como estão Jules e Jim. O filme «Jules et Jim» foi estreado em 1962 [em Portugal terça-feira, 25 de março de 1975 no Estúdio] um ano depois de «Uma mulher é uma mulher».” “Lubitsch diz a Angela e Émile que quer ver o filme «À bout de souffle» [sob o título local «O acossado» estreado quarta-feira, 30 de setembro de 1970 no cinema Império] na TV. No ano anterior, Belmondo interpretou o papel principal neste filme de Godard pioneiro da Nouvelle Vague.” “Numa cena, quando é mencionado o filme «Vera Cruz» [estreado quarta-feira, 28 de dezembro de 1955 no Império], Lubitsch volta-se para a câmara e imita o sorriso de Burt Lancaster, o protagonista, juntamente com Gary Cooper.” “Porci con le ali (1977), real. Paolo Pietrangeli, c/ Cristiana Mancinelli, Franco Bianchi, Lou Castel … sob o título local “Porcos com asas” estreado sexta-feira, 28 de maio de 1982 no Estúdio 444. “Década de 1970. Rocco e Antonia, dois estudantes de 15 anos no mesmo liceu de Roma, conhecem-se numa manifestação e apaixonam-se. Adolescente, com ideias de esquerda – a ponto de não suportarem as dos pais – e com experiências emocionais passadas, em suma, jovens do seu ponto de vista «adultos», compartilham uma apaixonada vida sexual, qual refúgio da sua rotina diária, ditada pelos deveres escolares e pelo empenho político. É um relacionamento pouco duradouro. Um arrebatamento passional de Rocco e o casal rompe-se e, como se não bastasse, Antonia «vinga-se» numa festa organizada por um seu professor, a quem se oferece diante dos olhos de Rocco e dos outros colegas, que improvisam um coro político com a canção «Pensiero» dos Pooh [1]. Rocco, triste, vira-se para um amigo, Antonia, arrependida, tem um encontro com Lisa. Há a ocupação do liceu, o último gesto heroico ao qual os jovens podem aspirar. O ano letivo chega ao fim e os dois seguem o seu próprio caminho.” Facto: “Cristiana Mancinelli Scotti, no papel de Antonia, é filha de Elsa Martinelli.”Bom povo português” (1980), real. Rui Simões, c/ o bom povo português estreado quarta-feira, 18 de novembro de 1981 no Estúdio. “O filme procura traçar a História entre o 25 de abril de 1974 e 25 de novembro de 1975, tal como ela foi sentida pela equipa que, ao longo deste processo, foi ao mesmo tempo espetador, ator, participante, mas que, sobretudo, se encontrava totalmente comprometida com o processo revolucionário em curso. Panorâmica dos acontecimentos ocorridos entre o 25 de abril e o 25 de novembro de 1975: a lenta explosão popular. O I Governo Provisório. Manifestações do PS e do PCP. António de Spínola dirige-se ao «bom povo». Emídio Santana e o direito à greve. Situação nos campos e nas fábricas. Vasco Gonçalves: coligação entre as formações políticas e as Forças Armadas. Mário Soares: acabar com o fascismo na Administração Pública. Álvaro Cunhal saúda o Portugal democrático, pacífico e independente. Repressão pela GNR. Manifestações pelo regresso dos soldados. Radicalização, após o 28 de setembro. O 11 de março. O caso Torre Bela. Ocupação de prédios. Proliferação partidária. A Reforma Agrária. O norte e o centro do país: menor experiência de luta. Fátima. Avanço da social-democracia. Os emigrantes. Os «retornados». Os casos República e Rádio Renascença. Demarcação do PS. Pinheiro de Azevedo. Destruição das sedes dos partidos. A Santa da Ladeira. Prisão de Otelo Saraiva de Carvalho. Ramalho Eanes na cena política...” [2]Freedom Road” (1979), real. Ján Kadár, c/ Muhammad Ali, Kris Kristofferson [3], Ron O'Neal … telefilme americano sob o título local “Caminho da liberdade” estreado terça-feira, 1 de junho de 1982 no Roma.Muhammad Ali interpreta o ex-escravo Gideon Jackson, um antigo soldado da União que retorna a casa, na Carolina do Sul, após a Guerra Civil e acaba por se tornar senador dos EUA. O filme e o romance de Howard Fast baseiam-se numa história verdadeira, mas tomaram várias liberdades. (Jackson também foi a inspiração para o vilão de «The Birth of a Nation» de D. W. Griffith). Inicialmente representando os ex-escravos na convenção constitucional do estado, Jackson é eleito para a legislatura estadual e, por fim, para o Senado, apesar da oposição dos proprietários de terras brancos, as forças policiais e o Ku Klux Klan. Kristofferson interpreta o rendeiro Abner Lait, que ajuda Jackson a unir antigos escravos e fazendeiros brancos.” Factos: “Uma versão truncada foi lançada nalguns cinemas europeus em 1980.” “Último projeto do realizador Ján Kadár, que morreu quatro meses antes da estreia televisiva na NBC.” “Originalmente exibido como uma minissérie em duas partes.”
­___________________
[1] Cantam a canção dos Pooh alterando-lhe a letra: “Viva Mao Tse Tung e il suo pensiero / Lenin col Partito fu sincero / Stalin col Partito invece fu severo / Trockij un giorno si vendette allo straniero / ma il piccone su di lui non fu leggero”.
[2] Povo de baixos recursos humanos, piores elites, vale-se da troca de galhardetes para inchar seus sapos. O tenente-coronel João Alvéolos, do Conselho Consultivo do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo, sobre novo chefe do Estado-Maior do Exército: “Foi uma excelente surpresa, porque não, pela capacidade, porque ‘tamos a falar do mais brilhante oficial dos últimos 40 anos, deeee que passou pela Academia Militar. O o aquilo que se pode caracterizar, o general Nunes da Fonseca, era como se discreto, e sempre a brilhar, todas as funções que desempenhou foram atingidas ao nível da excelência. ‘Tou-me a recordar só duma, recente, brigada fiscal. É exigente, em termos de legislação, é complic… complexa no tempo, em termos operacionais, e fez um excelente desempenho.” (19/10/2018).  
Lucília Gago, procuradora-geral da República, sobre João Monteiro, o novo vice-procurador-geral da República: “O seu invejável currículo e o seu percurso profissional ao serviço do Ministério Público permitem, indiscutivelmente, formular um juízo de prognose absolutamente favorável relativamente ao contributo que vossa excelência poderá dar enquanto vice-procurador-geral da República. Àqueles acrescem as suas qualidades humanas expressas num denodado amor à causa pública e numa inexcedível lealdade.” (23/10/2018).
[3] Sobre Kristofferson. “A sua mãe ficou terrivelmente desapontada quando ele deixou o exército para seguir uma carreira de cantor country e, de acordo com Kristofferson, ela nunca superou isso, dizendo-lhe que preferia ter uma estrela dourada na janela do que um filho naquele caminho. A estrela dourada era algo que as famílias de soldados mortos em combate colocavam nas janelas.” “Ele tornou-se conhecido como cantor e compositor com reputação de country bandoleiro. Alguns dos seus sucessos mais conhecidos incluem «Sunday Morning Coming Down», gravado por Johnny Cash, «Me And Bobby McGee» que aparece no álbum «Pearl» de Janis Joplin e «Help Me Make it Through the Night», que rendeu a Sammi Smith um Grammy para Best Country Music Female Performance e a Kristofferson um Grammy para Best Country Song em 1972.” “A colega cantora country Rita Coolidge casou-se com Kristofferson em 1973. Eles colaboraram em três álbuns nos anos 70, ganhando prémios Grammy em 1974 pelo single «From the Bottle to the Bottom», e em 1976 pela canção «Lover Please». O casal por um divórcio muito divulgado em 1980.”
«As pessoas estavam fascinadas connosco como casal», diz Rita, mas a bebida e infidelidade dele, mostraram-se demasiado para suportar. «A minha intenção nunca foi difamar Kris neste livro e não creio que o fiz. Acho que deixei claro o quanto me preocupo com este homem, o quanto sempre o amei». Mas ela teve oportunidade de corrigir os críticos que acusavam Coolidge de se montar na estrela em ascensão de Kristofferson. «Quando Kris e eu estávamos fazendo concertos, ele não tinha discos de sucesso. Eu tinha. Éramos iguais nos nossos empregos e na nossa relação», afirma ela com firmeza. Ela escreve sobre o abuso emocional de Kristofferson e como ele menosprezava o seu talento. «Eu era uma cantora. Gravava um álbum a cada um ou dois anos, e acho que era isso que ele queria mais do que tudo, mas os filmes continuavam a aparecer e ele fazia a escolha. Ele pode sentir que eu era ofensiva para com ele. Não acho que fosse. Não era o tempo todo. Era o suficiente para eu chorar todos os dias, e isso não era uma boa maneira de se viver. Quando nos divorciámos, não lhe pedi nada». (…). Violência contra as mulheres é gritante no livro de memórias. No início da sua carreira, Coolidge conhece Tina Turner, que tira a peruca para revelar uma longa cicatriz no crânio. «Isto é o que ele faz», diz-lhe Turner. Coolidge descreve o abuso doméstico que a sua amiga, a cantora Bonnie Bramlett, sofreu nas mãos do companheiro, Delaney. Ela acredita que era sintomático da sociedade em geral. «Talvez os homens sentissem como se as mulheres lhes pertencessem», diz ela. «Penso que se você é uma figura pública – com certeza Bonnie Bramlett não seria capaz de andar na rua e ser apenas uma pessoa qualquer; ela era Bonnie Bramlett com um olho negro. Era difícil manter esses segredos em pessoas que são figuras públicas». (Em 2014, Priscilla, a irmã de Coolidge, que fora casada com Booker T Jones, foi morta pelo seu terceiro marido num homicídio-suicídio. «Continuo a sofrer e continuarei por toda a vida», disse Coolidge). Coolidge não foi poupada ao abuso físico. Kristofferson bateu-lhe uma vez, bêbedo («isso nunca voltou a acontecer») e, na mal-afamada tournée de Joe Cocker, Mad Dogs and Englishmen, o seu namorado da altura, Jim Gordon, agrediu-a violentamente no corredor de um hotel que a deixou com um olho negro o resto da digressão. Coolidge nunca mais falou com ele.”      

no aparelho de televisão

Um Táxi na Cidade” (1981), c/ Jacinto Ramos, Laura Soveral, Jorge Rolla, Manuela Carlos, José Pinto … série portuguesa transmitida às quintas-feiras, pelas 22h00, na RTP 2, entre 5 de março e 9 de abril de 1981 [1]. (Retransmitida às segundas-feiras, pelas 20h00, também na RTP 2, entre 26 de novembro e 31 de dezembro de 1984). “Um Táxi na Cidade é uma série de 6 episódios produzida pela RTP-Porto e que ficciona a vida de um taxista portuense e da sua família. Cada episódio tem como temática um desafio diferente: vida, emprego, conflito, viagem a Londres, jogo e passagem de testemunho. Com diálogos de Sérgio Andrade e José Saraiva e realização de Adriano Nazareth Jr., a série que se pretende realista e dramática consta no elenco com nomes como Jacinto Ramos, Laura Soveral, Marília, Jorge Rola, Manuela Carlos e José Pinto, entre outros. Os passageiros do táxi vão contando as suas desventuras e as suas alegrias ou colocando o taxista em determinadas situações que o obrigam a refletir e muitas vezes a agir para resolver as situações.” 1.º episódio: a vida. 2.º episódio: o emprego. 3.º episódio: o conflito. 4.º episódio: a viagem a Londres. 5.º episódio: o jogo – o problema da comunicação entre gerações e das relações homem-mulher são o tema deste episódio que nos mostra as dificuldades e as soluções para superar problemas enraizados na nossa sociedade. 6.º episódio: a passagem de testemunho. Mário Castrim escreveu: “No segundo canal (chamemos-lhe assim, parece que dá mais jeito e a família gosta…) começou ontem o folhetim de via reduzida «Um táxi na cidade». É um bocado bera. Na representação, os tiques; na realização, os primeiros passos; na conceção e reportando-me só ao primeiro episódio, a doença infantil, muita palha, desnecessária palha. Acumulação de pormenores insignificativos. Assistimos a serviços de táxi (coitado do SR-67-13…) do princípio ao fim das corridas sem que nada acontecesse! Jacinto Ramos tem guinado, perdão, tem guiado muito. Nunca mais do que ontem. Pago ao quilómetro, ganharia uma fortuna. Mas que temos nós a ver com isso? Bem, esperemos. O certo é que assim não vamos lá. Mas iremos lá sem isto? Sem passar por isto?” [2]ABBA em concerto” (1979), em Inglaterra, no estádio de Wembley e durante a tournée pelos Estados Unidos, transmitido quinta-feira, 2 de outubro de 1980, pelas 21h50, na RTP 1. As atrevidas vocalistas não vestiram as suas roupas mais emblemáticas que muito faziam sonhar na sua impudica nudez debaixo das roupas, nas nádegas que revolucionaram a música pop e o jovial Zeitgeist dos anos 80, os espetadores apenas usufruíram das melodias orelhudas e boa disposição sueca. “Abbacadabra” (1984), conto musical c/ João Cabeleira, Fernando, Suzy Paula, Rosa Pelicano, Helena Ramos, José Nuno Martins, Nuno Gomes dos Santos, António Manuel Ribeiro, Lenita Gentil e Samuel …transmitido terça-feira, pelas 17h05, na RTP 1, dia 25 de dezembro de 1984. (Antecedido pela estreia em TV do clássico de Natal “A canção da Noruega” – estreado nos cinemas segunda-feira, 5 de abril de 1971 no Tivoli). “Mamma Mia não foi o primeiro musical construído a partir da música dos ABBA. Em 1983, quando o lendário quarteto sueco tinha acabado de terminar, os irmãos franceses Alain e Daniel Boublil conceberam um espetáculo musical para televisão que adaptava algumas das músicas dos ABBA a uma história que envolvia várias personagens dos contos de fadas. Vários nomes da música francófona participaram como Daniel Balavoine (tragicamente falecido num acidente durante o Rally Paris-Dakar de 1986) e o belga Plastic Bertrand, o cantor de «Ça plane pour moi», isto para além de uma participação especial da própria Anni-Frid Lyngstad dos ABBA [3]. Tanto o programa de televisão como o disco fizeram tal sucesso em França que outros países não tardaram a fazer a sua própria adaptação. A versão britânica foi feita no teatro londrino ainda em 1983 e contava com a participação da diva do West End, Elaine Page. Além de Portugal, a Holanda também teve a sua própria versão em 1985. A versão portuguesa esteve a cargo de Nuno Gomes dos Santos que também acumulou o papel de Pinóquio e das vozes de um dos Irmãos Metralha. A história era semelhante à da versão francesa, com apenas ligeiras alterações e utilizava as mesmas doze canções dos ABBA que o original francês. Quatro crianças - João (João Cabeleira), Pedro (Pedro Cabeleira) e as gémeas (Ana e Joana) - são mandadas para o quarto de castigo, aparentemente por algo sem motivo (daí que a primeira canção se chame «Que mal fizemos nós»). Uma dessas crianças, o João, sonha que as personagens dos contos infantis - Branca de Neve, Cinderela, Alice do País das Maravilhas, Pinóquio, Aladino, o Soldadinho de Chumbo e o Príncipe - vêm ter com eles para ajudar-lhes numa grande missão: derrotar a Rainha Má e os Irmãos Metralha. Mas não vai ser nada fácil, já que a Rainha Má tem um terrível computador, o PBX, que os vai capturando dentro de videocassetes. Mas claro que tudo acaba em bem. Eis aqueles que participaram no disco, que então faziam parte da editora Orfeu: Fernando Correia Marques, na altura conhecido apenas como Fernando, vindo do hit pouco politicamente correto «Carlitos», fez de Aladino (quiçá por ter ameaçado o tal Carlitos com uma «lamparina»); Suzy Paula, como o ídolo infantil que era na altura, não podia faltar num projeto assim e fez de Alice; Maria João - sim, a cantora de jazz - foi a voz da Branca de Neve; a locutora da RTP Helena Ramos, que nunca foi moça para recusar uma ocasional incursão na representação ou nas cantigas, era a Cinderela; o ex-cantor de intervenção Samuel era o Soldadinho; o papel da Rainha Má foi para a fadista Lenita Gentil; e António Manuel Ribeiro dos UHF era o Príncipe. José Nuno Martins fazia voz do locutor. Além de Nuno Gomes dos Santos, Zé da Ponte e Luís de Freitas eram as vozes dos Irmãos Metralhas e o coro dos Cravos na canção da Cinderela e do Soldadinho, sendo que na dita cuja, havia também o coro das Rosas constituído por Isabel Campelo, Inês Martins, Teresa Marta, Vanda e Ana Carvalho. Na última canção, Samuel e Lenita Gentil faziam também de dois professores. «Abbacadabra» foi filmado em Sintra, no Palácio da Pena, no Parque da Pena e no Colégio de São José. Na versão televisiva, a atriz Rosa Pelicano foi a Branca de Neve, fazendo playback da voz de Maria João e dava para ver bem que quem estava a fazer de Irmãos Metralha não eram os donos das vozes mas sim três bailarinos não identificados (aliás, um deles era seguramente uma Irmã Metralha). A realização esteve a cargo de João Serradas Duarte.” “The Professionals” (1977/1983), c/ Gordon Jackson, Martin Shaw, Lewis Collins … série inglesa sob o título local “Os profissionais” transmitida aos sábados pelas 23h20, na RTP 1, de 29 de dezembro de 1979 até 1 de Março de 1980. Depois, o profissionalismo RTP emborrachou e os restantes episódios foram despachados: quinta-feira, 13 de março pelas 22h35 / quarta-feira, 19 de março pelas 22h25 / quarta-feira, 9 de abril pelas 23h05 / quarta-feira, 16 de abril pelas 21h10 / quarta-feira, 30 de abril pelas 22h25 / e o último episódio sexta-feira, 9 de maio pelas 22h40. “Em novembro de 1971, o ministro do Interior britânico convocou uma reunião de vários responsáveis da polícia, militares e serviços secretos para pedir sugestões sobre como enfrentar criminosos cada vez mais especializados e bem armados e grupos terroristas que estavam a começar a causar estragos em todo o país. Reconheceu-se que muitas vezes as agências estavam manietadas pela papelada, burocracia ineficiente, má coordenação e rivalidade interdepartamental – permitindo, tais fatores, amiúde, que os vilões não só escapassem à justiça, como, acima de tudo, cometessem os seus crimes. Na reunião estava o chefe do MI5, George Cowley, e ele tinha já uma proposta radical: a criação de um organismo coordenador para juntar, a recolha de informações dos militares e as técnicas de combate das outras agências, num esforço para lidar, eficientemente, com essa atividade criminosa antes que pusesse em perigo a população. Mas Cowley reconheceu que tal equipa precisaria de trabalhar com extrema rapidez e que, sob certas circunstâncias, isso significaria usar métodos clandestinos para alcançar os seus fins. Não foi uma grande surpresa para Cowley que algumas das suas ideias encontrassem grandes reservas, mas o ministro do Interior acolheu a proposta, desde que as atividades da equipa fossem mantidas secretas. Dentro de pouco tempo, Cowley deixava o MI5 e organizava o Criminal Intelligence (CI5), escolhendo a dedo cerca de quarenta homens e mulheres para o seu esquadrão de elite.” [4]Happy Days” (1974-1984), série americana sob o título local “Dias felizes” transmitida aos domingos, pelas 14h00, na RTP 1, de 3 de julho / 16 de outubro de 1983. A 3.ª temporada foi transmitida de segunda a sexta, pelas 15h00, incluída no espaço para os mais novos da RTP 1, “Grão a grão”, de 9 a 30 de abril de 1984. “Localizada em Milwaukee, Wisconsin, a série gira em torno do adolescente Richie Cunningham e a sua família: o pai, Howard, dono de uma loja de ferragens; a dona de casa tradicional e mãe, Marion; a irmã mais nova Joanie; o irmão mais velho Chuck (apenas nas temporadas 1 e 2); e o desistente do liceu, motard e donairoso engatatão Arthur «Fonzie» / «The Fonz» Fonzarelli, que acabaria tornando-se no melhor amigo do Richie e inquilino da sobre garagem dos Cunningham. Os primeiros episódios orbitam em torno de Richie e os seus amigos, Potsie Weber e Ralph Malph, com Fonzie como personagem secundária. Contudo, à medida que a série progrediu, Fonzie revelou-se favorito entre os espetadores e rapidamente mais falas foram escritas para refletir a popularidade, e Henry Winkler acabou como protagonista no genérico inicial ao lado de Ron Howard. Fonzie fez amizade com Richie e a família Cunningham, e quando Richie deixou a série para ir para a tropa, Fonzie tornou-se a figura central, com Winkler a receber o primeiro lugar no genérico inicial. Nas temporadas posteriores, outras personagens foram introduzidas, incluindo o primo de Fonzie, Charles «Chachi» Arcola, que viria a ser um interesse amoroso para Joanie Cunningham. As onze temporadas da série seguem aproximadamente os onze anos de 1955 a 1965, inclusive, em que a série se desenrola.” [5] 
____________________
[1] Estreia anunciada para quarta-feira, 4 de fevereiro de 1981. Sobre esta première gorada escreveu Mário Castrim: “Cá estou apto a tomar o táxi. Posso lá não estar presente em ato tão significativo da produção portuguesa na TV… Maldição! Em vez do táxi, o que lá está é um episódio do «Caminho das estrelas», uma bebedeira de cor, de vertigem e de imbecilidade. A menos que não seja o «Caminho das estrelas», talvez eu esteja enganado, pode ser um táxi astral, qualquer coisa como uma coprodução. Porque a RTP nunca falta ao que promete.”
[2] Portugal engrandeceu, tanto, tanto, que todos e mais algum rumam para aqui, precisamente aqui, para palpar esse povo. O português é como o psiché, todos querem um ou dois. “Filmes estrangeiros rodados em Portugal” – “The Miracle of Our Lady of Fatima” (1952) – “a mais feliz e a mais bela realização acerca destes acontecimentos de projeção universal”, padre José Galamba de Oliveira, secretário do bispo de Leiria – sob o título local “Milagre de Fátima” estreado sexta-feira, 13 de março de 1953 no Monumental. “Esta produção americana de John Brahm sobre as aparições da Virgem a Lúcia, Jacinta e Francisco tinha como objetivo difundir a mensagem de paz de Fátima durante a Guerra Fria e trouxe a Portugal uma equipa para a rodagem de alguns exteriores.”
Les Amants du Tage” (1955), sob o título local “Os Amantes do Tejo” estreado terça-feira, 18 de janeiro de 1955 no São Luiz e no Monumental. “Um filme com Tejo no título e que foi mesmo filmado na baixa de Lisboa. Era uma produção francesa de Henri Verneuil, que adaptava o romance homónimo de Joseph Kessel sobre um francês (Daniel Gélin) que após ser julgado no seu país pelo assassinato de esposa acabava por se tornar taxista em Lisboa, onde conhece uma sedutora viúva (Françoise Arnoul) por quem se apaixona loucamente... e que é suspeita de ter assassinado o marido. Ficou para a história graças à cena onde Amália canta o «Barco Negro».”
Moby Dick” (1956), estreado quarta-feira, 3 de outubro de 1956 no Império. “A história de vingança do capitão Ahab contra a baleia que quase o matou num encontro anterior pode passar-se na Nova Inglaterra, mas as cenas de caça à baleia neste filme de John Huston com Gregory Peck foram filmadas no Caniçal, na ilha da Madeira. E foram a sério, pois a prática só foi proibida nos anos 1980.”
Lisboa” (1956), estreado terça-feira, 1 de janeiro de 1957 no Condes e no Monumental. “Esteve para ser realizado por Nicholas Ray e com Joan Crawford, mas acabou nas mãos de Ray Milland, que também era o protagonista. Maureen O'Hara gostou de finalmente ser uma vilã neste policial conspirativo da Guerra Fria que historicamente foi a primeira produção de Hollywood rodada em Portugal. Tem generosas imagens de Lisboa, Cascais e Sintra, aviões antigos da TAP e ainda «Lisboa Antiga» interpretada por Anita Guerreiro. E ainda o americano Jay Novello a interpretar o inspetor João Casimiro Fonseca.”
Hammerhead (1968), sob o título local “Cabeça de martelo” estreado sexta-feira, 3 de janeiro de 1969 no Europa. “Um thriller britânico de David Miller que contava a história de como os Serviços Secretos encarregavam um mercenário americano (Vince Edwards) de ir a Portugal para impedir um génio criminoso (Peter Vaughan, de «A Guerra dos Tronos»!) de tentar roubar segredos da NATO para conquistar o mundo!”
On Her Majesty's Secret Service” (1969), sob o título local “007 - Ao serviço de sua majestade” estreado quinta-feira, 1 de janeiro de 1970 no São Jorge e no Roma. “Provavelmente o mais famoso filme cuja rodagem passou, e muito, por Portugal, embora o nosso país não seja citado na história. Infelizmente, também é um dos menos vistos por ter a fama de ser um fracasso por ser o único de George Lazenby como James Bond. E não foi coisa pouca, a equipa principal veio mesmo ao nosso país pois tudo começa quando 007 salva uma mulher de se afogar, numa cena rodada no Estoril. A ideia inicial do produtor Harry Saltzman era filmar essas cenas em França, mas depois achou que os locais não eram suficientemente fotogénicos. E é apropriado porque Ian Fleming se inspirou para criar o agente secreto durante a estadia no Hotel Palácio do Estoril. Muitos anos depois, o filme continua a ter o valor extra de permitir descobrir como estavam Guincho, Estoril, Lisboa, Cacilhas, Zambujal e Arrábida há 50 anos.”
The Last Run (1971), sob o título local “A última fuga” estreado sexta-feira, 26 de novembro de 1971 no Condes. “Um filme de Richard Fleischer que foi um grande fracasso e que teve uma rodagem muito conturbada, que começou com John Huston, que se desentendeu a sério com a estrela George C. Scott. Este fazia de envelhecido motorista de uma organização criminosa de Chicago retirado para uma existência tranquila numa aldeia piscatória em Albufeira a quem pediam que fizesse um 'último trabalho'. No filme, Scott trabalhava com a segunda mulher (Colleen Dewhurst) e depois de a atriz anteriormente escolhida (Tina Aumont) ter desistido por causa das discussões, foi substituída pela que viria a ser a terceira esposa (Trish Van Devere).”
The Boys from Brazil” (1978), sob o título local “Os comandos da morte” estreado sexta-feira, 6 de abril de 1979 no Condes e no Monumental. “O filme sobre o caçador de nazis (Laurence Olivier) que segue pistas até a América do Sul, onde descobre nada menos do que o diabólico cientista Josef Mengele (Gregory Peck) a tentar criar clones de Adolf Hitler. Várias cenas rodadas em Lisboa fazem as vezes do Paraguai.”
Der Stand der Dinge” (1982), sob o título local “O estado das coisas” estreado quarta-feira, 16 de novembro de 1983 no Quarteto sala 1. “Pelo título, percebia-se que «Lisbon Story», de Wim Wenders (1994), passava por Portugal, mas também foi o caso deste do mesmo realizador e igualmente produzido por Paulo Branco sobre uma equipa de cinema a trabalhar perto de Sintra no remake de um clássico de série B americano que via o produtor desaparecer e acabar a película e o dinheiro...”
Dans la ville blanche” (1983), sob o título “A cidade branca” estreado quinta-feira, 21 de abril de 1983 no Quarteto sala 4. “Bruno Ganz era um mecânico naval que desembarca em Lisboa e alugava um quarto na zona ribeirinha, deambulando sem rumo pela cidade nos dias que se seguiam. Teresa Madruga interpretava a mulher por quem se apaixonava nesta coprodução entre Suíça e Portugal realizada por Alain Tanner. Durante muito tempo foi o filme mais emblemático de todos quantos foram rodados em Lisboa, que de certa forma quase era a protagonista.”
White Nights (1985), sob o título local “O sol da meia-noite” estreado quinta-feira, 6 de fevereiro de 1986 no Castil e no Star. “Um filme realizado por Taylor Hackford e com Mikhail Baryshnikov, Gregory Hines e Helen Mirren que, como muitas produções daquela época sobre a Guerra Fria que se deviam passar na Rússia, foi rodado na Finlândia. Este sobre um lendário bailarino soviético que fugiu para o Ocidente e que por causa de uma avaria no avião regressa ao seu país natal tem a curiosidade de, após uma longa busca, se ter chegado à conclusão que o Teatro Nacional de São Carlos era o mais próximo do ambiente e elegância do Teatro Kirov de Leninegrado (agora S. Petersburgo).”
A casa da Rússia” (1990). “A adaptação que Fred Schepisi fez do livro homónimo de John le Carré foi a primeira produção norte-americana em décadas a ser filmada em Moscovo e São Petersburgo (então Leninegrado), mas também teve cenas na baixa de Lisboa, nomeadamente no Palácio dos Condes de Vimioso, e, claro, nas docas, onde termina. A presença de Sean Connery chamou muito a atenção, mas Michelle Pfeiffer, cuja popularidade tinha explodido com «Viúva... Mas Não Muito» e «Ligações Perigosas», procurou resguardar-se o mais possível das objetivas dos fotógrafos.”
A bela época” (1992). “O filme que levou Portugal a ser mencionado nos Óscares quando Fernando Trueba aceitou o prémio de Melhor Filme Estrangeiro. A história desta coprodução entre Espanha e Portugal decorre nos anos que antecederam a Guerra Civil Espanhola (1936), mas foi em Arruda dos Vinhos que Trueba descobriu os locais que mais se pareciam com aquela «Belle Époque».”
A casa dos espíritos” (1993). “A paisagem mexicana da adaptação do livro de Isabel Allendre era afinal o Alentejo, mais exatamente o Monte das Três Marias, em Vila Nova de Milfontes. Houve cenas também em Lisboa, na Praça do Município, e a nossa Assembleia da República passou a parlamento mexicano. A visita e estadia de estrelas como Meryl Streep, Jeremy Irons e Glenn Close foi um acontecimento que elevou a autoestima nacional.”
Genealogias de um crime (1997). “Este filme de metamorfoses e psicanálise produzido por Paulo Branco com Catherine Deneuve, Michel Piccoli e Melvil Poupaud continua a ser um dos mais reconhecidos, realizado por Raúl Ruiz e foi um dos vários que o trouxeram em trabalho a Portugal.”
A nona porta” (1999). “Lendo a imprensa, parecia que tinha vindo a Portugal Isabel II e não o realizador Roman Polanski e Johnny Depp, tal a cobertura. A história envolvia a procura de um livro que tinha o segredo para convocar o Diabo, que acaba por trazer a personagem de Depp ao Chalet Biester, na Estrada da Pena em Sintra, mas também se reconhecem outros locais da popular vila.”
O círculo invisível” (2001). “Jordana Brewster era uma adolescente americana que no final dos anos 1970 decidia investigar o suicídio da sua tia em Portugal, interpretada por Cameron Diaz, que foi vista em rodagem para os lados do Cabo Espichel no verão de 2000. Foi um dos projetos da atriz por altura de «Doidos por May» e «Os Anjos de Charlie», mas passou completamente despercebido.”
Em Clandestinidade” (2002). “Depois de descobrir Portugal às ordens de Manoel de Oliveira, foi também pelo nosso país que John Malkovich fez a sua estreia na realização com a história que se passa numa nação latino-americano à beira do conflito, devido a um movimento terrorista. Javier Bardem era o polícia idealista que tentava prender o misterioso chefe guerrilheiro e também faziam participações especiais Alexandra Lencastre e Luís Miguel Cintra.”
Mouth to Mouth” (2005). “Um título britânico pouco conhecido onde Ellen Page (a), alguns anos antes de ganhar fama com «Juno», era uma jovem americana à deriva pela Europa que passava por Londres, Berlim, Leipzig e Lisboa acabando por se juntar a um grupo de jovens radicais.”
──
(a) Ellen Page, 1,55 m, 48 kg, 81-59-84, sapatos 36, olhos cor de avelã, cabelo castanho-escuro, nascida a 21 de fevereiro de 1987 em Halifax, Nova Escócia, Canadá. Sobre a estadia na terra dos melhores portugueses do mundo: “Estive em Portugal quando tinha 16 anos, tive o cabelo rapado na altura, e foi numa cidadezinha muito conservadora em Portugal e fui ao circo. E foi fantástico. Foi fantástico porque não conseguia entender patavina, e também porque era tipo uma mulher aparecia e tocavam o «Thriller» do Michael Jackson, e ela tinha uma marionete que era um esqueleto mas tudo o que ela fazia era assim ao ritmo da canção, a canção inteira, então o esqueleto estaria (abana-se) ao som de «Thriller», e depois saía um lama e tinha um macaco nas costas e o macaco cavalgava o lama, mas não, o macaco estava acorrentado ao lama…” Queira Deus que a jovem tivesse tido a epifania do seu tribadismo em Portugal, implantar-se-ia mais um louro na coroa de um povo-máquina de bem fazer. Orientando para a opção sexual correta, o lesbianismo para a mulher, o sodomitismo para o homem, prossegue o serviço prestado à humanidade pelos nossos navegadores.  
──
A gaiola dourada” (2013). “Sem surpresa, este grande sucesso de Ruben Alves sobre um casal português que vive em França há 30 anos e que quer regressar a Portugal (Rita Blanco e Joaquim de Almeida), uma decisão que não agrada aos vizinhos, também foi rodado em parte no nosso país, com deslumbrantes cenas que se passam no Douro.”
Comboio noturno para Lisboa” (2013). “Não era a primeira vez que um filme mesmo com indicação geográfica no título era filmado noutro local, mas não foi o caso. Para esta adaptação do livro homónimo de Pascal Mercier, Bille August e Jeremy Irons realmente regressaram 20 anos depois de «A Casa dos Espíritos». E o espírito nacional prolonga-se pela participação especial de atores como Nicolau Breyner e Beatriz Batarda.”
E agora invadimos o quê?” (2015). “No seu novo documentário, Michael Moore «invade» vários países em busca de boas práticas e exemplos para os Estados Unidos copiarem. De Portugal o exemplo é a política de despenalização do consumo de estupefacientes, onde fala com polícias e outros responsáveis sobre os resultados. Moore foi ainda visto na manifestação da CGTP no Dia do Trabalhador.”
A promessa” (2016). “A rodagem do épico de Terry George sobre os últimos dias do Império Otomano antes da Primeira Guerra Mundial, decorreu principalmente no sul da Europa e Ilhas Canárias, mas Christian Bale veio em setembro de 2015 ao nosso país e apesar de ter decorrido um casting; a rodagem foi no maior secretismo. O Museu Nacional de Historia Natural e da Ciência foi um dos locais por onde passou a produção.”
[3] “Cantora sueca nascida na Noruega, ex-integrante do grupo sueco ABBA. Formalmente, e pelo seu casamento com o príncipe soberano da Casa Real de Reuss (falecido em 1999), tornou-se em Sua Alteza Sereníssima a Princesa Anni-Frid Synni Reuss, Condessa de Plauen. Anni-Frid nasceu filha do relacionamento da norueguesa Synni Lyngstad com o sargento alemão Alfred Haase, casado, em serviço na Noruega durante a ocupação alemã desse país na Segunda Guerra Mundial. Para evitar preconceitos vigentes no país à época em relação às mulheres que tiveram relacionamentos com militares alemães, a sua mãe e avó mudaram-se para a Suécia, tendo ido residir na cidade de Torshälla, perto de Eskilstuna. Synni faleceu antes de Anni completar dois anos e Anni-Frid foi criada por sua avó materna Arntine.”
No logro moderno que somos diferentes, que não cometemos os erros da “História”, os líderes atuais prestam-se ao papel do ridículo e risível pedido de desculpas pelo… passado. “Entre 30 000 e 50 000 norueguesas, apelidadas de «mulheres alemãs», mantiveram relações íntimas com soldados alemães durante a guerra, de acordo com uma estimativa do Centro Norueguês sobre o Holocausto e minorias religiosas. Além das humilhações públicas como ter tido o cabelo rapado, estas mulheres sofreram retaliações por parte das autoridades da Noruega libertada: detenções sem fundamento legal, internamento sem julgamento, demissões, expulsões e privação da nacionalidade, todas elas ações de caráter inconstitucional. «Logo após a Libertação, muitas meninas e mulheres norueguesas que tinham tido relações com soldados alemães, ou eram suspeitas [disso], foram vítimas de maus tratos», declarou a primeira-ministra norueguesa Erna Solberg durante um evento para comemorar o 70.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos. «Hoje [17/10/2018], em nome do governo, pedir desculpa», afirmou. Este pedido de desculpa, que ocorre 73 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando poucas dessas mulheres ainda estão vivas, não significa qualquer compensação financeira para as famílias afetadas.”
[4] Este voluntarismo policial trucidador dos inimigos da ordem ocidental redundará na sociedade industrial da abundância, dinheiro para todos, partying e holydays. “Nude Night Disco” (2007) / “Midnight Pool Party” (2007), ambos realizados por Petter Hegre, c/ Anna Sbitnaya, Paulina (Uliya Brichkovskaya), Angelica e Linda L.
Anna Sbitnaya, 1,70 m, 48 kg, 86-56-89, sapatos 36, olhos e cabelos castanhos, nascida a 24 de dezembro de 1987 em Kiev, Ucrânia, t.c.c. Anna, Anna AJ, Anna S, Anna Sergeeva. “Adoro chocolate, espojar-me ao sol, McDonald’s, animais e, obviamente, a minha família. Não gosto mesmo de pessoas excessivamente agradáveis e ostras, são ambas viscosas.” Sites: {The Nude} {Indexxx} {Erosberry} {Erotic Beauties} {Porn Teen Girl} {Elite Babes} {YOUX} {Kindgirls} {Alba Gals} {Nice Nude Girls} {Define Babe} {European Pornstars} {Hegre Art} {Hegre Hunter} {Met-Art} {Met-Art Hunter}. Obra fotográfica: {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4} {fotos5} {fotos6} {fotos7} {fotos8} {fotos9} {fotos10}. Obra cinematográfica: {“Sensual Oil Massage”} ֍ {“Shaving”} ֍ {“Bondage”} ֍ {“Massage Socks”} ֍ {“Erotsis”} ֍ {“Butterfly Panties”} ֍ {“Hotel Terramar”} ֍ {“Vacations”} ֍ {“Helvetia”} ֍ {“Imperiale”} ֍ {Imperiale - Behind the Scenes”} ֍ {“Anna Sbitnaya”} ֍ {“Timeless Beauty”} ֍ {“Four Ukrainian Girls + Uliya Brichkovskaya + Angelica + Linda L}.
Angelica, 1,76 m, 55 kg, Ucrânia. Sites: {The Nude} {Indexxx} {Kindgirls} {Hegre} {Hegre Hunter}. “Angelica é uma modelo e estudante de 20 anos da Ucrânia. Com os seus longos cabelos esvoaçantes e olhos azuis pálidos nunca o nome de uma miúda foi tão apropriado. Definitivamente, há algo de angélico na Angelica. E Angelica, nascida na Rússia, é a prova viva de que as modelos podem ter beleza e inteligência. Ela passou quatro anos estudando psicologia, especializando-se em sexologia, nada menos. Isto dá-lhe uma forma de ser afável, aberta e compreensiva. Ela também se interessa por design de moda e adora comer sushi. Angelica já trabalhou como modelo na China e Israel, mas a produção com Hegre marcou a sua primeira vez posando nua. O seu aspeto etéreo, pernas compridas e atitude positiva fazem dela material perfeito para modelo. A combinação de um aspeto de tirar a respiração, corpo lindo e sorriso sedutor estão fadados a levá-la longe.” Obra fotográfica: {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4} {fotos5} {fotos6} {fotos7} {fotos8} {fotos9} {fotos10} {fotos11} {fotos12}. Obra cinematográfica: {“Shower Trio” + Anna S. + Paulina}
Ivette Blanche, 1,73 m, 59 kg, 80-61-89, sapatos 39, olhos azuis, cabelo castanho, nascida a 15 de julho de 1985, em Budapeste, Hungria, t.c.c. Amanda Lauren, Evette Elan, Ivett, Ivette, Ivette Blanch, Lara, Linda, Linda L, Toula, Yvette, Yvette Blanche. Sites: {The Nude} {Indexxx} {Sex Video Casting} {Kindgirls} {Erosberry} {Babepedia} {EGAFD} {Define Babe} {21sextury} {iafd} {Euro Babe Index} {Porn Teen Girl} {European Pornstar} {Footsie Babes} {4tube}. Obra fotográfica: {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4} {fotos5} {fotos6} {fotos7} {fotos8} {fotos9}. Obra cinematográfica: {“Daring Darlings” + Boroka Borres} ֍  {“Fashion Feet”} ֍ {“Ivette”}.
Uliya Brichkovskaya, 1,73 m, 57 kg, 86-61-86, olhos castanhos, cabelo preto, nascida a 7 de maio de 1986, em Kiev, Ucrânia, t.c.c. Paulina, Paulina Bartok. Casou e vive em Los Angeles. Sites: {The Nude} {Indexxx} {Kindgirls} {Hegre}. Obra fotográfica: {fotos1} {fotos2}. Obra cinematográfica: {“Sensual Massage”} ֍ {Chipre} ֍ {Twerk}. (b)
──
(b) Uliya integrou o grupo NikitA. “NikitA é um duo pop ucraniano fundado por Yuriy Nikitin (Юрієм Нікітіним), diretor-geral da editora Mamamusic. O grupo era composto por Dasha Astafieva (Дар'я Астаф'єва) (c) (2008-presente) e Yulia Kavtaradze (Юлія Кавтарадзе) (2008-2011). Anastasiya Kumeyko (Ольга Кумейко), do grupo A.R.M.I.A, substituiu Yulia Kavtaradze em 2011, que se fartara de posar nua. Julia Brichkovskaya (Юлія Брічковская) entrou na banda após uma audição para um terceiro elemento, no início de 2012, e trabalhou até ao termo do contrato, saindo em janeiro de 2016. NikitA é uma das bandas mais controversas do mundo de língua russa. É considerada uma das bandas mais inusitadas da música ucraniana, pois o seu tema específico é a «agressão sexual». A banda editou o seu primeiro single, «Mashyna» (carro), em 2008. A ideia de Nikitin de criar a banda estava em processo há algum tempo. Uma das versões iniciais do nome era Sireny and Divas, contudo, quando Nikitin conheceu Dasha e Yulia, elas decidiram chamar-lhe NikitA, que era o nome que as duas usavam para se referir a Nikitin. Em 2008, Dasha Astafieva e Julia Kavtaradze participaram na campanha publicitária da vodka Sobieski. Em 2009, o grupo filma o videoclipe provocador para o single «Веревки», que se torna o cartão-de-visita do coletivo e provoca uma ampla ressonância pública. As filmagens ocorreram durante a noite num estacionamento subterrâneo e num supermercado de um dos centros comerciais de Odessa. No vídeo, as raparigas andam completamente nuas. Em 2012, já com Julia Brichkovskaya lançam «Avocado» em russo e inglês. Em 2013, publicaram o vídeo provocante para a canção «Синее платье» (vestido azul). Em abril do mesmo ano lançaram outra canção, «Игра» (o jogo), em russo e inglês, com o clip filmado mais tarde. Em agosto, editam uma versão da canção «Я знаю, это ты» (eu sei que é você), do grupo НеАнгелы (NeAngeli). Em 26 de fevereiro de 2014, apresentam uma nova música «Химия» (química), seguida do vídeo. Em 28 de abril foi lançado o seu segundo álbum, «Хозяин». Em fevereiro de 2015, a banda apresenta um novo vídeo, «VОДОПАДОМ», montado a partir de filmagens dos telemóveis das raparigas. No mesmo ano, a música «Вдыхай» (respira) é lançada. Em janeiro de 2016, Julia Brichkovskaya deixou o grupo.”
──
(c) Daria «Dasha» Viktorivna Astafieva (Дар'я Вікторівна Астаф’єва), 1,70 m, 55 kg, 86-60-91, sapatos 38 ½, olhos e cabelos castanhos, nascida a 4 de agosto de 1985 em Ordzhonikidze, Ucrânia, t.c.c. Darya Astafeva, Dasha, Dasha E. “Daria na infância era uma criança versátil e foi para a área das artes, ela desenhava lindamente e dançava, durante muitos anos esteve envolvida na ginástica acrobática. Mas na escola teve problemas. Astafieva não estudava com afinco, sobrevivendo com notas baixas. Além disso, tinha um relacionamento complicado com os seus colegas devido ao facto de ter uma figura esbelta, e o seu rosto tinha amiúde traços de irrupção alérgica.” Sites: {The Nude} {Indexxx} {Kindgirls} {Elite Babes} {Hegre} {Kindgirls} {Erosberry} {Babesrater} {Boobpedia} {Babepedia} {Live Journal} {Playmate Hunter}. Obra fotográfica: {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4} {fotos5} {fotos6} {fotos7} {fotos8} {fotos9}. Obra cinematográfica: {“Goddess of the Palace”} ֍ {“On The Terrace”} ֍ {“Golden Girl”} ֍ {Playboy} ֍ {Playboy} ֍ {Playboy} ֍ {D.A. performance for STAND'ART}.

na aparelhagem stereo

Os palradores profissionais são aqueles que mais beneficiam da curta duração da memória na era da hiperinformação, o cocorocó, o quiqueriqui, o quá-quá, o him-hã, virada a esquina, estão esquecidos, a nobre figura deles, sempre em pé, no rodapé. E Marques Mendes, o eterno n.º 2 português do comentário político (o primeiro, apesar de presidente da República, é sempre Marcelo Rebelo de Sousa) falha como um economista numa folha de Excel ou faca romba em bife [1]. «Quando António Costa não está presente corre tudo mal. Falta um número dois com peso político no governo, para coordenar toda a máquina governativa», acrescenta. Remodelações? «Julgo que essa questão vai-se colocar depois da aprovação do Orçamento de Estado. No fim do ano, princípio do próximo ano António Costa começará a pensar numa mini-remodelação», diz Marques Mendes que anuncia que essa hipótese já é ventilada nos círculos governamentais. «Há três ministros candidatos à substituição: o ministro da Economia (onde os resultados são mais complicados); o ministro das Finanças (que cada vez está mais fraco); e o ministro da Educação (que é um erro de casting, manda mais a FENPROF no ministério do que o próprio ministro)», explica o comentador. António Costa vai tentar arranjar um número dois no governo, diz Marques Mendes, mas antevê-se que essa tarefa vai ser difícil. «Vai certamente fazer ajustamento nos secretários do Estado, e Rocha Andrade pelas razões que são conhecidas (viagem da Galp) poderá ser um dos remodeláveis», disse Marques Mendes que considera que a geringonça não está em perigo. Pois de cada vez que geringonça ameaça ruir, Costa alerta os partidos de esquerda para a «ameaça» Passos Coelho e Maria Luís Albuquerque, o que acaba por funcionar como «seguro» da geringonça, disse o comentador.” [2]
No falatório televisivo como na ética jornalística, as notícias mais importantes, as que badalam ao tímpano, aquelas que espumam deontologia, são aquelas contendo o vocábulo “pode”, muito mais que um verbo, um tratado de objetividade e independência e profit. “O investimento no futebol mundial está a deixar os chineses «loucos», sem medo de investir mas pode resultar em prejuízo [3]. Quem o diz é Wang Jianlin, o homem mais rico da China, e que em 2015 investiu 3,5 mil milhões de euros no futebol europeu. Para Wang Jianlin ter uma equipa significa ter influência e não lucro, o que ele vê como mais fácil de alcançar através de acordos de direitos ou competições que possuem. O presidente do Wanda Group tem uma fortuna avaliada em mais de 29 mil milhões de euros e, nos últimos anos tem investido parte da fortuna no futebol. Wang Jianlin é o principal investidor desportivo da liga chinesa e no ano passado [2015] comprou 20% dos espanhóis, do Atlético de Madrid. «Pode dar credibilidade mas não dá dinheiro. Todos os anos perdemos dinheiro», disse Wang Jianlin à Reuters numa entrevista exclusiva em Pequim.” [4]
Bons negócios nos anos 80:
Megatron Man” (1981), p/ Patrick Cowley. “Patrick Joseph Cowley, (19 de outubro de 1950 / 12 de novembro de 1982), nasceu em Buffalo, Nova Iorque, filho de Ellen e Kenneth Cowley. A família era originária das zonas de Horseheads e Corning de Nova Iorque e vivia em Rochester. Durante a adolescência, Cowley tornou-se baterista bem-sucedido em bandas locais antes de frequentar a Universidade de Niágara e mais tarde a Universidade de Buffalo para estudar inglês. Em 1971, aos 21 anos, Cowley mudou-se para São Francisco para frequentar o City College de São Francisco, onde estudou música, mais especificamente o manejo de sintetizadores. Cowley conheceu o artista sediado em São Francisco, Sylvester, no final dos anos 70. Sylvester convidou-o a juntar-se à sua banda de estúdio após ouvir algumas das suas gravações iniciais de sintetizador. Ele tocou sintetizador no álbum de 1978 de Sylvester, «Step II», que incluía «You Make Me Feel (Mighty Real)» e «Dance (Disco Heat)». Além disso, escreveu «Stars» e «I Need Somebody To Love Tonight» para o álbum de 1979, «Stars». Cowley também se juntou à banda ao vivo de Sylvester e acompanhou-o em várias tournées mundiais. Os sucessos de Cowley em nome próprio incluíram «Menergy», em 1981, uma sincera celebração da cena das discotecas gay, e «Megatron Man», que alcançaram os números um e dois, respetivamente, na tabela Billboard Hot Dance Music / Club Play em 1981. Nesse mesmo ano, Patrick Cowley tornou-se disc-jockey nas festas Menergy no The EndUp em São Francisco. Ele também escreveu e produziu o single de dança «Right on Target» para Paul Parker, que alcançou o número um na tabela de dança da Billboard em 1982. Uma colaboração com Sylvester, «Do Ya Wanna Funk», alcançou o número quatro da tabela de dança da Billboard nesse mesmo ano. Cowley fez também uma mistura de 15' 45" de «I Feel Love» de Donna Summer, que é agora objeto de coleção. O seu último álbum, «Mind Warp», foi composto quando ele já sentia os efeitos crescentes da infeção pelo VIH, e as suas canções refletem o seu gradual distanciamento da realidade convencional enquanto a doença progredia.” [5] Composto por P. Cowley, J. Mehl, M. Tani, produzido por Patrick Cowley, “Lucky Tonight” (1983), p/ Sarah Dash. “Dash é membro fundador das Patti LaBelle and the Bluebelles em conjunto com Patti LaBelle, Nona Hendryx e Cindy Birdsong, que mais tarde se juntou às The Supremes. Patti LaBelle and the Bluebelles, depois apenas Labelle, tornaram-se numa das bandas de funk inovadoras dos anos 70. O sucesso mundial «Lady Marmalade» foi produzido pelo lendário e já falecido Allen Toussaint. As Labelle eram conhecidas pelos seus figurinos escandalosos, espetáculos eletrizantes e produções teatrais épicas. As Labelle fizeram história como o primeiro e único grupo de pretas americanas a levar uma produção ao Metropolitan Opera House, em Nova Iorque, assim como noutros principais teatros por todo o mundo com o seu espetáculo «Wear Something Silver».”
Passion (1989), p/ Dirty Blonde. Formados em 1986 em Los Angeles, com Jimmy St. James (voz), Kenny McCafferty (guitarra), Stevie M. (baixo), substituído por Ray Riendeau e Mark Morrow (bateria), substituído por Brad Williams. Editaram o EP “Dirty Blonde” (1988) e o CD “Passion” (1989) [6]. Public Castration Is A Good Idea” (1986), p/ Swans. “É o primeiro álbum ao vivo da banda nova-iorquina Swans que originalmente foi editado como um disco pirata semioficial através da Some Bizzare Records em 1986. Foi amanhado a partir de espetáculos em Londres e Nottingham durante a tournée Greed / Holy Money de 1986. Com as primeiras seis canções retiradas do concerto no I.C.A. de Londres, «Public Castration Is A Good Idea» é frequentemente considerado o álbum ao vivo mais brutal da banda, as execuções das canções são musicalmente bastante diferentes das versões em estúdio: elas são de modo geral mais baixas em tom, ásperas e mais abrasivas. Um exemplo significativo é «A Screw», que é mais extensa e minimalista que a sua homóloga em estúdio.” “Os Swans são uma banda americana de rock experimental formada em 1982 pelo cantor, compositor e multi-instrumentista Michael Gira. Um dos poucos grupos a emergir da cena no wave [7] nova-iorquina e a permanecer intacto na próxima década, os Swans tornaram-se reconhecidos pelo som único em constante mutação que contribuiu para o desenvolvimento de géneros musicais como noise rock, post-punk, industrial e post-rock. Inicialmente, a sua música era conhecida pela brutalidade sonora e letras misantrópicas. Após a entrada da cantora, compositora e teclista Jarboe, que apareceu pela primeira vez no single de 1986 «Time Is Money (Bastard)», e se estreou como compositora em 1987 no álbum «Children of God», os Swans começaram a incorporar mais melodia e complexidade na sua música.” [8] Schizophrenia” (1981), p/ Armande Altaï. “Armande Kumpal Kabartay Altaï-Magini nasceu em Alepo na Síria a 20 de maio de 1944, no seio de uma família de cinco crianças de um pai tirano, oficial do exército francês e de mãe turca muçulmana, que lhe transmitiu o gosto pela música, pondo-se a catraia a cantar para atrair a atenção desta última. A sua infância é marcada pelas deslocações de seu pai, (Síria, Costa do Marfim) antes de se instalar em Marselha em 1949. Aos 16 anos ingressou na Escola de Belas Artes de Marselha para cursar a sua paixão, a pintura. Casada aos 19 anos, foi para Paris com o marido e envereda por uma carreira de modelo antes de começar a cantar em restaurantes. Engravida da sua única filha, Virginie, atualmente sua assistente pessoal. Regressa a Marselha onde frequenta aulas de canto no Conservatório de arte dramática e lírica, e percorre a região com um grupo através do qual tenta impor o seu estilo rock lírico. (…). Em 1973, edita o seu primeiro 45 rotações, «Si un jour», pela Mercury. (…). Em 1979, lança o primeiro álbum, «Atavisme», e foi ao programa de TV «Le Grand Échiquier». Em 1980, a fim de rodar o álbum efetua numerosos concertos, incluindo a festa do Humanité, a Primavera de Burges e o Forum des Halles, mas este álbum obterá somente um sucesso de estima (30 000 cópias vendidas no mês de publicação). Em 1981, lança o seu segundo álbum pela Mercury, «Informulé», com o teclista Andy Clark (Ashes to Ashes) e o guitarrista Henry Padovani (The Police, Electric Chairs). O álbum será suportado pelo magro sucesso do single «Schizophrenia», apesar de um baixo potencial comercial, que ela interpretará várias vezes na televisão.” [9]
There She Goes” (1988), p/ The La's. “A canção ganhou reputação de ser sobre o uso de heroína, provavelmente como resultado dos versos: «There she goes again... Racing through my brain... Pulsing through my vein... No one else can heal my pain». Algumas revistas publicaram artigos sobre os The La's e a sua aparente ode à heroína. Quando perguntaram em 1995 ao baixista do grupo, John Power, sobre o boato, ele respondeu: «Não sei. A verdade é que não quero saber. Drogas e loucura andam de mãos dadas. Pessoas que você conheceu toda a vida… estão bem, depois não estão. Mas você não pode refletir, porque isso mata-o, la». No entanto, no livro «In Search of The La's: A Secret Liverpool» (2003) de MW Macefield, o ex-guitarrista Paul Hemmings negou o rumor e acrescentou: «Jeremy Fisher, você não sabe do que fala». Numa entrevista para a revista francesa Les Inrockuptibles, Lee admitiu ter usado heroína em 1990. A canção, portanto, antecedeu a experiência. Numa entrevista à BBC, o guitarrista no single, John Byrne, também negou o boato, afirmando: «É apenas uma canção de amor sobre uma miúda de que você gosta, mas com a qual nunca meteu conversa».” [10] Our Saviour” (1989), Paradise Lost. “Como uma das primeiras bandas a começar a tocar a versão mais lenta e sombria do death metal, mais tarde rotulado como doom/death, com o álbum de estreia «Paradise Lost» estavam apenas a brincar (ou a aquecer) com esta música «estranha» e quase falharam-na ela naquela altura. Este álbum certamente ajudou a criar os fundamentos não só da sua música, mas também a base de fãs, e «Our Savior» descreve perfeitamente onde eles estavam musicalmente.” “Um dos pioneiros do doom/death ao lado dos Anathema e My Dying Bride [11]. Retiraram o nome do poema «Paradise Lost» do poeta inglês John Milton. Fundados em 26 de março de 1988. Escreveram a canção «Blood Filled Eyes», no primeiro ensaio, que nunca foi gravada.” «É durante os nossos momentos mais escuros que nos devemos concentrar para ver a luz», Aristóteles [o próprio ou o Onassis, provavelmente nenhum deles]. É raro que uma banda tenha um efeito tão duradouro na paisagem musical em que existe. Desde a sua formação em Halifax, West Yorkshire, os Paradise Lost floresceram em perpétua escuridão: um lugar onde os raios de luz raramente ameaçam quebrar as nuvens negras onde os pesadelos duram uma eternidade. Enquanto o rumo da sua evolução sonora gerou inúmeros discípulos da escuridão – pálida em comparação com os pioneiros originais do metal gótico. Seria justo dizer que sem os Paradise Lost, muitas das bandas atuais do doom-gloom nunca existiriam. O segundo álbum, «Gothic», ainda é considerado ponto zero do metal gótico. Com o quinto álbum, «Draconian Times», a disseminação mundial acenou-se-lhes, enquanto a banda continuava a traçar o seu próprio caminho e a explorar mais inspirações eletrónicas e sinfónicas, construindo, no processo, uma das bases de fãs mais fiéis que o mundo tem para oferecer e conquistando posições nas tabelas por toda a Europa.” [12]     
____________________
[1] Não os Gestores Portugueses, esses nunca desacertam. “A Universidade da Beira Interior (UBI) anunciou que vai conceder o grau Doutor Honoris Causa ao presidente executivo da PT, Zeinal Bava, que será a personalidade mais jovem a receber este título na instituição. De acordo com nota enviada à agência Lusa pela UBI, o empresário covilhanense Paulo de Oliveira e o antigo presidente do Conselho Geral da UBI Carlos Salema são as outras duas personalidades que vão receber o mesmo título. As propostas para a atribuição do referido grau a Zeinal Bava e a Paulo de Oliveira foram aprovadas no dia 10 de julho, em reunião do Senado da UBI, enquanto a proposta relativa ao professor e investigador Carlos Eduardo Salema já tinha sido aprovada pela reitoria anterior. A outorga dos títulos será agora efetuada na sessão de abertura do ano letivo 2014/2015, a realizar no mês de outubro.” Em Correio da Manhã, 14/07/2014.
[2] Portugal viveu com governantes republicanamente maus, como Passos Coelho e Maria Luís Albuquerque, a Rússia vive com modelos majestosamente talentosas. Heline, 1,72 m, 56 kg, 85-61-92, sapatos 39, nascida a 6 de junho de 1984 em Volzhsky, Rússia. “A virgem nesta viagem é Heline, a nossa maravilha de cabelo selvagem. Ela é verdadeiramente encantadora, não é? E os seus longos cabelos loiros e olhos belíssimos inesquecíveis fazem com que todos se sintam soltos e felizes quando olham para ela. Este anjo nasceu e está a viver agora numa pequena cidade perto de Volgograd, Volzhsky. Esta cidade tem apenas 50 anos, mas já se tornou afamada pelas mulheres bonitas. Há três agências de modelos lá. Heline vive com os pais numa pequena e linda casinha. Mas sempre teve o sonho de viver na grande cidade Volgograd, porque lá ela pode procurar mais oportunidades e aventuras. Ela sempre desejou ter um apartamento muito grande e moderno na baixa de Volgograd. Existe uma agência de modelos conhecida na sua pequena cidade e Heline é modelo profissional. Ela esta envolvida na agência de modelos há 12 anos, e gosta à beça do seu trabalho. Mas os seus pais sempre foram contra. O pai de Heline acha que a sua filha está perdida. Então, Valentina, que assiste Galitsin em encontrar novas modelos, conheceu-a numa audição. Ficou impressionada pelo longo cabelo de Heline. Tal como Grig. O talentoso fotógrafo pressentiu imediatamente a alma gentil e sensível de Heline e, como um verdadeiro mestre da sua arte, Galitsin foi capaz de reproduzir através de fotos, não apenas a extraordinária aparência dela, mas também o seu rico mundo interior e alma. Ela posa de forma tão natural e atraente em imagens em mutação. Heline parece diferente em cada foto. Heline diz que gosta muito de trabalhar com Galitsin. No princípio, ela estava nervosa, mas agora é como uma segunda natureza. Ela pensa: «Esquecemos mesmo que estamos nuas e apenas relaxamos e sentimo-nos livres e fantásticas. Essa é a minha experiência favorita disto». Infelizmente, Heline não tem um amorzinho atualmente. Ela costumava estar apaixonada por um gajo, mas ele não gostava dela. Heline ficou desapontada com ele. Ele era bissexual e gostava de se vestir como mulher. Adorava vestir meias, ligas e coisas assim. O coração de Heline foi partido, a pobre rapariga sentiu-se abandonada. Agora procura o verdadeiro amor, Heline está à espera de um homem de cabelo grisalho, gentil e sério com um carrão preto. Ela quer ir com ele para a praia longe do reboliço e barulho… Ela espera um dia encontrar tal pessoa e ela receberá todo o seu amor. Assim a modelo está repleta de amor. E isso ajuda-a a posar sensualmente. Uma vez, ela chegou mesmo a sugerir que Valentina e Grig fizessem amor a três. Mas Valentina e Galitsin recusaram.” Entrevista: P: “Quais pensas que são os teus melhores atributos?”, Heline: “O cabelo louro natural e as sobrancelhas pretas.” P: “Cor favorita?”, Heline: “Vermelho.” P: “Programas de TV favoritos, lista de nomes”, Heline: “My Family” P: “Livros favoritos, lista de títulos”, Heline: “Martin Eden, Jack London.” P: “Filmes favoritos, lista de títulos”, Heline: “Simone, Zorro.” P: “Revistas favoritas, lista de nomes”, Heline: “Liza, She.” P: “Música favorita, lista de títulos”, Heline: “Gosto de diferentes tipos de música, mas os meus favoritos são Fausto Papetti e Golden Accordion, eles libertam a minha alma na perfeição.” P: “Altura favorita do dia, porquê?”, Heline: “A noite, porque posso fazer sexo com o meu namorado ou algo mais interessante.” P: “Qual é a tua formação? Curso?”, Heline: “Apenas o liceu, não conseguir passar os exames de acesso à universidade e agora sou modelo.” P: “Falas outras línguas? Se assim for, diz-me algo nessa língua”, Heline: “Falo um pouco de uma língua russa antiga.”, P: “Lugar favorito para viajar, relaxar ou visitar”, Heline: “Gosto de viajar pela minha cidade à noite, há uns quantos lugares a visitar.” P: “Quais foram os locais que visitaste?”, Heline: “Não estive em nenhuma outra cidade, exceto Volgograd, mas gostaria de ir a algum lado, especialmente à Europa. Praga é a cidade do meu sonho” P: “Qual é o teu feriado preferido? (Natal, dia dos namorados, dia de ação de graças, etc.)”, Heline: “Aniversário, ano novo.” P: “Comida favorita, lanches, doces”, Heline: “Morangos com chantilly.” P: “Qual é o teu carro de sonho?”, Heline: “Alfa Romeo 166.” P: “Qual é o teu emprego de sonho?”, Heline: “Bailarina, gostaria de dançar striptease espantoso e surpreendente.” P: “Descreve o teu lugar favorito para fazer compras”, Heline: “Radezh e Man.” P: “Assistes a desporto, se sim, quais são as tuas equipas favoritas?”, Heline: “Não, infelizmente não tenho tempo” P: “Quais são os teus passatempos?”, Heline: “Gosto de dançar e passear à noite.” P: “Preferência de bebidas, alcoólicas e não alcoólicas”, Heline: “Adoro sumo de morango, vinho chinês e Bacardi.” P: “Ocupação?”, Heline: “Modelo.” P: “Tens algum animal de estimação?”, Heline: “Não.” P: “Estado civil?”, Heline: “Solteira.” P: “O meu pior hábito é…”, Heline: “Chegar atrasada.” P: “A única coisa que não suporto é…”, Heline: “Pessoas que não conseguem alcançar o seu objetivo, isto é, que não fazem nada por ele, ou que não têm objetivo na vida.” P: “Que animal melhor descreve a tua personalidade e porquê?”, Heline: “Um poodle branco e simpático, sou muito leal.” P: “As pessoas que me conheceram no liceu pensavam que eu era…”, Heline: “Extrovertida, energética e cheia de sonhos.” P: “Como é que descontrais ou passas o teu tempo livre?”, Heline: “P: “Passo todo o meu tempo livre com o meu namorado.” P: “Qual foi o momento mais feliz da tua vida?”, Heline: “Quando alcancei o meu primeiro orgasmo.” P: “Quais são as tuas esperanças e sonhos”, Heline: “Quero ser muito famosa, rica e independente.” P: “O melhor conselho que já me deram foi…”, Heline: “Nunca digas nunca.” P: “O pior conselho que me deram…”, Heline: “Quando fui aconselhada a mentir.” P: “Que tipo de cuecas usas, se algumas”, Heline: “Não gosto de usar cuecas, mas quando é impossível andar sem elas, tento usar as mais confortáveis.” P: “O tamanho importa? Qual é a tua medida ideal?”, Heline: “Sim. O maior deles.” P: “Descreve a tua primeira vez (pormenores, local, pensamentos, satisfação, etc.)”, Heline: “Foi no chalé de verão do meu namorado, ele tentou ser atencioso e fê-lo muito devagar. Portanto, levamos apenas um pouco de comida connosco, uma garrafa de vinho tinto… fizemo-lo durante dois dias e quando regressamos a casa ele não conseguia andar, não tinha forças, mas foi maravilhoso.” P: “O que te excita?”, Heline: “Mergulhar, esquiar, qualquer coisa radical.” P: “O que te desliga?”, Heline: “Pessoas enfadonhas que se sentam à frente da televisão.” P: “O que te faz sentir mais desejada?”, Heline: “Franqueza” P: “Melhor maneira de te dar um orgasmo”, Heline: “Beijos pelo corpo todo, serem muito carinhosos comigo.” P: “Qual foi o teu melhor ou mais prazeroso orgasmo?”, Heline: “Foi há algumas semanas, fizemos sexo três juntos (eu e dois rapazes).” P: “Masturbas-te? Com que frequência? (dedo, brinquedos ou ambos)”, Heline : “Às vezes.” P: “Qual foi o teu primeiro fetiche, se algum?”, Heline: “Com a camisa do meu namorado.” P: “Qual é o lugar mais exótico ou invulgar em que fizeste sexo? Ou onde gostarias que fosse?”, Heline: “Numa varanda com vista para o rio Volga.” P: “Posição sexual favorita, porquê?”, Heline: “Não importa, o principal é sentir-se confortável.” P: “Descreve um dia típico da tua vida”, Heline: “Levanto-me ao meio dia, tomo um duche e depois o pequeno-almoço. Normalmente, como um ovo ou papas de aveia. Então vou para a agência de modelos. Depois costumo visitar os meus pais ou descanso com o meu namorado.” P: “Tens alguma curiosidade sexual que gostasses de explorar ou tivesses explorado? Por favor, descreve com pormenores (rapariga / rapariga, voyeurismo, etc.)”, Heline: “Narcisismo, adoro olhar para as minhas fotos, olhar-me no espelho, às vezes não consigo parar de me admirar.” P: “Descreve em detalhe a tua fantasia sexual favorita”, Heline: “Sonho tomar um banho com bastantes rapazes bonitos.” P: “Conta-nos a tua ideia de um encontro de fantasia”, Heline: “Ir a um bonito baile com o meu amado, vestida com roupas antigas.” P: “Se pudesses ser fotografada de qualquer forma, em qualquer cenário, qual escolhias? O que te faria sentir mais desejada, mais sensual?), Heline: “Gostaria de ser fotografada nos trópicos quentes, junto de uma palmeira.” Site: {The Nude}. Obra fotográfica: {“Four Girls”, uma produção com a talentosa Lina, a irmã mais nova desta, a versátil Maya, e a inteligentíssima Kiska} {fotos1} {fotos2} {fotos3} {fotos4}.
[3] Este tipo de loucura está diagnosticado na Ciência Económica. Os economistas, por viverem sob a umbrela do Estado, como professores – uma profissão improdutiva que, mesmo no ensino privado, depende das bolsas de estudo dadas pelo… Estado – habita-lhes uma folie pelo encaminhamento das economias. João César das Neves: “A austeridade vai sair-nos barato para os disparates que fizemos.”
[4] Uma aposta ganha, na qual nunca perdemos dinheiro, é o maior político português de toda a História. “Nós em ti acreditamos / És herdeiro desta cidade / E assim em Gaia ganhamos / Um presidente de verdade / A obra vai continuar / Nesta terra com história / Juntos vamos caminhar / Com rumo à vitória // Carlos Abreu Amorim não para / E Gaia não pode parar / Somos Gaia na frente / Em ti vamos votar.” “Hino Gaia não pode parar”. E CAA tem qualidade rara: é o fiel amigo. Declarava ele sobre o andaço das licenciaturas falsas que assolou os trabalhadores da política: “Relvas não alegou ter uma licenciatura sem ter obtido o título universitário. Fê-lo de acordo com as regras que a própria universidade aplicou e declarou-se licenciado com um diploma na mão.”
[5] Canções que nunca se desviam da verdade convencional canta-as o Leiras, de Soajo, vila de Viana do Castelo: “A sua querida terra”.
[6] Banda parca de informação talvez afogada no álcool existencial. Em Portugal, o etanol faroliza a mente brilhando-a. Vasco Pulido Valente: “Ressuscitar o ministério da Cultura, como quer António Costa, seria ressuscitar o favoritismo e a arbitrariedade em que essa instituição sempre viveu.” Em jornal Público, 19/07/2014.
[7] “A música no wave apresentava uma visão do mundo negativa e niilista que refletia a desolação da baixa de Nova Iorque nos finais dos anos 70 e como eles percebiam a sociedade no seu todo. Lydia Lunch observou: «O caralho do país todo era niilista. De onde é que tínhamos saído? Da mentira do verão do amor para Charles Manson e a guerra do Vietname. Onde está o otimismo?» A expressão “no wave” provavelmente foi inspirada no pioneiro da nouvelle vague, Claude Chabrol, no seu reparo: «Não há ondas, novas ou velhas, há somente o oceano».”
[8] As propriedades ofídias da mulher estão documentadas desde a Bíblia. As suas lágrimas, que enternecem e transmudam o homem, são, no entanto, o líquido terrestre que mais rapidamente seca. “Flamineo: Oh, sim, sim; / Tinham as mulheres rios navegáveis nos seus olhos; / Elas despenderiam todos eles. Certamente, pergunto-me / Por que devemos desejar mais rios na cidade, / Quando vendem água tão barata. Dir-te-ei / Estas são apenas nuances mouriscas de pesares ou medos; / Nada seca mais rápido do que lágrimas de mulher. / Ora, aqui está um fim de toda a minha safra; ele não me deu nada. / Promessas durante a corte! Deixem os sábios contá-las amaldiçoadas; Pois enquanto você viver, aquele que mais conquista, pior paga.” Em “The White Devil”, John Webster (1580 - 1634).
[9] Sucesso efémero terá também a peça “Titus Andronicus” de William Shakespeare. “A peça situa-se nos últimos dias do Império Romano e conta a história ficcionada de Titus, um general do exército que está envolvido num ciclo de vingança com Tamora, rainha dos godos. É a obra mais sangrenta e violenta de Shakespeare e, tradicionalmente, foi uma das suas peças menos respeitadas; embora fosse bastante popular na época, no final do século XVII tinha caído em desgraça. Na era vitoriana foi rejeitada principalmente por causa do que foi considerado um uso de mau gosto de violência explícita, mas por volta de meados do século XX a sua reputação começou a melhorar.” “No ato final de vingança de Titus contra Tamora, rainha dos godos, ele mata-lhe os filhos, Chiron e Demetrius, e usa o sangue e ossos deles como ingredientes principais de uma tarte. «Deixai-me ir moer os seus ossos em pó fino, / E com este odioso licor temperá-los, / E nessa pasta deixar as suas vis cabeças assar» (5.3.197-199). Titus serve esta tarte a Tamora antes de a matar.”
“Lucius: Enterrai-o até ao peito na terra, e matai-o à fome; / Ali deixai-o ficar e delirar e suplicar por comida; / Se alguém o aliviar ou se apiedar dele, / Pela ofensa, morre. Esta é a nossa sentença: / Alguns ficam para vigiá-lo preso ao chão.” Em “Titus Andronicus”, William Shakespeare. 
[10] Ao playboy português Pinto da Costa nunca lhe faltou lábia para acamar mulheres. – Na apresentação do livro “31 anos de presidência, 31 decisões”: “Esclareceu ainda que as decisões mais difíceis foram a primeira - candidatar-se à presidência - e a última - ser operado ao coração. Chegou a pensar em sair do hospital, mas a mulher desencorajou-o: «Tive a sensação que ia marar». Mas acabou por ser operado. «Passadas umas horas ouvi apitos e vi luzes e pensei que estava vivo, porque não me constava que houvesse apitadelas no outro mundo». Ao acordar ironizou: «Perguntei à minha mulher quem era o antigo presidente da Câmara, ela respondeu Fernando Gomes. E eu disse-lhe, então tu és a Fernanda».” Em Jornal de Notícias, 09/12/2013.
[11] Amor moderno. “O martírio de ‘Maria’ começou em 2011, logo que passou a viver com ‘Miguel’, com insultos e agressões violentas. Nem na prisão o homem deixou a vítima em paz: ligava-lhe com ameaças de morte. De novo solto, voltaram os espancamentos e as humilhações: obrigava a vítima a fazer sexo e filmava, sujeitando-a a sevícias. Logo na primeira fase do casamento, ‘Maria’ foi insultada e agredida «com grande violência», proibida de sair de casa e de contactar com outras pessoas. O agressor controlou-a sistematicamente com telefonemas e obrigou-a a revelar as senhas do telemóvel, email e redes sociais, para melhor a vigiar. Chegou a atirar a vítima por umas escadas e maltratou a mãe desta. ‘Miguel’ esteve preso por condução sem carta, mas nem aí o drama de ‘Maria’ diminuiu. Foram várias as ameaças por telefone. Libertado, voltou mais violento: aterrorizou-a com ameaças de morte, espancou-a e sujeitou-a a sevícias e filmagens em práticas sexuais. Vai responder ainda pela posse de duas armas ilegais, com que ameaçava a vítima.” Em Correio da Manhã, 26/07/2014.
[12] Portugal, país exportador, de tomates? Cereja? Castanhas? Empregadas de quarto de hotel? Não! A maior exportação portuguesa é Ronaldos. “O embaixador da União Europeia nos Estados Unidos, João Vale de Almeida, não poupa elogios ao presidente da Comissão Europeia [16/09/2013]. Em entrevista ao i, o antigo chefe de gabinete de Durão Barroso apelida-o mesmo de «Ronaldo da política internacional». (…). «O presidente Barroso é neste momento o decano do G8, fundador do G20 e está há nove anos na presidência da Comissão e há 11 anos seguidos no Conselho Europeu», sublinha ainda, acrescentando que «é sem dúvida um trunfo de Portugal na cena mundial». Mas os elogios não se ficam por aqui, na opinião do embaixador, Barroso é a pessoa certa para o lugar certo. O presidente da Comissão «tem uma enorme capacidade intelectual e uma enorme capacidade física, fundamental para uma função deste género. E uma grande política e cultura em geral, largamente acima da média da classe política nacional, europeia, mundial», defende o embaixador, e acrescenta: «Para além de um grande sentido tático e estratégico».”

1109 Comments:

  • At 4:43 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    30.º post de 1984, mês de dezembro. (O título é de Natália Correia). Antes uma introdução sobre a proverbial fidelidade da mulher portuguesa, que permite ao homem afirmar como um Descartes: o meu filho / a minha filha, serve de mote para as aventuras de Alexandre Homem Cristo nas Picoas.

    Muito sucedeu nesse me: Portugal tentava entrar na CEE, mas os gregos torciam o nariz; a CGTP publica estudo sobre a inflação dos bens essenciais desde que Soares / Mota Pinto assumiram o poder e concluiu que foi de 67 %; “Hamlet” e “Romeu e Julieta” são censurados nos EUA por serem too hot, como por cá Fernando Pessoa.

    O papo-seco, o saudoso papo-seco, sobe para 4$00; as previsões de Zandinga para 1985. Zandinga tem um currículo invejável, é o português com mais cursos.

    Morre o ministro da Defesa soviético; Natália Correia participa num debate onde afirma que Portugal corre o risco de se tornar o bordel dos vícios europeus; Nabeiro é condenado por falcatruas na importação de café, e lixou-se o despachante; o restaurante Tavares faz 200 anos; atentado num comboio em Itália; e atentado no Irão.

    Nos filmes: o “Une femme est une femme” serve apenas de pretexto para considerações feministas, pois o filme foi estreado na década de 70; estreou-se o filme “Porcos com asas”; o “Freedom Road” serve apenas de desculpa para uns toques da relação Kris Kristofferson / Rita Coolidge.

    A TV transmite o célebre “Abbacadabra”, sobre a música dos ABBA, com o vocalista dos UHF como príncipe.

    Inclui uma lista dos filmes estrangeiros rodados em Portugal (ou com partes rodadas em Portugal).

     
  • At 4:45 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Espero que o post não tenha muitos erros, é impossível relê-lo todo, tenho de confiar em Nossa Senhora, ela não permitirá boas ideias contaminadas por javardice.

    Ficámos a saber que o número mágico dos comments é 5000.

     
  • At 5:41 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    O Arredes Sociais é muito mariquinhas, não se pode dizer piadas, que afina logo. Por isso nunca digo piadas, sou sempre científico: se a Amazónia arder ficaremos a saber se é de facto o pulmão do mundo ou se o mundo passa muito bem sem ela.

    Ó, a mãe deve ter ficado preocupadíssima, a filha poderia ter sido presa, e o sr. guarda esquecera-se das algemas.

    0 visualizações deve ter sido avaria no conta-visualizações, eu costumo ver e até costumo ouvir alguns os discos em jukebox.

    Durante a Segunda Guerra o jazz era um instrumento de propaganda americana (assumido).

    Coitada da Georgina Ronaldo tão preocupada com a Amazónia, pode causar-lhe rugas.

    Sondra.

    A Jamaica fez-lhe mal.

    Telemóvel.

     
  • At 8:05 da tarde, Blogger D.A. said…

    Afinal não precisava de ter posto aquele comentário no Twitter, não sabia que já havia novo post, só trabalhas depois dos 5000, enfim, chegamos à causa primeira não causada.

    Ontem pus-me a ver o filme "Nude For Satan", já tinha visto uns bocados, desta vez cheguei ao fim, mas o filme não tinha as cenas hardcore, fui pesquisar e encontrei. Nos relateds descobri uma cena interessante, um filme:

    https://www.spielfilm.de/trailer/18492/der-geschmack-von-leben#34420

    Este, que te deixei o imdb no Twitter.

    Uma entrevista com ela:

    https://www.youtube.com/watch?v=_Pj5NzFAazY

    É o numero 4 e aparece ao minuto 17:47 -

    https://fullxcinema.com/top-25-celebrity-blowjob-scenes-from-mainstream-movies/

    Porque me parece isto interessante? O tema é o do vídeo-blogging. Imagine-se todo o nosso jet-set instangramer, a Júlia Palha, a Carolina Deslandes, o Claúdio Ramos, a fazerem filinha para mamarem naquele mega-mangalho, ali ao ar livre, na natureza, como o Lenz, enfim, a pura poesia.

    E por conseguinte, que dizer do jet-set das artes e letras!

     
  • At 9:16 da tarde, Blogger D.A. said…

    https://fullxcinema.com/annj-goren-nude-and-hardcore-sex-in-dolce-calda-lisa-1980/

    Aos 15:30 uma bela demonstração da arte de filmar o "fellatio". Utilizo este termo que cai nas boas graças dos poetas e dos críticos de arte, mas cuja designação técnica mais exacta é "broche".

    Aquele gajo, o Lars Von Trier é um ressaibiado do caraças, é um religioso do norte, faz filmes com meteoritos a cair na terra, mostra a frieza do sexo, etc. Então o sexo não é um caldo caloroso e a Terra um lugar de vida?

     
  • At 9:22 da tarde, Blogger D.A. said…

    Eu acho isto tudo bom, sémen a escorrer de rolos de carne para bocas vermelhas, preferia não existir, é verdade, mas só porque se não existisse não sabia que a gata tinha morrido.

    Ontem ao passar na caixa da Ninfa peguei no separador ao mesmo tempo que ela, e eu em vez de o largar fui até ao fim, quando olhei estava ela a rir-se para mim.

     
  • At 9:39 da tarde, Blogger D.A. said…

    Na arte de filmar o "fellatio" há uma condição sine qua non: ambos devem estar vestidos e é fundamental o grande plano. Respingos na roupa os nos cabelos contribuem para o mise-en-scène. Ainda sou da old school e acho que a banda sonora deve acompanhar o lirismo do acto, em vez de fazer contraponto. Assim, música romântica melosa para cordas ou piano ou jazz de Jonnhy Hodges.

     
  • At 9:53 da tarde, Blogger D.A. said…

    Tanta treta conceptual! Não era mais simples se ela dissesse: "você já viu duas fufas a lickarem pussy? Não é bom aquilo não?".


    https://www.msn.com/pt-pt/entretenimento/sic-passadeira-vermelha/carolina-deslandes-assume-bissexualidade-isto-é-que-é-uma-mensagem-importante-o-resto-é-folclore/vi-AAGe2SZ?ocid=spartanntp

     
  • At 9:58 da tarde, Blogger D.A. said…

    A generosidade da peida a contrastar com a cinturinha estreita:

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187192881575

     
  • At 9:59 da tarde, Blogger D.A. said…

    Esse Tumblr é muito bom, ele está sempre a pôr raparigas, vê o arquivo.

     
  • At 10:05 da tarde, Blogger D.A. said…

    Esta Greta não é tão famosa como a outra:

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187163983000/behinds57-greta-andersen

     
  • At 11:48 da tarde, Blogger D.A. said…

    Foi um vampiro:

    https://lesbianhorse.tumblr.com/post/183522703947

     
  • At 2:26 da manhã, Blogger D.A. said…

    A sétima arte:

    https://www.xvideos.com/video10759634/malabimba_1979_subtitulada_castellano_sexploitation_italiana_sub_subtitulos

    https://www.xvideos.com/video37414343/les_bas_de_soie_noire

    https://www.xvideos.com/video45482425/les_soirees_d_une_epouse_pervertie_1981_

    https://www.xvideos.com/video45953125/couples_voyeurs_and_fesseurs

     
  • At 10:35 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Então o José Cid ganhou o Grammy xicano? Tanta banana comeu o macaco que saiu por algum lado.

    Ufa, houve tanta atriz a suckar cock? Por cá nenhuma suckou, nem na tela nem na casa de banho do Gambrynus ou na pizaria da esquina. As nossas mulheres não são born to suck. Ninguém imaginaria a Eunice Muñoz com uma mangueira de 30 cm na boca e depois chegar a casa e beijar os netinhos, ou Rita Pereira sequiosa lambendo pau ou Alexandra Lencastre desesperada. E se fosse num filme do Manoel de Oliveira o broche nunca terminaria, seria um never ending broche, com música do Pedro Abrunhosa em vez do Limahl.

    De facto, faltou ao nosso jet set das letras, se Pulido Valente suckasse mais cock não seria alcoólico ou o Mexia teria cabelo.

    Se sexo fosse um caldo caloroso, ser-lhe-ia assacado o incêndio da Amazónia e não aos landlords que querem plantar soja para lhe tirar o leite, (suponho, nao sei como se ordenha a soja para tirar o leite).

    Agora com a campanha eleitoral aumentam as possibilidades de me cruzar com uma certa alvitense, o problema é que não penso ir a Lisboa antes das eleições, só depois, em novembro, ao hospital. Não terei uma preciosa selfie para publicar, em vez disso, tirei umas fotos da TV, vou meter algumas no Twitter, inocentes, sem insinuações a broches.

    Caralho, Carolina Deslandes assume bissexualidade? Que mulher tão bonita e interessante, ahahahahah, é uma contradição entre termos.

    Esse cu com cintura é de Camila Cerchiari no “Mesa para dois”.

    Making off.

     
  • At 10:48 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Mario Salieri, Uma Best em “Dossier prostituzione”.

    Havia uma Greta que era uma busty legend.

    Não me admirava nada que fosse verdade, o FBI faria tudo para proteger o JFK.

    São filmes dos oitentas, mas é impossível saber se foram estreados em Portugal. No último, “Couples Voyeurs & Fesseurs”, há uma atriz chamada Daniele Deslandes, não será coincidência, deve ser a mãe da nossa artista que quer amar pessoas.

    Jazz music.

     
  • At 5:12 da tarde, Blogger D.A. said…

    ahahah, parece a Ninfa, a sério:

    https://gene-eliza-tierney.tumblr.com/post/84861796355

    Fogo, esta rapariga parece eu:

    https://thedevilisagentleman.tumblr.com/

     
  • At 5:31 da tarde, Blogger D.A. said…

    Big in Japan:

    https://uhuuhuhurry.blogspot.com/2019/08/vanishing-point.html

     
  • At 8:21 da tarde, Blogger D.A. said…

    Esta produtora, Alpha France, estive a ver, tem bons filmes.

    https://www.xvideos.com/video35049991/ma_mere_me_prostitue_1982_

    A cena que começa aos 4:50 é paradigmaticamente intelectual, é a quintessência da intelectualidade, tem algo de pulp também.

     
  • At 8:36 da tarde, Blogger D.A. said…

    Estou a viver as emoções do clássico na TSF, apesar de estar farto de emoções e de clássicos. Ainda assim, gostava que este resultado Benfica 0, Porto 1 se mantivesse até ao fim, apenas como algo estável no fluxo ontológico.

     
  • At 9:24 da tarde, Blogger D.A. said…

    É tudo um absurdo, tinho posto isto ainda estava 0:1 -

    https://uhuuhuhurry.blogspot.com/2019/08/ashley-graham-for-v-magazine-mario.html

    E agora parece uma mensagem subliminar para os amigos benfiquistas, quando não houve qualquer intenção.

     
  • At 9:36 da tarde, Blogger D.A. said…

    Não penses que estou contente:

    https://www.youtube.com/watch?v=Wjbjfm6ui3c

     
  • At 10:15 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Possivelmente é mesmo a Ninfa, Gene Tierney pode ter cometido Akushala Karma, como por exemplo sexual misconduct, na vida predecessora e renasceu sob forma de caixa de supermercado.

    Sim, o lay down and wait until you die é atitude bastante feminina, e eu sou daqueles defensores dos direitos da mulheres, não se lhes deve dar chapadas e tudo isso… elas terão razão, já dizia Aristóteles na Ética a Nicómaco: “Uma andorinha não faz o verão, nem um belo dia; da mesma forma, um dia ou um breve período de felicidade não torna a pessoa inteiramente feliz.”

    Verão.

    “Vanishing Point” é um dos melhores filmes de sempre, lembra-nos que o inimigo é mais poderoso e vencerá sempre.

    Quando vives as emoções tens de ter mais fé na consecução.

    Mais uma vez a Verdade Desportiva foi corrompida.

    Que se há de fazer? Pintinho é um catalisador, bastou ir ao balneário gratificar oralmente os jogadores e a equipa começou a jogar como se fosse alemã, da bundasliga, e consta que ele também almoçou com eles.

     
  • At 10:30 da manhã, Blogger D.A. said…

    Ele continua vivo:

    https://www.cm-tv.pt/programas/entretenimento/o-casamento-do-toy/detalhe/noiva-de-toy-faz-reducao-mamaria-e-lipoescultura-antes-do-casamento/?utm_source=Engageya&utm_medium=Referral&utm_term=CPC&utm_content=168242&utm_campaign=CDP

     
  • At 10:35 da manhã, Blogger D.A. said…

    ahahahahaha! Papas Pipi in Mamis Popo!

     
  • At 12:16 da tarde, Blogger D.A. said…

    Fogo. Ainda bem que me libertei do cristianismo e do budismo. É uma sensação de liberdade incrível. Acho que são venenos que se deve experimentar, mas para os superar. Assim, estou fora da árvore da vida bíblica e mesmo do "nothing" budista. Só acredito em mim (e na Yoko), mesmo que me arrisque a levar um tiro.

     
  • At 9:01 da tarde, Blogger D.A. said…

    Publicidade como deve ser:

    https://www.youtube.com/watch?v=f07XP2ukllE

     
  • At 1:02 da manhã, Blogger D.A. said…

    Pá, o real self cósmico não é Jesus, não é o Braman, não é o Elvis, não é a Marilyn, é... o Hank Williams!

     
  • At 1:04 da manhã, Blogger D.A. said…

    E muito menos o Lennon claro.

     
  • At 1:32 da manhã, Blogger D.A. said…

    Um daddy, naturalmente, preocupa-se com a "espiritualidade" da filha:

    https://www.msn.com/pt-pt/entretenimento/famosos/filha-mais-velha-de-pedro-lima-completou-15-anos-a-mais-linda-do-mundo/ar-AAGjcOR?ocid=spartanntp

     
  • At 1:53 da manhã, Blogger D.A. said…

    Porra, hoje à noite já estava a morrer e o Hank salvou-me:

    https://www.youtube.com/watch?v=fPnWl0F2340

    Porque raio não tenho eu uma pilha de cd's do Hank? Tenho de resolver isso.

     
  • At 2:58 da manhã, Blogger D.A. said…

    Realmente, isto já explodiu tudo, como naquele primeiro filme do Carpenter, resta olhar para Júpiter ao som do Hank.

     
  • At 9:12 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Então o Toy não faz operação de redução pançal e as feministas não lhe caem em cima? Por uma questão de igualdade de género era o mínimo que ele devia fazer para corresponder ao gesto de amor da sua amada. Quando aparecem boas causas ninguém as quer agarrar, o fufedo deve estar a dormir.

    Não relacionado. Quero sinalizar que o último tweet não tem leitura alegórica. Que uma stray pussy seria uma gaja que descarrilhou, que não gosta de piças, e que uma taça de Whiskas seria uma crica que faria salivar. Nada disso. O sentido é literal: uma fofinha gatinha que vê uma taça de Whiskas. Toda a gente gosta de gatinhos(as).

    Desde que fintes as akusalas ficas ok.
    There do exist five akusalas (pancanantariyakan) that do prevent one from realising nibbana in this present life:
    1. matu yataka
    Killing ones mother
    2. phitu yataka
    Killing ones father
    3. arahanta yataka
    Killing an arahanta
    4. lohituppa taka
    To inflict an haematoma to a Buddha (it is impossible to kill a Buddha)
    5. sangha bhedaka
    To create a schism or a conflict within the sangha.

    E em Portugal se poderia acrescentar uma sexta:
    6. Yataka zé
    Não ouvir a obra de José Cid uma vez por mês.

    Fogo, carros antibombista! Mas não se deve explorar as mulheres nos anúncios, a mulher deve exibir a sua inteligência, para ser gostada pela Carolina Deslandes, não o corpo.

     
  • At 9:14 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Houve uma altura em que andava numa de Hank Williams, não me lembro porquê, talvez por causa do rockabilly, procurei discos dele, mas só encontrei um do filho, que comprei. Foi no tempo do vinil.

    Emma já está quase na idade da fornicação, Deus oriente as suas pudendas partes para o Bem.

    Eheheh, o Mel Monteiro já não corre o risco de ficar nu na praia com a namorada.

    No tempo dos cabelos compridos e das raparigas em êxtase.

    Bom, as coisas não mudaram nada, só que agora é pelo Post Malone.

     
  • At 8:59 da tarde, Blogger D.A. said…

    Este Tumblr também é fixe, tem foco em raparigas:

    https://gameraboy1.tumblr.com/post/187266081499/gameraboy1-helle-by-weegee

    "o último tweet não tem leitura alegórica"

    Será uma reacção dela às declarações da Carolina Deslandes?

     
  • At 9:48 da tarde, Blogger D.A. said…

    Ficas já com o próximo jukebox:

    https://www.youtube.com/watch?v=gF8igra2dS4

     
  • At 9:51 da tarde, Blogger D.A. said…

    7. Tomihi Nakata

    Seeing to much boobies

     
  • At 9:55 da tarde, Blogger D.A. said…

    Esta versão é boa:

    https://www.youtube.com/watch?v=kA8pJJNvsV8

     
  • At 10:02 da tarde, Blogger D.A. said…

    "Sounds like i know who Miley Cyrus got her style and voice from"

    https://www.youtube.com/watch?v=24TLtiK7LiQ

     
  • At 2:22 da manhã, Blogger D.A. said…

    Estão duas tipas novinhas na caixa, ambas girinhas, já é a segunda vez que passo pela de hoje, parece a Lana Del Rey em versão bonita, a outra é loirinha e tem aparelho nos dentes. Passei como sempre com comida de gato, e ela sorria muito para mim, olhava e sorria, e ela não estava a sorrir antes. Esta repetição do "ela" revela descuido na escrita. Na altura de me perguntar pelo cartão de cliente e número de contribuinte diz ela (outra vez): "nada?". Ora, no outro dia, quando peguei no separador ao mesmo tempo que a Ninfa ela (raios) depois sentiu-se mais à vontade e também disse: "nada?", o que até não é bom para mim porque enquanto ela (fogo) pergunta pelo cartão e número de contribuinte olha-me nos olhos e é a minha única oportunidade cecil b de milliana. Ora, ando lá há anos e nenhuma delas (ufa)disse "nada?"!

     
  • At 2:57 da manhã, Blogger D.A. said…

    Foi aqui que o baterista perdeu o braço:

    https://en.wikipedia.org/wiki/The_Lost_Session

     
  • At 3:02 da manhã, Blogger D.A. said…

    Dicas para os teus treinos, mens sana in corpore sano, há que evitar o desgaste intelectual:

    https://www.xvideos.com/video5787095/let_s_get_physical_1984

     
  • At 3:20 da manhã, Blogger D.A. said…

    Nunca vi, parece ter material reflexivo, como a disjunção visage/conne:

    https://www.xvideos.com/video22373617/romance_1999_de_catherine_breillat_caroline_ducey_francois_berleand_sagamore_st_and_e

     
  • At 3:41 da manhã, Blogger D.A. said…

    Não sei o que se passa no beijo da mulher do Trump a um francês. Parece-me mais revelador do estado actual da intelectualidade, reduzida a uma triste "Passadeira Vermelha", com conteúdo supostamente mais noético.

     
  • At 3:48 da manhã, Blogger D.A. said…

    Jogar no terreno das aparências, ilusões, é tudo um jogo sem sentido algum a não ser o da sobrevivência de quem o joga, o nada enfim, mas um nada que produz efeitos, visível, ainda que num barranco de cegos.

     
  • At 3:50 da manhã, Blogger D.A. said…

    E é bom que seja assim, não há nenhuma verdade original, só os torcionários se amarram a ela.

     
  • At 3:52 da manhã, Blogger D.A. said…

    É como o Jazz!

     
  • At 3:56 da manhã, Blogger D.A. said…

    E saber que o dia de amanhã, por mais colorido, já vem com teias de aranha, já é irremediavelmente passado, pasto para a urze, memória longínqua?

     
  • At 4:07 da manhã, Blogger D.A. said…

    A resposta a essa pergunta retórica está aqui:

    https://gameraboy1.tumblr.com/post/187294886093/gameraboy1-julie-newmar-in-the-monkees-1966

     
  • At 4:19 da manhã, Blogger D.A. said…

    Este disco de jazz é curioso porque é de um Sir:

    https://www.youtube.com/watch?v=YABqajnVtkE

    Deve ser o disco de jazz preferido do José Carlos Espada.

    Tem no início o sax tenor aveludado de Coleman Hawkins, que evoca mulheres em nylons e cetins.

     
  • At 4:21 da manhã, Blogger D.A. said…

    É uma pena não existir o Sir em Portugal, devia ser tão bom dizer Sir Pedro Mexia ou assim.

     
  • At 4:22 da manhã, Blogger D.A. said…

    Sir Marques Mendes.

     
  • At 4:23 da manhã, Blogger D.A. said…

    Como os portugueses abusam depois qualquer um era Sir, até o Tim dos Xutos, Sir Tim.

     
  • At 4:31 da manhã, Blogger D.A. said…

    Sir Vasco Pulido Valente seria bom:

    - O Sir Vasco passa bem?

     
  • At 4:35 da manhã, Blogger D.A. said…

    E claro que Sir João Carlos Espada nem no céu.

     
  • At 4:37 da manhã, Blogger D.A. said…

    Aposto que os sonhos do Espada são catitas, deve sonhar que pega às escondidas na caixa de charutos do Churchill e fuma um, depois vem o Churchill e ralha-lhe e o Espada acorda desolado: "raios, estava a ser tão bom".

     
  • At 9:24 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Não podemos dar muita atenção às raparigas, elas não podem evitá-lo.

    Aquela foto do tweet de uma certa alvitense é de um debate com a filha fufa (?) de Helena Roseta, logo, deve estar cheio de sinais secretos, como na carbonária, que as tríbades usam para comunicar entre si.

    Não consigo atinar com os acentos no telemóvel, eles estão lá, nas teclas, agora como ativá-los é outra conversa, terei de tirar umas horas de teclanço para ver se alcanço boa grafia.

    Espera sentado.

    Os animais.

    As boas entrevistas, Costa, Rio, Cristas, Santana… fariam bem em ver como devem falar numa entrevista, para que o povo entenda a sua importante mensagem.

    Eh, eh, tem semelhanças a Miley tem.

    “Train To Satanville” parece ser comboio para a terra de Santana onde vivem felizes as santanettes.

    "Nada?", mas essas gajas andam a ler Sartre ou quê?

    E tenho de me despachar para começar os exercícios ginasticais, já se faz tarde.

    Vi um filme da Catherine Breillat na TV, mas não me lembro qual.

     
  • At 9:51 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    A mulher do Trump anda a beijar franceses? Não vi nada. Vi que a parte mais importante da cimeira G7 foi um passeio que as dondocas, as bonecas insufláveis dos líderes mundiais, fizeram por Biarritz. Viram folclore, comeram regional. Melania Trump este no mês anterior na zona para se familiarizar com os hábitos dos indígenas. Também reparei nos beijos do Trump à Merkel ou à mulher do Macron, parecia querer continuidade na alcova para mais filosofia.

    Muitos quiseram comer a Julie Newmar. Espero que tenham conseguido. Deus é cruel com as gajas boas, torna-as na res extensa, realidade objetiva.

    Mas é um falso sir. O que eu gostava deste disco de jazz, ouvi-o um milhão de vezes, ainda ontem ouvi-o.

    Fogo, assim as empresas deixarão de vender mercadoria, qualquer mercadoria.

    Não temos o sir mas temos o comendador. Bom, é um título que dão e depois querem tirar, como ao Berardo.

    João Carlos Espadarte ainda está vivo? Nunca mais ouvi falar dele.

    Esta podia ser a tua vida feliz (como um Toy) para todo o sempre.

     
  • At 5:46 da tarde, Blogger D.A. said…

    Ainda isso do Trump. Controlar os movimentos da esposa é um impulso transideológico, que parece reunir a extrema-direita e a extrema-esquerda. O gesto do Trump é muito americano, para o melhor e para o pior: viva a liberdade! (mas com armas).

     
  • At 7:37 da tarde, Blogger D.A. said…

    Vi hoje uma rapariga no quiosque. Camisa branca a revelar o soutien, calças de ganga semi-justas, adidas brancas, cabelo puxado em rabo de cavalo. Tudo nela era normal e tudo absolutamente original. Algo muito prazeroso irradiava dela, algo intelectual, ainda antes de ser sensível.

    Depois vi a Ninfa a passar na caixa com um bébé ao colo, não sei se dela ou de um casal à frente. Não a imagino a ter um bébé, ela parece-me mais o Anjo que anuncia o bébé, concebido pelos mais etéreos eflúvios e sem a corrupção da carnalidade.

    O problema da Adelaide Ferreira é parecer o Mick Jagger. Já não penso numa vida de sonho, desde que esta gata morreu que penso no silêncio e doçura da morte. Até lá, é importante para o meu bem-estar a possibilidade do Toy e do Eduardo Lourenço virem a morrer e do Porto continuar a ganhar.

     
  • At 8:08 da tarde, Blogger D.A. said…

    Um politólogo explica:

    https://www.msn.com/pt-pt/noticias/mundo/o-que-diz-o-beijo-de-melania-e-trudeau/ar-AAGpjeH?ocid=spartanntp

    Fogo, fiquei a gostar do Trump, a sério, eu já gostava dele.

     
  • At 8:45 da tarde, Blogger D.A. said…

    Claro que eu já sabia, ainda antes de o abrir, que o teu disco de jazz preferido é punk, no fundo é tudo apenas uma vibração do ar, com origem em electricidade das eólicas, do vento.

     
  • At 8:54 da tarde, Blogger D.A. said…

    O contrário da moça do Alvito:

    https://gameraboy1.tumblr.com/post/187311351306/hot-money-girl-1959

     
  • At 8:59 da tarde, Blogger D.A. said…

    Fogo, já não via disto desde 1983, quando o Marocas nos disse para apertarmos o cinto:

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187310834415

     
  • At 11:33 da tarde, Blogger D.A. said…

    Boa lovesong:

    https://www.youtube.com/watch?v=oXFaJQK0mDQ

     
  • At 11:35 da tarde, Blogger D.A. said…

    O casal ideal:

    https://www.youtube.com/watch?v=UquXUYfHYok

    https://www.youtube.com/watch?v=XYAJVV1WebI

     
  • At 11:36 da tarde, Blogger D.A. said…

    Mais a tua onda:

    https://www.youtube.com/watch?v=WT6jFXM2gsY

     
  • At 11:37 da tarde, Blogger D.A. said…

    Não há nada que o Lord não saiba:

    https://www.youtube.com/watch?v=6voAw66Bxko

     
  • At 11:39 da tarde, Blogger D.A. said…

    Olha que Ele sabe:

    https://www.youtube.com/watch?v=NVq27glkY_A

     
  • At 11:40 da tarde, Blogger D.A. said…

    Mas se Ele sabe…

    https://www.youtube.com/watch?v=YM0w6CgRjKc

     
  • At 11:41 da tarde, Blogger D.A. said…

    Pouca adianta ter um cúmplice, He Knows:

    https://www.youtube.com/watch?v=FDKw4VbRBhQ

     
  • At 11:42 da tarde, Blogger D.A. said…

    Graças ao Lord! É que isto nunca mais teria fim:

    https://www.youtube.com/watch?v=k3oIYsN-xuA

     
  • At 11:43 da tarde, Blogger D.A. said…

    Este deve ser português, transfere a responsabilidade:

    https://www.youtube.com/watch?v=TNv3lH7U4ZI

     
  • At 11:47 da tarde, Blogger D.A. said…

    Calma! Ainda há o Gabriel e o Gedson, e o Almeida vai entrar na equipa:

    https://www.youtube.com/watch?v=dFaPw_uVUHA

     
  • At 11:52 da tarde, Blogger D.A. said…

    Neste rio banhava-se Heraclito duas vezes:

    https://www.youtube.com/watch?v=0k9SjMpAxRM

     
  • At 12:01 da manhã, Blogger D.A. said…

    Ainda não é hora de eu mudar para o LSD e o rock psicadélico. Gosto de country agora, raparigas choronas e homens de barba rija a beber uísque:

    https://www.youtube.com/watch?v=Ozm0W5_iei0

     
  • At 12:06 da manhã, Blogger D.A. said…

    A irmandade da garrafa:

    https://www.youtube.com/watch?v=9630UB3RTXI

     
  • At 12:15 da manhã, Blogger D.A. said…

    Era tão bom enviar isto à Júlia Palha, mas ela ainda ia ler "send me the pila":

    https://www.youtube.com/watch?v=nVaFjDrNMAo

     
  • At 12:17 da manhã, Blogger D.A. said…

    O álbum definitivo, supremo, magnânimo, o melhor álbum de sempre:

    https://www.youtube.com/watch?v=rVhjpMWTHPY

     
  • At 12:21 da manhã, Blogger D.A. said…

    Parece ter pelo na venta:

    https://www.youtube.com/watch?v=vxaqBOaECL4

     
  • At 12:22 da manhã, Blogger D.A. said…

    Este mudou de atitude:

    https://www.youtube.com/watch?v=1ULHW0kQ0kg

     
  • At 12:23 da manhã, Blogger D.A. said…

    Não penses que a música country se esqueceu de ti:

    https://www.youtube.com/watch?v=HFBngL6zRXo

     
  • At 12:25 da manhã, Blogger D.A. said…

    A capa é fixe:

    https://www.youtube.com/watch?v=CQwCPMtYAcU

     
  • At 12:27 da manhã, Blogger D.A. said…

    Onde estava este disco quando eu me punha a ouvir o Unknown Pleasures dos Joy Division?

    https://www.youtube.com/watch?v=_Lvsg9HiP5I

     
  • At 12:32 da manhã, Blogger D.A. said…

    A verdade é que não tenho nada para beber, não tenho bebido. Se o Leandro tivesse uma voz destas tinha mais sucesso, isto deve pôr as teens loucas por daddys:

    https://www.youtube.com/watch?v=-oldFYF-eIE

     
  • At 12:42 da manhã, Blogger D.A. said…

    Resta chorar e beber uísque e ouvir música country. Todas as calamidades varrem a Terra, é a novela sem desenlace do Bruno Fernandes, é o asteróide:

    https://www.msn.com/pt-pt/noticias/ciencia-e-tecnologia/asteroide-gigante-vai-passar-pela-terra-em-setembro/ar-AAGpjeq?ocid=spartanntp

    É aproveitar os últimos dias!

     
  • At 12:48 da manhã, Blogger D.A. said…

    Nunca tinha ouvido falar na Amy Adams, mas fui por ela:

    https://www.msn.com/pt-pt/lifestyle/regresso-as-aulas/regresso-às-aulas-como-eram-as-celebridades-na-escola/ss-AAGoDKr?ocid=spartanntp#image=37

    E no fundo quem são aquelas crianças na escola? Somos nós!

    E no fundo quem é o Trump? Sou eu!

    E no fundo quem é o eu? É o Elvis.

     
  • At 12:59 da manhã, Blogger D.A. said…

    A espiritualidade do Sinatra:

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187305992135/littlebunnysunshine-stepping-out-of-a-helicopter

     
  • At 1:05 da manhã, Blogger D.A. said…

    Duvido que tivesses um, mas eras gajo para ir logo a correr comprar:

    https://bitter1stuff.tumblr.com/post/187313035270/mastersofthe80s-casio-tm-100-transmitter-watch

     
  • At 1:06 da manhã, Blogger D.A. said…

    Um futuro, uma janela de oportunidades:

    https://bitter1stuff.tumblr.com/post/187312972665

     
  • At 1:09 da manhã, Blogger D.A. said…

    Parece ser uma alegoria política:

    https://bitter1stuff.tumblr.com/post/187097824895

     
  • At 1:15 da manhã, Blogger D.A. said…

    Muito melhor que o Born in USA do Bruce:

    https://www.youtube.com/watch?v=WmpDKWpxQoY

     
  • At 1:22 da manhã, Blogger D.A. said…

    Disto não há aí na Amadora:

    https://www.youtube.com/watch?v=QiToQxuvFjw

     
  • At 1:24 da manhã, Blogger D.A. said…

    Burn baby burn:

    https://www.youtube.com/watch?v=z-I_fM19Qq4

     
  • At 1:27 da manhã, Blogger D.A. said…

    Family:

    https://www.youtube.com/watch?v=AKdQmHyA_K8

     
  • At 1:31 da manhã, Blogger D.A. said…

    Mais a tua onda:

    https://www.youtube.com/watch?v=LQAJ6U8KvKM

    https://www.youtube.com/watch?v=F_oZPiayDCY

    A Guerra:

    https://www.youtube.com/watch?v=BLx7zim63wM



     
  • At 1:34 da manhã, Blogger D.A. said…

    Tem a canção "The Same Two Lips", uma discreta alusão à moça do Alvito:

    https://www.youtube.com/watch?v=aGivkParOVI

     
  • At 1:41 da manhã, Blogger D.A. said…

    Se a Ninfa aparecesse aqui agora punha este disco a tocar e corrompia-lhe a alma, com sumol de ananás, gomas e leitura de poesia:

    https://www.youtube.com/watch?v=6b-xkls_mO4

     
  • At 1:59 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Hoje traduzi o tweet para que não subsistisse confusões, a língua inglesa é muito traiçoeira.

     
  • At 2:26 da manhã, Blogger D.A. said…

    ahaha não é bem uma tradução, é mudado para português.

     
  • At 2:27 da manhã, Blogger D.A. said…

    Acabei de criar novo blog, só dedicado a música country:

    https://hunhunhu.blogspot.com/

     
  • At 2:41 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Do country gosto desta, o Costello tem uma versão.

    Ainda tenho ali a garrafa de ginja que comprei no Natal do ano passado.

    Tenho estado a escrever o new post, que, como sempre, ficará enorme, ainda só estou na música e acho que já excedi o razoável.

     
  • At 2:49 da manhã, Blogger D.A. said…

    eheheh Outra vez a bottle!

    Fogo, tu és uma enciclopédia em forma de homem.

     
  • At 2:57 da manhã, Blogger D.A. said…

    "What a great album - every alcoholic should have a copy!"

    https://www.youtube.com/watch?v=HRgpDmTidCU

     
  • At 2:57 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Vem neste disco, ainda tenho o CD, foi dos discos que mais ouvi nos tempos de ressaca.

     
  • At 3:05 da manhã, Blogger D.A. said…

    Ahh, já me tinhas falado da tua experiência com esse disco.

    Isto do country é perfeito para mim, também é uma ressaca, uma infinita ressaca, que só terminará na morte, mas que está perfeitamente codificada no country.

     
  • At 3:10 da manhã, Blogger D.A. said…

    Quando passar por um casal de namorados que esteja a dar milho aos pombos no jardim da cidade, entrada directa para o inferno, vou dar uma Bíblia ao rapaz e uma colecção de 30 vinis de música country e 4 garrafas de VAT 69.

     
  • At 3:12 da manhã, Blogger D.A. said…

    Fiquei a ouvir o Costello, parece country.

     
  • At 3:12 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Quando se fala de garrafas só um grupo clássico.

     
  • At 3:18 da manhã, Blogger D.A. said…

    Ufa! Pogues! Dizem que ele ficou com os dentes assim por ter mastigado um vinil do Pet Sounds dos Beach Boys. A Sinead O'Connor dizia que ele metia todos na heroína, mas eu pensava que era mais álcool.

     
  • At 3:19 da manhã, Blogger D.A. said…

    Isto podia ser pior pá, um gajo podia estar casado com a Diana Krall.

     
  • At 3:21 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    O disco do Costello é um disco country, o blue do título pode levar a confusões. A Wiki diz:
    It originally appeared with a warning label that read "WARNING: This album contains country & western music and may cause offence to narrow minded listeners". An alternative label read "WARNING! This album contains country & western music and may produce radical reaction in narrow minded people".

    É um disco de versões, de cantores country. Hank Williams, Merle Haggard e por aí fora.

    Também vou ouvi-lo.

     
  • At 3:25 da manhã, Blogger D.A. said…

    Tem piada dizeres isso, tinha acabado de o meter no blog.

     
  • At 3:26 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    É capaz de ser bebida.

    Eh, eh, eles devem estar sempre em tournée, nunca se encontram, como a mulher-falcão.

     
  • At 3:31 da manhã, Blogger D.A. said…

    Cheguei a pesquisar música country, mas não encontrava nada, só 2 ou 3 coisas recentes que não gostava, agora com o youtube fica-se especialista em 5 minutos. Também na altura não tinha passado pela "girlfriend experience", ouvia torch songs e gostava, mas que sentido fazia eu ouvir a "Fever" da Peggy lee? A vida é um absurdo em todos os seus momentos ou então há uma ordem das coisas que cronologicamente é completamente absurda, se fosse possível dar uma nova sequência a todos os pedaços de vida, a coisa ganhava sentido talvez.

     
  • At 3:34 da manhã, Blogger D.A. said…

    O Timothy Leary dizia que a América era um produto do uísque e propunha os ácidos. Prefiro o uísque, apesar de não beber.

     
  • At 3:41 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Também há o country a língua do Camões.

     
  • At 3:43 da manhã, Blogger D.A. said…

    eheheh country-pimba.

     
  • At 3:49 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Por causa do country o Tubo deu-me música cantada por virgens, já se vê pouco, as virgens, não música.

     
  • At 3:52 da manhã, Blogger D.A. said…

    Isto é tudo um "crazy game".

     
  • At 3:54 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    O Doug era um menino prodígio (já morreu).

     
  • At 3:55 da manhã, Blogger D.A. said…

    ehehe É fixe, como sabes que são virgens? Têm ar de fazer sexo nos "barns".

     
  • At 4:00 da manhã, Blogger D.A. said…

    É bom o Doug.

     
  • At 4:04 da manhã, Blogger D.A. said…

    https://gameraboy1.tumblr.com/post/187312161856/20th-century-man-skirting-the-issue

     
  • At 4:12 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Têm cara de virgens, estão vestidas à virgem, cantam como virgens, logo, são virgens. Aristóteles concordaria.

    Também havia os Raiders.

    Bom, é possível que eles se metessem nos ácidos.

     
  • At 4:13 da manhã, Blogger D.A. said…

    Momento zen: não há absurdo nenhum eheheh.

     
  • At 4:17 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Outro momento zen: no country não podemos esquecer os… Eagles, (mesmo correndo o risco de não sermos corridos dos transportes públicos).

     
  • At 4:21 da manhã, Blogger D.A. said…

    Aquilo ali atrás já é o country a meter-se por maus caminhos, como o Dylan quando pegou na guitarra eléctrica.

    Só conheço a Hotel Califórnia dos Eagles, aquela que o gajo ouvia no Táxi parecia country parecia.

    Eu temo ainda agora ter começado no country e já ter chegado à sua destruição ehehe.

     
  • At 4:21 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Tinhas falado de whisky?

    Afinal o country está em todo o lado.

     
  • At 4:29 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Claro que a melhor banda country é CCR.

     
  • At 4:31 da manhã, Blogger D.A. said…

    Todas estas dores, lamentos e júbilos do country resultam das pessoas irem à Connie:

    https://www.youtube.com/watch?v=MboBsSUhD5Y

     
  • At 4:33 da manhã, Blogger D.A. said…

    Mas esse era o diferendo no Táxi, ele odiava os Eagles e era fã dos Creedence.

     
  • At 4:41 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Não me lembro nada do “Big Lebowski”, que vi na TV, nos noventas já não ia a salas de cinema.

    Country por todo o lado.

    Sempre a garrafa.

     
  • At 4:42 da manhã, Blogger D.A. said…

    No feed de noticias aparece uma foto da Amy Adams enquanto garota linda de morrer.

     
  • At 4:46 da manhã, Blogger D.A. said…

    Tenho o cd da Lucinda Williams que tem esta, por acaso escapou à fúria destruidora:

    https://www.youtube.com/watch?v=H3lAtSA86Kk

     
  • At 4:49 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Fogo, o CM diz que o Angel-o está entre a vida e a morte.

     
  • At 4:56 da manhã, Blogger D.A. said…

    Pode ser que se safe.

     
  • At 4:59 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    A vida não é nada, um dia um gajo está cheio de caparro, no dia seguinte mirra numa cama.

    Para ser country é necessário cabelo.

     
  • At 5:09 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Country começa a ficar bom, integrado na comunidade.

    E estas foram banidas por serem contra Bush, quando esse cérebro governava a América, ele devia voltar.

    Mas afinal que disseram do beijo da Brigitte ao Trump? Macron também a tem pela mão.

     
  • At 5:14 da manhã, Blogger D.A. said…

    eheheh Por acaso também fui petiscar.

     
  • At 5:17 da manhã, Blogger D.A. said…

    Essa cena do beijo da mulher do Trump é mesmo uma imbecilidade, que beijou com "desejo", queriam que beijasse como uma freira, é um puritanismo idiota.

     
  • At 5:18 da manhã, Blogger D.A. said…

    E um maniqueísmo total.

     
  • At 5:21 da manhã, Blogger D.A. said…

    Aí é que se vê quem é mais papista que o Papa.

     
  • At 5:24 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    A foto da Brigitte / Trump é exatamente a mesma cena: o desejo, a proximidade, etc. e tal. Estes cientistas modernos é que têm de vender o seu macarrão e veem coisas, volto a repetir, uma imagem no Ocidente Livre não quer dizer absolutamente nada, só a legenda, só a interpretação, é que a torna “inteligível” àquele que vê. (Claro que há exceção para as fotos da Joey Fisher e similares, que muito dizem).

     
  • At 5:25 da manhã, Blogger D.A. said…

    E aquela ideia que uma foto capta uma verdade é terrível, se um gajo fosse apanhado em fotos a maior parte das vezes estava em situações ridículas, mas esta gente acredita nestas merdas.

     
  • At 5:26 da manhã, Blogger D.A. said…

    Estivemos a falar da mesma coisa quase ao mesmo tempo, não tinha lido o que disseste, sim, é isso.

     
  • At 5:29 da manhã, Blogger D.A. said…

    As da Joey Fisher e da moça do Alvito, as tuas fotos deviam ser mostradas à opinião pública para evidenciarem a verdade que contêm.

     
  • At 5:30 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    É o que eu fiz com as fotos de certas alvitenses, - que vou manter o nome inominado para sua privacidade -, também parei a imagem na TV, e é um trabalho de grande paciência, sorte e dedo rápido.

    A única verdade que as fotos captam é o preço da máquina.

     
  • At 5:34 da manhã, Blogger D.A. said…

    ahaha estamos em telepatia.

     
  • At 5:36 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Eheheh, as fotos das alvitenses podiam ser depois melhoradas, o telemóvel permite edição, e faz imensas merdas, mas é preciso tempo e muita paciência para ali fazer arte. Suponho que a arte não comes easy, não é atar e pôr ao fumeiro, isto é, no museu.

     
  • At 5:40 da manhã, Blogger D.A. said…

    Tens de imprimir e pôr junto do teu gato.

     
  • At 5:41 da manhã, Blogger D.A. said…

    Uma composição: o teu gato, a meio uma foto da Deslandes e ao lado a foto da Alvitense.

     
  • At 5:42 da manhã, Blogger D.A. said…

    A Madonna respondia até.

     
  • At 5:45 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Não é má ideia, apresentava-as como pussies amigas. Fazendo elogios à pussy, como sendo do povo e não privilégio da burguesia, toda a gente devia ter pussy (isto é, gatinhas, nada de confusões).

     
  • At 5:47 da manhã, Blogger D.A. said…

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187317512450

     
  • At 5:48 da manhã, Blogger D.A. said…

    Ainda o country:

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187317520775/danskjavlarna-the-key-to-nowhere-an

     
  • At 5:49 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    No Instagram é que ficou esta foto ao lado da moça do Alvito.

    (Mas não está relacionado, não quis significar / sinalizar que a referida moça lambe cricas).

     
  • At 5:52 da manhã, Blogger D.A. said…

    Fogo, as fotos das zonas urbanas parecem mesmo de onde vive a ex-namorada.

     
  • At 5:56 da manhã, Blogger D.A. said…

    Vou para o vale dos lençois.

     
  • At 5:58 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    E ainda não fotografei tudo, há dias fui ao banco, fui ouvindo rádio no Huawey, e esqueci-me de fotografar as iconografias pelo caminho.

    Parece ser amigável, a Alyssa Sorto.

     
  • At 10:36 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Back aos comments atrasados que, por estar a escrever o post, não vi durante a noite.

    Estou convencido que há muitos beijos das esposas dos líderes, naquelas cimeiras há wife swap, só assim se explica a presença delas, não é para fazer as camas, há criadas, não é para cozinhar, há cozinheiros, não é para ir buscar cerveja ao frigorifico, não há jogos de futebol, então, só pode ser para o wife swap.

    Também eu sou um sapiossexual. Só me interessa a intelectualidade da senhora, nunca olho, nunca olhei, para a carne, nem sequer sei como é. Se elas têm pernas como nós, rabo para se sentarem, mãos para porem ao Senhor.

    A questão é que essa especialista em linguagem corporal poderia dizer a mesma coisa do beijo da mulher do Macron. (Houve wife swap e ela estava a despedir-se, gastou, isso via-se na cara).

    A rapariga quente está cheio de açao.

    Eh, eh, é o cinto do Mário Soares é, deve ter ficado guardado na mesma gaveta do socialismo.

    A Kenda "Obi Wan Kendabi" Legaspi também fuma e bebe.

    Os Scientists isso sim é country.

    Mais country.

    No country moderno já não se bebe e as garotas são esbeltas.

    Veremos se aparece um juiz a multar o Jack Daniels por espalhar o álcool como sucedeu com a Johnson & Johnson.
    Deve ter sido o whisky que conservou o Willie Nelson. Ele deve ter mais de cem anos.

    Claro que para mim country é Ramones.

    (É versão dos Creedence).

    Fogo, também há uma Heidi.

    É verdade, Leandro é o nosso country.

    O problema é que o asteroide não é desenhado pelo Taveira.

     
  • At 11:16 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    A Amy Winehouse era gira em criança.

    O Sinatra também bebia pouco bebia. Era Jack.

    O copo.

    Ufa, um relógio à Dick Tracy, nunca vi à venda. Comprava logo, sim.

    Não, não há Connies na Amadora, só Connas.

    A Annette Funicello era a maior.

    Eh, eh, Sumol de ananás, há que anos que não bebo.

    Mastigar o vinil do Pet Sounds dos Beach Boys era capaz de lhe dar caganeira.

    Madonna parece que desapareceu do Twitter. Depois que ela publicou uma foto da Amazónia a arder (mas antiga), fartou-se de ser atacada pelos bolçonaros, (é assim que se escreve, João Soares cometeu o mesmo erro escrevendo bolsar, mas é bolçar).

    Porra, estão sempre a desincluir, dão hipótese de uma mulher negra, mas se um gajo quiser votar numa preta, já não há.

    Os pretos eram mais felizes que os negros.

     
  • At 6:45 da tarde, Blogger D.A. said…

    Hoje vem no JN uma notícia sobre a romaria a São João d'Arga. Tenho belas memórias, quando era puto a minha imaginação incendiava-se com todas as tribulações dos peregrinos, imaginava-lhes todas as dificuldades na travessia dos montes, com o farnel às costas e o cajado na mão, imaginava temporais, daqueles que o Cela dizia: "não está tempo para andarem coxos (ou cegos?) nos montes". Pois bem, o relato do JN conta que é a romaria da "má fama", há poesia que descreve todo o tortuoso itinerário, às "apalpadelas" e brejeirices que tais, e que as raparigas partiam virgens e chegavam ao santo monte grávidas.
    Destruiram a minha infância.

     
  • At 7:24 da tarde, Blogger D.A. said…

    Liga bem com aquela foto da Alvitense:

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187327266580

     
  • At 7:44 da tarde, Blogger D.A. said…

    ahahahaha Gosto tanto desta Skeeter:

    https://hunhunhu.blogspot.com/2019/08/skeeter-davis-let-me-get-close-to.html

     
  • At 10:07 da tarde, Blogger D.A. said…

    Aquele último livro do gato foi o que mais li e reli, tem piada a coisa começar no "Nietzsche et la Philosophie" e acabar na Skeeter Davis, mas não há qualquer contradição, eu sou sistemático!

     
  • At 11:36 da tarde, Blogger D.A. said…

    "Quem não chora não mama", aquelas frases feias do bom povo:

    https://hunhunhu.blogspot.com/2019/08/roy-drusky-you-dont-have-to-be-baby-to.html

     
  • At 11:38 da tarde, Blogger D.A. said…

    https://gameraboy1.tumblr.com/post/187337760648/1964-bust-beauty-ad

     
  • At 11:43 da tarde, Blogger D.A. said…

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187333797520

     
  • At 11:50 da tarde, Blogger D.A. said…

    O destino natural dela seria a indústria porno, mas estamos em Portugal.

    https://www.maxima.pt/culturas/detalhe/estes-sao-os-piores-psicopatas-de-portugal-segundo-joana-amaral-dias

     
  • At 12:02 da manhã, Blogger D.A. said…

    Once a woman's tasted love, she can't do without
    She'll search for something more
    When she gets cold
    And if her lips are wet with wine
    When it comes to lovin' time
    She'll trade her pride for something
    Warm to hold

    https://www.youtube.com/watch?v=somjQzE56zU

     
  • At 12:18 da manhã, Blogger D.A. said…

    Basicamente, a consequência de se passar por uma namorada é um gajo pôr-se a ouvir música da década em que os pais do gajo namoravam e não há nada de edipiano nisto, mas que é estranho é.

     
  • At 12:30 da manhã, Blogger D.A. said…

    Não precisa de vir um cínico dizer que é falta de vaselina, é simplesmente isto:

    https://www.youtube.com/watch?v=-G4sMUpqt_o

     
  • At 12:47 da manhã, Blogger D.A. said…

    Afinal tenho de abrir a Bíblia outra vez, por causa deste disco:

    https://hunhunhu.blogspot.com/2019/08/hank-williams-i-saw-light.html

    E que vai um gajo fazer? Netflix? Twitter? PornHub? Essas modernices?

    Um homem só precisa da Bíblia, de uma garrafa de uísque, de uma pistola, de raparigas e de umas botas com esporas.

     
  • At 12:57 da manhã, Blogger D.A. said…

    E do raio dos cigarros.

     
  • At 1:09 da manhã, Blogger D.A. said…

    Shoot him! His soul is still dancing:

    https://www.youtube.com/watch?v=Gx2ByiYZtxE

     
  • At 1:11 da manhã, Blogger D.A. said…

    Hell:

    https://www.youtube.com/watch?v=fTVrhvYIRno

     
  • At 1:18 da manhã, Blogger D.A. said…

    No fundo, os protest singers só procuravam outros assuntos que o love, mas soavam ainda mais boring:

    https://www.youtube.com/watch?v=dPIcwjFB1PY

     
  • At 1:45 da manhã, Blogger D.A. said…

    O Alan Watts tinha razão, o people só quer uma "surprise", é um estado infantil irremediável.

     
  • At 1:52 da manhã, Blogger D.A. said…

    Acho mal que morra o Angelo, é novo ainda, preferia que morresse o José Cid ou o Toy.

     
  • At 2:00 da manhã, Blogger D.A. said…

    Este é que é um filósofo do caralho:

    https://hunhunhu.blogspot.com/2019/08/ernest-tubb-importance-of-being-ernest.html

     
  • At 2:54 da manhã, Blogger D.A. said…

    eheheh:

    https://gameraboy1.tumblr.com/post/187338650525/catherine-bach

     
  • At 2:58 da manhã, Blogger D.A. said…

    ahahahaha O filho de Jorge Jesus parece Jesus:

    https://www.msn.com/pt-pt/entretenimento/famosos/filho-de-jorge-jesus-deslumbra-no-brasil-jesus-nunca-foi-tão-generoso/ar-AAGsvMS?ocid=spartanntp

     
  • At 3:26 da manhã, Blogger D.A. said…

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187340314535/aloneandforsakenbyfateandbyman-1970s-club

     
  • At 4:06 da manhã, Blogger D.A. said…

    Ó foda-se, a Skeeter é um anjo mas a Loretta é o céu, saquei um disco dela há décadas... agora podia ficar a ouvi-la até à eternidade.

     
  • At 4:55 da manhã, Blogger D.A. said…

    "Surpreende com novo visual"

    É claramente uma opção estética, se um gajo tiver um acidente e ficar desfigurado pouco importa, desde que surpreenda com o novo visual.

    https://www.vidas.pt/a-ferver/detalhe/passos-coelho-surpreende-com-novo-visual

     
  • At 5:20 da manhã, Blogger D.A. said…

    Fogo, precoce a Loretta:

    http://www.quotehd.com/imagequotes/authors4/loretta-lynn-loretta-lynn-i-was-married-when-i-wasnt-quite-14-and-had.jpg

     
  • At 11:26 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Eh, eh, as peregrinações são lixadas, o esforço físico, a devoção a Deus, a oração, dão muito tesão neles, e agora, também nelas, enquanto não chegar o fufismo ao monte, elas engravidarão. Só recuperarás as amadas memórias de infância quando o grelo for hortaliça do povo.

    As moças do Alvito não usam lingerie ousada, aliás, vê-se que usam soutiens de velha, daqueles forrados a esponja para não se ver nem sombra do mamilo, elas subtraem-nos dos olhares, só para as bocas das amadas.

    É uma Skeeter da modernidade.

    É preciso fé.

    Pois era, Joana AD teria grande futuro no porno ou a curar psicopatias se oferecesse algo suculento aos pacientes. Não há como um bom transfert, missionário ou canzana, para pôr a mente no lugar.

    Joana AD também daria uma boa lover com um pouco de coaching.

    Os bebés são sempre chorões.

    A luz é muito importante nas sociedades por isso os telemóveis atuais vêm com uma lanterna.

    Rocky.

    No inferno os cigarros devem ser caros e o fogo ainda mais.

    Ela não é a Lisa.

    O Barry McGuire depois também se agarrou à Bíblia e Deus fê-lo careca.

    Fogo, será que o filho de Pinto da Costa se parece com o Papa?

    salve-se quem puder.

    No fim do dia, eles são corruptores de crianças.

     
  • At 12:57 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Passos arranjou um visual à Daniel Oliveira (filho do Herbeto)? A desculpa está boa, é original. Ora o caralho, ele ficava careca na mesma, iam-se os lindos cabelos loiros, mesmo que namorasse a Joana AD ou a miss mundo ou um rapagão da universidade de verão do PSD. "Neste momento, ele tem um enorme problema da mulher em cima. Ele tinha um farto cabelo loiro, mas todos estes problemas da vida pessoal e política começaram a deixar marcas e ele começou a perder muito cabelo.”

    Até para o country é preciso cabelo.

    Deixou a barba para compensar e dar ar de professor catedrático que é.

    Talvez um pouco de vitamina C lha faça crescer as melenas loiras outra vez

    Porra, a Loretta não só casou como cumpriu os deveres conjugais.

    O oeste.

    A vida no espaço profundo.

     
  • At 8:14 da tarde, Blogger D.A. said…

    Diário de Bordo - 29 de Agosto de 2019

    Últimas palavras para algum sobrevivente.

    Cumpriu-se finalmente a Apocatástase:

    https://pt.wikipedia.org/wiki/Apocatástase

    https://hunhunhu.blogspot.com/2019/08/dolly-parton-hello-im-dolly.html

    Fim de comunicação zzz rrr uuu zap

     
  • At 10:33 da tarde, Blogger D.A. said…

    ahahahah Já tenho aqui uma bela colecção, o country passou a ser o meu género preferido, eles passam a vida a chorar, a beber uísque e a dar peidos, que mais se pode querer da vida?

    https://hunhunhu.blogspot.com/

     
  • At 11:58 da tarde, Blogger D.A. said…

    Proto-webcam:

    https://spiritualusty.tumblr.com/post/187349889810

     
  • At 3:02 da manhã, Blogger D.A. said…

    A ouvir as canções da Loretta já não é preciso bater à punheta:

    https://hunhunhu.blogspot.com/

     
  • At 4:04 da manhã, Blogger D.A. said…

    Esta música lembra-me o Panurgo:

    https://www.youtube.com/watch?v=3-WFtmB-8wc

     
  • At 4:25 da manhã, Blogger D.A. said…

    Mais estranho que o discurso é a barba, ele deve andar a ler o "Mille Plateaux":

    https://www.msn.com/pt-pt/desporto/uefa-liga-dos-campeoes/o-bizarro-discurso-de-cantona-que-confundiu-toda-a-gente-na-gala-uefa/ar-AAGw3A9?ocid=spartanntp

     
  • At 4:52 da manhã, Blogger D.A. said…

    A Laura não se podia queixar de falta de atenção:

    https://www.youtube.com/watch?v=pTjQgkHzbTk

     
  • At 4:52 da manhã, Blogger D.A. said…

    Este viu a Ninfa:

    https://www.youtube.com/watch?v=gfvMizNGUv8

     
  • At 4:55 da manhã, Blogger D.A. said…

    Típico nome de uma banda punk:

    https://www.youtube.com/watch?v=VJcGi4-n_Yw

     
  • At 5:03 da manhã, Blogger D.A. said…

    Se ele aparecesse no mundo actual ficava espantado:

    https://www.youtube.com/watch?v=KG_VIcoiCFA

     
  • At 8:54 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    Antes da apocatástase há que resolver o paradoxo de Epicuro e pôr na ordem esse Deus cabrão.

    Isso, isso, põe-te com essa da bebida no country, pois ouve com muita atenção o que sucede quando se segue a via da bottle.

    Quem pediu meninos?
    Então lhe traziam alguns meninos para que os tocasse; os discípulos repreenderam aos que os trouxeram.
    Mas Jesus, vendo isto, indignou-se e disse-lhes: Deixai vir a mim os meninos, não os impeçais; porque dos tais é o reino de Deus.
    Em verdade vos digo: Aquele que não receber o reino de Deus como menino, de modo algum entrará nele.
    Abraçando os meninos, os abençoava, pondo as mãos sobre eles.

    Dolly é uma, qual será o nome da outra? Molly?

    O verdadeiro género, não é country, é… outro.

     
  • At 9:02 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    d.a.:

    O que o mundo precisa é de electro.

    Para que as mulheres aprendam a dizer as palavras certas.

    Que será feito do saudoso Panurgo?

    Ahahahah, Cantona é o maior, meteu os barrigudos e carecas no seu lugar, estes sim, deviam estar na via da bottle.

    Consegui uma foto exclusiva de uma pessoa vendo a luz no último tweet.

    Um nome de banda punk.

    Ó, teens anjos, onde elas vão? Provavelmente estão casadas com uma mulher. Ontem vi que os programas da tarde na TV estão modernos, com os temas candentes, uma jovem vem contar vida sofrida, a mãe na droga, ela rebelde, mas casou com a namorada e agora são todos felizes.

    Fogo, o público do country é igual a todos os outros, ao do pop, jazz, soul, música concreta, (exceto do punk, claro).

    Os homens no country não choram, (isso é no estádio da Luz), eles são rápidos no gatilho.

    E são rebeldes.

    O vocalista.

     

Enviar um comentário

<< Home