Pratinho de Couratos

A espantosa vida quotidiana no Portugal moderno!

quarta-feira, outubro 29, 2008

Esperar sentado

O poder da oração, enaltecido em todas as comunidades, pelas suas propriedades paliativas de maleitas psicológicas, físicas e sociais, incha de proeminência no planeta high tech. Jimmy Carter, o 39º presidente dos Estados Unidos, amargava de horríveis hemorróidas e não se inibia de puxar, pelo nadegueiro assunto, entre seus pares. No seu livro de 1978 contou que, Anwar Sadat anunciou aos egípcios, que o “seu amigo Jimmy” sofria do hemorroidal, e apelou para que todos rezassem por ele, porque era um bom homem, que promovia a paz. Qual
co2 laser, qual carapuça! No dia seguinte a dor desaparecera pela primeira vez. Carter pensou emitir uma declaração oficial, agradecendo todos os rezadeiros, mas decidiu que já falara demais do fundo das suas costas, e limitou-se pelo feliz brado: “nunca recebera tão bom presente de Natal”.

[Localizar as origens do
rock progressivo é uma tarefa impossível. Se for necessário um princípio, que seja nos iniciadores da liberdade na música pop, a batedeira eléctrica de vários estilos, os The Mothers of Invention – “Wowie Zowie” ++ “Who Are the Brain Police?” ++ No clube The Bitter End em Nova Iorque ++ “In the Sky” ++ “King Kong” ++ na TV francesa em1968. Na Inglaterra, no Marquee Club, no ano de 1967, o grupo residente, Clouds, (Old Man), influenciava clientes assíduos e futuras vedetas do prog rock, como Rick Wakeman ou Keith Emerson.

The Nice, com o massacre do órgão Hammond L-100 por Keith Emerson, citações de música clássica, jazz e canções fora do padrão três minutos da pop, representa o nascimento mais estrito do prog rock. Parte1 (mescla de “America”, de Leonard Bernstein, para o filme “West Side Story”, com “From the New World” de Antonín Dvořák) ++ Parte2 ++ Parte3 ++ Parte4 (versão de “Blue Rondo à la Turk” do Dave Brubeck Quartet) ++ “Hang on to a Dream”.

Desiludido pelo fraco reconhecimento comercial do grupo, em 1970, Keith Emerson forma os
Emerson, Lake & Palmer, com Greg Lake, vindo dos King Krimson e Carl Palmer, dos Atomic Rooster, atingindo estatuto de supervedeta nas teen magazines e reservas dos críticos musicais, pouco impressionados com acrobacias no palco como apunhalar o Hammond ou tocar Bach ao contrário. “Fanfare for the Common Man” ++ “Promenade”/ “The Gnome” ++ “The Great Gates of Kiev”/ “The End” ++ “The Sage” ++ “Toccata” ++ “Bitches Crystal” ++ “Lucky Man].

Ajoelhar, entre os jovens americanos, sempre foi um meio para perpetuar namoricos, e evitar que os namorados, atestados de genica, debandassem para as galdérias, despudoradas em fazer o tratamento total. Ajoelhar, apenas para rezar, é uma nova moda nos EUA, sobretudo entre as vedetas da família Disney. Donald e Mickey nunca foram apanhados por paparazzi em indecências, assim, também, as estrelas de carne e osso devem manter sobriedade e resguardo.

Selena Gomez é uma dessas vedetas. Recebeu o seu nome da rainha da Tejano Music, Selena, (Amor Prohibido” ++ “Si Una Vez” ++ “Bidi Bidi Bom Bom), assassinada em 1995, com 23 anos, pela presidente do clube de fãs e gerente das suas lojas, Yolanda Saldívar, que a endrominava nas contas. Em criança, Selena Gomez estreou-se no programa infantil de TV Barney, onde conheceu a melhor amiga, Demi Lovato, também na lista de pagamentos da Disney em Camp Rock (do seu CD de estreia “Get Back” ++ “Don’t Forget” ++ “Two Worlds Collide). Em 2007 aparece como Makayla num episódio de Hannah Montana, negócio lucrativo da Disney, protagonizado por Miley Cyrus, filha do cantor country Billy Ray Cyrus, que pousou numas fotos de Annie Lebowitz, para a revista Vanity Fair, como ela tinha 15 anos, os americanos ficaram indecisos entre babar-se ou mostrar choque (na audição para Hannah Montana ++ “Nobody’s Perfect” ++ “G.N.O.” ++ “7 Things” ++ “Start All Over” ++ “Girls Just Wanna Have Fun” ++ com o pai em “Ready, Set, Don’t Go). Nesse mesmo ano, Selena Gomez é contratada para o papel principal em “Wizards of Waverly Place”. E, obviamente, tem uma carreira na venda de discos a solo: “Fly to Your Heart” ++ “Cruella De Vil” ++ “Tell Me Something”.

A criogénica cabeça de Walt Disney zela pela moral e bons costumes do seu império. Não se permite rambóia, discotecas fora de horas, álcool ou drogas, preservativos nas malas e rapidinhas, de bruços, no lavatório da casa de banho. Nos estúdios Disney rezar-se-ia missa sem envergonhar o padre. Ora, Selena saiu melhor que a encomenda. O papá comprou-lhe, na sua igreja, um abençoado “
anel da pureza”, para ela assumir o compromisso de guardar a virgindade para o casamento santificado. Jura a moçoila: “vou manter a promessa a mim própria, à minha família e a Deus”. A sabedoria popular descobrira que esperar é uma virtude, a ladinice padreca americana, atraiçoada por falsas virgens e pressionada pelo marketing de gadgets, inventa o expediente de esperar pela virtude.

Mr. T, o possante B. A. Baracus do
A-Team, protagonizou uns famosos anúncios para os chocolates Snickers. Publicitariamente incorrectos foram retirados. Num deles xingava um praticante de marcha pelo rabigo comportamento, maneando as nádegas como um larilas, e epitetando-o de “uma desgraça para a raça masculina”. Coisas do milénio passado. Hoje, o jovem macho saltarilha entre Barbies ou Bratz, igualizando testosterona e estrogéneo. Por isso, o poder da oração apazigua também as hormonas juvenis masculinas.

Os prémios vídeo da MTV foram apresentados, este ano, por
Russell Brand. Na introdução, o desbocado britânico insultou Wbush, incomodando muita gente, mas incomodou muito mais, quando larachou sobre os Jonas Brothers, (também elementos do gang Disney: “Hold On” ++ “Burnin’ Up” ++ “When You Look Me In The Eyes), porque mexeu num ninho de vespas, as fãs dos manos, uma tropa de choque sem piedade, cuja idade média ronda os 8 anos, e foi forçado a retratar-se com um pedido de desculpas. Russell escarneceu com o “anel da pureza”, que os três mocinhos orgulhosamente usam, como símbolo dos votos de castidade até ao casório. Não compreendia ele, como uns gajos, que podiam comer qualquer mulher no mundo, se metiam numa beatice daquelas.

No querido Portugal, uma profissão tem engrandecido o seu nível de pureza: os bófias. Na década de 80, os polícias, no cumprimento do dever, malhavam em tudo o que caçavam. Não havia distinção, de qualidade ou estatuto, entre ricos e pobres, levavam todos pela medida grande e fossem queixar-se ao D. Sebastião. Agora, felizmente, estão democráticos, só apanham os pobres. As forças de segurança, da era global, recebem bons exemplos doutros países na lida com criminosos. O Canadá contribui para o equilíbrio ecológico, realizando um massacre sazonal de focas bebés, para impulsionar o comércio de peles e vestir as vacas europeias e americanas, mas também colabora no progresso do trabalho “policiológico” (o trabalho policial feito com jeitinho respeitando os direitos dos humanos). A polícia montada canadiana provou que a idade não importa. Uma
criminosa de 15 anos pode ser uma ameaça grave para um ou mais caparrudos agentes. E, antes que os polícias fiquem todos negros, o procedimento correcto é chegar-lhe a roupa ao pêlo para amansar.

Denúncias de violência policial, no querido Portugal, são perda de tempo.
Leonor Cipriano, condenada pela morte da filha, acusa inspectores da Polícia Judiciária de lhe terem posto a cara num bolo, durante as investigações. Ela, com este acto tresloucado, destapou a caixa de canora, a voz técnica dos advogados lusos. Os causídicos evoluíram da caneca de cerveja e tremoços para a informática. Alegam imagens JPEG! Manipulações digitais! Cabalas! E Cipriano nem é capaz de identificar os agressores (risos judiciais!). No mundo real, quando nos enchem a marmita, vê-se estelas, não há discernimento para fixar caras de perfeitos desconhecidos, mas os tribunais vivem noutra dimensão. Neste lado da raia, as imagens do expediente, numa esquadra espanhola, para um juiz ou advogado, indicia um cidadão sem suspensórios e os polícias ajeitando-lhe as calças. Leonor Cipriano vai esperar sentada por responsabilidades do coordenador de brigada, director da PJ ou ministro da tutela.

No primeiro julgamento, o Ministério Público trabalhou o atraso mental de Cipriano para sacar uma condenação, este, é um descanso.

35 Comments:

  • At 10:27 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Possivelmente os links das jovens cantoras americanas serão bloqueados. Já se sabe que os U.S.A. acham superioridade na sua cultura e que ela deve ser paga a preço de ouro, e além disso, têm uma legião de fãs perigosos, que não tomam prisioneiros, a terrível faixa etária dos 8-9 anos, que zelam pelos interesses dos seus ídolos. A música não tem os tiques do Timberlake, nem do Timbaland, nem doutra vedeta produtora do momento, o que já é bom.

     
  • At 3:47 da tarde, Blogger Carla said…

    acho que nem com o poder da oração nos safamos... só mesmo com uma "cunha" bem metida aos céus e mesmo assim a fila de pedidos já deve ser extensa!
    beijos

     
  • At 11:06 da tarde, Blogger Carol Garcia said…

    a oração é capaz sim de inumeras coiiisas, eu acredito mto nisso !
    mais em casos a casos !

    beijo :]

     
  • At 3:07 da manhã, Blogger Carlos Rebola said…

    Amigo Táxi Pluvioso

    Penso que se a oração, (reza), aos deuses e santos resultasse:
    - Já não havia guerra no mundo, há milhares de anos que nas orações pedem paz...
    _ Já não haviam doenças, há milhares de anos que pedem saúde...
    - Já não havia criminalidade, há milhares de anos que pedem que o Homem se torne bom e fraterno...
    - Já não havia fome, há milhares de anos que pedem abundância...
    - Já não havia... nada de ruim...

    "os deuses estão loucos?" ou estarão surdos ou ... estão em guerra pela disputa de tantos altares e igrejas no mundo, a maioria na terra do tio sam?

    Vivemos num mundo de especulação em todas as áreas além da financeira, um mundo no qual o que é não é, ai daquele ou daquela que diz que aquilo que é, é ou que foi, logo vêm os maquilhadores da verdade, usando anéis tipo da "pureza" para alienar o património dos reais valores.

    E assim prospera o negócio dos "anéis da pureza" das rezas e oratórias mistificadoras travestidas de esclarecedoras.
    Adorar e pagar tributo aos deuses é o que está a dar. Trocas comerciais em balança muito desequilibrada.

    Nesta corrida, continuo a ouvir com prazer “From the New World” de Antonín Dvořák sob a batuta de Leonard Bernstein.
    Obrigado

    Um abraço
    Carlos Rebola

     
  • At 11:34 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Carla: agora com o capitalismo 2ª via vai ser o paraíso na terra. E o nosso querido Durão, Durao chamam-lhe, tem dado contributos que espantarão daqui a 100 anos.

    Carol Garcia: sim. Como auto-sugestão terá algum poder. Desconfio é dos outros a rezar por nós como no caso do Carter.

    Carlos Rebola: a religião é um bom negócio. Um muito bom negócio, apesar de eu ter lido que o valor das esmolas tem diminuído. Eh pah, creio que o maestro é o Karajan. Não meti a sinfonia completa porque já era muito link.

     
  • At 4:39 da tarde, Blogger manuel said…

    Miley Cyrus! Não conhecia. ui ui!

     
  • At 5:00 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Olha que a Demi Lovato cresceu muito bem.

     
  • At 5:11 da tarde, Blogger Loy said…

    Oi!
    Outra hora eu passo por aqui com mais tempo, para ler seus posts, sempre tão interessantes e bem escritos (estou com um deadline batendo na porta, e toca o tema do Bom, Mau e o Feio, sácomé?).

    Vim por hora apenas para agradecer suas constantes visitas ao meu blog, e seus comentários, sempre bacanas. Fico muito feliz mesmo!

    um abraço!!
    Loy

     
  • At 5:23 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Loy apareça mais vezes :-)))

     
  • At 5:37 da tarde, Blogger Humana said…

    Táxi,
    deixei-te lá uma respostinha.Tens uma forma de ver as coisas...muito real mas muito dura pra mim.
    Gosto da tua presença!Vai lá, ok?
    Eu volto.Beijos

     
  • At 6:18 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Não era minha intenção. Mas eu acho a realidade muito muito muito engraçada. Nada dura. ;-)

     
  • At 6:28 da tarde, Blogger Humana said…

    Voltei!
    Eu acredito em Deus, agora nalguns homens...
    Infelizmente acho que em nome de Deus se faz muita coisa.Os que mais precisam são geralmente os mais crentes e tb os mais manipulados.
    Beijo

     
  • At 2:19 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Os deuses são o melhor negócio de sempre. A seguir vem a política. Tenho pena de não ter jeito para nenhum deles.

     
  • At 4:22 da manhã, Blogger Srta Emy said…

    Táxi,
    Ainda surpresa com a quantidade de informações que você consegue passar em um único post!
    Isso sim é coesão!
    Meu beijo malvado!
    :*

     
  • At 5:18 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    O mundo da informação bombardeia-nos com tanta coisa ao mesmo tempo, que não é possível escapar à overdose de informação.

     
  • At 4:41 da tarde, Blogger Rafeiro Perfumado said…

    Tu tratas demasiados assuntos, jove. Confesso que quando chego ao fim já não me lembro bem do primeiro (a idade não perdoa). Sei que mete violência policial contra a Walt Disney, certo? ;)

    Abraço!

     
  • At 6:46 da tarde, Blogger manuel said…

    http://dmail.iol.pt/prodotto.php?cod=502739-463&np=2

    Nunca te dei um livro, toma lá.

     
  • At 11:39 da tarde, Blogger Mello said…

    Bem ofereceste-nos um prato de informações. Para a sobremesa guardaste Portugal, com a sua eterna fictícia democracia...

    Quanto à música no meu blogue, já percebi que para ti é poluição sonora e peço-te desculpas por isso. Alguns dias atrás dava para pará-la, mas agora está doida carrega-se e ela faz eco... tem paciência meu amigo.

    Coisas de mulheres... rs,rs,rs, vou linkar-te !

    Beijinhos,

    Graça Mello

     
  • At 12:40 da manhã, Blogger xistosa - (josé torres) said…

    Andei em tratamentos à cabeça, para conseguir comentar tudo.
    Tenho a impressão que os couratos é que me fazem mal.
    Pois já os como desde puto.
    Por isso passaram-se entretanto, quase 50 anos.

    Como o meu poder de encaixe esvaiu-se, desde que morreu ... foi-se o nome, não era o Belarmino, esse era de Lisboa, este do Porto, junto ao parque de Campismo da Prelada, mas esvaiu-se-me mesmo o nome.

    Como, (adv. ou conj.?) caraças, fiquei sem saber.
    Mas não é do verbo comer.

    Como não podia deixar de ser, andei a comentar Pessoa em 3 blogs, e coincidência das coincidências, como não pesco nada de rock, será música ou é aquele barulho, que muitos tentam dar entoação de algo?
    Por isso, lá venho ao rock.

    Já tenho o bilhete, mas só volto na 2ª feira.
    Como gosto muito, tenho que andar pelos cemitérios, Agramonte - Porto, Viana, Cortes -Monção e Melgaço.
    Agora que se volta a falar em valas comuns, em Espanha, não sei se não terão vantagens ... o pessoal reunia-se, deixava as flores, até podia fazer um pic-nic e não gastava tanta gasosa, não desgastava as autoestradas e não congestionava os cemitérios.
    Arranjavam-se mais uns biscates para uns peditórios, por ex.
    "Ajuda à crise", para além das tradicionais pedinchices que a todos os portões afluem.
    Tenho sempre azar, penso que me confundem com alguém da Segurança Social, ou representante dos banqueiros, que distribuem os dividendos pelos pobres.

    Talvez volte no domingo ... penso que ao fim do dia já não haverá cemitérios abertos e os mortos estarão em sossego.
    Por isso quero ser cremado, com "e", não com "o" ...

    (Tenho que encerrar o "tasco", estou com tanto sono que nem vejo bem as letras ...
    Resquícios do tratamento(???) para as dores de cabeça?)

    Até já e um bom fim de semana.

     
  • At 4:44 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Rafeiro perfumado: podia ser. A ideia era mostrar o poder da reza, de joelhos, como manda o Papa, mas aquele julgamento no Algarve estragou-me os planos. Ele é demais hilariante para não ser referido. Quando começo um post peço aos santinhos para que os portugueses fiquei mansos, que não suceda nada no querido Portugal, mas nunca tenho essa sorte.

    Manuel: é capaz de resultar… para quem o escreveu. Impressão digital de dinheiro? Não me parece que tenha alguma. Costumo ter é a impressão de dinheiro, mas é uma sensação que desaparece logo que meto a mão no bolso.

    Mello: não. A música até gosto. Tem um ar de Evanescence ou Within Temptation. Chato é o loop. Está sempre a tocar quando se passa dos posts para os comentários.

    José Torres: faço votos para que essas dores deixem de incomodar. Pois, hoje é dia dos cemitérios, algum dia lá irei parar. Estive a ler umas coisas sobre enterrados vivos. No Brasil, Freud de Melo construiu um túmulo com ventilação, TV e outras comodidades, na eventualidade disso suceder. Eu metia o link no Inséte mas aquilo está em inglês.

     
  • At 9:20 da tarde, Blogger Armando Rocheteau said…

    Cada vez que cá venho aprendo.
    Abraço

     
  • At 9:22 da tarde, Blogger manuel said…

    A Solange:

    http://esperobemquenao.blogspot.com/2008/10/solange-na-maxmen.html

     
  • At 9:23 da tarde, Blogger Armando Rocheteau said…

    Esqueci-me de dizer que, para te citar, no “escuro todos os gatos são pardos”.

     
  • At 8:03 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Armando: isto começou como um post sobre o poder da reza para curar hemorróidas e conservar virgindade, mas aquela palhaçada sobre agressões de polícias não podia ficar em branco. Como se fosse possível provar isso em tribunal. Só para rir.

    Manuel: essa grande vedeta da SIC vende pratos de berbigão por tudo que é sítio. Faz sucesso no programa Fátima com o Claúdio Ramos (um dos maiores intelectuais portugueses). Boas expressões: ralar coco?

     
  • At 1:56 da tarde, Blogger Inside Me said…

    menino, como eu ja disse antes, aqui parece mais uma enciclopédia, a gente sabe de tudo um pouco. Eu ja assisti ao filme SELENA e macabei de tanto chorar, que fim trágico para uma moça tão linda e talentosa. é o que a inveja faz, falta de Deus na vida dessas pessoas, bjs querido

     
  • At 2:05 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Não vi o filme. Mas foi uma história de cobiça com a Jennifer Lopez, creio.

     
  • At 4:52 da tarde, Blogger o que me vier à real gana said…

    Alô, táxi!

    É bom, muito bom, ter amigos (é melhor não contextualizarmos isto, nem falarmos alto. Corremos o risco de as farmacêuticas se chatearem!).
    ... O Rick das teclas, conheço. É um Mestre... e tocou com o Pastorius (o maior de todos os baixistas, k até começou por ser baterista).
    ... O som do orgão Hammond é um espanto! Os sintetizadores (que, hoje, só com muito boa vontade os podemos tratar por esse nome) e os samplers conseguem algo parecido... parecido!
    Ah, o Keith Emerson era o Emerson dos Emerson, Lake & Palmer!? Esses conheço. Tb os King Krimson (não sei se era esta banda que tinha, como guitarrista, o Robert Frip - será assim k se escreve? -!)... Eh pá, tu sabes disto cumócarago!...Tá, e não só disto!
    ... Quanto à Justiça cá do burgo, abstenho-me. Não fosse algum prof coimbrinha ler o não abonador coment, e depois obrigar-me, só com o intuto de me gozar e chumbar, a ir à oral! LOL

    Abraço

     
  • At 9:59 da tarde, Blogger Lc said…

    Portugal é um sitio maravilhoso para se viver..., ok, pelo menos para alguns, lol

     
  • At 12:41 da manhã, Blogger Carol Garcia said…

    :D

     
  • At 2:49 da manhã, Blogger São said…

    Se aceitar, tem flores para si lá em casa.
    Abraço.

     
  • At 7:42 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Real Gana: ia apenas falar dos grupos menos conhecidos do chamado rock progressivo. Depois decidi passar também por alguns dos mais conhecidos, que estenderá o assunto por alguns posts. E lá virá os King Crimson. Por enquanto, estou a descalçar a bota dos Soft Machine, que me atrasou este post que estou a escrever.

    A violência e métodos da polícia são muito interessantes, mais interessante é serem negados.

     
  • At 7:47 da manhã, Blogger Táxi Pluvioso said…

    lc: Portugal é um bom para viver, depende do sítio, encostado a um partido político, não se está mal.

    Carol Garcia: o Brasil cheio de calor e nós cheios de frio :-]]]]

    São: Flores sempre.

     
  • At 1:19 da tarde, Blogger xistosa - (josé torres) said…

    E o meu inglês anda, quero dizer, deixou de funcionar o tradutor ...

    Não é menosprezo elo local, mas tenho andado um bocado atrapalhado.

    Nem sei se hoje vou ficar internado.
    Querem-me fazer um "by pass", mas ainda se fosse para alternar a cerveja com o vinho ...
    Até já estou a sentir a serra de recortes ... cortando as costelas para me meterem a mão no coração...
    Porra!
    A vida é mesmo assim ... anda-se bem e de repente surge um buraco.
    Tenho uma reunião de alto nível, certamente comigo a dizer "carvalhadas" e não sei ... se eles médicos vão voltar atrás.

    Agora que comprei um pára-quedas e andava a ter lições de voo ... já esbracejava um pouco, para no dia 12 ir a Manchester, onde por acaso ia fazer uns exames médicos que o m/filho marcou.
    Por questões económicas, penso eu, fica mais barato voar na Lufthansa, mas não Porto-Manchester, via Lisboa.
    Pelo preço duma ida, vamos e voltamos dois, pela mesma companhia, via Frankfurt.
    Uma viagem, 600 euros, só ida.
    Duas idas e volta, 832 €
    O mundo estará louco?

    São vagas ... disse-me a simpatiquíssima funcionária ...
    Não sei se de turbulência, se o voo é baixinho e rente ao mar ...

    Andei a verificar mais uns links, não o anel da pureza, que não sei se saiu com gralha e em vez do "t" aparece um "t".
    Minudências.
    Já com a polícia espanhola ... bem, quem for como eu, não deve ter problemas e serão a grande maioria.

    Em discotecas, já me sucedeu, por duas vezes que tive de colocar o m/filho atrás de mim e de cadeira em punho enfrentá-los, berrando que estava só a beber um copo.
    Mas temos que ser rápidos, falar português e espanhol logo de seguida, porque mesmo que seja o "menino jesus", come pela medida grande e depois de tudo "acalmado" é que vamos ver o que se passou.

    Pode ser brutalidade ...

    Mas em muitos locais do nosso país, são presos, os juízes soltam-nos e vão infernizar a vida à polícia ...
    Eu perderia a cabeça ...
    Quem não tem vocação, eu sei o que rezam as crónicas do comportamento humano ...

    Até logo!

    (parece-me que ficou tudo embrulhado

     
  • At 1:38 da tarde, Blogger Táxi Pluvioso said…

    Ó diabo quando o relógio começa a trabalhar mal é grave. E acreditar em médicos é pior que acreditar nos padres. Uma chatice.

    Talvez essa companhia de aviação seja das que poupa em tudo. Na comida, nos pára-quedas, nos sacos para o enjoo etc. Quando aparecer uma que poupe nas asas dos aviões, as viagens ficarão realmente baratas, e será altura de eu viajar.

    Acreditar-se que nas esquadras não cascam, e bem, só quem nunca lá entrou, mas não há razão para gastar dinheiro em juízes e julgamentos. A polícia devia ter o direito de bater em quem lhe aprouver e matar também. Se não, qual é o interesse de ir para uma profissão daquelas. É preciso dar-lhes algumas regalias.

     
  • At 5:36 da tarde, Blogger São said…

    Adorei a sabedoria da resposta do francês!
    Nogueira Pinto e Cadilhe? Que se poderia esperar?
    Igrejas? Vade retro!
    Reparo agora que nestes últimos dias tenho usado muito esta expressão...Espero que não seja grave.
    Felizes dias de repouso.

     

Enviar um comentário

<< Home